Discurso do PCA da BVC no lançamento da Oferta Pública de Venda “Alienação de 27,44% das Ações da CAIXA detidas pelo Estado”

A Bolsa de Valores de Cabo Verde, S.A (BVC) apresentou hoje, 10 de janeiro, às 9h30, a sessão especial do lançamento da Oferta Pública de Venda “Alienação de 27,44% das Ações da CAIXA detidas pelo Estado”, destinadas a investidores nacionais e estrangeiros.

180

O evento contou com as presenças do Vice-Primeiro-Ministro, Ministro das Finanças e do Fomento Empresarial, Dr. Olavo Correia, do Coordenador da Unidade de Acompanhamento do Setor Empresarial do Estado (UASE), Dr. Sandeney Fernandes, do PCA da BVC, Dr. Miguel Monteiro, e de demais convidados.

Miguel Monteiro, Presidente do Conselho de Administração da Bolsa de Valores de Cabo Verde (BVA) apresentou, neste evento, o seguinte discurso:

“Estando ainda no início de 2024, em nome da Bolsa de Valores de Cabo Verde, desejo a todos um próspero e frutífero Ano Novo. Que 2024 seja um ano de sucessos, crescimento e realizações para todos nós. Que esta operação que hoje lançamos, seja um marco auspicioso para o desenvolvimento e crescimento do mercado de capitais em Cabo Verde.

Gostaria de expressar a minha sincera gratidão pela honra de estar aqui hoje, no lançamento da Oferta Pública de Venda de 381.904 ações da Caixa Económica de Cabo Verde, S.A (CECV), detidas pelo Estado de Cabo Verde.

É com grande satisfação que testemunhamos a ilustre presença do Sr. Vice-Primeiro Ministro, Ministro das Finanças e Fomento Empresarial, Dr. Olavo Correia, depois da sua honrosa presença no lançamento da Blue Bond do iiB, durante a realização da Ocean Race em São Vicente, o que enaltece ainda mais esta sessão.

Esta operação de venda de ações está inserida na Agenda do Governo para a privatização, alienação parcial, concessão ou parceria público-privada de empresas do Setor Empresarial do Estado, refletindo a estratégia do Governo, de permitir que o setor privado conduza a dinâmica empresarial. Este movimento é crucial para a modernização e expansão do mercado financeiro cabo-verdiano. Aliás, conforme o Master Plan do Mercado de Capitais cabo-verdiano, documento financiado pelo Banco Africano de Desenvolvimento – BAD, é esta estratégia de privatizar via Bolsa de Valores, que deve ser implementada para o amadurecimento e dinamização do mercado de capitais, e ficamos felizes que esta seja a estratégia adotada pelo Governo, para uma boa parte das empresas a privatizar.

Quanto aos detalhes da operação, realçamos que estão em oferta um total de 381.904 ações, representativas de 27,44% do capital social da CECV. O preço de venda estipulado é de 4.080 CVE por ação (cerca de 37 Euros por ação).

O período da oferta é de 11 de janeiro a 23 de fevereiro do presente ano, e as ordens de compra poderão ser submetidas através da plataforma Blu-X (www.blu-x.cv), ou nos balcões dos bancos operadores de bolsa, onde estará disponível um formulário específico para o efeito.

Desde o pré-anúncio da operação feito, na comunicação social, na semana passada, pelo Governo, temos recebido múltiplas abordagens do público geral residente e não residente, para obter informações adicionais. Tal facto leva-nos a acreditar vivamente no sucesso desta oferta pública, seguindo os êxitos das duas ofertas públicas realizadas em 2023.

Aproveito deste ensejo para referir, a título informativo, que a última oferta pública de venda de ações ocorreu em finais de 2019, tendo como proponente o Estado de Cabo Verde, que alienou 21.000 ações que detinha na ENACOL.

Na altura, a procura foi de seis vezes superior à oferta, tendo sido submetidos um total de 184 ordens de compra, das quais cerca de 90% foram dadas por particulares.

Os resultados alcançados na oferta pública de venda das ações da ENACOL, foi um sinal do interesse do público geral em investimentos do género, e mais um dado que nos leva a acreditar no sucesso da operação em pauta.

Estas operações demonstram que o Governo de Cabo Verde tem usado preferencialmente o mercado de capitais, Bolsa de Valores, neste caso, para alienar as suas participações, o que é um sinal de transparência e contributo inequívoco para o desenvolvimento do mercado de capitais.

Vislumbramos inúmeras vantagens da presente oferta pública de venda, na qual destacamos a eventual atração do capital estrangeiro, o aumento considerável do número de investidores, o que promoverá certamente maior liquidez e atratividade para o nosso mercado de capitais, mas também uma oportunidade clara para a nossa diáspora colocar parte das suas poupanças. Relembramos que desde 2023, a diáspora está isenta de impostos sobre o rendimento nos investimentos feitos através da Bolsa de Valores. Assim, esta iniciativa não só fortalecerá a economia nacional, como também, contribuirá para o amadurecimento do nosso mercado de capitais.

O Governo de Cabo Verde tem ainda em agenda a privatização de várias empresas, de distintos setores de atividade. Esperamos, que tais operações continuem a ser feitas preferencialmente por intermédio da Bolsa de Valores.

Ressaltamos que a Bolsa de Valores de Cabo Verde está sempre aberta e pronta a acolher estas operações e continuar a encetar esforços no sentido da implementação das estratégias do Governo em prol da dinamização e desenvolvimento da economia e do setor financeiro em particular.

Contamos com o apoio de todos para impulsionar o nosso mercado de capitais, e tornar Cabo Verde uma plataforma financeira de referência.

Agradeço a atenção de todos e desejo o maior sucesso para esta operação.

Muito obrigado!”