Inicio Tags Cetelem

Tag: Cetelem

Viagens e lazer entre principais intenções de consumo dos portugueses

Quando questionados acerca das suas intenções de consumo para este ano, 61% dos inquiridos portugueses pelo Barómetro Europeu Observador Cetelem 2019 referem em primeiro lugar as viagens e as atividades de lazer entre os produtos ou serviços que tencionam adquirir. Um aumento considerável em comparação com 2018, mais 9 pontos percentuais.

Em segundo lugar no pódio, com 43%, estão os eletrodomésticos, com mais 8 pontos percentuais. Seguem-se os smartphones com 37%, que registam a maior subida (+13%). 39% dizem que vão adquirir mobiliário (+8p.p.) e 28% contam fazer obras de melhoria e/ou renovação do lar (+12p.p.)

Em termos europeus, o ranking é bastante semelhante: viagens e lazer em primeiro lugar (60%), seguido da compra de eletrodomésticos (43%) e de smartphones (37%).

Desejo de economizar mais

Ainda assim, a vontade dos portugueses de aumentar as poupanças é superior à de aumentar gastos. Uma propensão partilhada com a maioria dos europeus, com 49% do total de inquiridos a desejar aumentar as suas economias e apenas 41% a dizer que pretendem gastar mais.

Mas estas médias ocultam as disparidades existentes entre os vários países. No topo da lista de países onde economizar mais é atualmente uma prioridade encontram-se a Noruega (71%), Portugal (64%), a Suécia e a Dinamarca (63%), cujos cidadãos afirmam claramente as suas intenções neste sentido.

Pelo contrário, a França (29%), a Bélgica (36%) e a Eslováquia (38%) são os três países em que os inquiridos menos querem aumentar as suas economias. É ainda possível analisar que as intenções de economizar mais aumentaram significativamente na maior parte dos países, particularmente no Leste da Europa: Bulgária (+17), Hungria (+12), Roménia e Polónia (+11).

No que respeita às intenções de aumentar gastos, destacam-se claramente quatro países europeus, encabeçados pela Eslováquia (73%), seguida da Roménia (63%), Bulgária (62%) e República Checa (60%). No lado oposto, há menos cidadãos húngaros (21%) e dinamarqueses (26%) com intenção de aumentar gastos.

Em termos globais, os europeus questionados restringiram o orçamento relativamente ao ano anterior, por vezes de forma acentuada, tal como sucedeu no Reino Unido (-10), República Checa (-9) e Polónia (-9 pontos). Embora 58% dos indivíduos afirmem desejar consumir, 47% declaram não dispor de meios para o fazer, um aumento de 7 pontos percentuais face ao ano anterior.

Entre os países mais relutantes em aumentar os seus gastos, quatro apresentam percentagens iguais ou superiores à média. Este grupo é encabeçado pela República Checa, onde 56% dos inquiridos não desejam gastar mais, seguido dos noruegueses (55%), da Eslováquia (50%) e da Bélgica (51%). Sobre as intenções de gastos, a percentagem de inquiridos portugueses que pretende gastar mais mantem-se estável face ao ano passado (33%), menos 8 pontos percentuais que a média dos países inquiridos.

Parceiros e Metodologia

Para o Observador Cetelem Consumo 2019, os inquéritos quantitativos aos consumidores foram conduzidos pela Harris Interactive entre 27 de novembro e 10 de dezembro de 2018, numa amostra de 13 800 indivíduos com idades compreendidas entre os 18 e os 75 anos. Os inquéritos foram realizados através de entrevistas pessoais assistidas por computador (CAPI). Os indivíduos inquiridos fazem parte de amostras nacionais representativas de cada país. A representatividade da amostra total foi garantida através do método de quotas (género, idade, PCS/rendimentos, região). País: França (FR), 1 O00 indivíduos inquiridos. Alemanha (DE), Áustria (AT), Bélgica (BE), Bulgária (BG), Dinamarca (DK), Espanha (ES), Hungria (HU), Itália (IT), Noruega (NO), Polónia (PL), Portugal (PT), República Checa (CZ), Roménia (RO), Reino Unido (UK), Eslováquia (SK), Suécia (SU): 800 indivíduos inquiridos por país.

