Inicio Tags Cabelo

Tag: Cabelo

Especialistas explicam porquê que o cabelo muda de aspeto

Explica o The Independent que a vida do cabelo passa por três fases, durante as quais a textura e aspeto do cabelo variam. A primeira, fase anagena é a de crescimento, e dura até sete anos. Segue-se a fase categene, fase de transição, em que o fio de cabelo separa-se da raiz e fica apenas ‘preso’ no couro cabeludo (esta fase dura entre uma semana e 10 dias) e por fim, a fase telogena, ou de repouso, em que o cabelo cai, dando lugar ao nascimento de novos cabelos. Esta ultima fase tem a duração de três meses.

Ora, porque o cabelo não cai todo ao mesmo tempo, cada fio tem o seu ciclo próprio. Estima-se por isso que 85% dos cabelos se encontrem na fase de crescimento e 14% na fase de repouso, sensivelmente. Porque a fase de transição dura apenas alguns dias, é difícil contabilizá-los.

Quando há menos fios de cabelo na fase de crescimento, sofre-se um desequilíbrio que se reflete em queda de cabelo acentuada e perda de cabelo. Para o evitar, é crucial que o cabelo seja devidamente cuidado, para que a primeira fase do ciclo seja a mais longa. Também na fase de transição o cabelo carece de cuidados, pois só assim se garante que o folículo libertado está preparado para o nascimento do próximo cabelo.

Porque as três fases ocorrem em simultâneo em diferentes fios de cabelo, resta-lhe adaptar os produtos de higiene e cuidado ao aspeto do seu cabelo, num todo, algo que varia por diversas questões como a idade, que torna o cabelo mais sensível ou alterações hormonais, como a gravidez, mudança de alimentação ou falta de peso.

Mas há também fatores externos que podem influenciar o seu cabelo. Andrew Jose, cabeleireiro, aponta a culpa aos próprios cabeleireiros que não tem em conta o ‘jeito’ próprio de cada cabelo, que deveria definir a forma como o corte é feito.

Apesar disso, o principal responsável não deixa de ser a própria pessoa, que expõe o cabelo a demasiados químicos de produtos específicos de pentear, modelar ou dar cor, sem contar com as altas temperaturas a que o expomos.

A solução? Aceitar que o cabelo muda com o tempo e que o mínimo de produtos é, na maioria dos casos, a melhor forma de o ter saudável.

Grandes mitos e verdades sobre a saúde do seu cabelo

Como é que tem a certeza que o seu cabelo é oleoso? As ampolas fazem mesmo o cabelo crescer mais rápido? O que fazer quando tem pontas espigadas?

Para esclarecer estas e outras dúvidas o Lifestyle ao Minuto falou com Alexandra Lóio, médica de clínica geral especializada em tricologia, da Clínica de Saúde Viável www.saudeviavel.pt. Eis alguns mitos e verdades capilares:

Como é que se sabe que o cabelo é de facto oleoso?
Um cabelo oleoso resulta de uma produção excessiva de gordura pelas glândulas sebáceas do couro cabeludo. O seu aspeto será o de um cabelo pesado, com brilho excessivo e sem volume. Este efeito pode ser potenciado pelo uso de água excessivamente quente, por uma má higienização do couro cabeludo ou pela exposição a ambientes com elevado teor de gordura.

Ampolas fazem crescer o cabelo mais rápido. Verdade ou mito?
Existe, hoje em dia, uma grande variedade de ampolas para tratamento capilar disponível no mercado. Contudo, nem todas têm os mesmos princípios ativos nem a mesma eficácia. É importante que estas ampolas reúnam alguns componentes essenciais como vitaminas (complexo B, E e A), sais minerais, aminoácidos, péptidos, ácidos nucleicos e fatores de crescimento, nas dosagens adequadas!

Se estes requisitos forem escrupulosamente cumpridos, aliados a um regime dietético favorável, é possível verificar alguns efeitos a nível da velocidade de crescimento capilar. Não esquecer, ainda, que as ampolas de aplicação tópica apresentam um índice de absorção limitado (e, portanto, algum desperdício), não comparável ao de produtos injetáveis diretamente no couro cabeludo.

