“A expansão além-fronteiras representa mais um passo e mais uma aprendizagem”

Foi com coragem, determinação e alguns tropeços no caminho que Marisa Dias levou a sua marca Jardins de Adónis ao reconhecimento em Portugal e, agora, o leva além-fronteiras. Em momento de reestruturação interna, a promessa que fica é que o seu sucessor, João Adónis, que está responsável pela gestão da empresa, fará de tudo para cumprir o legado enquanto que, a Owner Marisa Dias, permite que mercados externos também possam desfrutar destes jardins.

Data:

A Marisa Dias, criadora do projeto Jardins de Adónis, Paisagista e Gestora, está a passar a “pasta” a João Adónis, em momento de reestruturação da empresa. Para melhor entender, o que mudou?
Mudou o mercado, mudou a consciência do cliente e nos 20 anos que se passaram, a Jardins de Adónis cresceu e acompanhou essas mudanças. Felizmente, a construção de áreas verdes foi tomando importância no nosso país. A nossa evolução foi influenciada pelo Cliente, mais exigente e que agora valoriza mais as áreas externas. O core business da empresa são os jardins verticais, naturais ou artificiais, e a construção de jardins de cobertura. O crescimento consolidado da empresa implicou rodear-me de pessoas que partilhassem da mesma Missão, sentido de Valor e Visão. Dando seguimento ao que projetei, passou a fazer parte da empresa, João Adónis, em 2014. Líder nato, encarou o desafio de “peito aberto” e foi aprendendo o “ofício” em cada uma das áreas da Jardins de Adónis. Presentemente, está responsável pela gestão da empresa, pelo contacto com o Cliente, orçamentação, seleção criteriosa dos colaboradores e controlo operacional. Estou segura de que o João Adónis dará continuidade ao que criei e que continuaremos a crescer, e a evoluir, mantendo-nos fiéis à nossa Missão e Serviço ao Cliente.

Desde a sua fundação, esta marca está em constante evolução. Sabendo que a Marisa Dias está agora mais dedicada a projetos internacionais, qual a importância da expansão além-fronteiras?
Sempre me preocupei em servir bem cada Cliente. A carteira de clientes foi construída um por um, e com cada novo cliente granjeámos não só o seu reconhecimento pelo nosso serviço, mas também a aprendizagem, e isso impactou os mercados externos. Confio na equipa, sei do que somos e sempre fomos capazes de executar, pelo que os mercados internacionais são uma consequência natural de um trabalho bem feito. À data de hoje, estamos apenas a começar. Contamos com alguns projetos para Moçambique, o meu país de origem, e onde gostaria de “plantar” algumas sementes e marcar a diferença. A entrada nestes mercados acontece na sequência de vários acontecimentos: João Adónis como gestor da empresa, empresas internacionais que tinham ficado “em gaveta” e que voltam a procurar-nos e eu estar mais liberta para dar seguimento ao Cliente internacional. A expansão além-fronteiras representa mais um passo e mais uma aprendizagem. Temos oportunidade para estender a nossa visão a mais um pedaço deste planeta e a todas as gentes que possam vir a beneficiar dos nossos jardins.

Estes projetos internacionais da empresa traduzem-se num salto qualitativo e quantitativo na sua sustentabilidade e crescimento. Quais os planos para se destacar no exterior?
Sim, certamente! Este é um “salto” benéfico, mas com desafios. No caso do projeto em Moçambique, há muito para se implementar e contamos com algumas parcerias. É um país jovem, cheio de oportunidades para quem quer trabalhar, em desenvolvimento e com necessidade de otimizar as coberturas dos edifícios, ao nível do desempenho térmico e acústico, pela economia a longo prazo, e por ser uma solução ecológica. O nosso projeto permite maior retenção da água das chuvas, controlando e evitando cheias devido à impermeabilização dos solos. Plantar jardins em telhados é uma das inovações mais desenvolvidas no mundo da arquitetura e da engenharia, os Green Rooftop, pese embora seja tradição escandinava desde a Idade Média. E nós devemos acompanhar estas tendências, ao nosso ritmo, dentro de parâmetros que nos permitam assegurar um elevado nível de Serviço ao Cliente. Há que inovar na construção, na renovação e na manutenção, pois esse é um caminho para uma maior eficiência e uma dinâmica na biodiversidade urbana.

