“É com grande otimismo que constatamos que o BIM está a ganhar tração em Portugal”

Em maio passado, realizou-se, no Centro de Congressos do Instituto Superior Técnico, a 5.ª edição do ptBIM, tendo sido mais um momento para promover a afirmação do BIM (Building Information Modelling) como metodologia incontornável em Portugal. Presente no mesmo, esteve a TPF Consultores, uma empresa de referência nesta área, representada por Luís Ribeirinho, Mestre em Engenharia Civil, Especialista BIM e Diretor do Centro de Inovação e TIC da marca, que, em entrevista à Revista Pontos de Vista, abordou o impacto que a metodologia BIM começa a ter em Portugal e como é fundamental que se continue a fomentar todas as condições para que a mesma continue a crescer.

103

Desde 1980, a TPF Consultores tem vindo a comprometer-se com a prestação de serviços de qualidade em engenharia e arquitetura, combinando excelência técnica e inovação. Enquanto Diretor do Centro de Inovação, poderia destacar os principais fatores que diferenciam a abordagem inovadora da TPF Consultores no mercado?
A TPF Consultores dedica uma parte importante dos recursos à pesquisa e desenvolvimento, o que nos permite estar na vanguarda das últimas tecnologias e metodologias em engenharia e arquitetura. Desenvolvemos soluções inovadoras que atendem às necessidades específicas dos nossos clientes, com uma abordagem personalizada para cada projeto, garantindo que as soluções implementadas sejam as mais adequadas e eficientes para cada caso.
Contamos com uma equipa multidisciplinar de profissionais altamente qualificados nas várias áreas da engenharia e da arquitetura. Investimos continuamente na formação e capacitação dos nossos colaboradores, promovendo um ambiente de aprendizagem contínua e incentivando a troca de conhecimentos e ideias inovadoras. Isso inclui a criação de um ambiente de trabalho que favorece a criatividade, o pensamento crítico e a investigação.

A TPF Consultores tem investido significativamente na inovação e no desenvolvimento de projetos utilizando metodologias e processos BIM. Quais têm sido os principais benefícios observados com esta aposta?
A TPF Consultores tem retirado benefícios significativos ao investir na metodologia e processos BIM, nomeadamente na coordenação e colaboração nos seus projetos. Com esta abordagem, melhoramos a qualidade dos nossos serviços e promovemos a fidelização dos clientes. Além das vantagens de visualização detalhada em 3D, que permite uma melhor compreensão do projeto, a resolução atempada de problemas antes da construção economiza tempo e recursos. A deteção automática de colisões entre as diversas disciplinas e a coordenação em ambiente 3D reduzem significativamente atrasos e custos adicionais na fase de construção.
Com esta metodologia, também temos verificado que as estimativas de quantidades são mais precisas e céleres, sendo mais simples atualizar mapas de quantidades sempre que é necessário fazer alterações ao projeto.
Existe também um sentimento de realização nos colaboradores da TPF Consultores ao produzir trabalhos de alta qualidade. A utilização de ferramentas avançadas na metodologia BIM estimula a inovação e a criatividade, inspirando e estimulando o interesse de novos talentos em fazer parte da empresa. A captação de novos talentos tem sido um grande desafio na indústria AEC, mas a abordagem da TPF Consultores de se manter na vanguarda do BIM tem facilitado essa captação e incrementado a capacitação da equipa TPF.

A adoção do BIM está a crescer a nível global e Portugal não é exceção. Como avalia o atual cenário de adoção do BIM no país? Quais diria que são os principais avanços e desafios que o mercado enfrenta na implementação desta metodologia?
É com grande otimismo que constatamos que o BIM está a ganhar tração em Portugal. O 5º Congresso Português de Building Information Modelling (ptBIM) foi uma prova disso mesmo. Durante três dias, os diferentes atores da indústria AEC estiveram reunidos para discutir os mais diversos assuntos, desde a avaliação do ciclo de vida, sustentabilidade e passaportes digitais de produto até questões relacionadas com a contratação BIM.
Este último tema é absolutamente central para uma adoção eficaz da metodologia e é um dos principais desafios. É justamente por isso que destacamos dois momentos significativos nesse sentido: o comprometimento do governo, expresso pela presença do Senhor Secretário de Estado da Modernização e da Digitalização, e a divulgação de um exemplo de um documento de requisitos de trocas de informação (EIR) desenvolvido pela buildingSMART Portugal, em linha com a mais recente regulamentação internacional. Este documento, que contou com a cocoordenação e participação da TPF Consultores, pretende exemplificar como se deve contratar em BIM para tirar o maior partido possível dos benefícios da metodologia.
A participação da TPF Consultores no 5º ptBIM não se limitou ao seu contributo para o exemplo do EIR divulgado. Mobilizámos uma comitiva de 27 colaboradores, apresentámos seis artigos, integrámos a comissão científica e o júri do prémio dissertação ptBIM.

Embora ofereça muitas vantagens, ainda existem resistências à sua adoção? Quais são as maiores barreiras que a TPF Consultores tem encontrado na promoção do BIM?
Ainda existe um grande desconhecimento da metodologia na maioria das entidades contratantes, o que se traduz em concursos sem requisitos BIM ou com requisitos vagos. Como consequência, poderão surgir concursos com propostas distintas ao nível dos serviços propostos, dificultando a avaliação comparativa das mesmas. As principais vantagens da metodologia BIM vêm associadas à incorporação de serviços adicionais à metodologia tradicional, o que implica considerar ter gestores e coordenadores BIM nas equipas de projeto. A desconsideração destes perfis inviabiliza a apresentação de propostas competitivas que entreguem as vantagens que a metodologia promete.
Além disso, de acordo com as recomendações internacionais, a entidade contratante deveria avaliar a capacidade BIM dos concorrentes. Esta avaliação é particularmente importante na fase em que nos encontramos, em que os níveis de conhecimento e proficiência BIM são muito distintos no mercado. Uma medida simples que poderia ser aplicada sem grande esforço por parte das entidades contratantes seria a obrigatoriedade de apresentação da certificação do nível Foundation da buildingSMART, pelo menos para os gestores e coordenadores BIM, assegurando assim um nível mínimo de conhecimento.

Por fim, como observa o posicionamento da TPF Consultores no que respeita à inovação no mercado? Como Diretor do Centro de Inovação, quais são as principais estratégias e objetivos da empresa para continuar a liderar na utilização de metodologias avançadas como o BIM?
Estamos confiantes de que nos encontramos no grupo da frente no que respeita à inovação, como pôde constatar quem esteve no 5º ptBIM.
Uma das apresentações que fiz foi precisamente sobre aplicações práticas de inovação no projeto e na fiscalização, onde compilei exemplos não só de Portugal, mas de outras unidades de negócio do grupo TPF com quem temos uma forte afinidade, como é o caso do Brasil e de Espanha. Importa destacar que o Centro de Inovação, para além das questões relacionadas com o BIM, como seja formação, acompanhamento de propostas, coordenação BIM, manutenção e atualização de bibliotecas BIM e desenvolvimento de ferramentas de apoio, acompanha ainda questões relacionadas com impressão 3D, realidade virtual, drones, câmaras 360º, inteligência artificial e a transformação digital da empresa.
A nossa estratégia para continuar na liderança passará por continuar a acompanhar o mercado nacional e internacional, sobretudo ao nível das tendências de inovação, participando em comissões técnicas, grupos de trabalho, associações e congressos, divulgando o estado da inovação internamente e incorporando esse conhecimento nos nossos processos para continuar a garantir a qualidade e a excelência que nos caracterizam.