ROYAL KIDS – Amor, Inclusão e Diversidade

“A Royal Kids é uma família, e uma família apoia, protege e compartilha”. Quem o afirma é Paula Castro, CEO desta creche e centro de dia, situada no Luxemburgo, que transforma as crianças em cidadãos críticos e capazes de ultrapassar e resolver qualquer adversidade. Conheça as mais-valias desta estrutura pré-escolar e o papel de extrema importância que a mesma desempenha na vida futura destas crianças.

184

A creche e centro de dia Royal Kids é um local que trabalha com crianças durante grande parte da sua infância. Assim, qual tem vindo a ser o papel da marca no crescimento das mesmas, bem como no desenvolvimento de elementos essenciais como a sociabilidade, a linguagem, as emoções, entre outros?

«O papel do educador é orientar as crianças nos seus interesses e preparar um ambiente rico em atividades adaptadas. Permite que cada criança exercite e desenvolva o seu espírito de iniciativa e decisão.»

A nossa equipa está disponível para prestar assistência, responder às questões e dificuldades que a criança encontra à medida que a sua experiência progride. Temos muita sorte porque toda a nossa equipa fala vários idiomas: francês, luxemburguês, alemão, inglês, português, espanhol, árabe, o que facilita o contacto com pais de todas as origens. Trabalhamos a linguagem verbal, mas também a linguagem visual (pictogramas) e a linguagem gestual.

Apresentamos novas atividades às crianças e estimulamos os seus interesses (pesca do pato, massinha de modelar, a nossa sala de snoezelen, entre outras). Observamos com atenção, respeitando o caráter, a personalidade e o ritmo de cada criança.

Sabemos que a educação infantil é essencial para que a criança desenvolva habilidades fundamentais à formação humana, além das capacidades cognitivas e motoras. Tendo em conta a sua vasta experiência nesta matéria, quão importante é, para as crianças, se desenvolverem num ambiente como a Royal Kids?

A Royal Kids tem uma pequena capacidade para acomodar crianças em cada um dos grupos:

  • O grupo Royal Babies (0-2 anos) – dez crianças – dois educadores
  • O grupo Royal Kids (2-4 anos) – 15 crianças
    – dois educadores
  • O grupo Royal School (4-12 anos) – 11 crianças – dois educadores

A direção, bem com a responsável pedagógica, move-se em cada grupo para dar uma mão, se necessário.

A formação de pequenos grupos é uma vantagem para nós porque todos os educadores conhecem todas as crianças, todos os pais e trabalham igualmente em todos os grupos.

Temos uma pessoa de referência em cada grupo e o segundo ajudante em outro grupo se necessário quando um educador termina o seu serviço.

Isso faz com que seja possível ter uma pessoa de referência para as crianças do grupo e também que os educadores estejam sempre a par de tudo o que acontece no dia a dia e possam, na melhor das hipóteses, reportar aos pais ao fim do dia.

Várias ferramentas são postas em prática para facilitar a troca de informações entre os educadores como a mesa de atendimento, a ficha do dia e sobretudo no final de cada atendimento, o educador que sai do grupo faz sempre um debriefing do dia aos seus colegas.

Os pequenos grupos também são uma vantagem em termos de tempo dado a cada uma das crianças. Com efeito, no grupo Royal Babies, as educadoras raramente têm dez crianças ao mesmo tempo no grupo porque, sendo ainda muito pequenas, o ritmo das crianças não é o mesmo e por isso podem dormir, comer, brincar em várias horas do dia. Isto permite-nos dar muito mais atenção e tempo às crianças do que se tivéssemos um grupo de 20 ou mais por grupo, como em algumas estruturas de acolhimento.

Mas não fiquemos por aqui, uma vez que a Royal Kids privilegia temas como a diversidade, igualdade e inclusão. Sendo esta uma instituição com crianças de várias nacionalidades distintas, de que forma a mesma une estes três campos e os promove junto das mesmas?

A nossa estrutura não faz nenhuma diferença em relação às crianças. Todas elas são acompanhadas da mesma forma, ou seja, com amor. Respeitamos o ritmo das crianças, o ritmo das famílias e fazemos o nosso melhor para que pais e filhos possam evoluir connosco nas melhores condições.

Gostamos muito da troca de culturas entre as famílias.

Uma família cadastrada na Royal Kids não tinha conhecimento da festa de Halloween. Durante várias semanas, preparámos a mesma com as crianças e decorámos a Royal Kids com magníficas decorações e artesanato para depois comemorarmos com as crianças. Esta família não conhecia a escultura tradicional da abóbora e adorou!

Por outro lado, através de uma outra família descobrimos que na sua cultura grega, eles dão pouca importância ao aniversário de alguém de acordo com a sua data de nascimento, porque todos são comemorados de acordo com seu primeiro nome.

Temos muita sorte por estarmos imersos nesta diversidade cultural. Estamos muito abertos a novos conhecimentos, novas pessoas e culturas diferentes.

A verdade é que esta etapa de desenvolvimento é importante também, porque o que a criança aprende enquanto pequena, é, muitas vezes, o que leva na bagagem para a sua vida toda. Do ponto de vista da Royal Kids, quão gratificante é transformar as crianças em cidadãos críticos e capazes de ultrapassar e resolver situações do seu dia a dia?

