“No mercado Nacional, vamos continuar a desenvolver a marca e a torná-la acessível”

A BYD Auto nasce em 2003 e foi o 1º fabricante automóvel do mundo a cessar a produção de veículos movidos a combustíveis fosseis, apostando apenas na produção de viaturas elétricas e tem por objetivo acelerar a transição para uma mobilidade mais sustentável e ecológica. Pedro Cordeiro, Chief Operating Officer, da BYD Portugal, reforçou, em entrevista à Revista Pontos de Vista, como a marca olha para Portugal e como, em meros dois meses após o lançamento, já atingiu o marco de 100 matrículas. Saiba mais sobre a BYD e como a mesma pretende consolidar a sua presença em território luso.

172

A BYD é uma empresa dedicada à inovação tecnológica que visa promover e melhorar o bem-estar e a vida das pessoas. Fundada em 1995, com mais de 27 anos de experiência e crescimento sustentado, quem é hoje esta empresa que, hoje, também marca presença em Portugal através do Grupo Salvador Caetano?
É o líder mundial em veículos das novas energias (EV+PHEV), atualmente a terceira empresa mais valiosa do mundo da área automóvel. Tem vindo a crescer de ano para ano, atingindo em agosto último a marca de cinco Milhões de viaturas produzidas.  A génese é tecnológica e fabricou nos anos 90 as baterias de muitos telemóveis que usávamos na Europa, o R&D (Research and Development) assume uma importante fatia do investimento, são mais de 90.000 Engenheiros, com 15 patentes em média por dia, de um total de 700.000 colaboradores, o que mostra bem a capacidade desta empresa.

Certo é que, atualmente, a empresa tem um papel relevante na indústria automóvel, eletrónica, energias renováveis e transportes ferroviários. Por que motivos a BYD se tem vindo a destacar como um parceiro ideal?
A BYD Auto nasce em 2003 e foi o primeiro fabricante automóvel do mundo a cessar a produção de veículos movidos a combustíveis fosseis, apostando apenas na produção de viaturas elétricas e tem por objetivo acelerar a transição para uma mobilidade mais sustentável e ecológica.
Falamos de uma empresa líder que fabrica as próprias baterias, os motores elétricos, as unidades de controle e os semicondutores, entre outros. Esta cadeia verticalizada representa uma menor dependência de fornecedores externos, com menor exposição às falhas das cadeias de distribuição internacionais e uma maior disponibilidade de stock (veículos).
Esta liderança e domínio da cadeia de valor são fatores diferenciados que posicionam a BYD à frente do pelotão, fornecendo inclusive baterias para outros fabricantes, com alguns dos quais detém joint-ventures. É sem dúvida uma aposta de futuro do Grupo Salvador Caetano. Como já dizemos, a BYD veio para ficar.

Esta marca é, por muitos considerada um «gigante» com tentáculos um pouco por todo o lado. Em Portugal recentemente, porquê este mercado?
Efetivamente a empresa, presente atualmente em mais de 60 Países, está na Europa, com sede em Roterdão, desde 1998, com várias áreas de negócio, essencialmente com baterias recarregáveis e equipamentos industriais.
Os automóveis entram na Europa na Noruega em 2020, para um projeto piloto, mas só em 2022 é que o plano de alargamento Europeu se efetiva. Portugal faz parte da 2ª fase de Países, a nossa operação arrancou em maio deste ano.
Os BEV em Portugal, continuam a crescer de forma consistente e já representam a Out´23, quase 20% do mercado total.  Portugal, ainda que em volume seja dos mais pequenos, é claramente dos que têm maior Market Share nos veículos elétricos na Europa, daí a importância para a marca.

Enquanto líder mundial em mobilidade elétrica, a BYD está certa de que irá contribuir para o crescimento da mobilidade mais sustentável em Portugal. Que estratégia tem vindo a alimentar este crescimento?
A marca posiciona-se como Premium accessible, uma vez que fornece valores importantes como a tecnologia de ponta, motores avançados, elevada qualidade de engenharia e produção. As demais características dos veículos permitem que os consumidores desfrutem de vários equipamentos de série, disponíveis em todas as versões, sem terem que pagar excessivamente pelos mesmos.
As viaturas possuem aspetos diferenciadores como as Blade battery (50% mais eficientes em espaço, maior segurança e maior tempo de vida) e a e-Platform 3.0, que incorpora as blade battery, uma bomba de calor e a tecnologia 8 em 1 do sistema de transmissão. A BYD acredita que a SEGURANÇA é o último LUXO dos Automóveis Elétricos e tem como grande objetivo  contribuir para o arrefecimento do planeta em 1ºC.

Em apenas dois meses, a BYD, em Portugal, atingiu um marco de 100 matrículas. O que é que este número representa não só para a empresa como para o país?
Sem dúvida um marco importante que demonstra o potencial da marca e dos modelos que estamos a comercializar. A gama de entrada iniciou com três modelos, BYD HAN (segmento E), BYD TANG (SUV E) e o BYD ATTO 3 (SUV C) e acabamos de lançar o modelo mais acessível o BYD DOLPHIN (Hatchback segmento C) que pretende democratizar o acesso aos veículos elétricos e que tem um PVP a iniciar nos 29.990€.
É o nosso contributo para uma maior sustentabilidade, contribuindo para a redução das emissões de CO2 já em linha com o objetivo da EU de 2035, proibição de venda de veículos com emissões de CO2, para assim se atingir a neutralidade climática em 2050.

O Pedro Cordeiro afirmou, recentemente, que o Grupo Salvador Caetano tem muito a ganhar com a representação desta nova marca e que, inclusive, a parceria agora lançada poderá evoluir para outras áreas de negócio. O que nos pode confidenciar?
Pelo que fui desvendando sobre a marca, sendo um “gigante” tecnológico, fica evidente a dimensão e potencial nas várias áreas onde se movimenta. O nosso grupo possui também várias geografias e áreas de negócio ligadas à mobilidade. Assim, existem vários pontos de contacto pelo que podem sim existir outras possibilidades de cooperação.

Para terminar, quais são os planos da BYD para Portugal a curto prazo? Que novidades estão a caminho?
No mercado Nacional, vamos continuar a desenvolver a marca e a torná-la acessível, estamos já a abrir novos concessionários para uma maior proximidade com os nossos clientes. Iniciamos com quatro cidades, duas a norte (Porto e Vila Nova de Gaia) e duas na zona centro (Lisboa e Cascais). Após cinco meses estamos também já em Setúbal e nas Ilhas Açores e Madeira. No final de outubro anunciamos os novos Vila Real, Aveiro, Coimbra, Braga e Guimarães. Planeamos um crescimento gradual e sustentado para responder às necessidades do mercado. Temos um plano de crescimento que prevê ainda durante 2023 mais cidades do território nacional, a anuncias nas próximas semanas.
Relativamente aos modelos BYD, continuaremos a ter também muitas novidades, novos lançamentos, temos um dos modelos mais aguardados, o BYD SEAL, com previsão de chegada no final deste ano. Já em 2024, teremos novos modelos em mais segmentos, assim é de prever um ano com várias novidades. Será a marca com a maior oferta de veículos 100% elétricos em Portugal.