Colaboradores e gestores concordam que a COVID-19 transformou a cultura corporativa e a sua relação com o espaço de trabalho

A regulação do teletrabalho e a redefinição e reorganização dos espaços físicos, em conjunto com o aumento das medidas de segurança e higiene, são as principais exigências de colaboradores e gestores perante a situação de incerteza que acompanha o regresso ao trabalho.

273

Assim se refere, no estudo As mudanças do modelo de trabalho em tempos da Covid-19: as pessoas e os espaços, promovido pela ISS Ibéria, empresa líder na integração de serviços gerais. O estudo incide nas transformações que, de forma inevitável, as sedes corporativas e os grandes escritórios estão a vivenciar para continuarem a ser o centro nevrálgico das empresas neste contexto.

Na opinião do grupo de executivos, os espaços físicos de trabalho não irão desaparecer definitivamente, mas haverá sim uma redefinição das suas funções, do seu espaço e da forma em que estavam configuradas no cenário pré-covid. Por isso, tudo parece indicar que um sistema misto, que possa combinar a modalidade à distância e presencial, irá permanecer nas empresas de forma prolongada, contribuindo para uma flexibilidade organizacional que garanta o correto desenvolvimento da atividade, bem como o bem-estar do colaborador.

Por outro lado, cerca de metade dos colaboradores questionados considera que o regresso aos escritórios será permanente. Nesse sentido, 80% considera que para que este regresso seja ideal, serão necessárias a desinfeção periódica e uma maior frequência de limpeza dos pontos de contacto, opinião que também é partilhada pelos gestores.

Para elaborar esta análise, que reúne a opinião de uma base qualificada de profissionais sobre como o workplace se transformou na sequência da pandemia, a ISS contou com a visão de 800 colaboradores, mais de 100 gestores e entrevistas abertas a 18 grandes empresas líderes no seu setor de Portugal e Espanha: Bankia, Borges International Group, CaixaBank, Calidad Pascual, Grupo Catalana Occidente, Cosentino, Fraternidad Muprespa, Grupo Festina, Grupo Ingeteam, Grupo Lar, Grupo Suez, Mirabaud & Cie (Europe) S.A., Nestlé, Novocargo, Sacyr, Sanitas, Universidad a Distancia de Madrid (UDIMA) e EDP. Neste sentido, trata-se de uma investigação mais completa a partir de um universo amplo formado por empresas de elevado nível, assim como da primeira de caráter ibérico.

A implementação massiva do teletrabalho e de novos modelos de organização laboral e, particularmente, a provável continuidade de alguns dos mesmos- obrigou a repensar a função das sedes corporativas, quer do ponto de vista prático -desenho do espaço, distribuição dos profissionais ou serviços oferecidos- quer do ponto de vista conceptual.

Gestores e colaboradores: uma visão complementar

Outra das grandes novidades do estudo reside na transversalidade da sua amostra. Para ter uma visão sobre as necessidades e o futuro dos espaços de trabalho, contou-se a visão partilhada de colaboradores e gestores.

Ambos destacam a crescente relevância que nos próximos meses a digitalização, a formação em gestão de espaços, a organização do trabalho e o modelo de liderança, ou o aconselhamento de empresas especializadas vão ganhar neste âmbito. Todas estas questões, tal como estabelece este estudo, irão marcar o futuro dos ambientes de trabalho.

“Agora, mais do que nunca, é de uma importância vital conhecer dados reais, em primeira mão, de como os colaboradores e gestores compreendem o novo panorama laboral do ambiente empresarial ibérico, que dia a dia está a viver mudanças consideráveis na sua atividade habitual”, refere Javier Urbiola da ISS Ibéria.

Digitalização e higiene, algumas conclusões do estudo

Entre as principais conclusões, o estudo assinado pela ISS destaca o papel determinante que a tecnologia manteve desde o início da pandemia e que irá continuar a exercer durante os próximos meses. Neste sentido, quase 77% dos gestores assinalou que a aceleração do processo de digitalização da empresa, principalmente através de soluções cloud, foi um dos principais pontos positivos dos últimos meses.

Como consequência direta da pandemia, sobressai também a importância que a higiene dos espaços de trabalho adquiriu. 80% dos colaboradores destaca o reforço dos serviços de limpeza, desinfeção e ventilação, assim como os novos que surgiram e que se devem ter em conta no novo paradigma do espaço de trabalho. Um dado que se refuta com os critérios de contratação de terceiros, onde 7 em cada 10 gestores referem os requisitos de segurança e saúde como o principal desafio em todas as empresas.

Presencial vs trabalho à distância ou presencial e trabalho à distância?

Como refere o estudo, uma das grandes consequências da crise gerada pela pandemia foi a generalização do trabalho à distância. Neste sentido, destaca-se que a integração do domicílio como novo espaço de trabalho no novo modelo híbrido entre trabalho remoto e presencial será uma das tendências chave para o futuro próximo do workplace.

No entanto, e apesar de que 80% dos questionados considera que a sua empresa conseguiu adaptar-se com êxito ao ambiente de mudança nos momentos de crise sanitária, a regulamentação do teletrabalho converteu-se na principal exigência dos colaboradores e gestores perante as mudanças recentes de normas. Com o intuito de se tornar numa alternativa real ao modelo de trabalho presencial, ambos os grupos de entrevistados pedem uma maior conciliação, apoio em tecnologia e comunicações durante o teletrabalho, assim como o direito à desconexão na modalidade de trabalho digital.

O futuro do workplace: seguro, presencial e sustentável

A redução presencial de forma simultânea dos colaboradores, as medidas de segurança e higiene, flexibilidade e versatilidade na distribuição do espaço e a incorporação de novos espaços de trabalho presencial descentralizado estabelecem-se como os princípios comuns através dos quais os escritórios do futuro se irão definir.

A pandemia da Covid-19 teve um impacto excecional nas organizações empresariais, obrigando-as a acelerar a adaptação dos seus modelos e estruturas de gestão a um novo cenário dominado pela incerteza. A nova relação entre os colaboradores e os seus postos de trabalho será consolidada a partir da redefinição e reorganização dos escritórios e dos espaços, com o intuito de preservar a segurança e melhorar a confiança de clientes e colaboradores. Assim, o estudo promovido pela ISS propõe uma mudança de paradigma na relação entre pessoas e centros de trabalho, alcançando uma nova dimensão na qual devemos sempre compreendê-la de forma conjunta e simbiótica. Este é o objetivo da ISS Ibéria, e a forma de o fazer é proporcionar um workplace seguro e eficiente. Sob o lema “Places make people, people make places”, a empresa trabalha há diversos anos o Workplace como ferramenta para melhorar o rendimento profissional, com a convicção que através de uma prestação adequada de serviços essenciais e estratégicos, é possível que o espaço de trabalho seja o melhor possível para as pessoas.