Inicio Autores Posts por Ana Rita Silva

Ana Rita Silva

4105 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Altran Portugal promove 4ª edição do “Ignite Your Future”

O “Ignite Your Future” tem como objetivo desafiar cerca de 150 estudantes, do 9º ao 12º, através da realização de exercícios e atividades ao nível da informática e da robótica, bem como dar a conhecer a Altran Portugal e quais as suas áreas de negócio.

Durante 4 dias, estudantes de diversos pontos do país irão beneficiar de um completo programa de aprendizagem, que compreende componentes técnicas e tecnológicas que integram as competências profissionais do futuro.

Além dos exercícios tecnológicos, os jovens vão também usufruir de momentos de convívio, de team building, de aventura, de desporto e de atribuição de prémios pelo seu desempenho nas atividades. Haverá ainda tempo para uma tour pelos escritórios da Altran no Fundão.

Para Célia Reis, CEO da Altran Portugal, a nova edição do evento “é a prova do seu sucesso e potencial, não só pela dinamização da região e respetivas entidades, mas sobretudo para os jovens que se encontram num momento decisivo das suas vidas, a escolha do percurso académico que será determinante para o seu futuro profissional. O Ignite Your Future é uma resposta ao crescimento da área das Tecnologias da Informação, que permite aos jovens através da partilha de conhecimentos e experiências interativas, o contacto direto com as mais recentes ferramentas e processos tecnológicos do mercado. Queremos que seja uma forma divertida e lúdica de preencher os dias de férias destes 150 jovens”.

O “Ignite Your Future” é uma iniciativa gratuita que permite aos jovens, a caminho do desafio universitário ou profissional, ter contacto com o mercado de trabalho e desfrutar de um conjunto de desafios na área da tecnologia. Esta iniciativa inclui refeições, seguro e acompanhamento dos estudantes pelas entidades responsáveis do programa. As inscrições ainda se encontram abertas, sendo que para informações adicionais basta consultarem a página de Facebook.

Mundo “pós-digital” vai permitir aos negócios oferecerem experiências e realidades personalizadas

De acordo com o relatório deste ano, intitulado “The Post-Digital Era is Upon Us – Are You Ready for What’s Next?”, o mundo empresarial está num ponto de viragem. As tecnologias digitais permitem às organizações perceber os seus clientes com uma maior granularidade; fornecem-lhes novos canais para chegar aos consumidores; e alinham as boas práticas da colaboração na economia atual, um verdadeiro ecossistema interconectado. Mas o digital já não é por si só um diferenciador: com a democratização das ferramentas digitais, a grande vantagem competitiva será a capacidade de fornecer experiências altamente customizadas, à velocidade do “agora”.

Na verdade, quase quatro em cinco (79%) das mais de 6.600 empresas e executivos de IT de todo o mundo inquiridos pela Accenture acreditam que as tecnologias digitais – especificamente social, mobile, analytics e cloud – passaram da fase da adoção para se tornarem parte da tecnologia de base nas organizações.
Um mundo pós-digital não significa que o digital acabou, afirma Paul Daugherty, Chief Technology & Innovation Officer da Accenture. Pelo contrário, coloca-se um novo desafio: com todas as organizações a desenvolverem as suas competências digitais, como é que cada um se vai diferenciar? Nesta era, simplesmente “fazer digital” não é suficiente. O nosso relatório Technology Vision destaca a forma como as organizações devem usar as novas tecnologias para inovar os modelos de negócio e personalizar as

experiências para clientes. Ao mesmo tempo, os líderes devem reconhecer que valores humanos, como a confiança e responsabilidade, não são apenas buzzwords, mas fatores-chave para o sucesso.
O relatório Technology Vision identifica cinco tendências tecnológicas emergentes que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas num contexto em constante evolução:
• Poder DARQ: Tecnologia como Distributed ledgers, Inteligência Artificial, Realidade Aumentada e Computação Quântica (DARQ) são catalisadores de mudança, oferecendo capacidades extraordinárias e permitindo aos negócios reconfigurar por completo o seu setor de atividade. Quando lhe foi solicitado que classificassem qual destas tecnologias terá um maior impacto na sua organização nos próximos três anos, 41% dos executivos colocou a IA em primeiro lugar – mais do dobro de qualquer outra tecnologia DARQ. • Get to Know Me: As interações baseadas em tecnologia estão a criar uma identidade tecnológica para cada consumidor. Todo este novo conhecimento será crucial para compreender a próxima geração de consumidores e oferecer relações ricas, individualizadas e baseadas em experiência. Mais de quatro em cinco executivos (83%) afirmou que as demografias digitais proporcionam às suas organizações uma nova forma de identificar oportunidades de mercado para as necessidades não satisfeitas dos consumidores. • Human + Worker: À medida que as equipas de trabalho se tornam “human+”, cada colaborador recebe um novo e crescente conjunto de capacidades alavancadas pela tecnologia e as organizações devem apoiar esta nova forma de trabalhar na era pós-digital. Mais de dois terços (71%) dos executivos acredita que os seus colaboradores são mais maduros a nível digital do que a sua organização e têm a expectativa que a organização os acompanhe. • Secure Us to Secure Me: Tendo em conta que os negócios dependem de interligações, essas ligações aumentam a sua exposição a riscos. As organizações líderes nestes ecossistemas interligados reconhecem que a dedicação ao tema da cibersegurança deverá estar em paridade com os esforços desenvolvidos para entregar os melhores produtos, serviços e experiências. Apenas 29% dos executivos afirma saber que os seus parceiros estão a trabalhar de forma diligente para ser compatível e resiliente no que diz respeito à segurança.
• MyMarkets: A tecnologia está a criar um mundo de experiências extremamente personalizadas e on-demand, e as empresas devem reinventar-se para encontrar e capturar essas oportunidades. Isto significa olhar para cada oportunidade como um mercado individual – um mercado momentâneo. Seis em sete executivos (85%) afirma que a integração de uma entrega personalizada e em tempo real é a próxima grande vantagem competitiva.

