“Ata promove campanha para a retoma turística”

A campanha promovida pela Associação de Turismo dos Açores | ATA para a retoma da atividade turística na região já arrancou. Focada nas qualidades naturais do território e na variedade da oferta das várias ilhas (e nas suas paisagens amplas), tem como objetivo atrair atenções para os Açores e promover o destino em Portugal e nos quatro cantos do mundo. A tranquilidade do abundante verde puro e do amplo azul seguro é o primeiro cartão de visita do arquipélago, num momento em que a segurança é a maior preocupação para todos.

145

Qual o objetivo desta campanha?
O grande objetivo é mostrar que os Açores continuam de portas abertas para receber quem procura viver momentos inesquecíveis, de forma segura, em cenários naturais diversificados, mas sempre deslumbrantes. Os tempos são difíceis e especiais, percebemos que há muita coisa que está a mudar, mas as nossas ilhas continuam a preservar o lado orgânico e puro que tanto sucesso faz e que tanto impressiona quer estrangeiros, quer portugueses.

Porque é que os Açores são o destino a escolher este Verão?
Porque precisamos todos de uma pausa (especialmente em tempos tão agitados e incertos) e aqui é possível fazê-la com a tranquilidade que merecemos. Há nove ilhas diferentes, nove universos que podemos descobrir e pelos quais nos podemos apaixonar. Boa comida, carne das nossas pastagens, peixe dos nossos mares, gente que sabe receber como ninguém, atividades ao livre — que é tudo o que precisamos neste momento —, espaço para estarmos em segurança e privacidade com aqueles de que mais gostamos… O que é que podemos pedir mais?

E há espaço para todos.
Sim, isso é garantido. Ao contrário do que acontece em muitos outros destinos por esse mundo fora, nos Açores espaço é algo que não falta, com paisagens amplas, opções de alojamento que permitem individualidade e muitas atividades. Aqui a expressão “ar livre” faz mais sentido do que em qualquer outro lugar. Para além de que é muito fácil deslocarmo-nos entre os vários pontos turísticos, dentro ou fora da mesma ilha, sem termos que passar por muitas confusões ou de lidar com multidões.

Os próprios açorianos têm muito para descobrir.
Esta campanha é também um convite aos açorianos. Como as nove ilhas são tão diferentes, há sempre coisas novas que iremos encontrar, e já estando por cá torna-se muito mais fácil. Para além disso, sendo este ano mais complicado apostar-se em destinos mais longínquos, é perfeitamente possível vivermos ótimos momentos na nossa terra, e ainda por cima ajudarmos os negócios locais que neste momento tanto precisam do nosso incentivo.

Esta chamada de atenção para o “É tempo de Açores” como dizem na campanha, é também uma forma de tentarem ajudar os comerciantes locais e quem tem projetos abertos ao público nas ilhas?
Sim, é um momento difícil para todos, em especial para os que têm negócios, que se veem com uma quebra inimaginável nas suas receitas, devido à diminuição nas chegadas e no fluxo de turistas. Estamos conscientes disso, e queremos muito promover o destino para ajudar todas essas pessoas, e fazer com que possa haver alguma agitação financeira. Sabemos todos que vai ser um ano muito diferente dos anteriores a todos os níveis, mas acreditamos que é possível, aos poucos, irmos sentindo alguma retoma.

Como é que se concilia essa necessidade de ativação económica com a proteção dos açorianos e residentes nas ilhas?
A segurança de todos os açorianos e de quem cá vive é sempre a nossa prioridade. Temos sido um exemplo no controlo do vírus, na manutenção da segurança e no cumprimento de todas as normas e assim queremos continuar. No entanto percebemos a necessidade económico-financeira, e o desejo de se recuperar alguma normalidade. É a vida de muitas pessoas que está em jogo, no que toca à segurança, mas também no que toca aos negócios. Por isso temos que conciliar os dois campos, sempre com bom senso e justiça. O controlo através dos testes de despiste SARS-CoV-2 negativo na chegada ao arquipélago ou efetuado na origem nas 72 horas antes da chegada, é uma das formas encontradas e deverá continuar. E depois é cumprir com todas as normas, uso de máscaras, distância de segurança, extra higienização dos espaços, evitar aglomerados…uma nova normalidade.

Chegou à Associação de Turismo dos Açores recentemente. Qual o seu propósito?
Mais do que um propósito, costumo dizer porque o sinto, que tenho uma missão. Quero que os Açores sejam conhecidos em todo o mundo, pela sua autenticidade, por serem um destino de natureza exuberante, exclusivo, seguro, com muita variedade e qualidade de atividades ao ar livre (terra e mar), onde há espaço para todos, desde os amantes de desportos de natureza, aos apreciadores de arte, a quem procura restaurantes gastronómicos, novos hotéis mais sofisticados, história e património.

O que acha que ainda não se sabe sobre os Açores lá fora?
Há coisas que podemos explorar melhor, especialmente a variedade, os roteiros mais alternativos, a gastronomia e o vinho, o lado mais sofisticado e contemporâneo, sempre aliado às nossas gentes maravilhosas. A cultura e as artes têm vindo a ganhar um grande relevo nas nossas comunidades e é algo a que queremos dar mais destaque também. Temos muitos projetos de restauração e hotelaria recentes, com uma linguagem consonante com aquilo que é feito em muitas outras partes do mundo que só nos valoriza e que queremos continuar a dar a conhecer. Sempre aliado ao nosso lado mais tradicional, que está sempre lá. E acima de tudo, é importante que saibam que os Açores são o ano todo, que não precisam de esperar pela época de Verão para conhecer e explorar os Açores.