Inicio Autores Posts por Elisabete Teixeira

Elisabete Teixeira

3522 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Real Marina Hotel & Spa renova brunch em Família

Com a chegada do Outono, o Real Marina Hotel & Spa em Olhão renova o Brunch em família e alia à Portugalidade, um buffet especial para crianças. Continua disponível entre Outubro e Maio, todos os domingos entre as 12:30h e as 16h.

No que concerne à variedade de pequeno-almoço mantém-se o bacon tostado, os ovos mexidos, as salsichas frescas de aves, a batata-rosti, os cogumelos salteados e as panquecas, a seleção de bolos e folhados doces, variedade de pães de sementes e integral e uma composição de mel, Nutella e doces e compotas de morango, laranja e pêssego, entre outros.

Nas entradas tem agora saladinha de bacalhau com grão, cocktail de camarão, saladinha César, salada Grega, bruschettas e pizza vegetariana, quiche de legumes e peixinhos da horta, para além das já habituais tábuas de queijos e enchidos, pastéis de babalhau, chamuças e rissóis de camarão.

Nos pratos principais, para além da sopa,  prato de carne e peixe do dia que varia todas as semanas, junta-se um show cooking de pastas e risotos feitos ao momento. A grande novidade é o novo buffet especial para crianças em todas as edições  e DJ ao vivo no primeiro domingo de cada mês.

As sobremesas mantêm-se as tradicionais e regionais como o arroz doce, a torta de laranja, a mousse de chocolate, o crème brûlée de alfarroba e agora com estação de gelados de chocolate, morango e bainilha. Para os mais saudáveis há sempre fruta fresca da época laminada.

De destacar ainda que o novo valor do Brunch de 22€ por pessoa, para além da água mineral, dos  refrigerantes e dos néctares de frutas, inclui agora vinho branco e tinto da seleção do hotel. As  crianças dos 0-5 são gratuitas e dos 6-12 têm 50% de desconto.

Sobre o Grupo Hotéis Real:

Fundado em 1994 por João Bernardino Gomes, os Hotéis Real, grupo Português de hotelaria tradicional, apresenta soluções versáteis e inovadoras assentes nos valores da Portugalidade e no serviço de excelência.

23 anos após a sua fundação, o grupo conta com 10 unidades distribuídas pelas zonas da Grande Lisboa e Algarve, onde a aposta no conforto dos ambientes acolhedores é evidente, aliando o bem-estar dos SPA e os sabores da melhor cozinha Portuguesa.

O Grupo aposta também na polivalência, diversificando e complementando a sua oferta, oferecendo experiências adequadas a cada momento da vida, e ajustando a diferentes expectativas, necessidades e motivações.

Doentes com cancro do pâncreas perdem 98% da esperança de vida no momento do diagnóstico

Estima-se que em Portugal haja cerca de 1300 novos casos de cancro do pâncreas todos os anos o que o torna a quarta principal causa de morte por cancro, sendo o único cancro em que se regista um aumento da mortalidade.

O presidente do Grupo de Investigação do Cancro Digestivo, Hélder Mansinho avança que “Portugal e a Europa têm que começar a mudar a forma como olham para o cancro do pâncreas e desafiar a estratégia existente neste cancro em particular. As pessoas continuam a chegar muito tarde ao médico e desvalorizam os sintomas da doença, o que leva a diagnósticos mais tardios e menor possibilidade de tratamento e sobrevida. Os doentes com cancro do pâncreas perdem 98% da sua esperança de vida no momento do diagnóstico, uma vez que é associado a uma sentença de morte, sendo a sobrevivência aos 5 anos inferior a 5%. Um diagnóstico e tratamento precoce podem levar ao aumento da sobrevivência. Mas todos temos um papel a desempenhar nesta mudança.”

O GCID junta-se à Pancreatic Cancer Europe, que desenvolve várias iniciativas na Europa para alertar a população, profissionais de saúde e decisores políticos sobre o impacto do cancro do pâncreas. Assim, a 15 de novembro, dia em que se assinala o Dia Mundial do Cancro do Pâncreas, o Cristo Rei ilumina-se de roxo.

