“São os desafios que me fazem evoluir”

Anabela Guerreiro é Diretora da filial da Unicordas - Transportes Internacionais e Consultora Imobiliária na Keller Williams. Saiba mais de uma Líder que decidiu seguir um caminho por áreas distintas, “pois a aprendizagem de novas realidades é o que busco nesta fase para mim”, afirma.

819

Por serem áreas distintas é que me aliciou o desafio pois a aprendizagem de novas realidades é o que busco nesta fase para mim. Embora aparentemente diferentes as áreas de atuação há convergência nalguns pontos. Um dos meus objetivos será a medio prazo abarcar na minha atividade imobiliária a área da logística/imobiliário industrial, ligada a minha profissão de raiz.

Quem é Anabela Guerreiro enquanto pessoa e profissional? De que forma é que a junção destas duas “personalidades” têm sido essenciais no seu percurso?
Jurista de formação, Transitário por opção e mais recentemente, Consultora imobiliária por paixão. Nasci em Lisboa e vivi toda a adolescência em Cascais. Estudei no liceu São João do Estoril, pratiquei andebol federada alguns anos e resido em Mafra, concelho que adotei há 20 anos.
Enveredei pela carreira dos Transportes Internacionais há 34 anos. Tempos em que a aprendizagem era feita no dia-a-dia, em que as pessoas trabalhavam com pessoas e em que, para se fechar negócios, era indispensável a interação pessoal com os clientes e demais operadores da cadeia logística.
O mundo dos transitários, tendo uma área de atuação muito abrangente, desde o shipping, transportes rodoviários, ferroviários, aéreos, multimodal, logística integrada, de entre outras, é muito aliciante e dificilmente quem trabalha neste sector se consegue apartar do mesmo levemente.

É a Branch Manager da Unicordas – Transportes Internacionais, mas também assume a posição de consultora da KW Portugal. Explique-nos um pouco estes dois projetos e porquê a aposta nos mesmos?
Sou Diretora da filial da Unicordas, empresa que represento há 30 anos. A Unicordas é o projeto de uma vida e o abraçar agora, também, outra área profissional prende-se somente com desafios pessoais.
O meu propósito de vida é o crescimento, a aprendizagem, o conhecimento e desenvolvimento do potencial humano. São os desafios que me fazem evoluir. Não abandonando o projeto que conduzo há três décadas, muito pelo contrário, considerei que a vida nos coloca desafios e compete-nos aceitá-los se o nosso objetivo é a aprendizagem e progresso.
Assim, agora, é também meu caminho a consultoria imobiliária. Sou consultora imobiliária na Keller Williams, uma empresa americana de renome internacional e presente no mercado desde 1983, e em Portugal desde 2014, tendo rapidamente as ascendido à 3º posição do ranking nacional.
Pegando numa nas premissas desta empresa “o teu negócio cresce na medida em que tu cresceres”. Se me permitir crescer isso ajudará ao crescimento do negócio em que esteja envolvida, seja na Unicordas ou KW
E porquê a Keller Williams? porque é uma empresa que é feita de consultores para consultores e que aposta fortemente na formação. Estou ainda associada à organização BNI (Business Networking International) sempre no intuito de captação de negócio e alargamento da rede de contactos.

Sendo áreas distintas, de que forma é que isso a obriga a promover metodologias e dinâmicas distintas em ambas as áreas?
Por serem áreas distintas é que me aliciou o desafio pois a aprendizagem de novas realidades é o que busco nesta fase para mim. Embora aparentemente diferentes as áreas de atuação há convergência nalguns pontos. Um dos meus objetivos será a médio prazo abarcar na minha atividade imobiliária a área da logística/imobiliário industrial, ligada a minha profissão de raiz.

Que características indicaria como sendo fundamentais para um líder e gestor de pessoas?
Indicaria como características essenciais: a assertividade nas decisões, demonstrar conhecimento do mercado, saber reconhecer o bom desempenho e motivar, reconhecer quando não se sabe e pedir ajuda, assunção da posição de liderança e resiliência.

Liderança no Feminino ou Masculino ou ambas? Acredita que existe alguma diferença no estilo de liderança única e exclusivamente baseada no género?
A liderança no feminino, embora seja consensual que tende a ganhar o espaço merecido, a sua progressão tem sido lenta e ficado aquém do devido. É comummente considerado que as mulheres líderes, continuam a ter de conciliar heroicamente as suas carreiras, a vida familiar e pessoal, sendo forçadas, para vingarem na liderança, a serem duplamente competentes, pela sua capacidade relacionamento interpessoal, facilidade de comunicação.
Persiste a denominada metáfora do “Teto de vidro”, que explica a dificuldade de progressão da mulher na ascensão profissional causada pelas, ainda existentes, barreiras invisíveis. Estas barreiras em mundos ligados mais à indústria, como é o caso dos Transportes de Mercadorias, a liderança da Mulher tende a continuar a sofrer entraves.
Quando iniciei a atividade era comum ver-se a mulher associada a áreas comerciais e de trabalhos ditos administrativos, quando os homens ficariam com o pelouro das demais áreas, sendo os lugares de topo aos mesmos, em regra, reservados. Outro elemento a considerar é a diferença salarial, tendo em conta, o mesmo tipo de funções, em detrimento da mulher face ao homem.
De salientar, o ainda existente estigma de diferenciação de sexos, aquando da contratação pois é tido como fator de escolha a suposta maior disponibilidade do homem em termos de horário.

Que conselho lhe aprazaria deixar a todas as Mulheres e o que podemos continuar a esperar de si no futuro?
Resiliência, aposta contínua em formação e em si mesma. O reconhecimento de mérito deve ser resultado no nosso esforço constante em consolidar carreiras e conhecimentos, e nós devemos ser as primeiras a reconhecê-lo perante nós mesmas. De mim poderão esperar uma busca constante em conhecimento e desafios. Quiçá o que virá de seguida.