Inicio Tags Esclerose Múltipla

Tag: Esclerose Múltipla

Exposição sobre os sintomas invisíveis da Esclerose Múltipla esteve em Santarém e já tem novo destino no Alentejo

No dia 30 de setembro a exposição inaugurou na Loja do Cidadão de Santarém e onde permanecerá até ao dia 4 de outubro. A sua viagem vai continuar para a região do Alentejo, no distrito de Beja, que inaugura de 14 a 16 de outubro no Hospital José Joaquim Fernandes, seguindo para a Escola Superior de Saúde de Beja, entre 17 e 18 de outubro e termina entre 23 a 25 de outubro no Fórum Municipal de Castro Verde.

Os 12 painéis da exposição representam os sintomas desta patologia que por um lado são possíveis de atenuar e controlar e por outro podem provocar grandes constrangimentos na vida do doente e que têm impacto na sua qualidade de vida. Com o objetivo de sensibilizar e dar a conhecer esta doença à sociedade e os desafios que os doentes enfrentam, as associações de doentes – Associação Nacional de Esclerose Múltipla (ANEM), Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM), e Todos com Esclerose Múltipla (TEM) – uniram-se nesta iniciativa.

A exposição desde que inaugurou já passou por Lisboa, Algarve e Viseu, contando com centenas de visitantes. “Os visitantes dos vários locais por onde a exposição já passou têm apreciado as várias experiências que permitem ao cidadão comum perceber as principais dificuldades de um doente com Esclerose Múltipla” afirma o Presidente da SPEM, Alexandre Guedes da Silva.

A exposição conta com o apoio das farmacêuticas, Allmiral, Biogen, Merck, Novartis, Roche e Sanofi.

Exposição abre portas à realidade invisível da Esclerose Múltipla

Uma exposição itinerante que vai percorrer 12 distritos de Portugal, até maio de 2020. A exposição permitirá aos visitantes compreender melhor cada sintoma, conhecer testemunhos na primeira pessoa, e ainda experienciar o que sente um doente com Esclerose Múltipla. “Com esta exposição pretendemos dar voz a todos os que são afetados pela Esclerose Múltipla para que partilhem os seus sintomas invisíveis e expressem o que querem que os outros saibam e compreendam sobre a sua Esclerose Múltipla, de modo a consertar os preconceitos comuns e mobilizar a sociedade no apoio ao doente”, comenta Lurdes Silva, representante da ANEM.

O Presidente da TEM, Pedro da Costa Pinto, acredita que “vamos conseguir criar um movimento nacional de apoio para todos aqueles que, direta e indiretamente, são afetados pela Esclerose Múltipla e aumentar a conscientização existente sobre os sintomas da doença. Pretendemos por um lado ajudar as pessoas a detetarem antecipadamente os sintomas escondidos que atrasam o diagnóstico e por outro, numa fase posterior ao diagnóstico, mostrar a todos que hoje em dia é possível viver o mais próximo possível de uma vida sem EM sem manifestação de sintomas”.

Em Portugal, a EM afeta cerca de 8.000 pessoas, sendo duas vezes mais prevalente nas mulheres do que nos homens. Entre os sintomas mais comuns estão a fadiga, distúrbios de equilíbrio, dificuldades cognitivas e fraqueza muscular, sendo que 65% dos doentes refere algum nível de incapacitação.

Ver além da Esclerose Múltipla é esta a ideia que as associações de doentes da EM se propõem, neste próximo ano, dar corpo e conteúdo. De acordo com o Presidente da SPEM Alexandre Guedes Silva, “É importante sensibilizar as pessoas para os obstáculos que as pessoas com EM enfrentam diariamente, mas é essencial não esquecer que muitos dos portadores de EM conseguem levar uma vida quase normal”.

Inspirada no tema do Dia Mundial da Esclerose Múltipla de 2019 – #MyInvisibleMS – escolhido pela Federação Internacional da Esclerose Múltipla, a ideia de realizar uma exposição surge da vontade das associações parceiras em aproximar a sociedade do que sentem os doentes, através de “uma experiência sensorial”, levando os visitantes a interpretar a invisibilidade e a dificuldade de quem enfrenta os sintomas de uma doença degenerativa e por vezes incapacitante.

Este evento de apresentação formal da exposição, contribuirá para que, mais uma vez, a sociedade civil discuta a Esclerose Múltipla, os cuidados prestados aos doentes e o impacto social de uma doença tão marcante na vida de quem a enfrenta todos os dias.

A exposição está a ser apoiada pelas farmacêuticas, Biogen, Merck, Novartis, Roche e Sanofi.

 

Associações da Esclerose Múltipla expõem os sintomas invisíveis da doença e lançam desafio aos Portugueses

“O Alerta Laranja é uma ação de sensibilização que procura despertar a atenção da população para uma doença que afeta maioritariamente jovens em idade ativa. O tema deste ano para as celebrações do Dia Mundial da Esclerose Múltipla é a Invisibilidade da EM, com o objetivo expor sintomas invisíveis que a doença pode ter e que podem atrasar o seu diagnóstico”, explica Alexandre Guedes da Silva, Presidente da SPEM.