De acordo com o relatório da Accenture, a inovação para organizações na era pósdigital implica perceber como moldar o mundo em torno das pessoas e escolher o momento certo para oferecer-lhes cada produto e serviço. São os primeiros passos num mundo que se adapta a cada indivíduo. Um mundo onde produtos, serviços e até a fidelização das pessoas é personalizada e onde os negócios são concebidos para todos os aspetos das nossas vidas, definindo a realidade.
Uma empresa que está a elevar a personalização e a individualização a outro nível é a Zozotown, a maior empresa de e-commerce do Japão. As suas Zozosuits skintight spandex em parceria com a app Zozotown permitem obter as medidas exatas de cada cliente e as peças feitas à medida desta linha de roupa são entregues em 10 dias. E não é apenas na indústria da moda que a tecnologia está a permitir a personalização. Sam’s Club, um retalhista dos Estados Unidos da América, desenvolveu uma aplicação que utiliza machine learning e dados das últimas compras dos consumidores para preencher automaticamente as suas listas de compras; a empresa planeia adicionar uma função de navegação para mostrar rotas otimizadas na loja para cada item naquela lista.
O relatório observa que as organizações que ainda estão a finalizar a sua jornada de transformação digital estão à procura de uma vantagem específica, quer seja um serviço inovador, uma maior eficiência ou mais personalização. Mas as empresas pós-digitais vão ultrapassar a concorrência ao combinarem estas forças para mudarem a forma como o mercado funciona – de um mercado, para muitos mercados personalizados – on-demand e no momento, tal como a plataforma de e-retail chinesa JD.com está a fazer com a sua plataforma “Toplife”. Este serviço ajuda terceiros a vender através da JD ao criarem lojas personalizadas, fornecendo acesso à sua cadeia de valor com robótica de ponta e entrega com drones. Numa parceria com o Walmart, uma loja física em Shenzhen irá oferecer mais de 8.000 produtos disponíveis

para compra no momento ou entregues a partir da loja em menos de 30 minutos. Ao oferecer uma personalização e velocidade sem precedentes, a JD está a capacitar outras empresas enquanto cria um novo mercado para si mesma.
Durante quase duas décadas, a Accenture tem feito uma análise sistemática ao contexto empresarial para identificar tendências tecnológicas emergentes que têm maior potencial para ajudar negócios e setores na disrupção. Para mais informação sobre o relatório deste ano, visite www.accenture.com/technologyvision ou siga no Twitter a hashtag #TechVision2019.

Sobre a metodologia
O relatório Accenture Technology Vision é desenvolvido anualmente pela Accenture Labs e pela Accenture Research. Para o relatório de 2019, o processo de pesquisa incluiu a recolha de inputs do Technology Vision External Advisory Board, um grupo constituído por mais de duas dezenas de indivíduos com experiência dos setores público e privado, meio académico, empresas de capital de risco e startups. Adicionalmente, a equipa do Technology Vision conduziu entrevistas a executivos da área de IT e especialistas da indústria, assim como a cerca de 100 executivos da Accenture. Em paralelo, a Accenture Research conduziu um inquérito global online a 6.672 executivos das áreas de negócio e de IT para recolher insights para a adoção de tecnologias emergentes. O inquérito ajudou a identificar problemas e prioridades essenciais para a adoção de tecnologia e investimento. Os entrevistados foram executivos C-level e diretores de empresas em 27 países e 20 indústrias, na sua maioria com receitas anuais acima dos 6 mil milhões de dólares.

Acredita Portugal inaugura projeto de incubação em Gaia

A Acredita Portugal prepara-se para inaugurar, no próximo dia 16 de abril, um novo projeto de incubação destinado a disponibilizar suporte e ferramentas aos empreendedores localizados na zona Norte do país. O evento de inauguração terá início pelas 17h00, no novo espaço da Acredita Incubação, em Vila Nova de Gaia.

A data é assinalada com a realização de diversos workshops gratuitos, ao longo do dia, associados à temática do Empreendedorismo e de um debate, à tarde, em torno deste tópico em que participam Filipe Almeida, Presidente do Portugal Inovação Social, Karim Merali, CEO da Fundação Aga Khan, e Pedro Ricardo Gomes, Head of Microfinance and Social Entrepreneurship do Banco Montepio.