Apesar desta expansão, é certo que a Jardins de Adónis não irá descurar a sua atividade em Portugal, agora a cargo de João Adónis. Que novidades podemos esperar quanto à atividade no mercado nacional?
Portugal é a “casa” da Jardins de Adónis e a abertura a mercados externos não periga o suporte e acompanhamento ao Cliente nacional. Conto com João Adónis, que agirá com o rigor, o profissionalismo e a consciência que nos caracteriza. Formação contínua e visita a feiras nacionais e internacionais na busca de novos fornecedores e materiais inovadores, permitir-nos-á oferecer sempre as melhores novidades do mercado. Temos uma equipa coesa, que recebe formação contínua e que se sente motivada, o que melhora substancialmente a produtividade de uma empresa. Apoiamos, promovemos e desenvolvemos projetos ambientalmente responsáveis e a equipa contribui para a sustentabilidade do ambiente que nos rodeia. Não há nada a recear. Celebremos, pois, esta nova etapa, uma vez que é também uma oportunidade para melhorar o Serviço em território português.

Não nos podemos esquecer que o sucesso da Jardins de Adónis muito se deve à Marisa Dias que, desde cedo, criou possibilidades de interação do humano com a natureza. Quão gratificante é observar o sucesso alcançado até então?
Estou muito orgulhosa! Comecei sozinha, em 2001, num momento em que o verde era assunto supérfluo nas cidades e observo que o conceito de Cidade Verde é parte da sociedade. Foi com muito empenho, alguns tropeços e muitas portas fechadas que cheguei aqui, mas eu vinha de uma cidade do Brasil onde havia uma árvore por cada habitante e onde fiz a minha formação em Paisagismo, logo, não poderia desistir. A visão é o que me guia e motiva, mas enquanto gestora meço com critério todas as minhas decisões. Já o fazia enquanto equipa de uma só pessoa, e muito mais o faço no presente, pois as minhas decisões, e agora também as de João Adónis, têm impacto nas vidas de todos os nossos colaboradores. Felizmente soube rodear-me de bons profissionais que me ajudaram a transpor as barreiras e a crescer, para sermos o que somos.

Ser mulher é, aos olhos de muitos, um desafio acrescido. Sendo um exemplo de uma mulher que conseguiu “rasgar” mentalidades e ser líder do seu próprio negócio, como analisa esta questão atualmente? Como é que as mulheres devem encarar esta realidade?
Em pleno século XXI, o mundo divide-se em: ocidente, onde ser-se mulher no meio profissional ainda representa uma diferença salarial na mesma função; oriente, onde demasiadas mulheres ainda estão circunscritas ao trabalho doméstico, sendo-lhes vedado um emprego, ganharem o seu sustento e educação. Penso que se não somos capazes de mudar o mundo, pelo menos não permitamos que o mundo nos mude a nós. Devemos agir em consciência e respeito pelo que ambicionamos, e assim inspirar e encorajar a mudança. O estigma da mulher líder do seu próprio negócio tem raízes culturais, derivadas de sociedades patriarcais. Mas a mentalidade geral almeja a igualdade, e cada vez mais mulheres são líderes dos seus próprios negócios, a partir dos seus lares, através do e-commerce. A Mulher está a ajustar-se aos tempos atuais. Não luta contra o homem, mas ergue-se em defesa de si própria.

Considera que o dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, é uma oportunidade para relembrar as conquistas das mulheres e um impulso para continuar a lutar pelos seus direitos? Neste sentido, que iniciativas poderiam ocorrer?
Neste dia penso no sofrimento e ofensa por que tantas mulheres passaram, para que eu e tantas de nós, tenhamos hoje a existência que temos. Quanto a ações, a primeira, que associações de empresárias atuem proactivamente na identificação de mulheres com ideias de negócio e as acompanhem até à concretização, em prazos de 3-6 meses; e a segunda, que particulares com capital para investir, apoiem mulheres promotoras, nos mesmos prazos. E assim se conseguem Mudar Vidas de Outras Pessoas.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 129

Popular

Mais Artigos deste tipo

Cinemas portugueses com o melhor mês de março em receitas desde 2018

No entanto, o número de espectadores necessário para chegar...

Consignação do IRS fica mais simples com o “Ser Solidário” do MB WAY

Todos os anos, milhões de contribuintes em todo o...

APCC distingue os melhores profissionais da Indústria de Contact Centers

Estes prémios de caráter anual, organizados pela APCC (Associação...