“NA AEGON SANTANDER AS PESSOAS SÃO O FUTURO DA ATIVIDADE E, CONSEQUENTEMENTE, SÃO A PRIORIDADE”

“Na Aegon Santander as pessoas são o futuro da atividade e, consequentemente são a prioridade. Atraindo, desenvolvendo e motivando os melhores talentos, estaremos habilitados a inovar de forma contínua proporcionando excelentes experiências de cliente”. Quem o afirma é Tiago do Couto Venâncio, CEO da Aegon Santander, a propósito de mais uma conquista da marca, desta feita relativamente ao “Índice de Excelência”, onde a Aegon Santander figurou como um dos vencedores da quinta edição desse estudo. Perceba como a Aegon Santander, tem no seu Capital Humano um dos grandes pilares para o sucesso.

418

A Aegon Santander é um dos principais players no seu mercado de atuação, assumindo um cariz inovador, diferenciador e de proximidade com o cliente. De que forma é que a marca tem vindo a pautar a sua dinâmica no mercado em prol da satisfação do cliente?
A orientação para o Cliente tem conduzido a nossa atuação. Isso manifesta-se no desenho das nossas soluções, que respondem a necessidades reais dos Clientes, na qualidade do serviço que prestamos, próximo do Cliente e sempre que possível, capaz de o surpreender, excedendo expectativas. Nesse contexto, não esquecemos a rede comercial do Banco Santander, a quem queremos dar um suporte de qualidade para que as relações criadas com os Clientes sejam duradouras, baseadas na confiança.

Numa era de aposta na Inovação, é incontornável abordar a importância das Novas Tecnologias no domínio do vosso setor de atuação. De que forma é que a Aegon Santander tem vindo a apostar na dinâmica da inovação e tecnologia de vanguarda?
A tecnologia tem aplicação nas várias fases do negócio, desde o conhecimento do Cliente, à contratação e gestão de sinistros, comunicação e integração entre diferentes sistemas, nomeadamente com canais de distribuição e outros parceiros. Temos investido na otimização de processos, automatizando tarefas, que possam traduzir-se em mais eficácia, eficiência e também em serviços que acreditamos sejam valorizados pelo Cliente, sejam eles o acesso à informação, o auto-serviço, na maior rapidez no serviço prestado. Há, no entanto, ainda muito caminho a fazer. Por outro lado, inovação vai além da tecnologia, implica ter uma visão, antecipar tendências e ser-se criativo nas soluções.

Outro ponto inevitável, passa pela pandemia da COVID-19 e que tantas dificuldades tem provocado a todos, obrigando a mudanças e ajustamentos em todos os setores. De que forma é que a marca tem lidado com esta mudança de paradigma provocado pela pandemia e de que forma é que continuam próximos do vosso cliente?
A pandemia criou-nos desafios a todos. Fiquei, no entanto, satisfeito com a rapidez com que toda a equipa se adaptou, se comprometeu e assegurou a continuidade da atividade. Aliás, devo dizer que durante a pandemia fomos mais além, lançámos novos serviços e alargámos as garantias de alguns dos nossos seguros, de forma a melhor responder ao que seriam as necessidades que os nossos Clientes estariam a sentir. Fomos a primeira seguradora a dar cobertura a despesas de tratamento Covid19 no Seguro de Saúde SafeCare e fizemo-lo logo em março de 2020 quando tudo era muito incerto. Neste momento, há mais uma seguradora que alargou as suas coberturas.
Acabámos por nos superar e isso terá sido sentido por Clientes e Equipa. É dessa forma que interpreto o prémio Cinco Estrelas obtido na categoria de seguros bancários, atribuído por Clientes e os resultados obtidos no Índice da Excelência 2020, que reflete o sentimento da Equipa.

Em relação ao “Índice de Excelência” que mede o clima organizacional e desenvolvimento do capital humano, a Aegon Santander figurou como um dos vencedores da quinta edição desse estudo que tem como objetivo identificar e premiar quem mais investe em boas práticas de Recursos Humanos em Portugal. Primeiramente, que importância tem este reconhecimento e esta vitória?
Deixa-me muito orgulhoso, até porque é obtido no contexto difícil da pandemia, com a equipa em teletrabalho o que poderia refletir uma certa distância ou desapego ao projeto. No entanto, o resultado deixa-nos bem posicionados quando comparados com as empresas do setor ou com as empresas com a mesma dimensão.
Na Aegon Santander as pessoas são o futuro da atividade e, consequentemente, são a prioridade. Atraindo, desenvolvendo e motivando os melhores talentos, estaremos habilitados a inovar de forma contínua proporcionando excelentes experiências de cliente.

De que forma é que a marca tem vindo a apostar fortemente no capital humano/recursos humanos e quão vitais têm sido os mesmos na prossecução dos objetivos da marca?
Nos serviços em geral e nos seguros em particular, o fator humano pode fazer a diferença e é uma variável difícil de replicar pelos concorrentes. Podemos replicar um produto, serviço ou abordagem ao Cliente mas o fator humano presente nas interações com o Cliente, parceiros e intra-equipa é um ativo precioso e diferenciador. Estou convicto que os resultados alcançados ao longo dos anos resultam da entrega das pessoas que constituem a Aegon Santander. Somos uma empresa orientada para as pessoas.

Como entidade empregadora e presente no mercado, a Aegon Santander promove uma cultura empresarial justa, transparente e direcionada para o desempenho. Além de os princípios serem vocacionados para o cliente, centram-se de igual forma na valorização dos colaboradores. Quão importante é salvaguardar este trato de excelência para com as pessoas que trabalham na e para com a marca?
Reter talento é um grande desafio. Em Portugal nunca tivemos tantas pessoas tão qualificadas como agora e cujo sonho é conseguirem realizar-se no que fazem, com autonomia e expetativa de um constante desenvolvimento. Conseguir potenciar esse talento, fazendo com que as pessoas se identifiquem com a marca, tenham sentido de pertença, sintam-se bem e com orgulho no que fazem é um dos nossos principais objetivos.

É legítimo afirmar que num momento atípico promovido pela pandemia, este reconhecimento torna-se ainda mais vital? No contexto atual, a boa relação com os colaboradores refletiu-se, de alguma forma, na continuação eficaz da atividade?
Tem ainda mais importância. A pandemia obrigou-nos a arranjar novas formas de nos organizarmos, a sermos criativos nos modelos organizacionais para mantermos o que tínhamos: uma equipa coesa, confiante e com grande proximidade entre as pessoas. Mas o desafio foi claramente superado, com a entrega por parte de todos. Só dessa forma conseguimos manter a atividade, bem como os projetos em curso, lançar novos serviços e dar mais proteção aos nossos Clientes e aos do Banco Santander.

Para finalizar, que desafios estão presentes na marca para o futuro e de que forma é que a mesma continuará a promover produtos e soluções em prol da satisfação do mercado/clientes?
Os desafios são vários, alguns transversais ao setor segurador. O envelhecimento estrutural da população, o crescente grau de exigência dos Clientes, a maior dificuldade em surpreender e exceder as suas expetativas, a mudança que as novas gerações de consumidores podem trazer para o setor são alguns dos desafios que identificamos. Mas continuaremos a orientar o nosso esforço para apresentar soluções adequadas, atuais e capazes de proporcionar uma proteção efetiva para os nossos Clientes e suas famílias.

Que mensagem lhe aprazaria deixar a todos aqueles que diariamente contribuem para que a Aegon Santander continue a figurar no topo e seja valorizada pelos seus clientes?
Simplesmente, que conto com eles, da mesma forma que eles sabem que podem contar comigo!