“O diagnóstico precoce no qual os especialistas, os médicos de medicina geral e familiar e os outros profissionais de saúde pode mudar o prognóstico da doença e que pode ter impacto na estratégia terapêutica e na sobrevivência dos doentes. É pelos doentes que todos temos de intervir e mudar o amanhã para que possam olhar para o seu futuro de forma mais positiva” acrescenta o presidente do Grupo de Investigação do Cancro Digestivo.

Cor amarelada da pele (icterícia), dor abdominal, dor na coluna dorsal, aparecimento de diabetes, perda de peso inexplicável, alterações os hábitos intestinais e náuseas são alguns dos principais sintomas do cancro do pâncreas. Os fatores de risco para desenvolvimento da doença são a idade, o tabagismo que é responsável por um terço dos casos da doença, o histórico familiar de incidência desta doença, a ingestão excessiva de bebidas alcoólicas e sucessivas pancreatites.

Livraria Lello apresenta o melhor da tradição portuguesa com a coleção Rituais com Máscara

No dia de 17 de Novembro, e a partir das 15h00 será possível assistir à enérgica e calorosa apresentação dos Pauliteiros de Miranda do Douro e ainda de dois grupos de Máscaras de Mogadouro.

A coleção “Rituais com Máscara” pretende dar a conhecer as práticas festivas que envolvem o uso da máscara, valorizando costumes e reconhecendo ritos ancestrais como parte da génese das regiões e identidade das populações.

Ainda durante a tarde de Sábado, a Livraria Lello e os seus leitores terão a oportunidade de conhecer as práticas festivas das regiões de Miranda do Douro e de Mogadouro num debate, que começa às 17h00, sobre as várias características e rituais retratados nos livros.

Contaremos com a presença dos autores Antero Neto, Alfredo Cameirão e Mário Correia, não podendo deixar de mencionar a presença dos Presidentes da Câmara das duas regiões.

Novo balanço eleva para 48 o número de mortos em incêndio em Paradise

© Reuters

informação foi avançada na terça-feira, após a descoberta de mais seis corpos. As autoridades adiantaram que o fogo que praticamente devastou a vila de Paradise destruiu mais de sete mil casas e obrigou à deslocação de 52 mil pessoas.

O número total de mortos em incêndios no estado da Califórnia aumentou para 50, um número que incluiu as duas vítimas fatais na cidade de Malibu.

O incêndio em Paradise é o mais mortífero na história da Califórnia, desde que existem registos.

Os incêndios deflagraram na semana passada no sul e no norte do Estado da Califórnia e rapidamente avançaram em várias frentes, alimentados por ventos fortes, destruindo dezenas de milhares de edifícios e obrigando ao encerramento de escolas, ao corte de estradas e à evacuação de localidades inteiras.

LUSA

Espetáculo com ‘robertos’ e fado representa Portugal na China

© iStock

“É um espetáculo em que juntámos três tradições numa só. Temos a tradição dos ‘robertos’ e, a estas marionetas tipicamente portuguesas, juntámos a viola campaniça, que é tradicional do Alentejo, e o fado, característico de Lisboa e do país”, realçou hoje à agência Lusa Manuel Costa Dias, da companhia TRULÉ.

A peça ‘Uma Tourada dos Diabos’, que junta a companhia TRULÉ e a associação cultural É Neste País, de Évora, vai ser a representante de Portugal, a partir de sábado e até ao dia 24 deste mês, num festival promocional de teatro de marionetas para grupos chineses, na cidade de Langzhong.

Segundo Manuel Costa Dias, trata-se da sétima edição do National Puppetry and Shadow Art Inheritance Showcase by Young and Mid-aged Puppeteers and International Forum on Inheritance and Contemporary Development of Puppetry and Shadow Art.

“É um festival que promove os grupos de teatro de marionetas de sombras da China e, este ano, apenas foram convidados a participar cinco grupos estrangeiros”, dos quais o TRULÉ “é um deles”, acompanhado pela associação É Neste País, explicou.