Preço, qualidade e ecologia são principais critérios de compra para seniores portugueses

No momento de adquirir um novo bem de consumo, como um eletrodoméstico, mobiliário ou equipamentos eletrónicos, os portugueses com mais de 50 anos têm em consideração três critérios de compra essenciais: o preço (87%), a qualidade (62%) e o fator ambiental e de consumo de energia (53%), revelam dados do Observador Cetelem. Ao contrário da generalidade dos seniores europeus, que colocam o ambiente como quinto critério de compra após o preço, a qualidade, a funcionalidade e as promoções, os seniores portugueses revelam-se mais ecológicos e são mesmo os mais preocupados com esta questão, comparativamente a uma média europeia de apenas 31%.

No panorama europeu, verifica-se que os seniores portugueses são os mais ecológicos e os que maior importância atribuem às características do produto que podem influenciar o ambiente e o consumo de energia. Estes critérios de compra são também mais importantes para os seniores portugueses (53%) do que para os seus descendentes (42%), para quem surgem apenas em quarto lugar após o preço (88%), a qualidade (69%) e a funcionalidade/características técnicas (55%) do produto. À semelhança dos seniores portugueses, são os húngaros e os espanhóis (42% em ambos os casos) que atribuem mais relevância ao ambiente e à ecologia na hora da compra.

Portugueses menos atentos às promoções que os europeus

Na opinião dos seniores portugueses, a funcionalidade do produto é o quarto critério de compra principal (48%), seguido pela segurança (39%) e só então pelas promoções (36%), que para os restantes europeus ocupam o quarto lugar. Outros critérios de compra incluem a marca (25%), a inovação tecnológica (19%), as condições de instalação (17%) e o design (14%). No momento de compra, o que menos condiciona a decisão dos seniores portugueses é o país de origem do produto (10%), as condições de entrega (10%), os conselhos de familiares e amigos (10%), os comentários de outros utilizadores (8%) e os conselhos dos vendedores (6%).

Para as análises e previsões deste estudo foram inquiridos 10.673 europeus com amostras de, pelo menos, 800 indivíduos por país, das quais pelo menos 275 com idades entre os 50 e os 75 anos. O inquérito, feito através da Internet, realizou-se em 13 países: Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Itália, Portugal, Reino Unido, Hungria, Polónia, República Checa, Eslováquia e Roménia. Os inquéritos foram realizados entre 2 de novembro e 4 de dezembro de 2015 pelo Observador Cetelem, em parceria com a sociedade de estudos e consultoria BIPE, com base num inquérito barométrico conduzido pela TNS Sofres.

Sobre o Cetelem e o BNP Paribas Personal Finance

Pertencendo ao Grupo BNP Paribas, o BNP Paribas Personal Finance é especialista no financiamento a particulares. Com cerca de 20.000 colaboradores, em 28 países e 4 continentes, o BNP Paribas Personal Finance é Nº1 em França e na Europa. Exercendo a sua atividade sob a marca comercial Cetelem, disponibiliza uma gama completa de crédito a particulares intermediada através de parceiros do Retalho especializado,  concessionários automóvel e também diretamente aos clientes.

O BNP Paribas Personal Finance é parceiro de referência das principais insígnias do comércio, dos serviços, da banca e das companhias de seguros, entidades às quais aporta o seu know-how, propondo o tipo de crédito e de serviço mais adaptado à atividade e estratégia comercial dos seus parceiros. É, também, ator de referência em matéria de concessão de Crédito Responsável.

Em Portugal está presente desde 1993. Em 2010, a fusão com o Credifin deu origem ao nascimento do Banco BNP Paribas Personal Finance, S.A., que opera sob a marca comercial Cetelem,  conta com cerca de 600 colaboradores e é uma referencia no mercado de  crédito a particulares.

