Três dias de música com o JN North Festival

O JN North Festival decorre entre 26 a 28 de maio, na Alfândega do Porto.

123

O primeiro dia do festival, quinta-feira, será dedicado ao rock nacional, a que o diretor do certame, Jorge Veloso, chamou o “Dia da Brigada Portuguesa”, num alinhamento encabeçado pelos Ornatos Violeta, a celebrarem os 30 anos de existência. No mesmo dia, os Linda Martini sobem ao palco com o novo álbum “Errôr” e o quarteto Paus faz a festa dos dez anos de aniversário e cinco álbuns. A banda de culto portuense Zen também olha para trás e rememora o álbum“The privilege of making the wrong choice”.

Na sexta-feira, o Festival será marcado por uma permutação do mítico festival Tomorrowland para o Douro, do produtor holandês Don Diablo e o alemão Robin Schulz. Neste dia atuam também Capicua, com o álbum “Madrepérola”, além de Domingues, jovem músico cujos singles “Fica” ou “Romance de Cinema” lhe valeram discos de ouro, dupla e quádrupla platina. T-Rex, mistura de rap e R&B, de trap e drill, e a atuação de Cassete Pirata, nascidos em 2016, pela mão de cinco amigos unidos pelo jazz.

No sábado, e último dia, os cabeças de cartaz são os The Jesus and Mary Chain, compostos pelos irmãos Jim Reid e William Reid, agrupamento formado em 1984 e regressado em 2007, após um hiato de oito anos. No repertório trazem o disco mais recente “Damage and joy”. A estes juntam-se The Waterboys, banda fundada por Mike Scott, com ponto alto nos anos 1980 graças a álbuns como “This is the sea” e “Fisherman”s blues”. Depois de uma pausa nos 90, regressaram com nova formação a partir de 2000. Os portuenses GNR, nome maior da pop-rock nacional, assinalam os 40 anos de carreira no encerramento do festival. Keep Razors Sharp engrossam o cartaz com a sua sonoridade entre o neopsicadelismo, o pós-rock, o shoegaze e o indie.

Veja aqui o cartaz completo.