“As Casas precisam de expressar Vida e de fazer sentido para os seus ocupantes”

A Casa dos Paquetes e a Casa do Ferrador, ambas situadas em Terrugem, Elvas, são dois projetos que impulsionam a marca JDF_GLOBAL no mercado do turismo em Portugal e consolidam a experiência que é viver o Alentejo e todas as suas tradições. José Duarte Ferreira, CEO da empresa, contou à Revista Pontos de Vista a história do negócio até ao momento, de que forma o mesmo se destaca neste meio e ainda os objetivos que se pretendem alcançar no futuro.

228

A JDF_GLOBAL tem, na sua génese, diversas atividades, nomeadamente a vertente do turismo no Alentejo. Qual é a importância genealógica da Casa dos Paquetes e da Casa do Ferrador? Em que medida o investimento inicial de ambas as instalações foi orientado para as experiências dos hóspedes e, hoje, que outros investimentos estão em curso?

Integrámos no ano 2013 a atividade de turismo, no nosso portefólio de atividades, segundo um modelo de aluguer de casa completa sem partilha de espaços com outros clientes, por pura casualidade dado que se tratava de uma atividade afastada no nosso core business.

Trata-se de um projeto genealógico que nasceu da ideia de rentabilizar um imóvel tradicional (Casa dos Paquetes) sito em Terrugem Elvas, de extremo valor sentimental, dado que tinha pertencido aos bisavôs de Alexandra Velez, esposa de José Duarte Ferreira.

Todo o projeto de restauro da Casa dos Paquetes e posteriormente da Casa do Ferrador teve dois pilares orientadores. O primeiro adaptar os diferentes espaços interiores e exteriores com o fim de proporcionar ao Cliente o máximo de conforto assim como diferentes experiências em cenário de lazer. O segundo manter o máximo possível da arquitetura tradicional alentejana, com a manutenção das chaminés, da lareira de chão e com o piso em lajeta negra, as paredes em pedra e tijoleira e o telhado com estrutura em madeira e telha.

A Casa do Ferrador foi um investimento necessário dado que permite, enquanto segunda unidade, ser alugada individualmente ou em complemento à Casa dos Paquetes, passando a lotação para seis adultos, sendo neste cenário a ligação entre as duas unidades, através dos jardins.

Ao longo do tempo temos vindo a desenvolver projetos de melhoria contínua de forma a proporcionar ambientes mais acolhedores aos nossos hóspedes. Este ano apostámos na construção uma nova piscina de dez metros de comprimento por quatro de largura, assim como na área da decoração dos espaços interiores e exteriores.

Temos consciência que o hóspede é cada vez mais exigente e procura qualidade e, como tal, temos que inovar e ir de encontro às suas necessidades, se queremos crescer nesse negócio.

No contexto do turismo da JDF_GLOBAL, o período de pandemia apresentou um índice de crescimento significativo. Considera que um dos principais motivos é por estes espaços abrangerem um elevado nível de privacidade? Quão importante é o processo de fidelização destes clientes?

A pandemia veio trazer uma necessidade crescente de privacidade aleada às boas experiências que a casa oferece, quer seja de interior ou exterior.

O espaço privilegia o convívio familiar ou de grupo de amigos, não só pelas características da casa como também pela sua privacidade, como é o caso da piscina exclusiva. As casas totalmente equipadas proporcionam todo um ambiente agradável em que o hóspede se sente identificado com a mesma, e como tal, pretende voltar. Essa fidelização é importante para nós, pois sentimos que estamos no caminho certo em termos de satisfação de expetativas de quem nos visita.

A arquitetura tradicional do Alentejo já é, por si, um verdadeiro ponto de interesse. Seja na Casa dos Paquetes, seja na Casa do Ferrador, como nos pode descrever a sua decoração cuidada e os seus equipamentos de qualidade?

Entendemos que é fundamental oferecer ambientes organizados e otimizados para o bem-estar dos seus clientes. Procurámos materiais que se integrassem bem com os originais e um lote completo de equipamentos de qualidade, que não desvirtuando a traça original Alentejana, permitam criar uma decoração com identidade própria. As casas precisam de expressar vida e de fazer sentido para os seus ocupantes. Os espaços exteriores e interiores tais como o jardim a zona da piscina e de refeições exteriores proporcionam experiências e diferentes sensações de conforto e lazer. O ambiente interior oferece um conjunto de comodidades, nomeadamente quartos e salas climatizados, wi-fi, tv com tecnologia recente, entre outros, que faz com que o hóspede sinta um prolongamento da sua casa, e daí o nosso lema “a sua casa no coração do Alentejo”.

