“O contentor não é uma caixa, é um objeto que tem que trazer valor ao cliente”

A Revista Pontos de Vista marcou presença no evento de lançamento da nova geração de contentores de transporte marítimo, produzidos pela AELER Technologies, que se realizou no passado dia 21 de março, no Armazém Logístico do Grupo ETE. Nesta iniciativa, estiveram presentes Naik Londono, Co-fundador e CO-CEO da AELER Technologies, Tiago Martins, Administrador do Grupo ETE, João Silva, Diretor Executivo da Navex, empresa do Grupo responsável pela introdução, dinamização e exposição comercial dos contentores no mercado português, bem como outros membros da Direção e clientes.

618

Foi no dia 21 de março, no primeiro final de tarde da Primavera, no Armazém Logístico do Grupo ETE em Leixões, no Porto, que decorreu o evento de apresentação da nova geração de contentores de transporte marítimo, desenvolvida pela AELER Technologies, uma empresa suíça, com sede na Escola Politécnica Federal de Lausanne. «Pela mão» de Naik Londono, um dos fundadores e CEO’s da organização, a «enchente» presente conheceu uma das unidades – o número 90 – da «nova coleção» de contentores marítimos, que conjugam a inovação com a sustentabilidade, «agitando assim as águas» da indústria do transporte marítimo.

Logo após as apresentações, foi num discurso descontraído, , que a Revista Pontos de Vista conversou com um dos impulsionadores desta recente marca de contentores. Naik Londono explicou que começaram a desenvolver, oficialmente, o projeto em 2018 e que só para “aperfeiçoar toda a tecnologia envolvida no mesmo, demorou cerca de cinco anos”.

Não seguindo o provérbio popular português, «o segredo é a alma do negócio», o empresário salientou, sem suspense, que “até ao final deste ano estamos a prever desenvolver 5.000 contentores” e colocar em circulação “entre 2.000 a 3.000”.

Sem interrupções e num tom entusiasta, o nosso entrevistado, destacou que esta gama de contentores reúne uma série de vantagens e benefícios. O próprio afirmou que os novos contentores “são mais resistentes e eficientes”, devido a um tipo de material de que são compostos, o que permite colocar mais 17% de carga útil, comparativamente com os vigentes, mas também, reduzir as emissões de CO2 em 20% e o consumo de combustível em 4%. Para além disso, segundo o interlocutor, os contentores possuem um isolamento estrutural, que diminui, de forma drástica, as oscilações de temperatura e humidade.

De acordo com o empreendedor, os contentores também são “inteligentes”, inovadores, sustentáveis e promovem uma maior segurança a todos os intervenientes. Dois destes pontos – a inovação e a segurança – são assegurados por causa de uma torre de controlo de alta tecnologia, «encaixada» dentro do contentor, que possibilita observar, em tempo real, a localização exata do mesmo, numa espécie de GPS, e monitorizar a mercadoria. Isto, por exemplo, “ajuda a prevenir os roubos e a melhorar a gestão e a qualidade da carga, colocada no interior do contentor. E hoje em dia, o mundo produz em demasia, porque há muita insegurança na Logística”, frisou o co-fundador da AELER. Aliado à segurança, este diapositivo, fornece informações reais sobre a condição do contentor e a respetiva carga, antes que o mesmo chegue ao porto. Portanto, com a introdução deste contentor no mercado, haverá mais tempo para agir, sob algum cenário penoso.

O «fazer diferente» da AELER não está apenas vincado nas caraterísticas dos contentores, mas também na forma como os mesmos são projetados para o público-alvo: “um contentor é um produto, mas não deixa de ser um serviço. Nós, não vendemos o contentor, mas damos um serviço aos clientes, o que também é uma grande inovação no mercado”, reiterou Naik Londono.