O marionetista alentejano referiu que os grupos chineses “são muito bons” nas marionetas “de sombras, de luva e de varão”, mas “não têm muita experiência” em relação “ao que se faz fora do país”.

Por isso, continuou, a organização pretende mostrar a esses grupos, “alguns dos quais estão agora a iniciar-se nesta atividade, gente de outras partes do mundo que também faz marionetas, mas de formas diferentes e proveniente de culturas diferentes”.

No espetáculo escolhido para mostrar na China, Manuel Costa Dias contou que vai “estar dentro de uma barraquinha” a manipular os “robertos”, tradicionais marionetas portuguesas de luva, mas, fora do “palco”, há duas inovações.

“Cá fora, vão estar dois músicos, o António Bexiga, a tocar a viola campaniça, e o Nuno do Ó, a tocar viola e a cantar fado”, assinalou, referindo tratar-se de um espetáculo relativamente novo, mas que “já anda por aí”, a ser também promovido por Portugal.

Segundo a companhia alentejana, esta vai ser a sexta deslocação do TRULÉ a festivais internacionais realizados em território chinês.

Esta participação tem apoios da Fundação Oriente, Fundação Stanley Ho, Embaixada de Portugal em Pequim, Direção Regional de Cultura do Alentejo – Ministério da Cultura e União de Freguesias de Évora.

LUSA

 

Hoje é Dia Mundial da Diabetes. Qual é o impacto da doença na família?

© Lusa

“O aparecimento de diagnóstico de uma doença em qualquer família tem um grande impacto, mas esse impacto é muito maior quando a família é chamada a ser atuante no próprio tratamento, como é o caso da diabetes, principalmente nas crianças”, disse à Lusa o presidente da Associação Protetora dos Diabéticos de Portugal (APDP), que, juntamente com a Câmara de Lisboa, organiza hoje a conferência “Diabetes e Família”, o mote deste ano da efeméride.

No caso das crianças, é “uma situação muito dramática para a família, muitas vezes com sentimento de culpa, sem qualquer justificação, porque não há qualquer culpa”, disse José Manuel Boavida.

O aparecimento da doença “provoca modificações importantes” no dia-a-dia das famílias, algumas boas, como melhores hábitos de vida, e outras más, devido “ao ‘stress’ causado à vida das pessoas”.

“Nas crianças é todo o problema, desde o controlo e o medo permanente de qualquer ocorrência que possa acontecer, nomeadamente a hipoglicémia”, mas também “a sensação horrível de ter que as picar com a insulina ou para determinar a glicemia”.

Nos adultos, “há uma preocupação permanente para saber se as pessoas estão bem” e se não sofrem as complicações mais graves da diabetes, como cegueira ou amputações, disse o endocrinologista.

É todo este quadro que “acaba por ser um peso enorme” para as famílias que têm de adaptar-se à nova realidade.

Para José Manuel Boavida, esta “adaptação” tem de ser apoiada, para “aliviar toda a carga quotidiana” do tratamento desta doença “muito especial”, que implica atitudes diárias por parte das pessoas, como ajustar a medicação, a alimentação, a atividade física para evitar as complicações da doença.

Este apoio é “uma das grandes reivindicações” que a associação pretende que “venha ao de cima” neste dia mundial. “Os familiares das pessoas com diabetes são cuidadores informais”, apesar de “pouco reconhecidos”, e evitam “imensos internamentos”, devendo por isso ser apoiados, dando-lhes formação.

“O controlo rigoroso dos fatores de risco é essencial, assim como o maior envolvimento da família, o que significa abrir as consultas aos familiares e criar sessões a eles dirigidas, ajudando-os a compreender a complexidade da diabetes”, defendeu.

A formação deve estender-se aos profissionais de saúde “no sentido de perceberem o papel da família e o impacto que a família tem quando aparecem pessoas com diabetes na família”, defendeu José Manuel Boavida.

