Os desafios da mobilidade na Área Metropolitana do Porto

Ana Paula Vitorino defende “mobilidade mais ecológica como prioridade para crescer e aposta num sistema multimodal eficiente e interligado”.

Data:

A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), presidida por Ana Paula Vitorino, realizou no dia 14 de setembro a conferência sobre “Os Desafios da Mobilidade na Área Metropolitana do Porto”, no âmbito do Ciclo de Conferências da AMT.

Depois da conferência – “Regulação e mobilidade: Que Futuro?” – que teve lugar em dezembro de 2021, a AMT abriu um novo espaço de discussão sobre os desafios da mobilidade nas áreas metropolitanas, em parceria com os Municípios de Lisboa e do Porto, para discussão conjunta destes temas, de forma a informar os cidadãos, fundamentar cientistas e profissionais, contribuindo para a ação da AMT na prestação de um melhor serviço à sociedade, bem como para um desenvolvimento verdadeiramente sustentável.

No Porto, Ana Paula Vitorino abriu o encontro com uma nota de boas-vindas e uma visão sobre a mobilidade. Para a Presidente do Conselho de Administração da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes: “A mobilidade encontra-se em profunda mutação, impulsionada pela conjugação de diversos fatores, sendo determinante a prossecução dos objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, da Organização das Nações Unidas, bem como da Estratégia de Mobilidade Sustentável e Inteligente e do Pacto Ecológico Europeu, da União Europeia. Tornar a mobilidade mais ecológica deve constituir a nova prioridade que permita a este mercado crescer, apostando num sistema multimodal eficiente e interligado, com redes otimizadas, devidamente suportadas em infraestruturas de abastecimento com emissões nulas ou muito reduzidas. Segundo a responsável, “considerando as exigências, metas e compromissos assumidos por Portugal, no contexto internacional e europeu, é imperativo pensar na redefinição e redesenho das políticas públicas, designadamente no universo do transporte público de passageiros”.

Ana Paula Vitorino, realçou que, “a conferência de hoje é uma ocasião incontornável para conhecer melhor a perspetiva e o papel da cidade do Porto e dos Municípios da Área Metropolitana na promoção da acessibilidade e coesão social, nos incentivos à utilização dos serviços de mobilidade e as respetivas políticas de combate às alterações climáticas e de transformação digital”.

A Presidente da AMT salientou que a visão da Área Metropolitana do Porto quanto à organização regional e a integração de redes de vários modos e os respetivos contributos para aumento da eficiência do sistema, num contexto de descarbonização, é “indispensável”, acrescentando que “o objetivo último da multimodalidade é potenciar as vantagens dos diferentes modos de transportes, sem descontinuidades, e oferecer soluções de transporte mais eficientes para pessoas e bens, tendo em conta as alterações de padrões de deslocação e as possibilidades oferecidas pelos serviços de mobilidade partilhada e colaborativa, em zonas urbanas, mas também na sua relação com os serviços de amplitude regional, nacional e internacional”.

Segundo Ana Paula Vitorino, “o regulador tem um compromisso para com a sociedade civil e a sua missão não deve ser exercida de forma isolada, mas sim em interação permanente, enquanto organização que aprende, antecipando uma multiplicidade de futuros possíveis. Apenas esta interação pode criar conhecimento e alavancar um crescimento verdadeiramente sustentável”.

A presidente da AMT concluiu, assinalando que “as diferentes atividades que constituem o ecossistema da mobilidade têm de ser reinventadas e o seu financiamento também. É este o desafio que se coloca. Descobrir neste processo de transição oportunidades que gerem desenvolvimento económico e simultaneamente contribuam para melhorar a qualidade e atratividade dos sistemas de transportes, aumentando a sua sustentabilidade social, ambiental e económica e contribuindo para a qualidade de vida dos cidadãos. A AMT está a desenvolver um estudo sobre Obrigações de Serviço Público (OSP) mais verdes, que vão ao encontro da perspetiva do Green Deal da União Europeia. Este estudo também se debruça sobre o financiamento dessas OSP pois maior exigência implica maior custo. No final do dia, resta saber como fazer e como financiar. E é também para dar resposta a isso que aqui estamos”.

A sessão de abertura contou ainda com as presenças do presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira; Sérgio Humberto, vice-presidente da Área Metropolitana do Porto; e Jorge Delgado, Secretário de Estado da Mobilidade.

A Conferência foi composta por quatro painéis, o primeiro, intitulado “Incentivos à utilização de transportes públicos e à promoção da acessibilidade, proximidade e coesão social e urbana” abordou os sistemas de mobilidade das cidades e incentivos à sua utilização, bem como o contributo das políticas urbanas para o combate às alterações climáticas e para a transição digital e ecológica.

Nesta sessão, estiveram presentes, como oradores, Pedro Baganha, vereador da Câmara Municipal do Porto; António Perez Babo, professor da FEUP; e João Marrana, presidente da Metro-Mondego S.A.

No segundo, sobre “O planeamento e a organização regional da mobilidade e o seu contributo para a descarbonização” abordou-se a organização regional e a integração de redes de vários modos nas áreas metropolitanas, bem como o respetivo contributo para aumento da eficiência do sistema, num contexto de descarbonização. Como oradores, marcaram presença, Tiago Braga, presidente da Metro do Porto; Álvaro Costa, consultor da área dos transportes e mobilidade e investigador da Universidade do Porto; e Avelino Oliveira, professor no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) da Universidade de Lisboa e antigo secretário da Comissão Executiva da AMP.

No terceiro painel, tendo por tema “O financiamento da transição ambiental”, discutiu-se de que forma os serviços de interesse económico geral, que têm subjacentes a definição de obrigações de serviço público (OSP), devem ser financiados. A transição ambiental e os desafios da descarbonização implicam OSP cada vez mais exigentes (OSP Verdes) que exigem reflexão sobre as respetivas fontes de financiamento, públicas e privadas. Este painel contou com a presença de Alexandra Carvalho, diretora do Fundo Ambiental; José Gomes Mendes, professor da Universidade do Minho e antigo Secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade; e Carlos Alves, vice-presidente da SEDES – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social.

O quarto painel abordou “O conceito de Smart Cities e o impulso para a transição digital”, o que implica a simplificação de procedimentos no contexto dos desafios colocados por plataformas digitais e pela gestão de um volume impressionante de dados e informação relativos a múltiplas atividades urbanas, essenciais para o bom funcionamento das cidades inteligentes. Estiveram presentes Ana Marques, coordenadora do Pilar 3 do Plano de Ação para a Transição Digital – Estrutura de Missão Portugal Digital; Manuel Paulo Teixeira, administrador da TIP – Transportes Intermodais do Porto; e Pedro Gaspar, Diretor do “Future Business Technology, do CEiiA – Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 129

Popular

Mais Artigos deste tipo

Cinemas portugueses com o melhor mês de março em receitas desde 2018

No entanto, o número de espectadores necessário para chegar...

Consignação do IRS fica mais simples com o “Ser Solidário” do MB WAY

Todos os anos, milhões de contribuintes em todo o...

APCC distingue os melhores profissionais da Indústria de Contact Centers

Estes prémios de caráter anual, organizados pela APCC (Associação...