Para Fernando Fraga, Head of Innovation da Acredita Portugal, “a história da Acredita Portugal conta já com 11 anos, ao longo dos quais foi possível ajudar milhares de empreendedores. A experiência e rede de contactos que desenvolvemos neste processo vai ser essencial para esta nova etapa da associação e para o apoio a prestar aos empreendedores agora incubados. Este apoio integra um acompanhamento personalizado a estes projetos, no sentido de assegurar a captação de investimento, o crescimento da equipa e a otimização do seu modelo de negócio. Queremos que este seja um espaço de consolidação destes projetos e o impulso para o seu lançamento no mercado.”

 

AJDP chega ao Porto para ajudar jovens a lidar com a diabetes Associação cria primeiro núcleo funcional na cidade do Porto

O núcleo do Porto inicia a sua atividade no dia 7 de abril, Dia Mundial da Saúde e, à semelhança do de Lisboa, organizará ao longo de todo o ano várias atividades como caminhadas e workshops de informação nas escolas e instituições interessadas, para proporcionar mais informação a docentes, estudantes e pessoas interessadas. A inauguração decorre às 14h30 no Centro Hípico do Porto e Matosinhos e na Quinta da Conceição em Leça da Palmeira. Para além de poderem ter uma experiência equestre e montar a cavalo, o dia será ainda preenchido com um piquenique e jogos em equipa. A inscrição para as atividades é gratuita e deverá ser feita atá ao dia 6 de abril, sendo que as vagas são limitadas, através do email nucleo.porto@ajdp.org ou do telemóvel 919 380 284.

Há 23 anos a apoiar jovens com diabetes e respetivas famílias, a AJDP expande-se para a zona norte do país com o objetivo de se aproximar das pessoas que já recorriam à associação, mas que por se encontrarem mais deslocadas, não conseguiam participar em todas as atividades, bem como chegar a quem vive com diabetes e ainda não tinha contacto com a associação.  “É com satisfação que iniciamos este projeto e nos juntamos à família AJDP que tanto nos ajudou quando mais precisámos. A decisão de criar este núcleo é uma forma de retribuir todo o apoio e de nos associarmos ainda mais à missão da associação”, refere Bárbara Yu Belo, uma das responsáveis pela criação do núcleo, que conta ainda com o apoio de Cátia Geraldes e Marco Geraldes.

“Os meus dois filhos vivem com diabetes e vi na AJDP uma grande ajuda para aprender a lidar com a doença. É muito importante que mais crianças e famílias possam ter esse apoio, e se puder ser na sua cidade, ainda melhor. Era uma pena ver que muitos jovens gostariam de participar em algumas atividades e não o faziam devido a uma questão geográfica”, comentou.

Todas as atividades desenvolvidas terão o apoio da direção da AJDP de Lisboa, que ajudou na criação e desenvolvimento deste núcleo. “Ficámos muito contentes com a proposta para a criação deste núcleo no Porto, pois reflete o trabalho realizado pela associação ao longo dos anos. Esta iniciativa, que se junta ao núcleo funcional da AJDP em Santarém, criado em 2018, mostra que o nosso trabalho está a chegar cada vez mais longe e que as pessoas se identificam com o que fazemos, querendo levar as mensagens e as atividades da associação a cada vez mais jovens com diabetes e respetivas famílias”, refere Paula Klose, presidente da AJDP.

A diabetes

A diabetes tipo 1 é uma doença crónica, que se desenvolve quando o pâncreas para de produzir a insulina de que o corpo necessita e, consequentemente, os níveis de açúcar no sangue sobem. A diabetes tipo 2, mais predominante, é caracterizada pela resistência à insulina e é provocada essencialmente por hábitos alimentares pouco saudáveis, sedentarismo e hereditariedade, entre outros fatores. Estima-se que em Portugal 13,3% dos indivíduos têm diabetes, embora quase metade dos casos não estejam diagnosticados (5,7%). A Diabetes tipo 1 afetava, em 2015, 3.327 indivíduos até os 19 anos (0,16% da população no escalão etário), manifestando uma ligeira tendência de crescimento desde 2008 [1]. Em 2015 foram detetados cerca de 13,3 novos casos por cada 100.000 jovens com idades entre 0-14 anos.

[1] – Dados do Relatório “Diabetes: Factos e Números” de 2015 do Observatório Nacional da Diabetes

Sophos Home inclui agora capacidades de Inteligência Artificial Preditiva para evitar os ciberataques

Esta nova versão do Sophos Home Premium para PC impulsiona a mesma tecnologia de IA desenvolvida para os produtos de segurança empresarial da Sophos utilizados no mundo, e inclui uma nova proteção em tempo real contra aplicações e exploits OS e impede que os cibercriminosos controlem aplicações de confiança, violem vulnerabilidades sem proteção para conseguirem aceder ao sistema, ou roubo de credenciais. Com estas novas características, e ainda mais com as funcionalidades de anti-ransomware avançado e outras proteções já incluídas, o Sophos Home Premium para PC protege-o contra o conjunto mais amplo de ciberameaças permanentes e em constante evolução.