Além do congresso, a APDP vai realizar uma marcha pelos miradouros de Lisboa e lançar a campanha “Seja mais rápido que o seu risco”, que apela aos diabéticos para terem “mais atenção à relação perigosa entre a doença e outras comorbilidades, uma vez que têm maior risco de hipertensão arterial, doença vascular, enfarte, obesidade, entre outras”.

A Federação Portuguesa das Associações de Pessoas com Diabetes também promove hoje o circuito de “Pré-Diabetes ou Diabetes”, na praça de Navegantes no Colombo, em Lisboa, para consciencializar a população para esta doença, que matou 12 pessoas por dia em 2015, segundo o último relatório do Observatório Nacional da Diabetes.

LUSA

Tribunal de Vila Real julga dois arguidos por tráfico de pessoas

© iStock

Os dois arguidos são de nacionalidade angolana, ele possui 34 anos e ela 31 anos e encontram-se em prisão preventiva desde janeiro deste ano.

O Ministério Público (MP) imputa aos dois estrangeiros a coautoria dos crimes de tráfico de pessoas e auxílio à imigração ilegal, depois de terem sido detidos pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em Vila Real, acompanhados de três menores a bordo de um autocarro que tinha como destino Paris.

De acordo com a tese do MP, o homem, que é pai das três crianças, tinha a intenção de levar os menores para França com o objetivo de “ali os deixar a cargo de terceiros, cuja identidade não foi apurada, a fim de essas pessoas virem a beneficiar de forma indevida e fraudulenta de apoios sociais”.

A arguida, segundo o MP, tinha a intenção de se juntar ao namorado em França, pelo que os dois se terão unido e tentaram “criar a aparência de um agregado familiar de modo a ser mais fácil deslocarem-se para Portugal” e acederem ao espaço Schengen.

O MP disse que, no entanto, no momento do embarque em Angola os dois deixaram de assumir que pertenciam ao mesmo agregado familiar devido a razões não apuradas, mas que suspeita estarem ligadas ao transporte de 8 mil euros por parte da arguida.

Os arguidos aterraram no Porto a 8 de janeiro de 2018 e apresentaram-se em separado no controlo de fronteiras. O arguido demonstrou viajar com os três menores e ter como destino final uma pensão em Penafiel.

A arguida apresentou-se ao controlo mais tarde e alegou vir a Portugal comprar roupa.

Após “lograrem ludibriar o controlo de fronteira”, os arguidos juntaram-se com os menores e adquiram uma passagem de ida de autocarro para Paris.

O autocarro foi, posteriormente, fiscalizado em Vila Real por uma equipa do SEF.

Ao arguido foi apreendido o telemóvel onde foram encontrados 10 ficheiros de imagens com cariz sexual envolvendo crianças menores, pelo que lhe foi também imputado o crime de pornografia de menores.

O MP acredita que os arguidos “tinham como intenção levar os menores para paradeiro distinto do indicado quando da obtenção do visto, tendo falseado tais elementos”.

Refere ainda, na acusação, que ambos “agiram de forma livre, voluntária e conscientes de que as suas condutas eram proibidas por lei, pois transportavam menores para fim de obtenção indevida e fraudulenta, por terceiros, de subsídios em França”.

O Ministério Público aponta ainda para a “especial vulnerabilidade enquanto menores” e o “abuso de autoridade” resultante da relação do homem com as crianças.

O MP acredita que os arguidos sabiam que os menores tinham nacionalidade estrangeira e não estavam habilitados com a necessária autorização de residência em Portugal ou em França, “assim favorecendo o trânsito ilegal dos menores em território nacional”.

LUSA

Greve dos enfermeiros até dezembro vai causar “muitos constrangimentos”

© Lusa

Dois sindicatos de enfermeiros convocaram uma greve a partir de dia 22 de novembro, e com duração superior a um mês, que deve incidir em pelo menos três blocos operatórios de grandes hospitais, uma ideia de paralisação que partiu inicialmente de um movimento de enfermeiros e que recolheu já mais de 350 mil euros num fundo destinado a compensar os profissionais que ficarão sem salário.

