“50 segundos no meio de um conflito”: Portugal com ACNUR leva experiência sensorial às ruas com nova campanha de sensibilização

O mais recente parceiro nacional do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) inicia o trabalho de sensibilização com uma campanha sensorial única, nas ruas de Lisboa, que promete transportar as pessoas para a realidade de quem é forçado a fugir de suas casas devido a um conflito. Paralelamente, pretende inovar ao envolver não só a pessoa individual, mas também as famílias no trabalho do ACNUR.

451

Hoje, é um dia como tantos outros em Lisboa: o despertador toca, levantamo-nos, vamos trabalhar, ou tratar de assuntos pessoais ou pendentes, caso seja dia de folga. Mas e se a nossa normalidade fosse interrompida por uma série de sons frenéticos e desconcertantes de sirenes, bombas e, ao fundo, a voz desesperada de uma mãe que tenta proteger-se a si e ao seu filho?

O início inesperado de um conflito, pode mudar, numa questão de poucos segundos, a realidade de milhões de pessoas. E é precisamente essa a experiência que a Portugal com ACNUR quer simular com a nova campanha de sensibilização e envolvimento de doadores que tem nas ruas de várias cidades do país, a primeira “Face to Face” da organização.

“A mensagem que se quer passar é que estas situações podiam acontecer connosco e que é importante colocarmo-nos no lugar do outro. Ninguém escolhe ser refugiado, mas muitos de nós podem escolher doar, educar para esta realidade e ajudar pessoas forçadas a fugir”, ressalva a Diretora Nacional da Portugal com ACNUR, Joana Brandão.

Durante esta experiência sensorial a pessoa que é abordada pelas equipas da Portugal com ACNUR é convidada a ouvir um áudio e durante cerca de 50 segundos sentir, de olhos fechados, um pouco do medo e da angústia de quem é obrigado a fugir para sobreviver. Uma realidade que não está sequer assim tão distante de nós com a atual guerra na Ucrânia.

A importância e pertinência desta campanha, sobretudo nos dias que correm, levou a que a atriz Dalila Carmo aceitasse, de imediato, ser a voz por detrás da experiência sensorial. “Colaborei porque acredito ser urgente promover a empatia entre as pessoas e o contexto em que vivem milhões de refugiados. Fico feliz de poder ajudar de alguma forma e espero que as pessoas ajudem também”.

Um sentimento partilhado por Nalina, da equipa de Face to Face da Portugal com ACNUR, que acredita que este é um caminho para fazer a diferença. “Vivemos tempos difíceis e cabe a cada um de nós dar o nosso contributo para deixar o mundo um pouco melhor do que o encontramos. Colaborar com a Portugal com ACNUR e saber que o meu trabalho está a mudar a vida de pessoas que foram obrigadas a fugir das suas casas não tem preço”.

Família com ACNUR: uma forma de envolver coletivamente as pessoas na causa

No âmbito desta primeira campanha “Face to Face”, que inclui a experiência sensorial, a Portugal com ACNUR lança um convite às pessoas para apoiarem de forma regular o trabalho do ACNUR. Quem quiser fazer parte desta causa, e tiver filhos e/ou outras crianças na família, pode ainda tornar-se numa “Família com ACNUR”.

E o feedback de quem tem sido abordado na rua não poderia ser melhor. “Sou mãe e fazer parte deste projeto significa muito para mim e para a minha filha”, diz Lidiana Dias relembrando que sabe bem o que é passar “por muitas dificuldades, não ter um teto para morar, comida para comer, acesso à escola ou apoios sociais” e precisar de iniciativas como esta para se reerguer.

Segundo a Diretora Nacional da Portugal com ACNUR Joana Brandão, esta é uma campanha que vai além da angariação de fundos porque a prioridade no país é “sensibilizar a sociedade para os direitos humanos, a realidade das pessoas refugiadas e o trabalho do ACNUR em todo o mundo”. Serão, por isso, disponibilizados às Famílias com ACNUR conteúdos didáticos adequados a crianças, e que irão envolver pais, tios, avós, jovens e até professores nos conceitos, factos e emergências humanitárias.

Esta campanha Face to Face está a decorrer em Lisboa, Coimbra, Leiria e, em breve, chegará ao Porto, sendo que o objetivo da Portugal com ACNUR é abranger mais cidades durante os próximos meses.

Além de sensibilizar, a Portugal com ACNUR quer consciencializar a população para o tema dos refugiados

O número de pessoas forçadas a fugir dos seus lares por causa da guerra, violência ou perseguição é o mais alto, desde o fim da 2ª Guerra Mundial: falamos de mais de 103 milhões de pessoas a nível global. Alguns países têm sido afetados pela guerra, conflito e violência durante anos, ou mesmo décadas, mas também eclodiram novos conflitos em vários pontos do mundo que estão a forçar cada vez mais pessoas a deixar tudo para trás só com a roupa que trazem no corpo.

O mundo assiste a uma crise de deslocações forçadas sem precedentes. Sabemo-lo porque, diariamente, somos impactados por informações e opiniões sobre o tema dos refugiados e migrantes que marcam presença assídua em manchetes dos noticiários, na internet, bem como nas redes sociais. Mas o assoberbamento de informação pode conduzir à desinformação e à circulação de informação incorreta que pode alimentar preconceitos.

Razão pela qual, a Portugal com ACNUR quer, com o seu trabalho e campanhas atuais, aliar-se aos pais e escolas para ajudar a desempenhar um papel fundamental na sensibilização e capacitação de crianças e jovens com conhecimento importante e fidedigno sobre os refugiados, ensinando-os as separar factos de ficção e opinião.