“No último ano, mais de um terço dos utilizadores do Sophos Home Premium tiveram pelo menos um ataque de malware bloqueado e quase um quarto dos utilizadores foram protegidos de um ataque com base no exploit,” refere Ricardo Maté, Diretor Geral da Sophos para Espanha e Portugal. “Dado que os métodos de ataque dos cibercriminosos se tornaram mais sofisticados, os consumidores como as empresas, precisam de soluções de cibersegurança que estejam um passo à frente com defesas proativas e avançadas. Ao proporcionar a mesma tecnologia de inteligência artificial oferecida nos produtos empresariais da Sophos, estamos a disponibilizar um nível incomparável de cibersegurança para os consumidores em casa.”

Atualizações adicionais para todos os produtos Sophos Home

Os produtos do Sophos Home Premium e do Sophos Home Free para PC e Mac integram agora novas características, incluindo:

  • Análises Programadas – Os utilizadores podem agora definir e gerir verificações de ficheiros do sistema programadas para uma proteção personalizada
  • Quarentena – Utilizadores mais avançados podem neste momento reconciliar deteções de ficheiros verdadeiros ou falsos positivos.
  • Melhorias da UI – As atualizações à interface do utilizador facilitam a gestão de segurança de vários ficheiros através de um único navegador web simples, quer estejam na mesma casa ou noutro país

“Desde o lançamento do Sophos Home Premium a fevereiro de 2018, a Sophos tem recebido um conjunto elevado de respostas positivas dos consumidores que procuram segurança empresarial para PC e Mac, de forma a se protegerem a si e às suas famílias em casa,” declara Ricardo Maté. “Atualmente, os consumidores precisam de um conjunto personalizado de proteção para os vários dispositivos que têm em casa, adaptados às necessidades de segurança únicas e diferentes para PCs e Macs. A última versão do Sophos Home Premium oferece os níveis mais elevados de proteção contra as ameaças mais predominantes que afetam os seus dispositivos.”

Novo Centro de Segurança do Sophos Home

Para manter os consumidores atualizados sobre todas as ameaças de cibersegurança mais recentes, todos os clientes do Sophos Home terão agora também acesso ao Centro de Segurança do Sophos Home. A base de conhecimento de cibersegurança servirá como um recurso para todos os utilizadores, de forma a melhor compreenderem como se podem proteger. O Centro de Segurança inclui um glossário de termos de cibersegurança comuns, bem como artigos educacionais sobre as ameaças predominantes, como ransomware e phishing.

Leia alguns desses artigos aqui:

Os clients do Sophos Home são também incentivados a subscreverem-se no novo canal Naked Security da Sophos, onde as notícias mais recentes de segurança estão apresentadas num formato simples de perceber com dicas e conselhos para se manter seguro online.

Preço e Disponibilidade

O Sophos Home Premium tem um preço de venda de 37,50€ para proteger 10 computadores – Mac e PC – durante 12 meses. O suporte está incluído, através da comunidade online, email e chat para a duração da subscrição.

O Sophos Home Premium está disponível para download, e pode experimentar o teste gratuito do Sophos Home Premium durante 30 dias, através do novo site: Sophos Home. Visite também o https://home.sophos.com/ para mais informação e veja o novo Centro de Segurança do Sophos Home.

EMEL: “Mobilidade sustentável em Portugal só será possível no futuro se tivermos, no presente, uma visão definida do que queremos em 2050 e estratégias delineadas para o alcançar”

De que forma pode ser a mobilidade encarada como um fator de progresso e desenvolvimento económico?

A mobilidade é um requisito essencial para a melhoria da qualidade de vida e um fator de progresso e desenvolvimento económico das cidade, pois é através da mobilidade que conseguimos suprir as nossas necessidades básicas e ultrapassar fronteiras, alargando horizontes, através da partilha de experiências que promovem a diversidade cultural.

Nos últimos anos, as necessidades de mobilidade cresceram consideravelmente, sendo que nos espaços urbanos a realidade é cada vez mais diversificada e complexa, marcada principalmente pela utilização do transporte individual motorizado, uma realidade que tem consequências atmosféricas graves, nomeadamente poluição atmosférica e sonora, e provoca um agravamento das condições de sustentabilidade energética.

A diversidade de oferta de mobilidade é cada vez mais uma realidade na cidade de Lisboa, e o nosso papel, enquanto empresa municipal de mobilidade, é não só fomentar e adotar um comportamento mais amigo do ambiente, mas tudo fazer para facultar às pessoas soluções que deem resposta às suas necessidades, pessoais, familiares e profissionais, através da melhoria contínua das condições de deslocação numa lógica de sustentabilidade.

Uma mobilidade sustentável, baseada nos transportes públicos e nos sistemas partilhados, tem vantagens para todos, estando na base de um desenvolvimento económico das cidades do futuro, pois uma gestão otimizada das necessidades de deslocação é imprescindível enquanto facilitadora do exercício de uma profissão e pode contribuir para o aumento do emprego e da produtividade e, consequentemente, do rendimento, uma vez que, entre outros benefícios, os custos de operação podem ser potencialmente reduzidos. Por outro lado, torna a vivência na cidade mais fluida e inclusiva.

Qual o papel da EMEL para uma mobilidade mais sustentável?

