Inicio Tags ANSR

Tag: ANSR

Mais de 400 mil condutores apanhados no Controlo de Velocidade

© Lusa

SINCRO é o sistema para deteção automática da infração de excesso de velocidade, sendo composto por 30 radares móveis que são instalados em 50 locais considerados críticos.

O primeiro dos 30 radares do SINCRO entrou em funcionamento a 06 de julho de 2016 e foi instalado na autoestrada A5, que liga Lisboa e Cascais, mas só em julho de 2017 é que começaram a ser explorados na totalidade.

Numa resposta enviada à agência Lusa, a ANSR avança que, entre julho de 2017 e maio deste ano, foram apanhados pelos radares 400.449 condutores em excesso de velocidade.

Segundo a ANSR, 291.195 infrações foram registadas em sete meses de 2017 e 109.254 entre janeiro e maio deste ano.

A maioria das infrações são leves (204.525), seguido dos graves (189.101) e das muito graves (6.723).

Os 30 radares de controlo de velocidade não são fixos, sendo instalados nas 50 cabines segundo um sistema rotativo previamente definido. Os condutores são informados da presença dos radares através de um sinal de trânsito.

A ANSR faz um balanço “muito positivo” deste sistema de controlo da velocidade devido ao “contributo que tem tido para a segurança rodoviária”.

Questionado se o SINCRO contribuiu para reduzir a sinistralidade nos locais onde foram colocados os radares, a ANSR respondeu que “o estudo estatístico dos acidentes nos locais de controlo de velocidade necessita de séries de dados relativamente longas e metodologias adequadas de ponto de vista científico” e “neste momento ainda não estão reunidas condições que permitam desenvolver um estudo consistente sobre esta matéria”.

A Segurança Rodoviária refere ainda que a expansão do sistema de controlo da velocidade está inscrita no Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária até 2020, mas esta medida terá de ser avaliada pela tutela.

Dados da ANSR indicam que 244 pessoas morreram nas estradas portuguesas entre 01 de janeiro e 15 de julho deste ano, menos 14 do que em igual período do ano passado.

No entanto, o número de acidentes subiu ligeiramente, registando-se este ano 68.483 desastres, mais 1.845 do que em período idêntico de 2017.

Também os feridos graves estão a diminuir este ano, tendo 950 pessoas ficado gravemente feridas até 15 de julho deste ano contra as 1.109 no mesmo período de 2017.

LUSA

Houve mais acidentes mas menos mortes nas estradas

A ANSR, que reúne dados da PSP e da GNR, adianta que, entre 01 de janeiro e 31 de março, ocorreram 31.573 acidentes rodoviários, mais 2.592 do que no mesmo período de 2015, quando se registaram 28.981 desastres.

Os distritos com mais mortos nas estradas são Lisboa (16), Aveiro (13), Leiria (12) e Santarém (11), de acordo com a Segurança Rodoviária.

Já os distritos com menos vítimas mortais este ano são a Guarda e Viana do Castelo, onde se registou um morto em cada.

A ANSR refere igualmente que 454 ficaram gravemente feridas entre janeiro e março, menos 27 do que no mesmo período do ano passado.

Por sua vez, os feridos ligeiros aumentaram ligeiramente este ano, tendo sofrido ferimentos ligeiros 8.983 pessoas, mais 590 do em que em igual período de 2015.

Os dados da ANSR dizem respeito aos mortos cujo óbito ocorreu no local do acidente ou a caminho do hospital.

 

Mais acidentes de viação mas menos mortos e feridos graves nos dois primeiros meses do ano

Nos primeiros dois meses deste ano registaram-se 21.205 acidentes nas estradas de Portugal continental, mais 1.966 do que em igual período de 2015, dos quais resultaram 73 mortos, menos seis do que um ano antes, 306 feridos graves (-1 do que em 2015) e 6.046 feridos ligeiros (mais 579), informa a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).

Lisboa é o distrito com maior número de vítimas mortais – 12 -, tendo registado mais oito óbitos do que em igual período de 2015. Seguem-se Aveiro, com nove mortes (menos três) e Setúbal, com oito vítimas mortais (mais sete).

No extremo oposto, o distrito de Viana do Castelo ainda não registou qualquer morte, enquanto a Guarda contabiliza uma vítima mortal. Beja, Braga, Bragança, Faro e Vila Real registaram duas mortes cada.

As estatísticas da ANSR, com base em dados da GNR e PSP, apenas contabilizam como vítimas mortais aquelas cujo óbito ocorre no local do acidente ou no transporte até à unidade de saúde.

EMPRESAS