“Todos os que estão no Instituto Karina Leite têm um grande Valor para mim”

Rumámos até Oeiras para falar com Karina Leite, Founder do Instituto Karina Leite – Dental Clinic Brasil e Portugal, para falar sobre o «motor» mais precioso de qualquer organização: as Pessoas. Nesta reportagem vai encontrar ainda a visão de todos os que aqui dedicam as suas vidas profissionais, nesta nova Clínica por terras lusitanas.

167

Com a qualidade que cada tratamento dentário requer, acompanhado de um tratamento humanizado e personalizado, o Instituto Karina Leite dá oportunidade aos pacientes de serem mais felizes e mais saudáveis. Mais de 20 anos depois de experiência e conquistas somadas no Brasil e agora em Portugal, quem é hoje esta marca?
A paixão por Portugal vem da minha história familiar. Os meus avós portugueses da família leite, sempre, desde a minha infância, enfatizavam que era o melhor lugar do mundo para se viver e cresci a ouvir isso. Fiz Odontologia no nordeste do Brasil, na Universidade federal de alagoas e fundámos o Instituto Karina Leite – Odontologia reabilitadora em 2003 – e nestes 20 anos de atividade só crescemos. No Brasil somos 20 colaboradores para cuidar e tratar o sorriso e face de mais de 4000 pacientes de forma multidisciplinar num só local. Na cidade de Maceió – alagoas, fui pioneira nesse modelo de negócio de saúde e Assistência integrada com equipa multidisciplinar entre cirurgias, ortodontia, próteses fixas, facetas e lentes de cinto em porcelana, implantes imediatos e medicina digital.  E hoje, temos mais de 4000 pacientes que são tratados pela nossa equipa e muitos destes são estrangeiros que vão fazer tratamento ao Brasil que passam uma semana e tratam todos os dentes sob supervisão da equipa multidisciplinar. Com essa demanda de estrangeiros para tratar no Brasil, em 2020 chegámos à conclusão, na pandemia, que precisávamos de estar também em Portugal para ficar mais perto de todos os pacientes que nos procuram. Embora o meu relacionamento com o país seja muito antigo, já ministrei muitos cursos aqui, formei muitos dentistas aqui na disciplina de potes e estética dentária de 2007 a 2012 e sou casada com um português do Norte há 25 anos e sendo também de raízes portuguesas da família leite por parte de meu avô materno. Como falei anteriormente, tivemos, durante a pandemia, a ideia de construir a primeira filial internacional do instituto Karina Leite – dental Clinic, seguindo o modelo de negócio do Brasil, a marca Karina Leite já solidificada e acreditada na América latina, chega a terras lusitanas com um conceito e protocolos de tratamento já estabelecidos de excelência em qualidade, High tecnologia e atendimento   personalizado e humanizado de alta excelência. A língua que praticamos na nossa clínica é português e inglês com o objetivo de tratar pessoas  de vários países que procuram por tratamentos estéticos e funcionais  de qualidade, experiência única  e bem-estar  e principalmente para pessoas que procuram uma equipa  humana e com alta expertise em reabilitar o sorriso de forma completa para que seja restabelecido a oclusão ideal, função mastigatória e muscular,  estética correta  de forma planeada e com alta tecnologia e conforto e tratamentos rápidos  para pacientes que moram noutros países.  Já somos dez colaboradores entre funcionários e médicos e a tendência é crescer. A Marca Karina Leite em Portugal é sinónimo de tratamentos médico-dentários estéticos e funcionais de alta qualidade e tecnologia.

Valores como a segurança, a inovação, a credibilidade e a experiência são alguns dos princípios base do Instituto Karina Leite. De que forma tem sido possível cumprir com esta essência, num mercado que é cada vez mais competitivo?
O mercado é muito competitivo quando falamos num nicho de clientes que procuram apenas por preços menores e não conseguem perceber o valor agregado de uma marca solidificada, acreditada e que investe numa equipa de qualidade e alta tecnologia. Esse é o nosso mercado e o nosso potencial – tratar clientes que procuram tecnologia de ponta e valorizam uma clínica médico-dentária para cuidar de forma personalizada, para que o paciente tenha uma experiencia única, tratamento humanizado e que tenha longevidade e durabilidade, além bons preços num só lugar.  Essa é a nossa missão aqui na Europa e já tenho percebido que tem espaço. Quem é bom estabelece-se em qualquer lugar.

