“Acompanhar de perto as Tendências Tecnológicas é essencial para garantir o progresso e a inovação no setor”

“A transformação digital é inevitável e irá permitir aos escritórios tornarem-se mais eficientes, otimizando os seus recursos, traduzindo-se em maior qualidade, rapidez e eficiência nos serviços prestados”. Quem o afirma é António Xavier, Diretor Executivo da Gesconfer - Gestão e Contabilidade, Lda, uma marca de renome e prestígio no universo da contabilidade e que diariamente perpetua uma dinâmica de resposta às necessidades dos clientes, assegurando um posicionamento timbrado no slogan da Gesconfer, ou seja, «Consigo, para além dos números».

487

A Gesconfer iniciou a sua atividade em 1995, na sequência das necessidades sentidas no seio das PME’s e no âmbito da Contabilidade, Fiscalidade e Gestão. Fazendo uma breve análise ao mercado de há 28 anos, que lacunas existiam e que a marca colmatou?
Na sua essência este período caracterizou-se por uma adaptação e evolução constante, do processo contabilístico às novas necessidades de todos os intervenientes, nomeadamente as empresas, os empresários, a Autoridade Tributária (AT) e a Segurança Social (SS).
A verdade, é que o setor se adaptou, com maior ou menor dificuldade, mas sempre com sucesso, baseado num forte investimento em recursos e formação, face à complexidade das matérias tratadas pelas empresas de contabilidade. Se pensarmos que em 1995 as declarações fiscais eram preenchidas manualmente, utilizando-se o papel químico para preencher os seus duplicados, submetidas aos balcões das repartições de finanças para posteriormente os dados serem introduzidos no sistema da Autoridade Tributária, ficamos com a certeza da transformação que sucedeu.
A globalização foi também uma das causas, para a aceleração e adaptação, destas empresas, como garante ao bom funcionamento da economia e do cumprimento de todas as normas europeias transpostas para o normativo português.
No entanto, neste momento, é essencial rever todo o processo declarativo bem como o calendário fiscal face ao peso que apresenta nas estruturas das pequenas empresas, forçando os escritórios de contabilidade a dedicarem-se a tarefas pouco produtivas para as empresas em detrimento daquilo que deviam estar a fazer, contabilidade e apoio à gestão. São fatores com impacto na economia real, muitas vezes dissuasores de investimento, principalmente estrangeiro. Continuamos a trabalhar para mitigar este efeito, mas é necessário que os contabilistas, os empresários e as entidades públicas, passem a trabalhar em conjunto.

Hoje, a Gesconfer presta serviços de Contabilidade a empresários, PME’s e outras entidades em todo o país, bem como apoio à Gestão. O que faz desta uma marca distinta dentro do seu setor?
A proximidade com o cliente é um fator chave. Conhecer os seus pontos fortes e fracos, bem como as necessidades, são elementos essenciais que definem a nossa intervenção. Procuramos sempre que essa intervenção seja preventiva, fruto de uma experiência de 28 anos que nos permite conhecer muito bem os diversos setores de atividade e nos preparou para o surgimento de novos negócios. Dotar os empresários com a informação que cada um necessita é sem dúvida outra das nossas grandes preocupações. Tudo isto só é possível, com uma equipa preparada, disponível e preocupada com o cliente.

Observando o mercado em geral, rapidamente percebemos que a inovação e a transformação digital são temas recorrentes. Em particular no setor da Gestão e Contabilidade, considera que esta mudança está cada vez mais presente na realidade das empresas? De que forma é possível percecionar este facto?
Sem dúvida que esta mudança está em curso e cremos que será das mais importantes neste setor, na medida em que transformará a forma como os escritórios de contabilidade operam. Numa perspetiva de gestão, a viabilidade deste tipo de escritórios passará indelevelmente por uma transformação desta natureza e que irá permitir a redução de custos e consequente aumento das margens, valorização dos serviços prestados e prestação de novos, diluindo o risco de ter praticamente um único serviço.
Para que tal aconteça é necessário que a legislação se adapte a esta nova realidade, não podemos querer desmaterializar todo o processo declarativo, ao mesmo tempo que se exige, às empresas manterem arquivos em papel durante vários anos.

