Repsol e BEI assinam acordo de financiamento de 120 milhões de euros para construção da primeira fábrica de biocombustíveis avançados em Espanha

BEI apoia a construção de uma fábrica inovadora de biocombustíveis avançados em Cartagena, Espanha, apoiando assim a estratégia de descarbonização da Repsol.

157

O Banco de Investimento Europeu (BEI) vai conceder um empréstimo de 120 milhões de euros à Repsol, para apoiar a construção e operação da primeira fábrica de produção de biocombustíveis avançados nas instalações da Empresa em Cartagena (região de Múrcia). A fábrica irá produzir biocombustíveis avançados e de segunda geração, através de vários tipos de resíduos, principalmente provenientes da indústria agroalimentar, tais como óleos alimentares usados, como parte do processo de transição para uma economia mais circular. A construção começou em março desde ano e deverá estar concluída na segunda metade de 2023.

Enquanto os biocombustíveis de segunda geração derivam de um leque alargado de resíduos biogénicos, incluindo óleos alimentares usados, determinadas gorduras animais e óleos vegetais que não podem ser consumidos ou provêm de plantações que não concorrem com o setor alimentar, os biocombustíveis avançados são produzidos especificamente a partir de um subgrupo de matérias-primas biogénicas, referenciadas na Parte A do ANNEX IX da diretiva REDII.

Estes biocombustíveis são uma solução sustentável para todos os segmentos de mobilidade, em particular para aqueles que não têm outras alternativos de descarbonização da sua atividade, tais como os transportes marítimo, aéreo ou de longa distância. Conseguirão reduzir entre 70% a 90% as emissões líquidas de CO2, quando comparado com os combustíveis tradicionais que substituem. O financiamento do BEI também apoiará programas de investigação de biocombustíveis avançados no Repsol Technology Lab, em Madrid.

A fábrica de produção ficará localizada nas instalações do Complexo Industrial da Repsol em Cartagena, região de Múrcia – uma região de coesão da UE. A fábrica irá processar 300.000 toneladas por ano de resíduos lipídicos para a produção de mais de 250.000 toneladas/ano de biocombustíveis avançados de segunda geração e/ou biocombustíveis avançados para o setor dos transportes.

Na sua intervenção durante o evento de assinatura em Madrid, o vice-presidente do BEI, Ricardo Mourinho Félix, afirmou: “O BEI está comprometido em financiar a transformação verde, o uso de fontes de energia alternativas e programas de investigação inovadores em toda a Europa. O empréstimo do BEI contribui para a estratégia da Repsol de transformação do seu modelo de negócio e para a sua estratégia de descarbonização. Estamos satisfeitos por colaborar com empresas como a Repsol que estão a tomar medidas para descarbonizar o seu negócio e ser mais resilientes perante as alterações climáticas”.

Em comentário sobre este acordo, Antonio Lorenzo, CFO da Repsol, referiu: “Estamos orgulhosos por sermos a primeira empresa do setor a obter este tipo de financiamento, que é resultado do nosso compromisso para concretizar projetos inovadores que apoiem uma transição energética rápida, efetiva e justa”.

Diminuição da dependência da UE das importações de combustíveis fósseis

Esta fábrica inovadora irá contribuir para o desenvolvimento de combustíveis de baixo carbono, que poderão ser utilizados em setores que têm dificuldade em descarbonizar e eletrificar a sua atividade. O projeto está totalmente alinhado com o Pacto Ecológico Europeu e o pacote do “Objetivo 55”, e apoiará a segurança energética, reduzindo a dependência da UE das importações de combustíveis fósseis. A trajetória de descarbonização da Repsol destinou 6.5 mil milhões de euros a iniciativas de baixo carbono em 2021-2025 (35% do investimento total). O financiamento do BEI para apoiar a transformação verde está em consonância com a contribuição do BEI para a REPowerEU, recentemente aprovada pelo Conselho de Administração do BEI.

O objetivo da Repsol de atingir zero emissões líquidas

A Repsol foi a primeira empresa do setor a comprometer-se com as zero emissões líquidas até 2050 e está a implementar uma ambiciosa estratégia de descarbonização, em linha com o Acordo de Paris e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS).

O quadro de referência da Repsol inclui objetivos de redução de emissões com uma redução no Indicador de Intensidade de Carbono de 15% até 2025, 28% até 2030 e 55% até 2040.

Relação de longa data com a Repsol

O Banco tem uma relação de longa data com a Repsol e financiou mais de dez projetos, desde o primeiro acordo em 1988, logo após a adesão de Espanha à Comunidade Económica Europeia.

BEI e segurança energética

Na última década, o Banco de Investimento Europeu destinou quase 100 mil milhões de euros para o setor energético europeu. Estes investimentos pontuais estão agora a ajudar a Europa a resistir à crise gerada pelo corte abrupto do abastecimento de gás russo. Só nos primeiros nove meses deste ano, o BEI assinou o financiamento de mais de 8.3 mil milhões de euros para projetos de eficiência energética, energias renováveis, eletricidade e armazenamento na UniãoEuropeia, ajudando a aumentar a resiliência da economia europeia. Em outubro, o Conselho de Administração do BEI decidiu reforçar o volume de financiamento do Grupo em energias limpas para níveis sem precedentes, como forma de apoiar o objetivo do REPowerEU de reduzir a dependência da dependência da UE da Rússia em importação de combustíveis fósseis.

Além do já sólido apoio do BEI ao setor energético, será feito um investimento de 30 mil milhões de euros nos próximos cinco anos. Estima-se que o pacote REPowerEU mobilize mais 115 mil milhões de euros de investimento até 2027, concretizando deste modo uma contribuição substancial para a independência da Europa e para o objetivo do Grupo BEI de mobilizar cerca de um trilião de euros para financiamento climático esta década.