“A relação com as Empresas tem vindo a ser uma prioridade de atuação”

CENFIM | Frias Gomes, Diretor do Núcleo de Santarém e do Núcleo de Sines, e Pólo de Grândola, desde 2016

232

No que concerne aos Núcleos de Santarém e Sines, de que forma estas regiões são hoje mais ricas em mão de obra qualificada e sucesso organizacional, após a fundação dos mesmos?
A atividade do Núcleo de Santarém objetiva apoiar todo o tecido empresarial da Região Ribatejana, mais precisamente do Distrito de Santarém, gerando mais qualificações e valorizando competências. O tecido empresarial da indústria nesta região é muitíssimo diversificado, abrangendo pequenas oficinas associadas a processos de maquinação convencional e tratamento de superfícies, unidades de produção de semirreboques, associadas à maquinação programada (CNC), muitíssimas pequenas, médias e grandes empresas ligadas ao setor agrícola e agroalimentar, exploração de pedreiras, produção de papel, todas elas com necessidades enormes nos domínios da manutenção, de máquinas e equipamentos, eletricidade, hidráulica pneumática, segurança e higiene e mesmo no desenvolvimento das soft skills dos seus recursos humanos a par de unidades industriais de elevada dimensão, as quais operam nos domínios da engenharia e produção de moinhos eólicos, a quem são disponibilizadas qualificações, designadamente nas áreas da manutenção industrial, soldadura, com certificação reconhecida internacionalmente.
Neste contexto é de relevar a circunstância da oficina de soldadura deter reconhecimento como ATB – Authorized Trainnig Body, no âmbito EWF e IIW, federações europeia e internacional no domínio da soldadura, proporcionando formação de acordo com os mais elevados padrões internacionais nesta área, e por isso conferente competentes certificações premium em termos internacionais. Neste momento essa secção encontra-se em fase de adaptação para vir a operar como Oficina Individual de Formação (OIF – Soldadura), projeto pioneiro no CENFIM, e em termos nacionais.
O Núcleo de Sines e o seu polo de Grândola, abrangem, em termos territoriais, os concelhos de Odemira, Sines, Santiago do Cacém, Grândola e Alcácer do Sal, tendo as respetivas atividades iniciado no final do ano de 2008, em Sines, tendo-se procedido ao arranque do Pólo de Grândola, em fevereiro de 2018.
A relação com as empresas tem vindo a ser uma prioridade de atuação, havendo já a registar colaborações muito interessantes. Especial destaque merecem as ligações a empresas do complexo petroquímico em Sines, designadamente nos domínios das qualificações desenvolvidas na soldadura, (chapa e tubo/pipping), manutenção industrial, segurança e higiene, diretivas SEVESO, ATEX, trabalhos em altura. Destaque-se igualmente o apoio às empresas da região que operam na área da prestação de serviços de manutenção ou no ecossistema logístico associado ao Porto de Sines, as quais têm vindo a ser apoiadas através de uma disponibilização alargada de qualificações nos domínios da manutenção de máquinas e equipamentos, mecatrónica, eletricidade, eletrónica, hidráulica e pneumática, bem como operação com empilhadores. No concelho de Grândola, o foco têm sido o apoio à indústria aeronáutica, todavia já com ramificações no apoio a empresas situadas no Pólo Aeronáutico de Évora, por via de disponibilização de um conjunto de qualificações nas vertentes técnicas da mecatrónica, maquinação programada e convencional. Este conjunto de parcerias têm permitido posicionar o Núcleo como uma plataforma de desenvolvimento local, articulando produção, educação/formação.