Karina Leite: a Paixão pela Odontologia e o Compromisso com a Prevenção Oral

O Instituto Karina Leite, da Odontologista Karina Leite, é hoje em dia uma marca de referência na medicina dentária, em todo o Brasil, tendo 3.500 pacientes. Na presente edição da Revista Pontos de Vista, esta médica dentista falou-nos do seu percurso académico e profissional, do conceito inovador que aplica nas suas clínicas e dos motivos que a levaram a saltar para o continente europeu e a criar o Instituto Karina Leite Portugal, na cidade de Oeiras, no início de 2022.

130

“Aquilo que não te mata, torna-te mais forte” assim proferia Friedrich Nietzsche, filósofo, poeta e compositor prussiano do século XIX, que nasceu na atual Alemanha. Esta expressão encaixa-se, perfeitamente, na filosofia de vida de Karina Leite, Odontologista, uma vez que explica o seu caso de amor e dedicação, que já conta com 30 anos de história, perante uma das áreas da medicina dentária, a Odontologia. Em entrevista à Revista Pontos de Vista, esta médica dentária e CEO do Instituto Karina Leite Portugal admite que a paixão por essa vertente foi construída com base numa necessidade pessoal, ou seja, depois de a sua mãe ter sido diagnosticada com um grave problema dentário, que à época “ninguém conseguia resolver”, forçando-a até a “vender a sua própria casa” para tentar encontrar um profissional de saúde capaz de lhe retirar aquele sofrimento.

A dor diária da sua mãe, foi um estímulo e uma motivação para a entrevistada ingressar pela medicina dentária e encontrar na reabilitação oral o seu prepósito de vida, sendo que o seu objetivo maior era o de descobrir uma solução e resolver o caso bicudo da sua parente. Para além disso, a sua finalidade também passou e ainda passa por “cuidar dos pacientes de uma forma diferente”, cativando-os com confiança, e ao mesmo tempo, motivando-os a cuidarem de si, sem medo, visto que, atualmente, cerca de “70% das pessoas não frequentam dentista porque têm medo e pavor à dor e aos ruídos dos equipamentos”.

A obstinação e a disciplina bem presentes na personalidade da interlocutora, também muito incutidas na educação transmitida pela sua mãe, levaram a que o desejo de Karina Leite fosse cumprido. O seu trajeto académico começou na Universidade Federal de Alagoas, no Brasil, no ano de 1994, no curso de Odontologia, tendo-o concluído com louvor passados três anos, em 1997.

Pode-se afirmar que este foi um ano memorável para a odontologista, pois, antes da conclusão da sua licenciatura, concorreu a um prémio científico de nome “Prémio Estímulo Kolynos do Brasil”, que atribuía um consultório clínico ao melhor aluno que fizesse o melhor trabalho de investigação. Como sempre se destacou nos estudos e era uma assumida idealista, Karina Leite desenvolveu um trabalho de “investigação científico na área da prevenção, sendo direcionado a 300 crianças, entre a faixa etária dos 3 aos 7 anos de idade, utilizando a restauração atraumática com material ionomero de vidro e avaliando a saliva das mesmas, após a adequação do meio bucal”. O resultado desta pesquisa “foi incrível”, dado que “aquelas crianças voltaram a ter saúde oral, devido ao uso da técnica RT, mas também perderam o medo pelo dentista” e ainda aprenderam os cuidados básicos de higiene oral, como por exemplo o escovar corretamente os dentes.

Os frutos do desenvolvimento deste estudo não pararam por aqui. Com ele, a profissional de saúde ganhou o prémio “Estímulo Kolynos do Brasil” e como recompensa pelo esforço recebeu “um consultório completo da marca Dabi Atlante. Nesse momento, as minhas pernas tremeram. Estava ao lado da minha mãe, que tanto se sacrificou para eu fazer o curso, que na altura, mesmo estando numa Universidade pública, os materiais, os congressos e os cursos extras eram muito caros.Nunca irei esquecer esse dia, foi muito simbólico, gratificante e um dos dias mais felizes da minha vida. Acabou por ser um estímulo, uma fonte de inspiração, para arrancar com a minha carreira como dentista e realmente focar-me na prevenção e nos cuidados personalizados. É de notar que eu estava a concorrer como jovem mulher, contra muitos homens, pois, naquela altura, a Odontologia era maioritariamente masculina, e eu consegui. Foi o destino a dizer que eu podia ser uma profissional de futuro. Só me deu forças para continuar”, revela-nos com alguma saudade.

Robert Collier, escritor americano e um dos principais percursores do desenvolvimento pessoal do século XX afirmava que “o sucesso é a soma dos pequenos esforços, repetidos dia sim, e no outro dia também”. Este pensamento alia-se à perseverança de Karina Leite em construir um trajeto profissional consistente, experiente e de sucesso. Dessa caraterística, surge a sua necessidade pelo constante conhecimento. Logo após a conclusão da sua licenciatura, a empresária fez uma “especialização em prótese dentária e reabilitação oral na Bahia de São Salvador”. Um curso dito pelos seus conhecidos como “exigente e difícil de concretizar”, devido à sua ainda escassa experiência no ramo. É importante relembrar que à época tinha apenas 22 anos de idade. Contudo, invertendo a opinião da maioria, a atual empresária conseguiu entrar numa das 12 vagas existentes para os 50 alunos a concurso. Neste curso, voltou a distinguir-se e aprendeu “com os experientes”.