Impulsionada por novas tecnologias e mudanças regulatórias, a transformação digital dos negócios alcançou um patamar singular de complexidade. Na sua perspetiva, quão legítimo é afirmar que esta mudança trouxe ao mercado português uma maior competitividade empresarial?
A transformação digital é inevitável e irá permitir aos escritórios tornarem-se mais eficientes, otimizando os seus recursos, traduzindo-se em maior qualidade, rapidez e eficiência nos serviços prestados, ao mesmo tempo que trará uma maior complexidade a todo o contexto da atuação dos escritórios, sendo necessário a existência de equipas mais preparadas e especializadas. Tudo isto implica valorização dos recursos e dos serviços prestados, que face à competitividade requerem maior qualificação, dedicação e comprometimento, que deverá acontecer, não pela redução dos preços, tal como acontece agora, mas pela excelência na entrega do “produto” final.

Com estes desafios acrescidos, o panorama atual da economia também acaba por se modificar. Qual diria que é, assim, o papel dos escritórios de Contabilidade neste novo modelo económico? Qual é, também, o papel da tecnologia nesta fase de transição e no futuro?
Somos uma economia composta essencialmente por micro e pequenas empresas, muitas delas com uma estrutura reduzida que não permite o cumprimento de um conjunto de obrigações, tendo os escritórios de contabilidade, nestes casos, um papel fundamental, sendo o contabilista um elemento da maior importância no acompanhamento destas empresas.
A transformação destes escritórios será evidente na medida em irão surgir, novos serviços com necessidade de maior especialização, fazendo com que as tarefas rotineiras passem a ser feitas de forma automática com reduzida intervenção “humana”. Atualmente, no nosso escritório, já conseguimos recolher e submeter ficheiros Safts da faturação sem qualquer intervenção do cliente e/ou da nossa equipa, que se limita a validar e controlar o êxito da submissão. Creio que o escritório do futuro (próximo), terá uma forte componente tecnológica que se ocupará de executar tarefas básicas ou mesmo mais complexas, que na maior parte das vezes não acrescentam qualquer valor à empresa, permitindo o foco dos especialistas, noutras de maior valor acrescentado.

Acompanhar estas novas tendências do mercado e do seu impacto, começa, sobretudo, pela formação. Considera que a formação no setor da Gestão e Contabilidade está preparada para dar resposta aos desafios digitais?
Os escritórios já se estão a preparar para essa mudança, seja pela formação, seja pela via do investimento ou ambos. Trata-se de sobrevivência, quem não o fizer terá poucas possibilidades de progredir nesta atividade.
Ao longo destes 28 anos, passámos por transformações muito significativas, com maior ou menor impacto, no entanto a adaptação deste setor foi extraordinária. São exemplo disso, a desmaterialização do processo declarativo, a alteração do normativo contabilístico (POC para o SNC), a adaptação ao trabalho à distância no âmbito da pandemia da Covid-19 e só foi possível fazê-lo com uma forte aposta na formação e em processos mais evoluídos. Acompanhar de perto as tendências tecnológicas é essencial para garantir o progresso e a inovação no setor.

Face ao já mencionado, com que atitude e valores corporativos a Gesconfer vai continuar a apoiar os seus clientes e ser, por isso, o parceiro ideal nesta fase de mudança?
O nosso percurso fala por si. Mantemos o objetivo de fazer o caminho lado a lado com o nosso cliente que vai muito além de uma relação comercial, trata-se de uma verdadeira parceria.
Proximidade, avaliação precisa das suas necessidades, foco na melhor solução e dotá-lo de informação para uma melhor e mais consciente tomada de decisões. Sabemos que numa parceria, o sucesso de uma das partes será também o sucesso da outra e nesse sentido que trabalhamos todos os dias.
Não posso terminar sem falar na equipa, focada, empenhada e sempre disponível. O nosso posicionamento para com o cliente encontra-se estampado no nosso slogan “Consigo, para além dos números”.