A EMEL tem tido um papel essencial na transformação de Lisboa numa cidade cada vez mais sustentável, estando muito do seu trabalho focado na sensibilização de todos e todas para a boa utilização do espaço comum, explicando as dinâmicas urbanas para um entendimento global da cidade. Destacamos a rede GIRA, um dos serviços pioneiros de mobilidade partilhada em Lisboa, que é certamente, através da sua adesão e sucesso, o grande demonstrador do potencial deste tipo de soluções de mobilidade urbana, que contribuem significativamente para uma mobilidade cada vez mais sustentável. O serviço GIRA conta já com mais 1,4 milhões de viagens realizadas e tem tido, regularmente, mais de 120 mil viagens por mês, com valores que ultrapassam as 6.000 viagens por dia, nos dias úteis. O que pretendemos é que a rede GIRA seja uma alternativa à utilização de veículos poluentes dentro da cidade. Também a pensar numa cidade em que se está bem e na fruição dos peões, é nossa intenção terminar o Elevador da Sé até ao final de 2019, avançar com as obras do Funicular da Graça e requalificar o espaço público da Doca da Marinha.

Com a alteração dos estatutos da EMEL, a empresa alargou a sua atividade a toda a mobilidade e tornou-se na empresa municipal que apoia a CML de forma transversal em toda esta área. Quais foram os maiores desafios deste alargamento?

Os desafios acontecem todos os dias, sempre que os nossos fiscais andam na rua, por exemplo. O alargamento da área em exploração da EMEL foi, e assim continuará a ser, um desafio, que resulta de um trabalho conjunto com as Juntas de Freguesia com o objetivo de oferecer uma melhor mobilidade e um maior bem-estar aos residentes das áreas intervencionadas e, em geral, a quem vive e circula todos os dias na cidade de Lisboa. A gestão e melhoria continuada da rede GIRA, como já referi, é também um desafio diário, sendo essencial para uma maior fluidez do trânsito em Lisboa, ao proporcionar uma meio de mobilidade ao mesmo tempo suave, uma vez que não polui o ambiente, e ativa, uma vez que contribui para uma melhor condição física e uma melhor saúde para quem opta por este meio de transporte público partilhado.

Para complementar este trabalho no domínio da mobilidade urbana suave/ativa e aumentar os desafios colocados à empresa, a EMEL é atualmente a responsável pela construção e gestão das vias cicláveis, estando previsto construir 40 quilómetros de ciclovias, que se juntam ao cerca de 90 já existentes, e requalificar uma extensão de mais de 30 quilómetros. Ainda este ano, a EMEL assumirá novas competências de Modelação de Tráfego, nomeadamente na semaforização, que virá facilitar a tomada de decisões de mobilidade em toda a cidade.

Quais são os projetos mais recentes no âmbito da melhoria da mobilidade que têm o cunho da EMEL?

A política da EMEL visa a melhoria contínua do serviço que presta à cidade e às pessoas. É nesse sentido que tem sido orientada a nossa atuação, não invalidando o facto de estarmos plenamente conscientes do muito trabalho que temos ainda pela frente.

A somar à nossa contribuição para uma mobilidade cada vez mais suave, mais sustentável, e à preocupação com a qualidade do ar que a cidade respira, a EMEL vai contribuir para a disseminação de veículos não poluentes, na sua nova qualidade de Operadora de Pontos de Carregamento para a mobilidade elétrica, disponibilizando 20 pontos de carregamento rápido, distribuídos por três localizações na via pública e instalar 40 pontos de carregamento por ano, até 2021, nos seus parques de estacionamento. Para responder às necessidades de pessoas que residam fora de Lisboa e que trabalham na cidade, estão a ser criados Parques de estacionamento dissuasores, com avenças a 10 € por mês para utilizadores do passe de transportes públicos Navegante, junto a interfaces de Transportes Públicos, evitando a entrada de veículos na cidade; sendo o primeiro desses parques o da Ameixoeira, com 501 lugares. Em desenvolvimento estão, ainda, os Parques dissuasores Manuel Gouveia (398 lugares previstos), Pontinha/Feira Popular (1.800 lugares previstos).

A redução do uso do automóvel é uma dos vossos objetivos mais proeminentes. Ainda se usa muito o automóvel na cidade de Lisboa?

Estimamos que todos os dias entrem aproximadamente 370 mil automóveis em Lisboa, que se vêm juntar aos cerca de 200 mil veículos dos residentes. O papel da EMEL, enquanto empresa municipal de mobilidade e estacionamento passa por gerir e conciliar os potenciais conflitos de interesse entre os residentes e quem vem de fora, e esse é um trabalho permanente, que exige uma gestão racional e inclusiva do estacionamento e das vias partilhadas, capaz de tornar a circulação urbana mais fluída e inclusiva.

Por que aspetos passará o futuro da mobilidade sustentável em Portugal?

A mobilidade sustentável em Portugal só será possível no futuro se tivermos, no presente, uma visão definida do que queremos em 2050 e estratégias delineadas para o alcançar. O maior desafio na mobilidade sustentável é assim, no meu entender, criar soluções sustentáveis, nomeadamente económicas, sociais, ambientais, e acima de tudo, pensadas para as pessoas, porque no final o que importa é o bem-estar e a saúde das pessoas.