A gastronomia local, a envolvência da aldeia no dia a dia dos hóspedes, os passeios e a paisagem, os monumentos e o comércio local são alguns dos muitos motivos que impulsionam as mais-valias deste turismo? De que forma, este conjunto de elementos, destacam e diferenciam a Casa dos Paquetes e a Casa do Ferrador?

A Terrugem é uma aldeia situada no Concelho de Elvas, distrito de Portalegre. Está a cerca de 190 kms e 1h50m de Lisboa, maioritariamente por autoestrada. Esta típica aldeia Alentejana tem como base económica, tanto a agricultura de sequeiro como a indústria de curtumes, sendo esta última atividade, uma fonte empregadora bastante significativa. A Terrugem fica localizada próxima de Elvas, cidade com as suas fortificações, tendo sido classificada pela UNESCO como património mundial, oferecendo um leque de bens culturais dignos de serem visitados. O comércio local da Terrugem é uma vertente bastante importante e que permite ao hóspede usufruir de toda a qualidade dos produtos gastronómicos da zona. Poderá optar pelos restaurantes locais ou por preparar as suas próprias refeições em casa desgostando as delícias Alentejanas enquanto disfruta a natureza. Terra de gente simpática e hospitaleira faz com que os visitantes se sintam bem e criem laços com a população local e as suas tradições.

Num mundo em constante evolução, qual diria que é a relevância não só de parceiros estratégicos na manutenção e desenvolvimento das instalações, mas também de propostas vindouras e constantes em programas e atividades culturais e desportivas, que se associem à Casa dos Paquetes e à Casa do Ferrador?

Durante todo o percurso que desenvolvemos tornou-se estratégico a aproximação a um conjunto de empresas locais que pela sua qualidade e disponibilidade nos oferecessem um conjunto de serviços complementares e fundamentais ao nosso processo de investimento para o Cliente.

Queremos ser uma empresa geradora de riqueza localmente e para isso procuramos sempre soluções de proximidade. A título de exemplo, durante o corrente ano construímos uma nova piscina de 40 m2 pensada para todos os escalões etários e remodelámos os jardins. Relativamente a este projeto, queremos deixar uma palavra de agradecimento aos nossos parceiros na área de arquitetura e construção, sitos em Elvas, Arquiteto João Paulo Martins e Carlos Maneta Construções Unipessoal, Lda., respetivamente, que pela sua dedicação e qualidade foram fundamentais para a realização e construção deste projeto em calendário previsto.

A Casa dos Paquetes oferece um conjunto de atividades a quem nos visita, nomeadamente, caminhadas pela aldeia ou pelos campos circundantes, disponibilizamos duas bicicletas de adulto e uma de criança para passeios de proximidade e estamos a estabelecer contactos com empresas locais para a realização, mediante marcação prévia, de passeios temáticos, e desportos mais radicais como por exemplo passeios no rio Guadiana.

Por fim, e face a todo o investimento já capitalizado, que expetativas de retorno tem a longo prazo?

Estamos bastante satisfeitos com o retorno obtido face ao investimento realizado durante estes nove anos. Esta operação permite, de acordo com os objetivos iniciais, respeitar a valorização dos ativos, a criação de riqueza local e um resultado operacional que definem a motivação para continuar a investir no ramo. O facto deste projeto se inserir no Município de Elvas, com toda a sua envolvente em termos de qualidade de oferta aos visitantes, a Câmara Municipal de Elvas, com a sua estrutura, organização e disponibilidade, com destaque para o Departamento de Urbanismo, motivam à realização de novos projetos, permite-nos estar bastante otimistas relativamente à continuação de um futuro de investimento neste ramo e nesta zona. O facto de trabalharmos 100% com capitais próprios, leva-nos a um ritmo de investimento sempre dependente da análise de retorno, no entanto o futuro será sempre em Elvas e direcionado para a satisfação das expetativas do nosso Cliente.