Implicações da expansão do anticiclone dos Açores para Portugal e Espanha

Foi realizado um estudo científico que concluiu que o anticiclone dos Açores tem ocupado uma área cada vez mais extensa.

Data:

O crescimento deste anticiclone está a tornar os invernos do Mediterrâneo Ocidental, incluindo a Península Ibérica, mais secos, revela um estudo que analisou dados meteorológicos que remetem a 1850.

Os investigadores puderam concluir que, desde o ano de 1850, os invernos onde o anticiclone foi maior, resultaram numa época com menos chuva, particularmente em Portugal e Espanha. O mesmo é um grande centro de altas pressões atmosféricas que influencia o clima da várias regiões do Norte de África, Europa Ocidental e Américas. Situa-se no Oceano Atlântico, perto do arquipélago dos Açores, forma com a Depressão da Islândia, o que, no seu todo, resulta numa grande área do oceano e que acaba por moldar as condições meteorológicas. Estes dois fenómenos formam os pólos opostos da chamada Oscilação do Atlântico Norte (NAO). Já no verão, ambos crescem e andam mais a norte, cortando a humidade. Daí o ambiente seco, estável e quente. No inverno, o anticiclone dos Açores encolhe antes da depressão da Islândia. E é isto que tem vindo a alterar-se.

De acordo com os investigadores do estudo, o anticiclone está a expandir-se muito além dos seus limites habituais e com uma frequência cada vez maior. O mesmo indica que, no século XX, ocorreram 15 eventos extremos em que o anticiclone dos Açores foi até 50% maior. Em comparação, nos 1100 anos antes, a média por século era de nove. Tendo-se acelerado ainda mais nos invernos das últimas décadas. Segundo Caroline Ummenhofer, autora principal do estudo, “o nosso estudo incidiu especificamente nos meses de inverno, uma vez que é a principal estação em que a Península Ibérica recebe a maior parte das suas chuvas. As mudanças no tamanho e posição das altas pressões dos Açores durante esses meses têm um grande impacto no transporte de humidade desde o Atlântico, direcionando o sistema de chuva”.

Os cientistas utilizaram diversos modelos climáticos para estimar os invernos em que as altas pressões atmosféricas ultrapassaram o limite. Esses modelos foram ajustados a dados de estações meteorológicas espalhadas pela região – os de Lisboa e dos Açores, por exemplo, remontam a 1850. Recorreram, também, a informações climatéricas mais indiretas, como as estalagmites de um gruta portuguesa, que conservam informações muito mais antigas no que diz respeito à precipitação. “As nossas análises mostram que os invernos com um anticiclone especialmente grande dos Açores coincidem com condições invulgarmente secas na Península Ibérica durante o inverno”, confidenciou Caroline Ummenhofer. Acrescentando que, “as frentes de tempestade do Atlântico Norte estão a fortalecer-se mais a norte, com a Noruega e o norte das ilhas britânicas a terem condições anormalmente húmidas”.

Os autores do estudo são da opinião de que a industrialização, ou seja, a mão humana, pode explicar este fenómeno de expansão do anticiclone. Nos últimos anos, a Península Ibérica foi atingida por várias ondas de calor e secas. Em maio, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera avisou que 97% do território estava em situação de seca severa.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 116

Popular

Mais Artigos deste tipo

Xiaomi conta com novos acessórios para viagens de trotinete mais seguras e confortáveis

Para garantir uma condução segura e precisa, as Xiaomi...

Braga no top 3 das cidades finalistas candidatas a Capital Europeia da Democracia

Braga é uma das três cidades finalistas candidatas a...

Cerveira: Mercado de Natal promete atividades e animação para todas as idades

Serão cinco dias repletos de atividades e animação para...