“O concelho do Alandroal é uma História que nunca acaba”

De 26 a 28 de maio realiza-se a edição ABITS Festival da Cerveja ao Petisco 2023, em Alandroal. Em conversa com a Revista Pontos de Vista, João Maria Grilo, Presidente da Câmara Municipal deste concelho, contou-nos qual é a expectativa para o evento e ainda as novidades que podemos esperar. Saiba tudo.

759

João Maria Grilo é Presidente da Câmara Municipal de Alandroal. Para começar, quais foram os grandes objetivos a que se propôs, no início das suas funções?
Face à frágil situação financeira do município, as nossas prioridades foram, desde o início, a redução do endividamento e normalização da relação com parceiros e fornecedores e ao mesmo tempo concretizar os investimentos estruturantes para desenvolver o concelho e atrair investidores privados nas áreas em que este apresenta maior potencial. A grande prioridade é o investimento gerador de emprego.

O Concelho de Alandroal, localizado no distrito de Évora, em pleno Alentejo Central, destaca-se pela presença de um vasto património. Além da sua relevância história, o que faz com que este seja um Município especial em Portugal?
O concelho tem três vilas, Alandroal, Terena e Juromenha a que correspondem outros tantos centros históricos em que se destacam três castelos. O restauro e conservação destes elementos patrimoniais únicos é para nós uma prioridade porque funcionam como âncoras para outros investimentos públicos e privados. Estamos a demonstrá-lo em Juromenha, onde está em curso um investimento de cinco milhões de euros e queremos fazê-lo de seguida em Terena. O concelho tem ainda outros atrativos patrimoniais materiais e imateriais que completam uma identidade cultural muito forte. O imaginário de Endovélico, deus da Lusitânia romana, a religiosidade associada a Nossa Senhora da Boa Nova (Terena) ou as Festas da Santa Cruz (Aldeia da Venda) são bons exemplos disso. O concelho tem uma longa extensão de fronteira com Espanha marcada pelo rio Guadiana, hoje transformado em Alqueva. Aliás, é em Juromenha que começa Alqueva. Daqui resulta as tradições culturais e gastronómicas que dão suporte ao Festival do Peixe do Rio (março de cada ano) e à grande vocação para atividades náuticas desportivas, de recreio e de lazer bem evidentes na recentemente inaugurada praia das Azenhas D´El Rei, em Montejuntos. O município pertence também à Zona dos Mármores, ficando no limite sul da influência do Anticlinal de Estremoz. Está ainda na área de influência da Serra D´Ossa, local onde nasce a Ribeira do Lucefecit, que atravessa todo o concelho e que constitui um enorme ativo natural e repositório de vestígios de sucessivas ocupações humanas ao longo de milénios. Estamos a ser atravessados pela nova linha ferroviária do Corredor Internacional Sul, que liga Sines ao Caia e a Espanha, com o que isso representa de oportunidades e temos excelentes condições para a consolidação de um cluster de energias renováveis com destaque para o solar fotovoltaico e o hidrogénio verde. Estamos a 20 minutos da autoestrada A6 e a 45 minutos de Évora e de Badajoz.

Alandroal é um território de oportunidades para vários efeitos: para investir, para viver ou para visitar. Com o mundo a mudar, de que forma o Município se tem conseguido reinventar?
O município está a afirmar-se pelo que oferece de único e irrepetível para quem procura espaço para investir, para quem quer conhecer e para quem quer vir viver connosco. A pandemia mostrou a muitas pessoas que o mais importante é a qualidade de vida e as novas tecnologias permitiram a muitas outras conciliar essa qualidade de vida e proximidade à natureza com o trabalho remoto. Isso representa mais vida para as nossas aldeias e vilas e a comunidade local reconhece esse valor recebendo bem as pessoas. O desafio agora é criar oportunidades para os que cá nasceram não terem que sair e para atrair de novo os que tiveram que sair, mas vivem com vontade de regressar. A estratégia de investimento em curso, públicos e privados, irá dar frutos nesse sentido.

Uma das grandes missões de hoje, é a forte aposta no ambiente e na sustentabilidade presente e futura. O que tem vindo a ser, neste sentido, desenvolvido pelo Município?
Fazemos uma grande aposta na sustentabilidade, porque grande parte da nossa capacidade de atração de pessoas e investimentos depende da manutenção futura dos excelentes indicadores ambientais que temos neste momento. Estamos a alinhar a nossa estratégia de desenvolvimento com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentado da ONU, participamos em vários projetos de combate às alterações climáticas e mitigação dos efeitos de ondas de calor e dedicamos uma atenção especial à agricultura biológica e regenerativa à qual dedicamos um evento bi-anual, o Soil to Soul Alandroal.

Além das suas naturais preocupações com o território, o Município promove o turismo e iniciativas que unam habitantes e visitantes – e a prova disso mesmo é que, em 2022, Alandroal foi considerado a capital da cerveja artesanal e da observação do céu, através do festival «A Beer In The Sky (ABITS) Alandroal. Que importância este evento tem para a região?
É um evento que nos posiciona na região e no mundo com base num outro ativo muito importante que ainda não tinha mencionado e que é o nosso céu, dos melhores do mundo para observação astronómica face à baixa poluição luminosa. Integramos a Reserva Dark Sky Alqueva, o primeiro Starlight Tourism Destination do mundo. Tivemos a oportunidade de associar este potencial à cerveja artesanal, um importante produto da região que não tinha nenhum festival que a promovesse no Alentejo. E assim nasceu a ideia de promover cervejas artesanais de Portugal e do mundo debaixo das estrelas de Alqueva.

Certo é, de 26 a 28 de maio realiza-se a edição ABITS Festival da Cerveja ao Petisco 2023 e vai juntar as melhores cervejas artesanais de Portugal e do mundo, conjugadas com os melhores petiscos de Alandroal. Como perspetiva a edição deste ano?
A edição deste ano reforça a aposta na oferta gastronómica e garante o acesso a uma oferta muito diversificada de cervejas artesanais a preços muito competitivos. Os petiscos serão maioritariamente apresentados pelo movimento associativo do concelho, com base em produtos do concelho, o que garante a autenticidade e acessibilidade da oferta. Os concertos e animação de rua completam o que esperamos que seja um ambiente muito descontraído no cenário único do interior do Castelo do Alandroal.

Este é, obviamente, um festival que zela pelos seus habitantes, mas é sobretudo um festival virado para fora da região e também de Portugal. Atrair pessoas de todo o mundo, e sobretudo, de outros países da Europa é uma missão clara do ABITS 2023? Por que motivos?
A cerveja artesanal é um produto capaz de mobilizar uma grande comunidade distribuída por toda a Europa e por todo o mundo, atenta ao que se passa e capaz de se deslocar para um evento específico. Contamos com isso e fazemos uma aposta especial na ligação à nossa vizinha Espanha pela proximidade.

Sabemos que, este ano, não faltarão as cervejas artesanais. Que outras novidades podemos esperar do ABITS 2023?
Podemos esperar mais de 20 cervejeiros do Alentejo e do mundo com uma oferta diversificada, uma infinidade de petiscos locais, muito animação e surpresas e acontecer no recinto e a possibilidade de observar os céus de alqueva.

Gostaria, por fim, de deixar um convite aos nossos leitores, para visitarem o ABITS 2023?
O concelho do Alandroal é uma história que nunca acaba, que está ao acesso de todos, mas que só pode ser vivida por quem estiver disposta a “perder-se” com tempo no nosso território e no convívio com as nossas gentes. O céu, as cervejas e os petiscos são excelentes pretextos para que cada um construa o seu próprio episódio desta história única.