Fachadas de edifícios e monumentos emblemáticos, como o Castelo dos Mouros, o Cristo Rei, o Templo de Diana, o Quartel do Carmo, a Fonte Luminosa de Belém, estarão iluminados de laranja, a cor da doença, durante o dia 30 de maio. Nas redes sociais, vários influenciadores digitais e instituições vão juntar-se à onda laranja, convidando os seus seguidores a partilhar uma fotografia com a hashtag #EMALERTALARANJA. Por cada partilha nas redes sociais a Merck doa 1 euro às associações que apoiam os doentes com EM.

Ainda ao longo do dia 30 de maio vão decorrer várias iniciativas de sensibilização e animação, em Lisboa, podendo a agenda do dia ser consultada no site www.emalertalaranja.pt.

Plataforma avalia o impacto da felicidade na Esclerose Múltipla

Para Portugal é um privilégio poder contar com a comunidade da EM portuguesa, num estudo-piloto de dimensão internacional.

Cerca de 60% das pessoas com Esclerose Múltipla reportam níveis altos de stress, fadiga, ansiedade ou depressão: os utilizadores terão acesso a mais de 300 meditações guiadas, 60 programas sobre vários tópicos, e mais de 3 000 jogos e atividades baseadas na ciência para ajudar os portadores de EM e os mais de 8 000 portugueses que vivem e convivem com esta doença.

As pessoas poderão inscrever-se no estudo-piloto através das redes sociais (Facebook e Instagram). Os utilizadores selecionados serão progressivamente avaliados, com base em dados recolhidos pela aplicação. A parceria com a Happify vai criar uma verdadeira experiência do mundo real: avaliar o impacto da felicidade na qualidade de vidas das pessoas com Esclerose Múltipla.

Demonstrar que a felicidade ou os pensamentos positivos são importantes também para uma melhor gestão da doença e para melhores resultados de qualidade de vida, é um dos principais objetivos deste teste, que vai ter uma duração de quatro meses, e do qual se esperam resultados significativos em maio de 2019.

Como um dos principais agentes na investigação sobre a esclerose múltipla, a Sanofi tem testado formas inovadoras de medir o impacto da redução de stress e depressão e aumentar o bem-estar emocional de pessoas com a doença.

A aplicação é gratuita e vai estar disponível na Play Store e na APP Store, em Português, Inglês, Espanhol, Francês e Alemão.

A divulgação deste Estudo-Piloto que se inicia no dia da Felicidade, conta com o apoio das várias associações de doentes portuguesas: ANEM; TEM; SPEM, que irão divulgar esta iniciativa através dos seus meios de comunicação. 

Sobre a Esclerose Múltipla

A EM é uma doença crónica, inflamatória e degenerativa, que afeta o Sistema Nervoso Central (SNC). É uma doença que surge frequentemente entre os 20 e os 40 anos de idade, ou seja, entre os jovens adultos. Afeta com maior incidência as mulheres do que os homens. Esta patologia é diagnosticada a partir de uma combinação de sintomas e da evolução que a doença apresenta na pessoa afetada, com recurso a exames clínicos/exames complementares de diagnóstico (Ressonância Magnética Nuclear, Estudo de Potenciais Evocados e Punção Lombar). A EM pode produzir sintomas idênticos aos de outras patologias do SNC, pelo que o diagnóstico poderá demorar anos a acontecer.

Estima-se que em todo o mundo existam cerca de 2.500.000 pessoas com EM (dados da Organização Mundial da Saúde) e em Portugal mais de 8.000 (Gisela Kobelt, 2009).

Porto acolhe o progresso, a inovação e os desafios futuros na área da Esclerose Múltipla

A EM é uma doença crónica, inflamatória e degenerativa do sistema nervoso central. Embora se tenha tornado uma doença mais conhecida nos últimos anos, ainda há um grande desconhecimento sobre os seus sintomas, além de ter ainda um impacto negativo na qualidade de vida de muitos doentes, nomeadamente, mais de metade dos doentes relata níveis de incapacitação: 32% não conduzem e 77% não trabalham, sendo que 92% dos doentes que não trabalham estão abaixo da idade da reforma[2].

Maria José Sá, presidente do Congresso, afirma que “este é um momento de debate, análise e reflexão sobre os novos desafios que esta doença nos coloca. E, durante três dias, estamos reunidos no Porto para propagar a inovação e as mais recentes novidades, sobre esta doença do foro neurológico, para o resto do mundo num encontro que tem vindo a ganhar cada vez mais reconhecimento internacional”.

