Inicio Tags Aliança

Tag: Aliança

Mazars cria a Mazars North America Alliance

A Mazars, empresa internacional de auditoria e consultoria, anunciou a criação da Mazars North America Alliance.

A Mazars North America Alliance amplia substancialmente a cobertura da Mazars na América do Norte, dando aos seus clientes internacionais acesso a mais 16.000 profissionais de cinco grandes empresas de auditoria e consultoria nos EUA e no Canadá.

 “Esta Aliança representa uma verdadeira mudança para a Mazars. Já estávamos presentes nos Estados Unidos e Canadá, no entanto esta Aliança permite-nos reforçar a nossa capacidade de serviço aos clientes internacionais na América do Norte” diz Hervé Hélias, CEO & Chairman do Grupo Mazars.

A Mazars North America Alliance é uma Aliança firmada entre a Mazars e cinco empresas líderes nos Estados Unidos e Canadá – BKD, Dixon Hughes Goodman, Moss Adams, Plante Moran (nos Estados Unidos) e MNP (no Canadá). Geograficamente, estas cinco empresas irão complementar a Mazars USA e a Mazars Canadá, permitindo à Mazars alcançar uma cobertura total na América do Norte.

Com esta Aliança, a Mazars passa a contar com 40.000 profissionais ao serviço dos seus clientes em todo o mundo: 24.000 profissionais em 89 países e territórios que fazem parte do partnership integrado Mazars e 16.000 profissionais nos Estados Unidos e Canadá via a Mazars North America Alliance. Com esta escala e amplitude de talentos, a Mazars consegue oferecer serviços personalizados, consistentes e de elevada qualidade aos seus clientes em qualquer parte do mundo.

“Esta Aliança aumenta a nossa capacidade para servir os nossos clientes internacionais em todo o mundo. Num mercado de auditoria e consultoria altamente concentrado, esta Aliança surge como uma alternativa. Temos uma longa história de colaboração e trabalho com estas cinco empresas com as quais partilhamos os mesmos valores de qualidade, ética e profissionalismo. As cinco empresas estão registadas no PCAOB (o órgão que supervisiona a auditoria às empresas públicas nos Estados Unidos) e através da Mazars North America Alliance vão contribuir para a qualidade e expertise que os nossos maiores clientes esperam da Mazars na América do Norte diz Hélias.

“Com a Mazars North America Alliance, a Mazars reforça a sua escala crítica para dar resposta às necessidades de grandes empresas internacionais, num momento em que a rotação obrigatória de empresas de auditoria está em vigor na Europa e onde o debate sobre a adoção da auditoria conjunta se torna cada vez mais relevante no Reino Unido”, conclui Hélias.

China anuncia aliança antiterrorista com Afeganistão, Paquistão e Tajiquistão

O acordo foi celebrado entre Fang Fenghui, membro da Comissão Militar Central – órgão chefiado pelo Presidente chinês, Xi Jinping – e representantes dos referidos países, em Urumqi, capital da região autónoma de Xinjiang.

Com uma área quase 18 vezes maior que Portugal e com cerca de 23 milhões de habitantes, Xinjiang é uma das regiões da China mais vulneráveis ao separatismo.

Nos últimos anos, conflitos entre os Han, a principal etnia da China, e os uigures, maior etnia do Xinjiang, de religião muçulmana e cultura turcófona, causaram centenas de mortos naquela região.

Pequim atribui a violência ao Movimento Islâmico do Turquestão Oriental, uma organização que reclama a independência do Xinjiang.

Segundo a agência oficial Xinhua, os quatro países admitiram que o extremismo constitui uma “séria ameaça” à estabilidade regional.

As partes concordaram estabelecer um “mecanismo conjunto”, para partilhar informações entre os serviços de inteligência e formar equipas de segurança, detalhou a agência.

Entre os representantes constou o diretor de pessoal do exército do Afeganistão, o general Qadam Shah Shaheem, o chefe do exército do Paquistão, o general Raheel Sharif, e o diretor de pessoal das Forças Armadas do Tajiquistão, o general E.A.Cobidroza.

O acordo é anunciado na mesma semana em que Pequim aumentou as competências do Xinjiang na adoção de uma controversa lei Antiterrorista, aprovada este ano, com medidas que incluem a colocação em solitária de “radicais” detidos.

Comunidades uigures no exílio atribuem os episódios de violência na região, e em outras zonas da China, à repressão que afirmam sofrer por parte de Pequim.

 

EMPRESAS