No ano 2000, a vida pessoal de Karina Leite deu um volt face ao vir para Portugal com o seu marido, um português natural de Oeiras. Em terras lusas, “trabalhei como estagiária numa clínica em Lisboa, no Instituto BB e inscrevi-me na Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, onde passei três anos a fazer a equivalência dos cursos de medicina dentária tirados no Brasil”.

A meio deste caminho de ascensão num novo país, um tropeço apareceu-lhe à porta, levando-a de volta à sua cidade natal para cuidar da saúde da sua mãe. Aqui, de novo, um ato de amor e dedicação. Nessa fase, dividia-se entre dois continentes.

Em 2002, “depois da tempestade veio a bonança”, como diz o provérbio popular português, Karina Leite idealizou montar o seu próprio consultório clínico, com uma “equipa multidisciplinar de várias especialidades num mesmo local, de forma a poder reabilitar a cavidade oral do paciente como um todo”. Emprestou o seu nome ao negócio e o Instituto Karina Leite – Odontologia Reabilitadora abre portas no Brasil, em Maceió-Nordeste. Como o espaço estava a crescer a passos largos, a interlocutora só viajava para Portugal para terminar as equivalências e assim conquistar o «título» de médica dentista em Portugal (obtido em 2005, há quase 20 anos), bem como dar aulas em estética oral em cursos de pós-graduação.

Ainda entre essas idas e voltas a Portugal, também no ano de 2005 “decidi ingressar no mestrado e doutoramento em implantologia na Universidade de Campinas, em São Paulo. Na mesma altura, também fui convidada para ser speaker internacional da marca alemã de materiais dentários a VOCO, pelo representante de Portugal, Carlos Laert. Assim, fico durante dez anos de 2005 a 2012 a viver entre Brasil e Portugal, ocupando-me a ministrar cursos de medicina dentária estética em Portugal, a trabalhar no meu instituto no Brasil e a fazer o mestrado e doutoramento”.

Ao longo do tempo, o instituto “começou a atender pessoas de muitas cidades e também a ser considerado como uma clínica de referência em reabilitação oral”. Karina Leite refere que as suas múltiplas funções, durante esses anos, foram difíceis de gerir, todavia, com “muito foco e disciplina” superou as adversidades, o que até conferiu mais segurança a todos os colaboradores envolvidos neste projeto.

Odontologia Digital como símbolo da evolução da marca Karina Leite

A inovação é um dos chavões da medicina dentária. E lado a lado com este, Karina Leite iniciou a sua formação em Odontologia Digital, uma das áreas que, na opinião da interlocutora, já é o presente e com 100% das certezas será o futuro da medicina dentária. Em seguida, adotou a sua empresa com a tecnologia digital, que essa nova vertente exige, tornando-a “numa das pioneiras no país, com tecnologia cad – cam cerec e técnica chair-sido, pela marca alemã Sirona”. Este conceito inovador permite diariamente “trabalhar de forma previsível, rápida, fazendo com que o paciente venha menos vezes ao dentista, uma vez que o problema dentário fica resolvido em menos tempo”.

A acrescentar a esses ganhos, “também proporciona um tratamento com qualidade e experiência de excelência em atendimento”. A par dessas vantagens, a Odontologia Digital “conecta os profissionais de saúde, estejam eles em qualquer parte do mundo, através da tecnologia incorporada em scanners e impressoras, bem como de softwares especializados”, indica a médica dentista.

A mesma salienta também que é possível “planear próteses, implantes, facetas e, depois, o paciente, numa única semana, fazer todo o tratamento dentário que necessita no consultório. Por exemplo, eu executo a moldagem de uma prótese, faço o scanner, envio para o meu laboratório que no próprio dia a confeciona e no dia seguinte já me envia pronta para eu instalar no paciente. Com scanner tudo tem uma qualidade maior, porque tem precisão. Isto, é o nosso fator diferenciador, face à concorrência”.

Karina Leite sublinha ainda que “é graças a esta tecnologia, que consigo fazer consultas e planeamentos online. Consigo planear no meu computador e enviar todo o caso do paciente para o Brasil. E lá, os meus dentistas, só executam”.

Antes de direcionarmos a conversa para outro tópico, reconheceu-nos que pretende “introduzir este conceito em outros países”, tendo já começado em Portugal, no seu Instituto Karina Leite Portugal.

A prospeção e o crescimento na medicina dentária em Portugal

Em plena pandemia, Karina Leite e a família mudaram-se definitivamente para Portugal, mais precisamente para Oeiras. De três em três meses, regressa às suas raízes por 15 dias para atender os seus pacientes no Instituto Karina Leite – Odontologia Reabilitadora e acompanhar o crescimento do mesmo. O seu braço direito nesse país, é a sua irmã, a Dra. Thaisa Baía, e atual diretora clínica deste centro, que atualmente tem 3.500 pacientes.

