“Em Moçambique primamos por oferecer aos nossos Clientes o melhor que temos”

“O potencial geopolítico da CPLP enquanto plataforma económica é grande”, afirma Ricardo Coelho, Country Manager da PKF Moçambique - Auditores e Consultores, que, em entrevista à Revista Pontos de Vista, abordou esta dinâmica e como é necessário continuar a promover a competitividade, principalmente no que concerne ao tecido empresarial, acrescentando valor e credibilidade às operações económicas desenvolvidas por cada ator, assegurando que se pode contar com a PKF, pois a mesma está presente em seis dos nove países pertencentes à CPLP e por isso terá um papel ativo no apoio e suporte às empresas e governos neste caminho.

125

A PKF Moçambique – Auditores e Consultores é uma firma membro da rede PFK International Limited, que fornece serviços de auditoria, contabilidade e consultoria empresarial. Estando em Maputo desde 2007, de que forma esta firma tem partilhado recursos, conhecimentos e competências com as restantes desta rede reconhecida em inúmeros países?
A PKF é uma rede global de firmas com mais de 220 membros operando sob uma única marca em 150 países e cinco continentes. Uma rede ambiciosa e focada no futuro, que atualmente está no TOP 15 das principais empresas de consultoria e auditoria a nível mundial e que atua em uníssono, compartilhando ideias, conhecimento e recursos especializados. Isto significa que, quando é necessário agregar expertise internacional a trabalhos locais, que pela sua complexidade assim o exigem, as equipas são constituídas por colaboradores de diversas firmas, por forma a que seja possível servir o cliente – rigth people, rigth size, right solutions!
A PKF está em Moçambique há mais de 15 anos e tem vindo ao longo do tempo a fazer vários trabalhos em articulação com outras firmas membro, sobretudo por via da nossa ligação à PKF Portugal. Temos escritórios em Lisboa e no Porto (Portugal continental), Funchal (Ilha da Madeira), Luanda (Angola), Maputo (Moçambique), Sal (Cabo Verde) e São Tomé e Príncipe (São Tomé). Nos últimos dois anos estreitou relacionamento com as firmas de Joanesburgo, Durban, Cape Town e de Londres, com quem temos executados trabalhos de auditoria quer a empresas internacionais, quer a ONG’s e instituições públicas que são financiadas pela União Europeia e/ou Agências de Cooperação Internacionais.

Certo é, todas as firmas têm um denominador comum: a paixão pela qualidade. De que forma, através da astúcia que define a marca PKF Moçambique, se tem destacado no seu mercado?
Sem dúvida que a qualidade está subjacente a todos os trabalhos que a PKF faz em qualquer latitude do planeta. Em Moçambique primamos por oferecer aos nossos clientes o melhor que temos! Mas, isso por si só não chega. É preciso, em primeiro lugar, perceber o contexto do país, entender a sua cultura e o modus-operandi. Sem isso apenas seríamos mais uma empresa de consultoria e auditoria. Não queremos ser mais uma, mas sim trazer algo novo. Estabelecer uma relação de proximidade com cada cliente é a pedra de toque! Ou seja, estarmos verdadeiramente presentes, viver em Moçambique e respirar o mesmo ar que os nossos clientes. Só assim é possível alcançar “Trust”. Diria que, por vezes é necessário abandonar algum do conservadorismo que caracteriza as firmas de consultadoria e auditoria internacionais, e adotar uma linguagem e forma de estar um pouco diferente. Apostar em recursos humanos locais, capacitá-los dando-lhes competências para que possam crescer profissionalmente e ganharem compromisso.

Recordando os marcos institucionais estabelecidos ao longo do tempo pela CPLP, observa-se uma evolução significativa da cooperação neste espaço, onde se procura interligar todos os atores e todas as áreas setoriais que foram sendo fortalecidas até então. Como analisa o crescimento e a importância da auditoria e consultoria no domínio da CPLP?
O potencial geopolítico da CPLP (integra nove países e 32 estados observadores associados) enquanto plataforma económica é grande. Em conjunto, os Estados-Membros da CPLP representam 8% da superfície continental do planeta, mais de 50% recursos energéticos descobertos desde o início deste seculo, o 4.º lugar da produção mundial de petróleo e uma vasta plataforma continental com recursos marinhos e minerais, com 14% das reservas mundiais de água doce. O desafio da cooperação é grande, tendo em conta a pertença dos Estados-Membros a regiões distintas, em processos de integração económica. Mas como se percebe, apesar da descontinuidade territorial, o sucesso pode gerar um retorno significativo.
No último ano, por via das minhas funções como Conselheiro da Camara de Comércio de Moçambique para a CPLP, pude testemunhar o esforço que os vários Estados-Membros fazem no sentido concertar as suas prioridades a nível económico, nomeadamente quanto à promoção de um quadro favorável aos negócios, ao investimento e às exportações.
O tecido empresarial necessita de reforçar a sua competitividade. As empresas precisam de adotar práticas de boa governança, que permitam uma gestão eficiente, eficaz e transparente dos recursos e sem dúvida que neste processo as firmas de consultoria e auditoria desempenham um papel importante mostrando-se como o “parceiro” certo a esse nível, acrescentando valor e credibilidade às operações económicas desenvolvidas por cada ator.