É sempre inspirador imaginar um sistema de transportes verde, isto é, livre da emissão de gases com efeito estufa, mas a realidade é ainda bem diferente, a mobilidade está ainda muito assente em veículos movidos a combustíveis fósseis, o que nos obriga a todos, governos, empresas e cidadãos a fomentar comportamentos sustentáveis e a olhar para a mobilidade como um tópico em que a sustentabilidade tem de fazer parte do principal racional.

Uma sociedade evoluída não é aquela em que cada pessoa tem o seu carro próprio, mas sim aquela em que todas as classes usam o transporte coletivo, os sistemas partilhados, e esta é uma questão que começa na educação e nos princípios da sociedade como um todo. Atenção que não estou a falar da  irradicação do automóvel particular, uma vez que em qualquer momento esse pode ser o transporte mais adequado, mas de uma gestão racional e cuidadosa dos diferentes sistemas de mobilidade existentes.

Estamos perante uma revolução semelhante ao que o mundo viveu aquando da invenção do carro, há 125 anos, e, embora seja evidente que Portugal tem ainda um longo caminho a percorrer, acredito que a nossa resiliência, associada ao facto de sermos uma terra de gente aberta à experimentação de novas soluções, capacita-nos para fazer frente a esta revolução, a era da mobilidade múltipla. (multimodalidade).

Schneider Electric amplia a gama premiada Galaxy UPS com a Galaxy VS para Infraestruturas Críticas e Aplicações de Edge

Com o seu design compacto e flexível, a Galaxy VS responde às necessidades específicas do Edge Computing e de pequenos Data Centers, em que o espaço e o acesso são limitados. Com até 99% de eficiências e opção de baterias de iões de lítio, duplicando a duração da bateria, o Custo Total de Propriedade (CTP) da Galaxy VS é imbatível no mercado.

“Com o seu impressionante CTP e disponibilidade, a Galaxy VS é uma nova oferta, tecnicamente superior, com grande impacto nos clientes, uma vez que resolve muitos desafios da modernização, ao mesmo tempo que oferece a fiabilidade da Schneider Electric,” afirma Cristopher Thompson, Vice President, 3 Phase Line of Business da Schneider Electric. “A nossa mais recente UPS é o ponto de equilíbrio entre os clientes de edge e de cloud que precisam de soluções inovadoras, fáceis de implementar e num espaço mais reduzido do que as UPS tradicionais, poupando tempo e dinheiro aos utilizadores.”

A inovadora e robusta Galaxy VS também está preparada para o EcoStruxure. Os supervisores ou técnicos das instalações podem monitorizar o sistema Galaxy VS de forma remota, em qualquer momento e em qualquer lugar, através da aplicação para smartphone.

 Os benefícios da Galaxy VS incluem:

  • Redução de custos: Proporciona até 99% de eficiência quando operada no modo ECOnversion, patenteado pela Schneider.
  • Redução da pegada ecológica: O design compacto oferece tecnologia de elevada densidade, especialmente adequada a espaços limitados com acesso frontal total, para ligações e serviços mais fáceis e rápidos.
  • Armazenamento de energia de maior durabilidade: As opções da tecnologia da bateria de iões de lítios recuperam rapidamente o tempo de backup, protegem a carga mesmo durante repetidos cortes de energia e proporcionam um maior tempo de vida útil do que as soluções de bateria tradicionais.
  • Maior tempo de atividade e manutenção simplificada: Os componentes críticos do sistema são construídos como módulos com um design tolerante a falhas. Isto proporciona redundância interna em níveis de carga mais baixos e um tempo médio de reparação mais curto.
  • Preparado para o EcoStruxure: Torna-se fácil de gerir com visibilidade global do desempenho e estado do equipamento, suportado por um service bureau 24/7.
  • Certificação Green Premium: Oferece um desempenho sustentável de negócios ao nível de design.

A Galaxy VS, com uma ampla faixa de potência entre os 20 kW e os 100 kW (400V & 480V) e 10-50 kW (208V) com uma plataforma global, está disponível a nível mundial através da Schneider Electric e dos seus parceiros. Para mais informações sobre a Galaxy VS e o portefólio de soluções de proteção de energia Galaxy V da Schneider Electric, viste a nossa página de produto Galaxy VS.

Plataforma EcoStruxure

Em 2009, a Schneider Electric lançou o EcoStruxure™, a sua plataforma e arquitetura habilitada para IoT, aberta e interoperável.  Agora impulsionado por serviços digitais e de cloud, o EcoStruxure oferece um valor elevado no que diz respeito a segurança, fiabilidade, eficiência, sustentabilidade e conectividade. O EcoStruxure aproveita os avanços em IoT, mobilidade, sensores, cloud, análise e segurança cibernética, de forma a proporcionar inovação a todos os níveis, desde produtos conectados, edge control, aplicações, analítica e serviços. O EcoStruxure foi implementado em mais de 480.000 instalações, com o suporte de 20.000 integradores de sistemas e developers, conectando mais de 1.6 milhões de ativos geridos através de 40 serviços digitais. Com base no EcoStruxure, 45% das vendas da Schneider Electric foram geradas através da utilização da IoT, em 2017.