Vários são os desafios que hoje existem no mundo – e muitos afirmam que, um deles, é a falta de Capital Humano qualificado. Considera que esta lacuna também se sente na área em que o Instituto Karina Leite se insere? O que urge estabelecer, neste sentido?
Como já estabelecemos protocolos na clínica mãe na América Latina – Brasil, seguimos com formações dos nossos colaboradores com os nossos protocolos e técnicas. Mas, como Founder do instituto, a minha missão maior é formar a todo momento pessoas para cuidar da melhor forma possível os nossos clientes.

Existindo esta lacuna, ou não, o que é certo é que o Instituto Karina Leite abriu portas para uma equipa de profissionais coesa. Enquanto Fundadora desta marca, em que medida os Recursos Humanos têm sido a fórmula do seu sucesso? Quais diria que são os valores humanos e as competências profissionais que o Capital Humano deste Instituto possui?
O líder e a empresa que têm a missão única estabelecida, tem que ter em mente que o mais importante são as pessoas, a tecnologia, as técnicas médicas, a gestão e administração também. Mas se não tiver empatia e envolvimento do projeto de toda a equipa, amor e paixão pelo que faz, orgulho de trabalhar na nossa empresa, não conseguimos evoluir. Portanto, investimento constante em formação dos recursos humanos, relacionamento entre colaboradores, desenvolvimento e vantagens para toda a equipa que trabalha connosco. A minha missão é que todos cresçam comigo e que sintam orgulho em vestir a camisola e fazer parte da família Karina Leite.

A verdade é que não seria possível caminhar sozinho. As Pessoas são, de facto, o veículo mais valioso para alcançar resultados, por isso é importante investir no seu desenvolvimento, motivação e crescimento. De que forma a o Instituto Karina Leite tem apostado nestes três domínios?
Acredito que a minha mãe teve um grande papel na minha vida empreendedora. Ela sempre foi comerciante e vivi isso a minha vida toda, todos os seus colaboradores, do empregado da sua casa à sua gerente eram tratados como reis e rainhas e isso aprendi com ela. Todos os que estão no instituto Karina Leite têm um grande valor para mim e isso é muito gratificante. Inspiro todos a crescerem comigo, sempre juntos, com formações e recompensas também em trabalhar na empresa Karina Leite. Valorizamos muito os nossos colaboradores e tratamos todos como reis. Porque não sou nada sozinha. somos uma família para cuidar de pessoas que precisam de nós e precisamos de estar bem para cuidar dos outros.

O Instituto Karina Leite tem hoje um conjunto de elementos necessários para o seu sucesso – uma equipa determinada, mentalidade inovadora e soluções para todas as áreas da medicina dentária. Assim, onde gostaria de observar a marca daqui a cinco anos? Que metas gostaria de cumprir?
A nossa missão e compromisso com a medicina dentária portuguesa e europeia daqui a cinco anos é tornarmo-nos uma referência em tratamentos de qualidade, humanização e alta tecnologia em Portugal e no Brasil.

Por fim, que mensagem gostaria de deixar a todas as Pessoas que, diariamente, contribuem com o seu trabalho e dedicação para o sucesso do Instituto Karina Leite?
A mensagem que gostaria de deixar para os meus colaboradores dos dois continentes é que o segredo da longevidade de uma empresa é o seguimento de protocolos pré-estabelecidos, humildade e cooperativismo entre os colaboradores. Ninguém é melhor do que ninguém. Temos criado sinergias nos relacionamentos entre empresa-clientes, temo-nos também envolvido em projetos sociais e humanitários, onde todos ganham e cujo resultado final tem sido a melhoria da qualidade de vida de milhares de seres humanos que nos procuram para cuidar deles.  Tratemos do nosso cliente como cada um de nós gostaria de ser tratado, porque sem ele a empresa não existe.