Procura por nova construção sobe 7% no mês de novembro, indica estudo do Imovirtual

A procura por nova compra foi a única categoria de imobiliário que registou um aumento no mês de novembro, face a outubro. Na cidade do Porto, o crescimento foi de 20,3% e em Lisboa cerca de 10%.

83

Conforme o estudo recentemente desenvolvido pelo Imovirtual, que se baseou em dados disponíveis na plataforma, a procura por nova construção de imóvel subiu 7% no mês de novembro, face a outubro.

No mês de novembro, no Porto a procura por nova construção registou um crescimento de 20,3%, tendo em conta os números de outubro. Já em Lisboa, aumentou cerca de 10%.

Todavia, em outras categorias o cenário não é o mesmo. Ou seja, há uma redução de 13,5% na procura pela compra de apartamentos, 12,5% por terrenos, 7,4% por moradias, bem como 7,4% por quintas e herdades.

Comparativamente com os dados do ano passado, verifica-se uma diminuição por compra em todas as categorias de imobiliário, principalmente, 45,5% na nova construção, 45,1% nos apartamentos, 40,6% nas moradias, 40,4% nos terrenos e 33,6% nas quintas e herdades.

Dentro do pacote das regiões do país em que há maior procura por apartamentos (Porto, Lisboa, Braga, Setúbal e Faro), só a cidade de Faro manteve a estabilidade da procura, apresentando até uma ligeira subida (0,4%), em relação a outubro. Todos os restantes tiveram quebras entre 13% e 20%.

No caso das quintas e herdades, alcançaram aumentos na maior parte dos distritos do país mais procurados por esta categoria. Por exemplo, em Évora o aumento de procura foi de 3,5%, em Braga de 4,6%, em Lisboa de 3,6% e em Viseu de 18,5%. Setúbal foi o único distrito da lista dos mais procurados que desceu 20%. Já nos terrenos, Faro e Lisboa foram os dois distritos, daqueles mais procurados, que chegaram aos aumentos, 18,7% e 3,9%, respetivamente. Também na lista dos distritos mais procurados, Braga decresceu 10%, Setúbal 13,8% e o Porto 27%.

“Nas nossas análises recentes, temos observado algumas consequências da atual situação social e económica, nomeadamente o aumento da inflação e também das taxas de juro, que influenciam o crédito à habitação. Desta forma, observamos um decréscimo significativo da procura em relação a 2021, com uma estabilização em relação aos meses anteriores do ano atual. É interessante, no entanto, analisar que a procura por nova construção aumenta, o que pode indicar investimento estrangeiro», salienta Diogo Lopes, Marketing Manager do Imovirtual, na nota partilhada.