Abertas inscrições para aulas de Suporte Básico de Vida Pediátrico

Ana Serrão Neto, Coordenadora da Unidade de Pediatria do Hospital CUF Torres Vedras,  reconhece que estas aulas podem evitar situações dramáticas, que ocorrem em casa ou na escola, e acredita que ”se ensinarmos aos pais, educadores, assistentes operacionais e avós os princípios básicos de reanimação estamos a contribuir para a saúde infantil. Aliás, em alguns países é comum ensinar aos pais manobras elementares de reanimação e primeiros socorros para desengasgar uma criança”.

Dedicar o Dia Mundial da Criança a transmitir conhecimentos que “podem ajudar a salvar as suas vidas é afirmar que a criança está no centro das nossas prioridades. É afirmar, ainda, uma verdadeira colaboração necessária entre profissionais de saúde e cuidadores – que sendo muitas vezes as primeiras linhas de contacto com as crianças e sabendo identificar e agir perante episódios de risco de vida, podem melhorar a probabilidade da criança sobreviver”, defende a pediatra Ana Serrão Neto.

Administrada pelos profissionais de saúde da CUF Academic and Research Medical Center – entidade responsável pela formação, ensino e investigação de todas as unidades de saúde CUF – a ação consiste numa aula teórico-prática de Suporte Básico de Vida Pediátrico, com duração de 1hora. No final, os participantes recebem um certificado que tem validade curricular.

Formação disponível em 3 horários:

1º Turno 09h30 – 10h30

2º Turno 10h45 – 11h45

3º Turno 12h00 – 13h00

A inscrição é gratuita e obrigatória, estando limitada a 192 lugares disponíveis – os participantes devem inscrever-se no turno em que pretendem participar:

https://academiacuf.up.events/activities/view/2364

Key Services: KCS IT cresce com soluções inovadoras

A KCS IT apostou na reestruturação da sua área Key Services, que disponibiliza soluções no âmbito da Inovação, Research & Design, Marketing Digital e Desenvolvimento de Produtos Digitais. As suas áreas de especialização são focadas em consultoria de negócio, conceção de experiências interativas digitais, estratégias de comunicação e ideias criativas nos principais canais de comunicação, campanhas digitais integradas para marcas ou produtos, gestão e monitorização de redes sociais e desenvolvimento de websites e/ou aplicações.

A estrutura da Key Services foi reestruturada e conta agora com um total de cinco eixos operacionais: liderança; operações de retenção e obtenção de novos clientes; desenvolvimento e tecnologia; gestão de projetos e marketing digital.

A Key Services é também responsável pela Akademy e pelo departamento R&D da KCS IT. Desta forma, a aposta na formação de novos talentos para o mundo da inovação continua a ser uma das prioridades tendo em consideração as necessidades do mercado, bem como as expectativas de carreira de cada consultor. Os projetos Handfree Operating Theatre (H.O.T) System, InovAR (Indoor Navigation), Payroll (software de faturação) e Design System (biblioteca de desenvolvimento de frontend) são fruto das academias da consultora e o objetivo é assistir ao nascimento de projetos de inovação utilizando tecnologias disruptivas.

Para Tiago Farinha, Diretor Geral da KCS IT, “esta é apenas mais uma etapa naquilo que tem sido o crescimento do KCS IT ao longo dos últimos anos. Em 2018 celebrámos 10 anos de existência e é um dos nossos objetivos continuar a crescer de forma sustentada e em linha com as necessidades identificadas no mercado”. Relativamente ao crescimento da Key Services, destaca esta unidade como “um resultado fruto do compromisso e qualidade que os nossos colaboradores colocam nos projetos desenvolvidos” e aponta os objetivos já perspetivados para este crescimento sustentado: “o aumento da carteira de clientes, uma aposta no mercado internacional, continuar a dotar a nossa equipa de novas competências técnicas e crescer em novas áreas tecnológicas”.

A equipa Key Services conta atualmente com 36 colaboradores e trabalha com clientes dos mais diversos países, estando entre eles os Estados Unidos, Angola ou Luxemburgo.

Para fazer face ao crescimento da Key Services, a KCS iT decidiu expandir o seu espaço físico em Lisboa. Passa agora a ocupar, na totalidade, o 4º Piso do Edifício Picoas Plaza, Rua Viriato, 13E, núcleo 6. A equipa da Key Services tem à sua disposição uma área útil de 120m².

 

Lectra enfrenta os desafios da personalização no mobiliário

1.Lectra enfrenta os desafios da personalização no mobiliário

1.1   O regresso ao futuro do mobiliário:

Os produtos personalizados eram a grande tendência nas sociedades pré-industriais. Com a chegada da Revolução Industrial, os produtores adotaram o modelo de produção em série e deixaram-se seduzir pelos produtos baratos e fáceis de conseguir, o que afastou os consumidores das peças únicas que caracterizavam a era do artesanato. Com a chegada do seculo XXI, uma reação contra a uniformidade dos produtos fabricados em série fez com que os consumidores desejassem produtos personalizados e únicos, como eles próprios.

No caso do mobiliário, apesar do modelo de produção em série oferecer um certo grau de personalização, os consumidores já não se contentam em poder eleger entre 10 a 15 cores. Cada vez exigem uma maior variedade de materiais, modelos e outras opções de personalização. A mentalidade deste mercado deu início a uma procura de moveis que não só consigam adaptar-se à decoração de interiores como também consigam refletir o próprio consumidor, que valoriza a autenticidade, a autoexpressão e a personalização.