Neste processo de evolução, a CPLP tem olhado para a cooperação económica e empresarial como o objetivo geral. Neste sentido, em que medida o setor onde a PKF Moçambique se insere tem vindo a ser fundamental no aconselhamento de negócios, da gestão e da promoção de valias para as organizações que procuram a firma?
Na nova visão estratégica da CPLP, o reforço da atuação da Comunidade na cooperação económica e empresarial é considerado uma prioridade. Num contexto económico atual, caracterizado por uma grande volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade, as exigências de competir no mercado global são enormes uma vez que o tecido empresarial é sobretudo composto por micro, pequenas e médias empresas. Por isso é necessário apostar na capacitação e a formação, promover a melhoria do ambiente de negócios, facilitar o acesso ao financiamento e apoiar a internacionalização. As empresas que nos procuram pretendem apoio nesse trajeto e sabem que encontram nas empresas do nosso setor a experiência e a competência para as ajudar a alcançar os seus objetivos. Esse tem sido o trabalho da PKF Moçambique ao longo dos anos, apoiar o futuro dos nossos clientes. O futuro do seu negócio!

Atualmente, devido à crescente evolução do mercado empresarial, o setor da auditoria e consultoria tem sofrido diversas alterações que contribuem para a sua melhoria contínua e tornam possível o apoio a outras empresas. Assim, quão legítimo é afirmar que, e face ao crescimento do setor, o mesmo é um pilar para que as empresas possam singrar em mercados díspares e complexos no universo da CPLP? Quais os motivos?
Com a crescente evolução dos mercados, o ritmo de transformação dos negócios tornou-se cada vez mais intenso. Empresas e investidores precisam ter acesso rápido e eficiente a informações seguras, confiáveis e que apoiem sua estratégia. Como tal as empresas de consultoria e auditoria foram chamadas a reinventarem-se na mesma proporção, acompanhado as necessidades dos seus clientes. Alguns buscam orientação e experiência para mapear estratégias futuras e cenários de negócios, outros precisam de conhecimento estratégico para reestruturar suas operações. Por essa via, a procura de serviços de consultoria de qualidade, que engloba serviços de contabilidade, auditoria, finanças corporativas e tributação, cresceu no seio da CPLP.

A internacionalização das empresas, a proteção mútua de investimentos e o incremento das trocas comerciais são alguns dos desafios identificados na CPLP no curto-prazo. Quais diria que serão os melhores caminhos a tomar para que estes desafios, em uníssono, se possam ultrapassar com sucesso? Neste processo, que papel a PKF Moçambique irá assumir?
Os Estados-Membros devem, antes de mais, apoiar-se mutuamente e criar instrumentos que reforcem a capacidade produtiva, a formação dos recursos humanos e promovam as trocas comerciais e a captação de investimento. Existem algumas medidas que podem ser adotadas e que apenas dependem da vontade política para o fazer como por exemplo, desenvolvimento de parcerias de complementaridade com vista a potenciar a produção e reforçar a oferta nos respetivos mercados; criar zonas francas onde seja possível; mitigar a dupla tributação internacional reduzindo desse modo os custos fiscais do investimento e por conseguinte estimular a internacionalização; promover o combate à fraude e evasão fiscal, criando condições de concorrência entre as empresas.
Do lado do financiamento veria como muito bons olhos a criação de linhas de financiamento específicas para fomentar o comércio, as exportações e internacionalização; a criação de fundos de capital de risco; a mobilização de fundos para projetos estruturantes através de parcerias público-privadas e criação de instrumentos específicos, para dar resposta às dificuldades as micro, pequenas e médias empresas no acesso ao financiamento.
A PKF está presente em seis dos nove países pertencentes à CPLP e por isso terá um papel ativo no apoio e suporte às empresas e governos neste caminho.

Para terminar, quais os próximos passos a dar pela PKF Moçambique, para continuar na vanguarda das suas soluções de auditoria e consultoria de alta qualidade?
A palavra-chave é inovação! Da mesma forma que os seus clientes, as empresas de contabilidade e auditoria necessitam de avaliar a forma como a transformação digital poderá alterar a sua abordagem ao negócio. O uso da automação ajuda a processar mais dados de forma mais rápidas e a libertar contabilistas e auditores para tarefas que geram valor acrescentado para os seus clientes. Pese ainda exista uma quantidade significativa de transações económicas suportadas por documentos manuscritos em Moçambique que dificultam a automação, as tarefas de classificação e registo manual de documentos deverão ser abandonadas gradualmente e substituídas pela digitalização de documentos, reconhecimento eletrónico e lançamento automático, libertando-se assim tempo para tarefas de análise do negócio do cliente e a produção de reporting de grande qualidade, o qual será disponibilizado ao cliente na sua área do nosso portal para download, o que poderá inclusivamente ser através feito através do seu smartphone. Na área de auditoria estamos também empenhados em investir em ferramentas automação de processos para que possamos focar a atenção na identificação dos riscos, permitindo agilidade e qualidade nas informações que fornecemos aos nossos clientes.