Apenas 13% dos colaboradores receberam formação em IA no último ano

Apesar de ter sido registado um aumento nas funções que exigem competências em Inteligência Artificial (IA) e de mais de 50% dos colaboradores acreditarem que esses conhecimentos serão essenciais para a sua função, apenas um em cada dez (13%) recebeu formação em IA no último ano

Data:

A Randstad apresenta o seu mais recente estudo Workmonitor Pulse Survey, com base em informações de anúncios de emprego e na opinião de mais de 7.000 colaboradores em todo o mundo. A pesquisa conclui que a maioria (52%) acredita que a Inteligência Artificial (IA) irá melhorar as suas perspetivas de progressão de carreira, ultrapassando largamente o receio de utilizar a tecnologia.

O estudo indica que 53% dos colaboradores consideram que a IA tem um impacto nos seus setores e funções.  No entanto, existe, segundo a pesquisa, uma lacuna na formação e desenvolvimento desta tecnologia: apenas 13% dos colaboradores receberam formação sobre IA no último ano. Isto apesar de um em cada três (33%) afirmarem que já utilizam a IA nas suas funções quotidianas.

A maioria dos inquiridos, 55%, mostram-se conscientes de que a aprendizagem e o desenvolvimento serão importantes para garantir o futuro da sua carreira. Um quinto dos profissionais, correspondente a 22%, gostariam que lhes fosse oferecida formação em IA nos próximos 12 meses, sendo esta a terceira oportunidade mais desejada, seguida de competências de liderança (24%) e de bem-estar e mindfulness (23%).

Verifica-se uma lacuna significativa entre a formação que os colaboradores desejam e aquela que recebem.

A pesquisa concluiu ainda que quase 25% dos inquiridos declararam não ter recebido quaisquer oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento nos últimos 12 meses e o número aumenta quando se consideram os operários (41%).

Ao analisar as diferenças geracionais, os dados mostram que a Geração Z valoriza atualmente a aprendizagem e o desenvolvimento, (23%) mais do que a flexibilidade no trabalho (18%) e a cultura da empresa (16%), enquanto que a remuneração continua a ser de importância primordial.

O estudo mostra que os profissionais mais jovens são também os que se sentem mais dispostos a tomar medidas se as suas exigências em matéria de formação não forem satisfeitas, com dois quintos (41%) a afirmar que abandonariam o emprego se não lhes fossem oferecidas oportunidades de aprendizagem e desenvolvimento nos próximos doze meses.

“Percebemos que cada vez mais os empregadores procuram talento com competências em IA – a nossa própria análise dos anúncios de emprego revela um aumento de 2000% desde o primeiro trimestre”, destaca Isabel Roseiro, Diretora de Marketing e Comunicação da Randstad Portugal. “A IA mostra um impacto profundo na produtividade e no desempenho geral no local de trabalho. É, no entanto, fundamental que exista um equilíbrio entre as competências exigidas pelas empresas e desejadas pelos colaboradores, por um lado, e as oportunidades de formação oferecidas, por outro. A IA veio para ficar e os nossos dados revelam que os profissionais estão prontos para adotar esta tecnologia também para o seu próprio benefício. As organizações bem-sucedidas serão aquelas que aproveitarem as oportunidades da IA”, conclui.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 132

Popular

Mais Artigos deste tipo

Moda Online: As Últimas Tendências

Com a crescente popularidade das lojas de roupa online...

Perfumes Online: As Fragrâncias que estão em alta

Descubra o encanto dos perfumes online Comprar perfumes online é...

Festival Alive começa hoje com Arcade Fire e The Smashing Pumpkins

O festival abre as suas portas às 15 horas...

Ensino superior amplia oportunidades de emprego e melhora salários para os jovens

Após a crise pandémica, as taxas de desemprego juvenil...