“O ISCAC está a criar oportunidades para os estudantes e para a economia da União Europeia”

Alexandre Gomes da Silva, Presidente do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra afirmou, em entrevista, que garantidamente o ISCAC tem vindo a ter um papel crucial “na formação de profissionais qualificados e competentes que possam responder às necessidades do mercado”. Sabendo que hoje, mais do que nunca, estas mesmas necessidades variam a uma velocidade vertiginosa, importa que este Instituto contribua para a contabilidade, gestão e produtividade nacional.

1461

Sabemos que uma Escola de Ensino Superior deve preparar os seus estudantes para serem profissionais competentes, mas é preciso muito mais do que isso. Além da cronologia de sucesso do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra (ISCAC), o que faz desta instituição, a nível nacional, uma das melhores?
Existem vários fatores que fazem do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra (ISCAC) uma instituição de ensino superior de referência em Portugal. Além da sua longa tradição e prestígio na área da Contabilidade, Auditoria e Fiscalidade – um dos quatro ISCAs do país – o ISCAC possui um corpo docente que combina elevada qualificação científica com experiência prática empresarial, uma ampla oferta formativa, incluindo licenciaturas, mestrados e pós-graduações, e uma forte ligação ao tecido empresarial e à comunidade local. Ao abraçar as ciências empresariais como um todo e a adotar a designação de Coimbra Business School conseguiu uma abordagem global de todas as áreas dando uma formação completa em todos os setores onde operam as empresas e organizações.
Além disso, o ISCAC tem vindo a investir em inovação e digitalização, proporcionando aos seus estudantes uma formação atualizada e adaptada às necessidades do mercado.

Algo que destaca também o ISCAC no setor do ensino, é a inovação e a digitalização que aqui se desenvolve. Em que medida, o Instituto, há muito estava atento e no caminho certo no que concerne a um novo paradigma de ensino?
O ISCAC tem estado atento e a investir no desenvolvimento de novas metodologias e tecnologias de ensino há já alguns anos. O Instituto tem vindo a introduzir gradualmente novas tecnologias, como a utilização de plataformas de e-learning, videoconferência, gamificação e outras ferramentas digitais na sala de aula. Este investimento em inovação e digitalização tem permitido ao ISCAC estar na vanguarda do ensino superior e oferecer aos seus estudantes uma formação moderna e adaptada às exigências do mercado de trabalho. Nomeadamente as disciplinas de simulação, em que os estudantes utilizam softwares e ferramentas práticas nas aulas, permitem que os estudantes tenham uma experiência “real” de contacto com o quotidiano profissional sem sair da sala de aula. Também na reestruturação dos planos curriculares têm sido introduzidas unidades de ligadas à programação, data science, AI, permitindo aos alunos contacto como atores desta nova realidade preparando-os para futuras profissões que certamente utilizarão estas tecnologias.

Certo é, a Comissão Europeia determinou que 2023 é o Ano Europeu das Competências. O objetivo é o de promover a aprendizagem ao longo da vida e o desenvolvimento de competências importantes no mercado de trabalho. Enquanto Presidente do ISCAC, e consciente das rápidas mudanças no mercado, quão importante será este ano para os profissionais, empresas e setor da Contabilidade?
O Ano Europeu das Competências é uma iniciativa importante para promover a aprendizagem ao longo da vida e desenvolver competências essenciais para o mercado de trabalho. Neste contexto, é fundamental que os profissionais e as empresas estejam atentos às novas tendências e desafios do mercado e que invistam continuamente na formação e na atualização das suas competências. Como instituição de ensino superior, o ISCAC vem tendo um papel importante na promoção da aprendizagem ao longo da vida e na formação de profissionais qualificados e competentes que possam responder às necessidades do mercado. A alargada oferta de pós-graduações e MBAs tem permitido que muitos antigos estudantes da escola e graduados de outras instituições recorram ao ISCAC para reciclagem e atualização de competências, bem como para a aquisição de novas valências. Três pontos essenciais neste campo: a digitalização (incluindo a AI, machine learning, data science, entre outros), o trabalho remoto (formação na área de team building, liderança, entre outros) e a rapidez das alterações do mercado.

Uma das metas da Comissão Europeia é que exista uma taxa de emprego de pelo menos 78% até ao ano de 2030. Como observa o momento atual do setor da Contabilidade, em Portugal, no que respeita à taxa de emprego? De que forma, o ISCAC, colmata possíveis lacunas, com as mais elevadas taxas de empregabilidade dos seus diplomados?
A Coimbra Business School tem registado uma taxa de empregabilidade elevada. A instituição tem uma forte ligação ao tecido empresarial, promovendo estágios e programas de colaboração com empresas e oferecendo uma formação altamente adaptada às necessidades do mercado de trabalho. Além disso, o ISCAC tem vindo a investir na internacionalização e na promoção da mobilidade dos seus estudantes, o que tem contribuído para aumentar as oportunidades de emprego dos seus diplomados. A escola organiza ainda anualmente uma feira de emprego (Business Week) em que empresas de referência (este ano foram cerca de 70) se vêm apresentar aos nossos alunos e realiza regularmente eventos de recrutamento que permitem que os estudantes se aproximem do mercado de trabalho e que as empresas acedam ao talento em desenvolvimento na escola.