Um dos nossos principais objetivos é que as crianças não precisem mais de nós.

Quando vemos uma criança a crescer e a adquirir experiências, lições de vida, e até mesmo quando nos diz «sim, eu sei», para nós, é uma satisfação porque estamos presentes diariamente para essas crianças e conseguimos ensinar linguagem, habilidades motoras, socialização, autoconfiança, autoestima, entre outras, e vemos uma pessoa à nossa frente, com as bases para poder continuar a sua aprendizagem, as suas experiências e a sua vida sem nós.

Levantamo-nos de manhã e damos o nosso melhor para acompanhar as crianças, estabelecer uma relação de confiança e dar-lhes todo o nosso amor.

Considera, portanto, que o papel da educação na pré-escola é crucial para o futuro da educação e desenvolvimento da sociedade no Luxemburgo – local onde a Royal Kids se situa? Olhando para o momento atual do país, de que forma esta vertente irá influenciar o mesmo?

Até aos três/quatro anos, antes de entrarem na escola, as crianças têm a capacidade de aprender muitas coisas. Seja linguagem, relações sociais, não-verbal, motricidade, tédio, conflitos, entre outros. A maioria dos pais no Luxemburgo trabalha muito durante o ano, desfrutando apenas no seu período de férias. Isso significa que, com os pais a trabalhar, se não estivessem numa estrutura pré-escolar, onde estariam as crianças? O que é que as crianças fariam? Aos quatro anos, as escolas têm exigências em termos de conhecimentos das crianças, como limpeza, polidez, respeito. Esses valores são ensinados na Royal Kids, para depois prepará-los para o mundo escolar. Mas cuidado, respeitamos sempre o ritmo de cada criança.

Quando falamos de ensino, não nos podemos esquecer da transformação digital que hoje lhe está associada. Contudo, importa também referir que o digital não poderá perder de vista as competências sociais e humanas a desenvolver com os alunos e, neste caso, com as crianças. É possível investir na digitalização (necessária à evolução dos tempos modernos), sem descurar da proximidade indispensável ao desenvolvimento dos adultos de amanhã? Como perspetiva o futuro do ensino?

O material digital não está presente no grupo de 0-2 anos e 2-4 anos. Por outro lado, no nosso grupo do centro de dia (4-12 anos), existem vários suportes digitais. Estes são supervisionados pelas educadoras e são utilizados durante os trabalhos de casa das crianças.

A maioria das escolas disponibiliza as tarefas no seu próprio site. Os educadores do Royal Kids conectam-se, usando um utilizador recebido no início do ano, dando a possibilidade de aceder aos trabalhos de casa.

Também temos um site: Royalkids.lu, uma conta no Instagram: royalkidslux e uma conta no Facebook: Royal Kids.

Usamos o facebook como um plus dentro do estabelecimento Royal Kids. Com efeito, para cada um dos nossos grupos (Royal Babies 0-2 anos, Royal Kids 2-4 anos e Royal Scolaires 4-12 anos) abrimos uma página privada no facebook onde apenas os pais de cada grupo são convidados.

Apenas os pais das crianças de cada grupo têm acesso às informações publicadas na página privada.

Publicamos fotografias e vídeos do dia passado com as crianças. Podem ser momentos em que as crianças fazem trabalhos manuais, passeios ao ar livre, momentos divertidos, momentos de descontração, entre outros.

Mas esta página também é usada para publicar mensagens importantes para passar aos pais.

Este meio de comunicação e troca é uma mais-valia porque o nosso principal meio de comunicação é a verbal, com os pais pela manhã ao dar as boas-vindas e deixar a criança.

Também digitalizamos uma tabela com informações de cada criança, desde a sua entrada até à sua saída. Temos para cada grupo a lista de crianças onde anotamos a hora de chegada e saída de cada uma bem como as informações do dia como, por exemplo, a refeição, as mudanças, a sesta, entre outras.

Por isso, temos equipamentos digitais dentro do estabelecimento, mas tentamos ao máximo manter as crianças afastadas dos ecrãs. Esta é uma política que temos. Um mínimo de tela para um máximo de contacto humano.

Faço um pequeno parêntese para vos dizer que há alguns meses a Royal Kids embarcou em vários projetos com o tema principal: Reciclagem. Convido-vos a descobrir nos próximos tempos os nossos vários projetos sobre este tema.

A Paula Castro afirma que “as crianças são os reis da casa”, daí a designação Royal Kids. Para que estas cresçam a saber, entre muitas outras coisas, o que significa amor, inclusão, diversidade e empatia, de que forma a instituição irá «batalhar» no futuro, para que estas palavras de ordem nunca se percam?

Iremos manter os nossos mesmos valores, o nosso mesmo desejo de compartilhar a paixão pela nossa profissão. Sermos verdadeiros e sinceros connosco, com a equipa e com os pais e filhos, é a qualidade mais bonita.

Como já disse em várias entrevistas, a Royal Kids é uma família, e uma família apoia, protege e compartilha.