Para mais informações: www.cetelem.ptwww.oobservador.pt

Aprender a ler com a ajuda de um cão

«O principal problema de muitas das crianças com dificuldades de leitura é a falta de confiança. A terapia assistida por animais é uma excelente forma de praticar a leitura em voz alta pois os cães são ouvintes calmos e, contrariamente às outras crianças ou aos adultos, jamais serão críticos quando uma criança se engana ou se atrapalha a ler. Notamos já muitos progressos neste grupo de crianças: mostram-se mais disponíveis em aprender e encaram a leitura como um verdadeiro prazer», explica Rosário Grou, psicóloga e terapeuta responsável pelo projeto.

Em cada sessão semanal, as mesmas crianças encontram-se com Pi para juntos realizarem uma série de atividades lúdico-pedagógicas que vêm complementar os métodos de ensino tradicionais. Para estas crianças, o cão surge como um elemento facilitador nas suas aprendizagens, na medida em que estão a aprender a ler de forma divertida.

Este projeto-piloto é promovido pelo «Tem Tudo a Ler», o programa de responsabilidade social do Cetelem, com o apoio da Junta de Freguesia da Estrela. Com esta iniciativa, o «Tem Tudo a Ler» espera impulsionar uma prática já comum nos EUA, no Canadá e em alguns países europeus, mas ainda pouco usual em Portugal. De acordo com numerosos estudos internacionais, são muitos os benefícios da Terapia Assistida por Cães na ajuda a crianças com dificuldades ao nível das competências da leitura.

«Voluntários da Leitura»
Além da «Festinha da Leitura», o «Tem Tudo a Ler» está também a colaborar com o projeto «Voluntários da Leitura», promovido pela Universidade Nova de Lisboa e a Associação para o Voluntariado da Leitura. Nesse âmbito, o Cetelem lançou um desafio interno aos seus colaboradores para serem voluntários da leitura e disponibilizarem uma hora do seu horário laboral, todas as semanas, para ajudarem crianças do ensino básico a lerem mais e melhor. Até o final do ano letivo, doze colaboradores vão estar a apoiar dezoito crianças em duas escolas básicas – a Escola EB1 Quinta das Chãs, em V. Nova de Gaia; e a Escola EB1 das Laranjeiras, em Lisboa.

«Assumimos no ano passado o compromisso de trabalhar para a promoção da leitura e continuamos este ano a nossa missão, com novas iniciativas, nomeadamente junto das crianças e envolvendo diretamente os nossos colaboradores. Apesar do projeto «Tem Tudo a Ler» ser ainda recente, o feedback das escolas com quem estamos a trabalhar tem sido muito positivo e os resultados começam a ser visíveis. Algo que nos deixa muito satisfeitos e que nos motiva a continuar a apostar no incentivo à leitura», explica Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem.

O Programa de Apoio à Leitura «Tem Tudo a Ler» é uma aposta do Cetelem no âmbito da sua política de Responsabilidade Social. Consciente dos baixos níveis de literacia em Portugal e da importância da leitura, a empresa está a desenvolver uma série de iniciativas, dirigidas aos diferentes públicos, com o objetivo claro de promover hábitos de leitura junto dos portugueses.  

Sobre o Cetelem e o BNP Paribas Personal Finance

Pertencendo ao Grupo BNP Paribas, o BNP Paribas Personal Finance é especialista no financiamento a particulares. Com cerca de 28.000 colaboradores, em 30 países e em 4 continentes, o BNP Paribas Personal Finance é Nº1 em França e na Europa. Exercendo a sua atividade sob a marca comercial Cetelem, disponibiliza uma gama completa de crédito a particulares via ponto de venda (lojas, concessionários automóvel) e por via direta aos seus clientes: Internet e telefone.

O BNP Paribas Personal Finance é parceiro de referência das principais insígnias do comércio, dos serviços, da banca e das companhias de seguros, entidades às quais aporta o seu know-how, propondo o tipo de crédito e de serviço mais adaptado à atividade e estratégia comercial dos seus parceiros. É, também, ator de referência em matéria de Crédito Responsável.

Em Portugal está presente desde 1993. Em 2010, a fusão com o Credifin deu origem ao nascimento do Banco BNP Paribas Personal Finance, S.A., que opera sob a marca comercial Cetelem. Com cerca de 600 colaboradores esta nova entidade posiciona-se como líder de mercado em Portugal no crédito a particulares.

EMPRESAS