À medida que aumenta a procura do mobiliário personalizado, o processo de produção vai-se tornando cada vez mais complexo. Esta crescente procura está a pôr em causa a eficiência e a rentabilidade dos atuais modelos de produção. Não obstante, as empresas que não conseguem acompanhar esta nova tendência e oferecer níveis cada vez maiores de personalização correm o risco de perder a lealdade dos clientes e, consequentemente, notoriedade no mercado.

 

Assim, como poderão fazer os produtores de mobiliário estofado para se adaptarem às contantes mudanças do mercado e prosperar num mercado dinâmico e global?

Aqui surge a Indústria 4.0, proporcionando meios às empresas para que estas possam responder às crescentes dificuldades dos processos de produção. Desta forma, criar-se-ão mais oportunidades para inovar os produtos e transformar os modelos de negocio.

1.2  Os millenials e a personalização:

Os millenials, como se denomina a população nascida entre 1980 e 2000, representam uma importante força de mudança na industria do mobiliário, uma vez que cresceram numa época em que a personalização do produto é algo habitual e a satisfação instantânea uma regra. Para esta geração, que agora constitui o grupo mais numeroso dos consumidores que compram mobiliário, a personalização está a converter-se em algo imprescindível.

A personalização não é a única preocupação dos produtores de mobiliário estofado. Em 2016, o Centro de Estudos Industriais (CSIL), em conjunto com a Lectra, fez um estudo entre os produtores de mobiliário estofado de 26 países, com o objetivo de entender o estado atual deste setor, a nível mundial.

Para além da personalização, as empresas apontaram como maiores desafios a exigência de entregas mais rápidas, a pressão para baixar os preços e a escassez de mão-de-obra qualificada.

Como pioneiros da Indústria 4.0 temos o dever de ajudar a fazer face a estes desafios através do fornecimento de soluções inovadoras.

1.3   Sala de corte 4.0 da Lectra para produção sob encomenda (MTO – Made To Order):

A nova sala de corte 4.0 da Lectra para produção MTO supera as limitações dos atuais processos de produção de moveis personalizados. Combina a plataforma de corte digital da Lectra e a Virga®, a nova solução de corte de folha única. Esta solução, baseada em dados, transfere digitalmente as informações entre sistemas de TI e a sala de corte e automatiza tarefas sem valor agregado. Seja em corte de tecido liso ou com estampado, a Virga® oferece uma linha de corte completa.

Este sistema de produção totalmente digitalizado constituirá uma grande ajuda para os produtores de mobiliário personalizado, uma vez que lhes proporcionará os meios para fabricar de forma eficiente e rentável pequenas séries a um preço e com um prazo de entrega comparável com o mobiliário de produção em série.

Com esta nova solução, os produtores que fabricam para outras marcas poderão oferecer um modelo de negócio mais orientado ao serviço que lhes é pedido. Os clientes podem seguir e controlar o estado da produção da sua encomenda em tempo real.

A sala de corte 4.0 para MTO da Lectra reaproveita os princípios da Indústria 4.0 e a tecnologia para ajudar as empresas a tornarem ágil, produtivo e rentável o processo de produção de móveis em séries pequenas, de peça única e sob encomenda.

1.4   Redução do tempo de ciclo:

Alta velocidade do corte garante rendimento e tempo de mercado mais rápidos. Parece óbvio, mas será verdade? Apenas altas velocidades do corte não garantem a máxima eficiência do processo. É por isso que a nova sala de corte 4.0 da Lectra, foi desenvolvida para reduzir o tempo de ciclo e acelerar a velocidade do corte.

A abordagem de tempo de ciclo é importante, mas porquê?

– A velocidade do corte não ajudará a identificar e eliminar o estrangulamento de produção.

– Os pedidos de corte são enviados diretamente do ERP e processados automaticamente na nova plataforma digital de corte.

– Não adianta ter uma solução de corte de alta velocidade se o operador não puder acompanhá-la.

– Um ciclo equilibrado, da preparação do corte até alimentação e descarga, permite que o operador mantenha a produtividade ideal.

– O controle de qualidade pode sofrer se a velocidade for a preocupação principal.

– O operador tem tempo de focar no controle de qualidade e, imediatamente, gerir quaisquer peças rejeitadas.

A velocidade importa, mas não é uma estratégia. Ao analisar o tempo de ciclo, o operador pode aumentar a visibilidade e pode tomar decisões geradas por dados que otimizem a eficiência e rentabilidade. Além disso, a nova solução corta até 120 metros por minuto, com aceleração de 1,2G, com uma qualidade de corte perfeita.

Adote a nova sala de corte 4.0 para produção MTO com a Lectra. Com uma linha de corte completa e de alto desempenho, a solução foi projetada para mínimas intervenções manuais e para reduzir erros que surjam. Inteligente e conectada, a linha de corte Virga® é suportada pela plataforma de corte digital da Lectra para obter produtividade máxima e coleta de dados.

Esta solução exclusiva garante tempo de ciclo de corte eficiente, flexibilidade e rentabilidade. Junte-se a nós e enfrente os desafios da personalização no setor do mobiliário.

 

EMPRESAS