Em 2021, “decidimos (Karina e o marido) implementar uma filial da empresa do Brasil, em Portugal, trazendo para cá os 20 anos de experiência e know-how da Odontologia moderna, diferenciada, associada à tecnologia que a Europa hoje dispõe”. Oeiras, foi outra vez, a cidade escolhida para posicionar o Instituto Karina Leite Portugal, “por ser um local calmo, com qualidade de vida e modernidade incrível, situado a 15 minutos do Aeroporto de Lisboa, disponibilizando centros com cultura, ciência, tecnologia, onde as pessoas são civilizadas e educadas, e ainda há o melhor de dois mundos: o mar e muito sol. Foi um casamento perfeito para montarmos um instituto como eu sonhava”, conta-nos Karina Leite.

A diretora clínica do Instituto Karina Leite Portugal comenta também que não faz publicidade em Portugal, pois muitos dos seus pacientes são brasileiros, portanto conhecem bem o seu trabalho e o caminho de êxito no Brasil. Relativamente, aos pacientes portugueses, apesar de “estar a começar a construir o meu nome, a recetividade tem sido muito boa”.

Questionada sobre o comportamento dos pacientes portugueses perante os tratamentos dentários, Karina Leite, muito perentoriamente, afirma que esses ainda sentem muito medo e têm alguns traumas. E por isso, e de forma a dar melhor acompanhamento aos pacientes com esta crença inibidora, desenhou consultórios para cada idade, “desde o bebé ao idoso”. No caso dos adultos, é a tecnologia que ajuda a colmatar estes entraves, ao empregar, por exemplo, “a anestesia computorizada e a sedação com oxido nitroso”. Além do mais, adianta que o acompanhamento com um dentista que gera confiança ao paciente também é fundamental para se atingir um bom resultado em todo o processo”.

Já nas crianças, a dentista montou uma “sala totalmente tecnológica, interativa e lúdica”. Também possuem o certificado do Instituto Karina Leite para dar às crianças depois da consulta, bem como um livro preventivo”, que explica todos os cuidados preventivos que devem ter com a saúde oral. Outros dos aspetos que ajuda a largar todos os receios é o facto das consultas serem realizadas como uma aula. Nessas, Karina Leite ensina literalmente como “manter os dentes saudáveis e estimula o cuidado higiénico em casa, com independência”, entre outros aspetos.

A fim de generalizar a prevenção oral dos portugueses, a começar pelas gerações futuras, Karina Leite, em conjunto com a Curaprox está, neste momento, a dar aulas em algumas escolas sobre as boas práticas de higiene oral, “sendo assim uma fonte de inspiração para as crianças, sobretudo, para que elas possam começar a gostar de ir ao dentista”.

Antes de rumarmos para os balanços e fazermos previsões para o futuro, a odontologista expôs-nos os objetivos do Instituto Karina Leite Portugal. O primeiro prende-se com o compromisso diário de “levar a saúde bocal aos portugueses de forma mais rápida, económica, mas também propiciar autoestima, bem-estar, confiança e retirando-lhes os medos e traumas”. O desejo é que as pessoas sejam cuidadas com “segurança, carinho, qualidade e inovação, e tal como acontece no Brasil, os nossos pacientes virarem nossos amigos”. O segundo, passa pela aposta na celebração de parcerias e a colaboração com certas figuras conhecidas do público português.

A estratégia para o futuro passa por “marcar presença em outros países e transformar mais sorrisos”

A dias de terminar o ano de 2022, esta é a altura indicada para refletir e colocar no papel todos os projetos que ainda estão fechados a sete chaves numa gaveta. No próximo ano, Karina Leite divulga-nos que vai arrancar com uma formação intensiva em Odontologia Digital, composta por “cinco módulos, sendo que quatro deles irão ser feitos em Portugal e um no Brasil, disponibilizando aos formandos um certificado internacional. A verdade é que eu estou sempre em formação, mas também dou muita formação”.

Ainda em ponte área, entre Portugal e Brasil, tendo negócios de sucesso nos dois países e sendo mãe, professora e também formadora, Karina Leite esclarece que para este casamento duradouro resultar é preciso ter muito equilíbrio. E para tal, o segredo da sua motivação reside em “amar aquilo que faço, amar cuidar dos meus pacientes, como a família, além de ter fé, que me move e me transmite energia, garra, coragem e disciplina, caraterísticas que também fui herdando da minha mãe”.

Para os anos vindouros, a dentista manifesta o seu interessa e crença em montar mais institutos em outros países, onde quer “atender a maior quantidade de pessoas possível para transformar os sorrisos e que essas voltem todos os anos, mas sem grandes problemas dentários”, porque, anualmente, cuidam e mantêm a longevidade dos seus dentes. Também é desta maneira que quer ser lembrada como uma referência na medicina dentária de luxo.