“Queremos que os clientes sintam que a Margão tem de facto qualidade”

A McCormick Portugal marcou presença na XI Convenção Aqui é Fresco, que se realizou nos dias 29 e 30 de maio, no Altice Forum Braga. A este respeito, a Revista Pontos de Vista conversou com Carlos Alves, Sales Field Manager da marca, que nos indicou, entre outros temas, a importância do regresso a esta iniciativa presencial.

196

Em função daquilo que é a parceria da McCormick Portugal com a rede de supermercados Aqui é Fresco, o que é que nos pode transmitir sobre os dois anos de pandemia que passaram? Quão importante é voltar à realidade do contacto presencial?
Sem dúvida que estávamos a precisar deste contacto direto com o público. Estávamos a precisar de sentir os nossos clientes mais próximos. A nossa empresa tem uma visibilidade bastante boa, tem uma liderança de mercado absoluta, mas isso nada diz se não estivermos próximos, se não estivermos juntos de todos esses nossos clientes e amigos. De facto, este tempo em que estivemos afastados fez com que realmente o negócio não perdesse muito, mas podia-se ter ganho muito mais e não se ganhou. Portanto, acho que a pandemia não foi um problema muito grande no que toca a vendas, gerou até oportunidades no nosso caso, mas sinceramente acho que faz falta termos os nossos clientes por perto, para desfrutarmos com eles, quer das coisas boas, quer das coisas más.

Sabemos que a Aqui é Fresco tem vindo a evoluir nos últimos anos, nomeadamente no que diz respeito a esta Convenção. A expetativa é que este facto se mantenha nas próximas edições?
Há um ponto em que a Aqui é Fresco está a chegar e que já é uma vitória muito grande. Se calhar havia muito poucas pessoas a acreditarem que a marca chegasse onde chegou e tivesse a quota de mercado e a projeção que tem atualmente. Mas, sinceramente, acho que ainda tem muito para dar, acho que as pessoas que estão a liderar o projeto, nomeadamente a Carla Esteves, é uma pessoa muito conhecedora do mercado, tem um know-how imenso, é alguém que se entrega muito ao projeto e, sem dúvida que, se não fosse ela, desconfio que mais alguém conseguisse gerir este barco da forma como ela o faz. Não digo que o seu caminho vá a meio, porque penso que irá um pouco mais do que a meio, mas ainda tem muito para crescer.

Em relação à Margão, o que é que podemos esperar nos próximos tempos?
Inovação e manutenção de qualidade. Vamos estar do lado dos consumidores, a ajudá-los a ter uma boa mesa, um excelente prato e um ótimo sabor. Queremos que os clientes sintam que a Margão tem de facto qualidade. É aquilo que eles esperam, quando vão temperar um bife, quando vão fazer uma sopa, seja o que for, esperamos que se lembrem da Margão pela sua qualidade.

Tendo origem americana, como tem vindo a ser a integração da marca no mercado português?
Nós temos muita autonomia. A empresa dá muita liberdade às regiões e dá realmente espaço à Direção portuguesa para que consiga espraiar ao máximo as suas capacidades. É uma marca que deixa trabalhar, que aposta nas pessoas, que aposta muito na formação e no desenvolvimento humano e de facto é uma empresa que eu tenho muito orgulho e muito prazer em trabalhar, porque trabalharmos numa empresa que consegue transportar este nível de qualidade para o consumidor deixa-me muito agradado e muito feliz.

Para terminar, o que é que os clientes podem fazer pela marca e, inversamente, o que é que a marca pode fazer pelos mesmos?
A única coisa que espero por parte dos clientes é que continuem a comprar e a consumir Margão e que desfrutem de todos os sabores que a marca tem – são milhares de sabores diferentes -, e que acreditem, porque nós vamos estar sempre do lado deles a transportar a qualidade aos seus pratos.

Curiosidade

Os Segredos da Margão foram premiados em 2006 com o prémio “Produto do Ano”, na categoria de condimentos e temperos. Em 12/07/2006 a empresa altera o nome e passa de Ducros-Margão para McCormick Portugal, mantendo o seu bem mais precioso, a marca Margão.
Desde esta data têm sido lançados novos produtos com embalagens inovadoras e de forma a corresponder ao gosto e sabores preferidos dos portugueses.
Hoje, a Margão continua a ser a principal marca de especiarias em Portugal. É líder incontestável no seu segmento.