Comunidade In Women’s World – Inspirar Mulheres!

São já seis meses de atividade por parte da Comunidade IWW, da qual Mafalda Flores, a Fundadora e CEO da Blood.Com, é um dos principais rostos. Venha connosco nesta viagem, com esta nossa interlocutora, saber mais sobre este projeto de e para mulheres.

329

Mafalda Flores é uma empresária, conhecida pelo seu espírito empreendedor, que em 2015 concretiza o sonho de abrir a sua própria Agência de Comunicação. Um ato de coragem ou convicção de saber qual a sua missão?
Muita convicção, persistência e, acima de tudo, uma grande paixão por esta área da Comunicação. Desde muito cedo percebi o que queria ser, fazer e como estar na vida, pelo que a opção por estudar Comunicação Empresarial foi um reflexo consciente para lá chegar, cumulativamente com outros cursos e especializações complementares. A passagem por prestigiadas multinacionais, em funções técnicas e de direção, trouxeram-me a destreza e coragem para me lançar num projeto próprio, tendo nascido assim a Agência de Comunicação Blood.Com. O desafio que me apaixona é trabalhar marcas e projetos de áreas distintas, adaptando diferentes estratégias para cada um. Cada caso é um caso, mas o entusiamo e foco para gerar notoriedade passa sempre pela mesma metodologia – vestir a ‘camisola’ de cada marca e trabalhá-la como se fosse nossa. Marcar a diferença pela personalização, com foco nas prioridades do negócio dos nossos clientes.

Tendo hoje uma posição de reconhecimento, em algum momento sentiu dificuldades ou entropias por ser Mulher?
Considero-me uma pessoa entusiasta, que gosta de olhar para o futuro de forma positiva e construtiva, pelo que, tendencialmente, encaro os obstáculos como desafios que tenho de superar. Foram já alguns os que tive de ultrapassar, com muita consistência e perseverança, em diferentes fases da minha vida, nomeadamente no mundo corporativo. Nem sempre foi fácil marcar uma posição de liderança, chegando de saltos altos, entre quadros maioritariamente masculinos e pouco recetivos a novas dinâmicas que pudessem pôr em causa os seus princípios. Mas a verdade é que isso só veio incentivar a que, mais rapidamente, desejasse criar o meu próprio negócio onde pudesse aplicar estratégias de cooperação e hierarquias sem género.

A Comunidade IWW é então um reflexo das suas vivências como empresária, de forma a apoiar outras mulheres na concretização dos seus objetivos?
De certa forma, sim. A IWW acaba por ser um reflexo do que vivi e tenho experienciado no meu percurso, nomeadamente na criação do meu próprio emprego. Acreditando sempre na viabilidade de ter a minha própria agência, foi o foco e persistência que me levaram a ultrapassar algumas adversidades com que me fui deparando. O facto de me poder apoiar em outras empreendedoras e demais parcerias, que fui consolidando na minha rede de networking, foi fulcral para poder crescer e desenvolver competências fundamentais para me tornar uma profissional de referência, mais confiante, independente e capacitada, para ser dona do meu próprio negócio. Percebendo que esta é uma realidade vivida por muitas outras mulheres, desafiei-me a criar uma Comunidade de Empreendedorismo, com o propósito de inspirar e apoiar mulheres no desenvolvimento e expansão do seu potencial, transformando sonhos em realidade.

Completados seis meses de atividade, que análise faz sobre a evolução da Comunidade IWW?
Como qualquer projeto em fase inicial, ainda estamos a viver o deslumbre do sucesso, na conquista de novas membros e a consolidar alguns processos. No entanto, posso dizer que estamos muito felizes com algumas das conquistas já feitas, sólidas parcerias e envolvimento das membros nas atividades que vamos desenvolvendo. Os programas de apoio para o ano 2023 já estão a decorrer, onde se incluem workshops, sessões de mentoria e encontros temáticos. Este mês de março, a fechar o primeiro trimestre, teremos o nosso 1º Evento do ano, onde celebramos ‘Ser Mulher’.

Que mensagem gostaria de deixar a todas as Mulheres que pretendem alcançar algo de diferente na vida e porque nunca devem desistir dos seus sonhos?
Se temos um sonho é porque temos vontades, e se lhe juntarmos persistência e foco, é porque somos empreendedoras. Daí a chegarmos ao que pretendemos, são meros detalhes. E parafraseando uma mulher inspiradora, que marcou uma geração: ‘Uma mulher pode ser duas coisas: quem e o que ela quiser’ – Coco Channel. A sublime forma como superou dificuldades e obstáculos, sem ir contra os seus princípios, mantendo-se confiante nas suas escolhas e objetivos, foram prova do seu sucesso. Não devemos, por isso, desistir dos nossos sonhos e, acima de tudo, o importante é sermos felizes com o que escolhemos ser e fazer!