A transferência de conhecimento, em necessária articulação com o ensino e a investigação, reflete, de modo holístico, o relacionamento do ISCAC com a sociedade. De que forma, esta relação e ligação com Universidades e outras Instituições de Ensino, têm sido uma resposta eficaz às necessidades emergentes das empresas? Qual o impacto económico em que isto se traduz?
O ISCAC tem uma forte ligação com outras instituições de ensino superior e com o tecido empresarial, promovendo a transferência de conhecimento e a cooperação entre diferentes entidades. Esta relação tem permitido ao ISCAC estar atento às necessidades emergentes das empresas e da sociedade em geral e adaptar a sua oferta formativa de forma a responder a essas necessidades. O impacto económico deste trabalho tem sido significativo, contribuindo para o desenvolvimento económico e social da região e do país, na forma de projetos, de parcerias, de candidaturas a vários programas e financiamentos, a participação em redes colaborativas, na internacionalização e na produção de artigos científicos.

Com vários programas e fundos comunitários a terem lugar para o setor empresarial, com o PRR e o PT2030 em execução, de que forma a Contabilidade pode ajudar a contornar esta menor incidência positiva devido à inflação nas contas das empresas e, ao mesmo tempo, ser uma alavanca de sustentabilidade?
A Coimbra Business School forma diversos perfis de profissionais que podem oferecer um contributo decisivo aos organismos de gestão do PRR. Desde os contabilistas, com a sua capacidade de fornecer informações precisas e atualizadas sobre a situação financeira das empresas, que permite que estas possam tomar decisões informadas sobre investimentos, gastos e estratégias de negócio. Os controllers e auditores que garantem que os projetos são devidamente implementados e as regras cumpridas. Os gestores e estrategas que identificam oportunidades e criam planos de ação para as transformar em realidade. Os profissionais de Tecnologias de Informação que criam ferramentas de monitorização que permitem acompanhar todos estes processos de forma mais eficiente. Além disso, as ciências empresariais podem ser uma alavanca de sustentabilidade, fornecendo informações e relatórios sobre as práticas sustentáveis das empresas e ajudando-as a implementar práticas mais responsáveis e amigas do ambiente.

A mentalidade inovadora do ISCAC permite estar a par de temas como a transição ecológica e, como anteriormente referido, a digital. Considera que, ambas as vertentes, estão a criar oportunidades para os estudantes e para a economia da União Europeia? De que forma, o Instituto, tem abraçado estes que são campos tão importantes para o Ano Europeu das Competências?
O ISCAC está a criar oportunidades para os estudantes e para a economia da União Europeia, especialmente nas áreas da sustentabilidade e transição digital. O Instituto tem abraçado essas vertentes através da integração de tecnologia e da sustentabilidade nos seus programas de ensino, pesquisa e projetos empreendedores, preparando assim os seus estudantes para serem profissionais qualificados e inovadores capazes de contribuir para a economia da UE. Além disso os nossos docentes têm participado em várias conferências sobre estes temas produzindo artigos científicos que promovem as melhores práticas e mais conhecimento. A Coimbra Business School é ainda uma “eco-escola” reconhecida pela Associação Bandeira Azul Europeia, realizando um conjunto de iniciativas que promovem a sustentabilidade e o conhecimento de boas práticas nesta área.

Já do ponto de vista do setor da Contabilidade, em que medida uma área mais inovadora, digital e sustentável impacta positivamente a competitividade, gestão e produtividade nacional? O que urge, na sua opinião, acelerar?
Uma área mais inovadora, digital e sustentável na Contabilidade pode impactar positivamente a competitividade, gestão e produtividade nacional, permitindo às empresas portuguesas serem mais eficientes e inovadoras e, consequentemente, mais competitivas no mercado global. Urge acelerar a adoção de tecnologias de ponta na Contabilidade, como inteligência artificial, automação de processos e blockchain, além da incorporação de práticas sustentáveis na gestão financeira e contabilidade das empresas.

A missão do ISCAC é estar à altura de promover não só bons profissionais, mas acrescentando, também, valor científico e técnico, com significativo impacto para o futuro. Sabendo que este mesmo futuro será fruto de inúmeros desafios, sejam económicos, sociais ou ambientais, que papel terá o Instituto, não só no ensino português, como na Contabilidade do país?
O ISCAC tem um papel fundamental na promoção do valor científico e técnico na Contabilidade e na formação de profissionais altamente qualificados e preparados para enfrentar os desafios económicos, sociais e ambientais do futuro. O Instituto pode contribuir para o ensino da Contabilidade no país, através do desenvolvimento de programas de ensino inovadores e da promoção da investigação e inovação em Contabilidade e áreas relacionadas. Além disso, o ISCAC pode liderar iniciativas e parcerias com outras instituições e empresas, contribuindo para o desenvolvimento da Contabilidade em Portugal.