Alexandre Lourenço considera que esta greve “pode causar muitos constrangimentos” e “lesar os cidadãos que necessitem de cuidados de saúde“, apelando ao Governo e às organizações profissionais que travem esta paralisação pela via negocial, através de acordo entre as partes.

Em declarações à agência Lusa, o responsável considerou que “não é relevante” o meio encontrado para compensar os grevistas, através de uma recolha de fundos que já conseguiu mais de 350 mil euros.

Só é relevante no sentido de perceber que, para se chegar a este ponto, é preciso que as coisas não estejam bem. É algo de muito atípico. Mas mais atípico é a previsão de termos uma greve por um tempo tão longo“, afirmou Alexandre Lourenço.

O representante dos administradores hospitalares lembra que “há fatores que desencadearam um descontentamento generalizado e que justifica a crispação existente”.

Apesar da recuperação das 35 horas semanais de trabalho ou da “melhoria de salários”, Alexandre Lourenço frisa que “o mal-estar sentido pelos profissionais é justificado pelas condições de trabalho atuais no Serviço Nacional de Saúde (SNS)”.

“Importa ter em consideração que existem menos recursos humanos do que existiam em 2010, particularmente na enfermagem, nos assistentes operacionais e nos assistentes técnicos há uma sobrecarga de trabalho e uma frustração em algumas profissões que não verificam a valorização na sua profissão”, disse.

No caso dos enfermeiros, Alexandre Lourenço deu ainda o exemplo da diferença de critérios aplicados pelos hospitais públicos quanto às progressões nas carreiras. Há hospitais que atribuem 1,5 pontos por ano de serviço para a progressão, enquanto outros atribuem um ponto.

Temos comportamentos diferentes [por parte dos hospitais] sem que exista uma instrução clara por parte dos ministérios das Finanças e da Saúde. Uns enfermeiros progridem mais depressa e outros mais devagar. Isso também cria um desconforto grande, quer nos profissionais, quer nas administrações“, exemplificou.

O Ministério da Saúde já anunciou que está a fazer uma análise jurídica à greve prolongada dos enfermeiros em preparação em vários blocos operatórios.

Até hoje já foram angariados mais de 350 mil euros no fundo de recolha impulsionado por um movimento de enfermeiros independente dos sindicatos, sendo que a meta era conseguir 300 mil para cumprir greve em três blocos operatórios: Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, São João, no Porto, e Santa Maria, em Lisboa.

O movimento de enfermeiros prolongou, entretanto, a recolha de fundos para alargar a paralisação a mais dois blocos operatórios: Setúbal e Centro Hospitalar do Porto, mas o dinheiro para estes dois blocos adicionais ainda não foi conseguido até hoje.

Os enfermeiros reclamam nomeadamente melhores remunerações e uma carreira digna, notando que não progridem há 13 anos.

A greve arranca no dia 22 de novembro e prolonga-se até final de dezembro.

LUSA

Toma medicamentos para as dores? Atenção a este alerta do Infarmed

© Global Imagens

Esta recomendação do Infarmed surge na sequência de um alerta da Autoridade para o Medicamento Espanhola para a utilização de medicamentos com metamizol, na sequência da morte de 10 britânicos que compraram o medicamento em Espanha.

Em outubro, a Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos Sanitários (AEMPS) atualizou a ficha técnica do metamizol para alertar para o risco de efeitos adversos como a agranulocitose (doença aguda do sangue caracterizada pela falta ou acentuada redução de glóbulos brancos).

Em comunicado disponível hoje, o Infarmed indica que o metamizol é um medicamento utilizado para o tratamento da dor e febre há cerca de 40 anos. Em Portugal, os medicamentos comercializados contendo metamizol são o Nolotil, Dolocalma e Meramizol Cinfa.

O Nolotil está indicado na dor aguda e intensa, incluindo dor espasmódica e dor tumoral, e na febre alta, que não responde a outras terapêuticas antipiréticas.

A utilização de medicamentos contendo esta substância [metamizol] pode causar uma reação adversa — a agranulocitose – que, apesar de grave, é muito rara“, explica também o infarmed.