Tendo em conta todas as características dos contentores, acima elencadas, Naik Londono, referiu que esses irão transformar o ramo de transporte marítimo, contudo, para tal é preciso mudar a “mentalidade da indústria”. O mesmo esclareceu que “atualmente, o contentor não tem valor, é visto como uma caixa, a mais barata possível”. Todavia, “um contentor não é uma caixa, é um objeto que tem que trazer valor ao cliente. A AELER quer trazer essa mudança societal. Essa, faz-se pouco a pouco, com nichos de mercado. E quando as pessoas começaram a ficar habituadas a esta ideia de um contentor ser mais sustentável e inteligente vão encontrar mais valor no mesmo, tal como aconteceu quando os carros elétricos apareceram no mercado automóvel”.

Antes do final da conversa, o Co-fundador e Co-CEO ressalvou que a parceria da AELER Technologies com a Navex, agente de navegação líder em Portugal, do Grupo ETE, “é muito importante para trazer valor aos clientes” e ao próprio mercado.

A VISÃO DOS PRESENTES

Tiago Martins,
Administrador do Grupo ETE

“O Grupo ETE foi constituído em 1936, portanto temos praticamente 90 anos de história. Alguns dos valores que, de facto, marcaram o nosso caminho foram a inovação, a qualidade e a modernidade. Isto faz com que procuremos a eficiência, padrões de qualidade e parcerias que nos ajudem a atingir a sustentabilidade do negócio e o que vemos neste evento é um exemplo disso mesmo. O GRUPO ETE identificou, na AELER, uma solução que pode vir a revolucionar aquilo que é um contentor convencional, trazendo não só os tais padrões de qualidade, mas também de sustentabilidade. Mais do que suprir uma necessidade do mercado dos contentores a nível mundial, esta geração de contentores vem levantar duas questões importantes: por um lado, um padrão de sustentabilidade naquilo que é a indústria da contentorização e, por outro, a tecnologia que vai impulsionar uma mudança de paradigma, uma vez que o contentor vai começar a ser percecionado como um serviço que é muito mais do que uma simples «caixa» que transporta produtos”.

João Silva,
Diretor Executivo da Navex

“A Navex está, hoje, na liderança do mercado em Portugal e, portanto, queremos sempre aumentar o nosso portefólio de serviços. Esta nova gama de contentores inteligentes traz duas vantagens significativas: possibilita, por um lado, um aumento dos serviços que entregamos aos clientes e, por outro, os mesmos terão uma solução com uma capacidade de carga maior, um isolamento muito superior, que mantém a qualidade do produto que transporta, um novo modelo de pricing, entre outras características. Isto permite à Navex e ao Grupo ETE aumentar a satisfação dos clientes no mercado. Além disso, outro fator que é importante para nós é a sustentabilidade. Estes novos contentores, da forma como são construídos, sobre material reciclado, permitem poupar mais de 4%, nomeadamente em combustível. Neste processo, o grande papel na aliança que a Navex tem com a AELER é introduzir os contentores no mercado, seja para os transitários, seja para clientes diretos, importadores, exportadores ou outros, e dinamizar as vendas da AELER, em Portugal e em Cabo Verde”.

Sofia Ribeiro,
Head of Design da AELER

“Algo muito importante para o posicionamento da AELER no mercado português é esta parceria com o Grupo ETE, que nos permitiu mostrar aos potenciais clientes este novo produto. Uma das grandes dificuldades que vamos ter é, efetivamente, convencer de que esta mudança é benéfica, uma vez que se trata de uma indústria muito apegada ao que é tradicional. Por essa questão, temos de mostrar que vale a pena fazer o salto e experimentar um produto diferente e uma forma distinta de trabalhar. E a nossa ideia, através desta inovação, aliada à sustentabilidade que é tão necessária, é impulsionar e facilitar essa transição. Em Portugal, a nossa estratégia começa por estabelecer parcerias como aquela que vemos agora a acontecer e, assim, aumentar a exposição da AELER no país, e ainda pelo recrutamento. Temos escritório no Porto desde o ano passado, mas também recrutamos colaboradores em todo o país. O objetivo é fazer deste Pólo, no Porto, um centro de inovação e aqui desenvolver todas as nossas ideias, como esta geração de contentores. Ainda só agora estamos a começar”.