O futuro das estratégias de prevenção do vírus Sincicial Respiratório estará em debate no dia 15 de novembro

Iniciativa do Expresso em parceria com a Sanofi acontece no dia 15 de novembro, a partir das 14h30. Poderá assistir à primeira parte do evento ‘Futuro da Prevenção contra o RSV’, através do Facebook do Expresso.

151

“Futuro da Prevenção contra o RSV” é o nome do evento promovido pelo Seminário Expresso, em colaboração com a Sanofi, “para debater as atuais e futuras estratégias de prevenção do Vírus Sincicial Respiratório” (RSV), tal como anunciou essa última entidade, em comunicado de imprensa.

A iniciativa decorrerá no próximo dia 15 de novembro, pelas 14 horas e 30 minutos e vai contar com a presença de importantes “stakeholders da área da pediatria em Portugal, assim como representantes das políticas de saúde a nível nacional e regional”, lê-se na nota partilhada.

Este debate será dividido em duas partes. A primeira decorrerá em formato público, com transmissão em direto na página de Facebook do Expresso, onde será discutida “a problemática das infeções por RSV”. Já a segunda tem acesso fechado e “abordará o impacto nacional do RSV, as novas estratégias de prevenção e a gestão nacional para a proteção de todas as crianças nesta conferência que conta com a participação de profissionais de saúde que lidam diariamente com esta problemática, assim como representantes das entidades públicas de saúde em Portugal”, explicou a promotora Sanofi.

“O RSV é um fator relevante de internamentos de crianças em Portugal. As crianças estão em maior risco de hospitalização durante o primeiro ano de vida, sendo a maioria saudável. Contudo, as atuais estratégias de prevenção estão focadas em crianças com riscos específicos e não na prevenção do RSV em todos os bebés até um ano de idade. Nesse sentido, é importante sensibilizar e debater as novas estratégias de prevenção que permitam a todas as crianças e pais viveram esta fase de forma plena e sem sobressaltos que afetam toda a família e que implicam uma sobrecarga nas hospitalizações e elevados custos para o Sistema Nacional de Saúde”, sublinhou Helena Freitas, Diretora-Geral da Sanofi Portugal, no comunicado.