“Temos como Prioridade analisar o Setor, as Empresas e a Atividade de cada um dos Nossos Clientes”

A ASCENDUM Máquinas assume um forte compromisso em ser protagonista na liderança dos negócios onde opera, acrescentando o mais elevado grau de riqueza e qualidade, de acordo com o ADN que a define. É sobre esta e outras matérias que Pedro Gaspar, Diretor Comercial da empresa, revela os passos que serão dados no futuro, de forma a potenciar, cada vez mais, o seu valor no mercado.

313

Na perspetiva de Pedro Gaspar, Diretor Comercial da ASCENDUM Máquinas, «ambição» é a palavra que melhor descreve a empresa que integra. Existe, neste seio corporativo, uma vontade incansável em ser líder e vincar a sua posição determinada no mercado onde se insere. “Esta ambição materializa-se com uma forte presença no setor, conhecendo todos os clientes, quer sejam fornecedores, quer sejam parceiros, ao compreender a sua atividade, e acompanhando as associações que o regulam, no caso da rocha ornamental ou da indústria florestal”, inicia o nosso entrevistado.

Certo é, a ASCENDUM Máquinas distribui, comercializa e aluga máquinas e equipamentos industriais para construção e obras públicas, indústria transformadora e extrativa, florestas, reciclagem, entre outros, disponibilizando soluções integradas e serviços pós-venda que apoiam a atividade de todos estes setores. Através da qualidade da sua atuação e da proximidade que cumpre prontamente, a empresa vê hoje o seu estatuto ser reconhecido e dignificado perante o mercado e associações dinamizadoras, como universidades, onde diligencia ter a máxima contiguidade na colaboração de projetos diversos.

Além disso, o que acrescenta valor à empresa é o facto de ter parceiros de referência, como é o caso da Volvo Construction Equipment, uma subsidiária do Grupo Volvo, especialista com mais de 45 anos de experiência na comercialização desta que é uma das marcas líderes de equipamentos para construção e indústria, e onde integram produtos como dumpers articulados, pás carregadoras, escavadoras, equipamentos de demolição, entre outros, ou da marca Metso Outotec, pioneira em tecnologias sustentáveis, com soluções completas e serviços para as indústrias de agregados, processamento de minerais, refinamento de metais e reciclagem, através de grupos móveis ou semi-móveis, ou mesmo instalações fixas de britagem e crivagem.

Posto isto, tendo uma base forte de conhecimento, “temos como prioridade analisar o setor, as empresas e a atividade de cada um dos nossos clientes, para que possamos prestar as soluções que os nossos fabricantes desenvolvem. De forma a colmatar algumas lacunas, na ASCENDUM assumimos ainda a formação dos profissionais como uma missão prioritária para assegurar o profissionalismo, especialização e atenção ao cliente”, garante o Diretor Comercial.

Assim, a formação técnica dos colaboradores da empresa é vista como um investimento e um dos pilares fundamentais para a construção das competências do «saber-fazer», associadas à capacidade de resolução rápida e eficaz dos mais diversos desafios.

O contributo da ASCENDUM para a sustentabilidade

Sendo uma empresa parceira de diversas marcas europeias, a ASCENDUM assume, ainda, um forte compromisso ambiental, o que faz com que tenha adotado diversas medidas a esse respeito, através do controlo dos aspetos ambientais com impactos ambientais mais significativos, nomeadamente a produção de resíduos perigosos e o consumo de recursos naturais e energéticos. A missão é melhorar continuamente a performance ambiental dos serviços prestados.

“No que diz respeito a esta matéria, atualmente temos um Uptime Center que tem várias funcionalidades e cujo objetivo é transversal, quer numa ótica de minimizar tanto quanto possível as paragens dos equipamentos, mas também de monitorizar os mesmos. Esta monitorização permite-nos proativamente atuar a nível da operação, aumentando a produtividade e reduzindo os respetivos custos”, destaca Pedro Gaspar.

I Encontro Nacional do Setor da Pedra Natural

A Assimagra – Associação Portuguesa da Indústria dos Recursos Minerais, organizou o I Encontro Nacional do Setor da Pedra Natural – Stone by Portugal Summit, no passado dia 18 de março, no World of Wine e a ASCENDUM Máquinas foi patrocinadora deste evento. Sobre o mesmo, o nosso entrevistado refere que é “um orgulho sermos convidados a participar em eventos desta natureza, porque faz parte do nosso ADN estarmos presentes e associarmo-nos, neste caso à Assimagra, que é a associação de maior relevo da indústria extrativa em Portugal”.

O cluster da indústria extrativa em Portugal, nomeadamente da pedra natural, tem tido ao longo dos tempos uma importância extremamente relevante. Segundo Pedro Gaspar “a pedra natural, no setor das máquinas, tem vindo a pautar nos últimos dez anos um crescimento constante, o que é notável uma vez que se trata de uma atividade maioritariamente de exportação”, acrescentando ainda que “este facto é algo que nos confere muita confiança no futuro, uma vez que a ASCENDUM está associada a uma indústria que tem tido uma atuação positiva”.

Neste sentido, são inúmeras as mais-valias que a pedra natural acarreta, nomeadamente a de elevar a competitividade do mercado português além-fronteiras, apesar de se tratar de um recurso finito que merece ser respeitado e, sobretudo, preservado.

Um futuro alinhado com a tecnologia

A tecnologia é uma realidade cada vez mais assente em todos os setores de atividade e para a ASCENDUM este caminho já está a ser traçado há algum tempo, sendo que, o passo a seguir é a implementação da automatização das máquinas no nosso mercado.

“Posso dizer que temos em Portugal, desde já, alguns processos em curso, nomeadamente no que concerne à implementação de sistemas autónomos, ou seja, sem a necessidade de operadores, o que vem colmatar a dificuldade que hoje existe em contratar neste campo. Além disso, são soluções totalmente focadas na sustentabilidade, uma vez que se tratam de máquinas elétricas. Estamos, atualmente, a desenvolver uma solução cuja origem, por exemplo do aço, é 100% isento de energias fósseis e com requisitos muito apertados neste sentido. Outra mais-valia é que estas máquinas poderão trabalhar ininterruptamente, o que irá aumentar, e muito, a produtividade. É uma realidade que estamos a estudar e acreditamos que dentro de dois anos já temos estas soluções em Portugal”, confidencia o nosso interlocutor.

Para que tal seja aplicado, há barreiras que terão de ser ultrapassadas, contudo, para Pedro Gaspar, não são desafios transcendentes nem inquietantes. “Há questões legais que precisam de ser analisadas, mas não só. Temos também de verificar detalhadamente, junto dos nossos clientes e das suas instalações, a questão do layout e de que forma o podemos adaptar para receber este tipo de projeto. Há regras que precisam de ser estabelecidas para que não existam colisões entre as nossas máquinas e obstáculos externos”, termina o Diretor Comercial da empresa.

Segue-se, assim, um período crucial na implementação das soluções sustentáveis e de vanguarda que estão, atualmente, a ser desenvolvidas pela ASCENDUM Máquinas.