Cofidis aposta em estratégia inovadora com escritório do futuro

A instituição de crédito pretende oferecer um espaço de vanguarda que reflita a sua cultura e as preocupações dos colaboradores de forma a melhorar o ambiente de trabalho.

176

De um momento para o outro, e devido à situação pandémica em que vivemos desde março de 2020, o teletrabalho passou a ser uma realidade para muitas empresas que nem haviam considerado aplicar esse método. Mesmo que o conceito não seja recente, passou a ser uma medida mandatória para os negócios em que existia essa possibilidade. Para outras empresas que tencionam voltar ao local de trabalho, esta foi uma oportunidade para se repensar a forma como se está no escritório e como os colaboradores podem melhorar a sua produtividade. Esse foi o caso da Cofidis, que adotou uma estratégia em que, ao mudar-se para um novo escritório físico, passou a incluir uma resposta virada para o futuro.

Em março do ano passado, a instituição de crédito apostou em mudar-se para um escritório que contemplasse as novas necessidades dos colaboradores e que estivesse melhor preparado para os novos tempos. Assim, aproveitaram o confinamento para fazer as obras necessárias para agora concluir a mudança para as novas instalações. Após ter sido feita a compra das Natura Towers, os responsáveis pela marca contrataram a JLL para o desenvolvimento de uma workplace strategy. Ou seja, de uma estratégia para melhorar o ambiente de trabalho dos seus funcionários. Trata-se de um estudo que se foca nas pessoas, nos espaços e nas novas formas de trabalhar, onde é feita a criação de um programa estratégico que tornará a empresa mais ágil e flexível, logo melhor preparada para o futuro. Outra das preocupações da Cofidis foi oferecer aos seus colaboradores mais bem-estar e apelar à sustentabilidade ambiental no local de trabalho.

Para avançar com esta estratégia, foi feito um estudo até ao máximo pormenor, liderado pelo arquiteto Caetano de Bragança. O objetivo foi construir uma base estruturada para o futuro dos espaços de trabalho da Cofidis em que esteja englobada uma visão estratégica da empresa, os seus valores e a sua cultura, assim como proporcionar soluções tecnológicas. Para dar a melhor resposta, 800 pessoas entraram no processo cocriativo onde o foco foram as opiniões dos colaboradores.

Para Caetano de Bragança, “ao mudar-se para a sua nova sede, a Cofidis procura ter muito mais que um escritório. A visão da empresa passa por ter um espaço de trabalho de vanguarda que reflita o seu ADN e que tenha um contributo positivo na vida dos colaboradores. O estudo de workplace strategy que desenvolvemos foi crucial para alcançar esse objetivo, pela complexidade de análise e pelo envolvimento de toda a empresa num processo de participação e cocriação. Este tipo de estudo é verdadeiramente único em Portugal e não tenho dúvidas de que será uma ferramenta cada vez mais procurada pelas empresas para conseguirem ter os espaços de trabalho mais ajustados às necessidades das suas equipas e da própria organização, com ganhos claros no bem-estar dos colaboradores e na produtividade coletiva”.

Segundo a Cofidis, esta parceria com a JLL teve o propósito de criar um workplace à medida da estratégia de negócio, com um impacto positivo em todo o ecossistema. Outro ponto fulcral seria que os seus colaboradores se sentissem mais felizes e, por consequência, mais produtivos. A instituição financeira defendeu que “a workplace strategy que está a ser desenhada reflecte já a forma de trabalhar da empresa ao envolver muitas das equipas, promove metodologias inovadoras e a abertura ao exterior, tendo em consideração todo o processo de transformação que se está a viver na Cofidis”.

“Este tipo de estudo é verdadeiramente único em Portugal e não tenho dúvidas de que será uma ferramenta cada vez mais procurada pelas empresas para conseguirem ter os espaços de trabalho mais ajustados às necessidades das suas equipas e da própria organização, com ganhos claros no bem-estar dos colaboradores e na produtividade coletiva”, acrescentou Caetano de Bragança.