A Autoridade do Medicamento esclarece que em “Portugal foram notificados ao sistema de farmacologia, entre 2008 e 2018, um total de 11 casos de agranulocitose potencialmente associados à utilização de metamizol, com uma frequência de um a dois casos por ano (o que se encontra dentro da frequência expectável de uma reação rara)”.

Para minimizar os riscos de agranulocitose associado à utilização de metamizol, o Infarmed recomenda que o seu uso deve ser restrito a um período temporal (máximo de sete dias) e a monitorização através dos valores do hemograma se for por mais tempo.

Estes medicamentos não devem ser utilizados em doentes com reações hematológicas prévias ao metamizol, em tratamento com imunossupressores ou outros medicamentos que possam causar agranulocitose. Deve ser tida particular atenção à prescrição destes medicamentos em doentes idosos“, destaca o Infarmed.

Os doentes a quem foi prescrito metamizol, salienta o Infarmed, não devem interromper o tratamento, mas sim consultar o médico caso surjam sintomas de discrasia sanguínea, tais como mal-estar geral, infeção, febre persistente, hematomas, hemorragias ou palidez.

Aos médicos prescritores e restantes profissionais de saúde, o Infarmed solicita especial atenção para a prevenção e/ou deteção precoce do aparecimento deste ou de outros efeitos indesejáveis.

Estes medicamentos mantêm uma relação benefício-risco positiva, desde que, sejam cumpridas todas as condições, incluindo as indicações de uso do metamizol“, é referido.

O infarmed indica ainda que vai continuar a acompanhar e divulgar todas as informações pertinentes relativas a esta matéria.

LUSA

Acolhimento de refugiados: “Nunca poderia garantir” que correrá tudo bem

©Tiago Petinga/Lusa

governante falava em audição parlamentar, no âmbito da apreciação na especialidade da proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), quando questionada sobre a situação dos refugiados sírios de Miranda do Corvo, que viram ser cortados os serviços de água e eletricidade.

“Por muito sucesso que tenha o programa de acolhimento, nunca poderia aqui garantir que tudo correrá sempre bem”, afirmou, apontando o caso que o Bloco de Esquerda trouxe para o debate.

No entanto, a ministra referiu que os números indicam uma taxa de 96% do acesso a língua portuguesa, 100% do acesso a cuidados de saúde e 48% no que respeita a integração no mercado de trabalho, no âmbito daquele programa, salientando que este último dado é que mais valoriza, porque “dá uma garantia de autonomização de meios próprios”.

Além disso, “tenho dito muitas vezes, e tive oportunidade de dizer em visitas que fiz a este tipo de instituições, que nós não nos comprometemos a fazer o acolhimento em Lisboa”, prosseguiu.

“Sabemos que a cidade de Lisboa tem hoje problemas de habitação muito graves”, afirmou, apontando que “uma das preocupações deste Governo é a política da habitação”.

Por outro lado, a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, adiantou que em matéria de aprendizagem da língua portuguesa, fundamental para a integração, “todos os esforços têm sido feitos”.

Aliás, as ações para aprendizagem do português registaram 392 ações este ano e o programa Speak 136 ações, “abrangendo 167 refugiados”.

Maria Manuel Leitão Marques apontou o programa Speak como um “bom exemplo de inovação social”, considerando tratar-se de uma “iniciativa de sucesso”.

Aliás, “esperamos podermos vir a financiar a sua internacionalização [do Speak]”, um programa “ao serviço de outras pessoas que acolhemos no nosso país, não apenas para a aprendizagem da língua”, mas para aprendizagem mútua para que “possamos aprender a cultura das pessoas que vêm”, disse.

“Considero dos projetos de inovação social mais bem sucedidos, um dos projetos que esperamos encontrar parceria para ser financiado pelo fundo de inovação social que apresentei” na Web Summit, acrescentou a governante.

Sobre o Simplex, um programa que reiterou ser sempre inacabado, disse que o balanço “é manifestamente positivo, em qualquer parte do mundo”.

LUSA

EMPRESAS