Produtos para ‘salvar’ pontas espigadas. Resultam ou é mito?
Nem é mito, nem é totalmente verdade.
Na realidade, não existe nenhuma solução milagrosa para tratar as pontas espigadas, senão cortar o cabelo. Contudo, com a adoção de alguns cuidados essenciais, podemos prevenir o aparecimento de pontas espigadas e conferir ao cabelo um aspeto bonito e saudável.
As pontas espigadas aparecem quando há danificação da cutícula (zona externa do fio de cabelo), o que pode ser provocado por fatores agressores externos, como temperaturas elevadas (secadores, prancha) ou uso frequente de produtos de styling com químicos agressivos (ex: produtos de coloração, de alisamento ou permanentes).

Assim, atitudes como cortar o cabelo de 2 em 2 meses, utilizar um secador de cabelo iónico (seca o cabelo a temperaturas mais baixas), ou mesmo evitar o uso do secador ou aplicar um sérum protetor antes de secar ou de usar aparelhos de styling, podem reduzir as pontas espigadas.

Para prevenir o aparecimento de pontas espigadas também podemos utilizar alguns produtos como óleo de jojoba, silicone ou ceramida. Se o objetivo for disfarçar o dano, existem ainda alguns truques que podemos pôr em prática, como utilizar um bom champô hidratante e enxaguar o cabelo com água fria para ajudar a selar a cutícula.

Os cabelos caem mais no Outono. Mito ou verdade?
Sim, é verdade. Estima-se que perdemos cerca de 50 a 100 cabelos por dia. Contudo, esta quantidade pode quadruplicar no Outono. Isto porquê? Enquanto 90% dos folículos capilares estão vivos e a produzir fios de cabelo, 10% encontram-se em fase de descanso. A partir do momento em que entram nesta fase, cairão após cerca de 100 dias. Ora, na maioria das pessoas, esses tais 10% de folículos entram em fase telogénica no mês de julho pelo que entrarão em queda em meados de Outubro ou Novembro. A queda do cabelo pode, portanto, acompanhar a queda da folha típica do Outono.

5 erros que cometemos ao tomar banho

O site grandparents.com falou com vários especialistas e fez uma lista dos erros que cometemos ao tomar banho. Aqui ficam alguns:

1)    Abusar da água quente: Sabe bem e achamos que estamos a fazer bem aos músculos ao tomar um duche com água muito quente. Mas a dermatologista Cynthia Bailey afirma que tomar banho com água a escaldar é mau por duas razões: “Remove muitos dos óleos naturais existentes no nosso corpo e ‘traz’ a circulação sanguínea para a nossa pele (…) com isso surgem as inflamações, que provocam comichão e irritações cutâneas”;

2)     Horas e horas debaixo do chuveiro: Vários especialistas afirmam que um duche não deve durar mais do que dez minutos. “Os banhos longos tiram a suavidade da pele”, explica a dermatologista Patricia Farris;

3)    Ensaboar todo o corpo: Parece disparatado, mas não é. O sabão é feito de forma a dissolver a sujidade e a oleosidade, para que estes sejam posteriormente ‘levados’ pela água. A pele dos braços e das pernas não costuma ser muito oleosa, por isso não é necessário ensaboá-los. Como descreve o site, é como “atirar água para uma pedra”. “Devemos apenas ensaboar as partes mais oleosas e que provocam um maior odor corporal, como a face, as axilas, as nádegas, as virilhas e os pés”, diz Bailey;

4)    Gastar dinheiro em produtos ‘naturais’: Se está preocupado com a forma como o seu sabão é produzido, então deve realmente apostar nos produtos orgânicos. Mas se estiver só a pôr em causa os benefícios para a sua pele e organismo, os especialistas afirmam que não há qualquer necessidade de estar a gastar mais dinheiro em produtos naturais. “Até os produtos ‘naturais’ ou orgânicos ‘estragam’ a nossa bicapa lípida que se encontra à superfície da pele e destroem as suas barreiras protectoras”, afirma a dermatologista Rhonda Klein. “A palavra ‘natural’ só por si não significa muito. Os melhores produtos são muitas vezes de grandes companhias, como a Johnson & Johnson”, explica Farris. A única coisa que deve fazer é manter-se longe de sabões com cores e fragrâncias artificiais;

5)    Lavar o cabelo diariamente: Segundo vários tricologistas (especialistas em cabelo e escalpe), não se deve lavar o cabelo todos os dias. “As pessoas que têm o cabelo fino e delicado devem lavar a cabeça não mais do que duas vezes por semana”, diz Andrea L. Hayden, director da Associação Internacional de Tricologistas. Se, por outro lado, possui muito cabelo, experimente lavá-lo apenas uma vez de sete em sete dias, recomenda o especialista.

EMPRESAS