A VISÃO DOS JOVENS ADVOGADOS DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ALÉM DO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO

OPINIÃO DE JOSÉ PEDRO BRIOSA E GALA, VICE-PRESIDENTE DA JALP - ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE JOVENS ADVOGADOS DE LÍNGUA PORTUGUESA.

132

Eis que dou por mim a pensar o que é ser jovem? Talvez seja ter sonhos, vontade e tempo para concretizar esses sonhos. Foi assim que nasceu a “JALP – Associação Internacional de Jovens Advogados de Língua Portuguesa”. Tudo começou com o sonho do seu Presidente Francisco Goes Pinheiro de criar uma associação sem fins lucrativos com o propósito da promoção da advocacia e do seu exercício por jovens advogados, nas várias jurisdições da CPLP, e que quando me convidou para embarcar neste sonho, já tinha agregado a VP Márcia Martinho da Rosa, tendo-se revelado ser o sonho de mais um conjunto de jovens advogados de diferentes países lusófonos que todos os dias contribuem de forma voluntária para fazer do sonho uma realidade. Eu sou um deles.
A missão da JALP é a promoção, adequada integração e afirmação profissional dos jovens advogados no contexto da comunidade dos países de língua oficial portuguesa, incentivando a multiculturalidade, ajuda e a partilha de conhecimentos e experiências entre os associados, sempre no estrito respeito e cumprimento dos deveres deontológicos adstritos à condição e prestígio da profissão de advogado. Esta missão não é para ficar bonita no papel, está mesmo a acontecer. Todos os dias constato que aumentam os nossos associados, advogados inscritos junto das várias ordens profissionais ou organismos equiparados há menos de 20 anos, em atividade em diferentes países membros da CPLP, e que partilham de uma identidade comum. A língua portuguesa é um denominador comum e característica transversal aos vários associados da JALP. Promovemos a valorização da língua portuguesa como fator diferenciador num mundo global, e unificador do panorama cultural dos vários países da CPLP e dos associados da JALP. O Português pode tornar-se, cada vez mais, um instrumento de trabalho na advocacia internacional.
Somos jovens advogados e, como tal, conhecemos os desafios que a profissão que escolhemos nos coloca diariamente com a exigência de desenvolver uma atividade que é muito maior que uma atividade económica, pois em paralelo aceitámos deveres ético-sociais e elevadas responsabilidades perante os nossos clientes, perante o funcionamento da justiça e defesa do Estado de Direito, perante a sociedade civil e perante os nossos colegas. Num texto que se dirige sobretudo aos jovens advogados, é inspirador para mim recordar as palavras escritas em português por António Arnaut, em Iniciação à Advocacia, que gostaria de partilhar: “O advogado serve a justiça mais do que o direito, e o direito mais do que a lei. O seu ministério é tão indispensável como o do juiz, e mais amplo do que o dele. O juiz apenas julga. O advogado informa, aconselha, concilia, serve de mediador entre os cidadãos e entre estes e os tribunais. É, por vocação, um agente da convivência cívica e da paz social. É um criador do direito vivo, porque a diversidade dos sentimentos e interesses com que lida diariamente o faz mergulhar na seiva vivificante das relações humanas. É a voz da razão ao serviço da verdade e da justiça.”
Por tudo isto, é bom saber que não estamos sozinhos. É bom saber que, entre outros, os problemas de acesso à profissão, a morosidade do estágio e os encargos financeiros que os jovens advogados se vêm obrigados a suportar são problemas comuns em todas as geografias dentro da CPLP e que quem já passou por isso pode ajudar aqueles que mais precisam de ajuda.
Estamos empenhados na celebração de parcerias com diversas entidades nos vários países membros da CPLP que acreditem na nossa missão e que se identifiquem com os nossos valores, como forma de dar oportunidades aos jovens advogados.
É com este espírito e para os jovens advogados que a JALP desenvolveu um plano de ação assente na realização de eventos regulares de formação, discussão e networking, os quais visam ter projeção nacional e internacional, sendo abertos a associados e não-associados. Inspira-nos a procura constante da capacitação e melhoria técnica e humana dos nossos associados, dotando-os de materiais e conteúdos capazes de aumentar os seus conhecimentos jurídicos e qualidades profissionais.
O caminho é longo e a JALP está a dar os primeiros passos, no entanto, na medida do nosso crescimento acreditamos que juntos poderemos fazer a JALP chegar mais longe e estar presente em todos os países da CPLP.
Sei que não vou ficar na JALP para sempre, mas também sei que a JALP ficará para sempre marcada na minha vida. Tenho muito orgulho de contribuir para a realização deste sonho.