Práticas responsáveis na Banca: estudo da Mazars aponta necessidade de integrar fatores ambientais, sociais e de governance

A Mazars, firma internacional de consultoria e auditoria, divulga uma avaliação global sobre o modo como os bancos estão a incorporar a sustentabilidade nas suas práticas comerciais.

330

Os resultados mostram que os critérios ambientais, sociais e de governance (ESG) não são ainda totalmente integrados nas estratégias dos bancos e indicam que práticas bancárias mais responsáveis podem ser alcançadas se os bancos integrarem estes critérios na sua estrutura de gestão de risco e os medirem de forma mais eficaz.

Os resultados apresentados no relatório ‘Responsible banking practices: benchmark study 2020’ revelam que apenas três dos 30 bancos avaliados demonstram as melhores práticas numa ampla gama de fatores de sustentabilidade, com dez bancos a revelarem uma abordagem sustentável em alguns fatores e mais de metade (17) dos bancos a apresentarem uma abordagem sustentável de carácter limitado na maioria dos fatores.

Depois de avaliar bancos como Barclays, BBVA, Citi, Credit Suisse, Santander e UBS, a Mazars não identificou nenhum banco como ‘excecional’ – uma pontuação reservada aos bancos com uma pontuação positiva em mais de 90% dos critérios analisados. Os critérios de referência incluíram cultura organizacional e governance, gestão de risco, processos de monitorização, reporting, targets, entre outros.

O relatório é apresentado num momento em que os bancos se encontram a refletir acerca dos seus propósitos e valores, à medida que novos movimentos sociais pressionam os agentes financeiros a investir não apenas de forma ambientalmente sustentável, mas também socialmente inclusiva.

Leila Kamdem-Fotso, Partner da Mazars, afirma: “A Covid-19 reafirmou o papel positivo que o setor bancário pode desempenhar, trabalhando com governos e reguladores para manter a economia a funcionar. Estes resultados devem relembrar aos bancos que a crise é uma oportunidade para olharem além das prioridades imediatas, reavaliarem os seus objetivos e valores e usarem algumas das melhores práticas descritas no nosso relatório para incorporar realmente fatores ESG na tomada de decisões sobre investimentos para o bem dos negócios, dos seus clientes e da sociedade”.

Virginie Mennesson, Head of Regulatory Affairs da Mazars no Reino Unido, acrescenta que: “Os reguladores esperam que o setor bancário desempenhe um papel fundamental no esforço de recuperação pós-Covid-19. Na Europa, encaram uma recuperação robusta como aquela que promove investimentos “verdes” e sustentáveis a longo-prazo, no sentido de garantir um futuro justo e resiliente para todos. Os resultados deste estudo mostram que alguns bancos estão a liderar o caminho, com a maioria a ter ainda algum trabalho a realizar para incorporar totalmente os fatores ESG nos seus processos de estratégia corporativa, governança e gestão de riscos”.

Os bancos começam a concentrar-se em questões socioeconómicas
O inquérito constata que a maioria dos bancos adotou ou está a implementar padrões voluntários de relato sobre ESG, mas a maioria (57%) ainda não integrou totalmente estes fatores nos seus processos de gestão de risco, fazendo uso de abordagens qualitativas e quantitativas.
Paralelamente, a maioria dos bancos apoiaram estruturas de sustentabilidade e lançaram programas de responsabilidade social, mas a definição e divulgação de metas de sustentabilidade não é ainda uma prática comum. E apesar de todos os bancos avaliados oferecerem produtos ambientalmente responsáveis, apenas 43% desenvolvem uma oferta de produtos que endereça verdadeiramente questões socioeconómicas.

Metas e incentivos
O relatório conclui que a introdução de metas explícitas poderia ajudar os bancos a aumentarem as suas conquistas no que respeita a ESG. Apenas 27% possuem um conjunto específico e mensurável de objetivos socioeconómicos em conformidade com estruturas de sustentabilidade. Por outro lado, apenas 13% dos bancos avaliados praticam incentivos financeiros associados à sustentabilidade para os seus cargos de Direção.

Uma gama mais ampla de compromissos
O relatório cita exemplos recentes de bancos que se encontram a tentar cumprir metas sociais. Por exemplo, o Barclays encontra-se a incorporar considerações acerca de direitos humanos no seu processo de due diligence de clientes. O Citi vai desenvolver um plano de ação ambiental e social como condição de financiamento quando existirem lacunas nos padrões internacionais e nas práticas ambientais e sociais de um cliente. O relatório faz igualmente referência à Goldman Sachs (que não foi um dos bancos avaliados) e que vai passar a aconselhar apenas as empresas em IPOs onde exista um Conselho de Administração diversificado que comprove o esforço realizado nesta área.