Aumentam as ciberameaças no setor da Defesa devido ao conflito Rússia-Ucrânia

A S21sec, fornecedora líder de cibersegurança na Europa, identificou no seu relatório semestral de referência, ‘Threat Landscape Report’, os grupos cibercriminonos, ‘hacktivistas’ e as Ameaças Persistentes Avançadas (APT) do setor da Defesa.

Data:

A S21sec, uma das fornecedoras líderes de cibersegurança na Europa, identificou no seu relatório semestral de referência, Threat Landscape Report, uma intensificação dos ciberataques contra os governos ocidentais aliados da Ucrânia, com o propósito de afetar infraestruturas críticas associadas a setores como: militar, logístico ou governamental. Neste sentido, o Conselho da União Europeia publicou um aviso dos riscos de ciberataques relacionados com a guerra da Ucrânia aos países europeus.

A empresa, que analisou a evolução mundial do cibercrime no decorrer do segundo semestre de 2022, destacou as ciberameaças como um dos principais perigos para os organismos estatais de Defesa. Segundo o documento, o Serviço de Segurança da Ucrânia apontou que os ciberataques dirigidos contra o território ucraniano triplicaram em 2022 em comparação com anos anteriores, uma situação que se alastra a governos dos países ocidentais aliados da Ucrânia, que também se viram afetados devido à intensificação dos ciberataques.

Com base no relatório da S21sec, e de acordo com a Microsoft, os serviços de inteligência russos mostraram esforços de intrusão nas redes de 42 países diferentes com 128 alvos de ataque específicos. A S21sec reúne no seu relatório os principais grupos que ameaçam o setor da Defesa, entre os quais se destacam os grupos APT (Advanced Persistent Threats), que levaram a cabo ciberataques avançados contra alvos militares e de defesa com o objetivo de identificar as vulnerabilidades dos organismos estatais, exfiltrar informações sensíveis e tentar provocar dano às infraestruturas de suporte dessas organizações.

“A maioria dos ataques tem como objetivo obter informação sensível dos Estados que têm um papel importante na NATO, com a finalidade de os destabilizar, pelo que é fundamental que todas as agências governamentais reforcem a sua operação de segurança tendo em vista o prolongamento do conflito cada vez mais cibernético entre a Rússia e a Ucrânia”, afirma Hugo Nunes, responsável da equipa de Intelligence da S21sec em Portugal.

Grupos organizados, hacktivistas e ATPs: as ameaças ao setor da Defesa

Sobre os grupos criminosos organizados, entre os quais se encontram os grupos que aplicam ransomware, a empresa registou neste relatório um total de 44 famílias de ransomware que afetam todo o tipo de setores. Dentro desta tipologia de ciberataques a S21sec localizou alguns grupos com uma maior atividade  contra a indústria da Defesa, como: LockBit 3.0, BlackCat (ALPHV) e Black Basta.

O panorama dos grupos hacktivistas alterou-se desde o início da guerra da Ucrânia, com a participação dos chamados coletivos pró-russos e pró-ucranianos. A S21sec destaca neste relatório os grupos que se converteram nas principais ameaças contra empresas ou organizações do setor da Defesa, como é o caso do grupo Adrastea, que atacou uma empresa europeia de fabrico de mísseis.

Por outro lado, os grupos APT, que contam com uma alta capacidade de atuação e infeção, impactaram algumas organizações de Estados pertencentes à NATO. O estudo da S21sec assegura que este tipo de atores realizou ações de ciberespionagem contra entidades do setor da Defesa da União Europeia. Para além disso, assinala que estas ações são patrocinadas por Estados com apoio dos seus serviços de inteligência.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 132

Popular

Mais Artigos deste tipo

Verão na Casa da Música: mais de 70 concertos até setembro

O festival começou ontem, 20 de junho, na praceta...

Lince Ibérico passa de espécie “em risco” para “vulnerável” na lista da UICN

A UICN vai atualizar oficialmente a sua lista de...

MB WAY a preparar o futuro dos pagamentos europeus

O MB WAY tem, a partir de hoje, um...