Um congresso que debate uma doença que, além dos desafios físicos e emocionais, apresenta um conhecimento dos custos e gestão, em Portugal, escasso. “É necessário debater, estudar e propagar as inovações, assim como melhorar o planeamento da assistência médica e a alocação de recursos. Estamos perante uma doença, em que o custo médio de um surto está estimado em 2931€” refere Maria José Sá, presidente do Congresso.

Além de acompanhar o rápido desenvolvimento da ciência, tecnologia e estilos de vida, o Congresso de 2019 conta ainda com a presença da Casa da Esclerose Múltipla que permitirá aos seus visitantes terem a percepção, a nível sensorial, do que é viver com EM, através de várias experiências nas tarefas do dia-a-dia.

Do programa, que cruza aspetos das ciências exatas e clínicas, fazem parte temas como “Matemática e Física na Esclerose Múltipla”; “Neuro imagem”; “O tempo importa na Esclerose Múltipla: caso da cognição” e cursos pré-congresso sobre a importância de ter uma equipa multidisciplinar ao serviço dos doentes, onde se sublinha o papel dos enfermeiros e dos neuropsicólogos, por exemplo.

Durante o Congresso será ainda realizada a votação e conhecidos os vencedores do prémio “MS Porto”, que pretende reconhecer a investigação e as melhores práticas clínicas nesta área.

Para consultar mais informações sobre o programa: https://www.multiplesclerosis2019.com/ 

Sobre o International Porto Congress:

Em 2011 realizou-se o 1st International Porto Congress of Multiple Sclerosis, organizado pela Consulta de Doenças Desmielinizantes do Hospital de S. João, Porto. Este Congresso tem vindo a tornar-se num acontecimento cada vez mais importante para o nosso país, no âmbito da EM, pois surge como uma excelente oportunidade para avaliação e discussão dos mais avançados conceitos nesta área da Neurologia, com oradores provenientes de centros de renomes de vários países do mundo. 

Sobre a Esclerose Múltipla

A EM é uma doença crónica, inflamatória e degenerativa, que afecta o Sistema Nervoso Central (SNC). É uma doença que surge frequentemente entre os 20 e os 40 anos de idade, ou seja, entre os jovens adultos. Afeta com maior incidência as mulheres do que os homens.

Esta patologia é diagnosticada a partir de uma combinação de sintomas e da evolução que a doença apresenta na pessoa afetada, com recurso a exames clínicos/exames complementares de diagnóstico (Ressonância Magnética Nuclear, Estudo de Potenciais Evocados e Punção Lombar).

Estima-se que em todo o mundo existam cerca de 2.500.000 pessoas com EM (dados da Organização Mundial da Saúde) e em Portugal mais de 8.000 (Gisela Kobelt, 2009).

A EM pode produzir sintomas idênticos aos de outras patologias do SNC, pelo que o diagnóstico poderá demorar anos a acontecer.

[2] Sa MJ, G Kobelt, J Berg, D Capsa, J Dalén, New insights into the burden and costs of multiple sclerosis in Europe: Results for Portugal, Multiple Sclerosis Journal 2017, Vol. 23(2S) 143 –154

Desafios diários para quem vive com a Esclerose Múltipla

A Sanofi Genzyme apresentou, mundialmente, em abril deste ano a iniciativa The World vs MS” que convida a sociedade a encontrar soluções para alguns dos mais importantes desafios sem resposta que as pessoas que vivem com Esclerose Múltipla (EM) enfrentam. O objetivo é melhorar a qualidade de vida destas pessoas, cerca de 2,5 milhões em todo o mundo.

A iniciativa The World vs MS” está agora na segunda fase. Na primeira fase as pessoas que vivem com EM, os seus familiares e amigos, cuidadores ou profissionais de saúde foram convidados pela Sanofi Genzyme a partilhar as suas dificuldades tendo submetido mais de 100 desafíos diarios. Algo tão simples e rotineiro como maquilhar-se ou enviar uma mensagem de texto a um amigo pode ser um desafio. De todos os casos apresentados, um júri selecionou 3 dos mais representativos para os quais procuraremos agora uma solução.

Embora nos últimos anos tenhamos observado grandes progressos na disponibilização de tratamentos inovadores para tentar parar a evolução dos efeitos devastadores da EM, a verdade é que muitas pessoas com EM e os seus familiares ainda sentem que existem muitas necessidades não satisfeitas nesta área. Esta iniciativa da Sanofi Genzyme envolvendo toda a sociedade é mais um passo na procura de soluções reais que facilitem o dia-a-dia destas pessoas e que contribuam para uma melhor qualidade de vida e bem-estar geralafirma Ana García Cebrián, General Manager da Sanofi Genzyme.

Helena Freitas, responsável de External Affairs afirma, “este é acima de tudo um projeto de empreendedorismo de toda a a sociedade para o bem comum. Podemos ter uma boa ideia mas, é necessário partilhá-la e colocá-la em prática para que quem necessite, possa vir a beneficiar dela. Algumas ideias, por muito simples que sejam, podem mudar a vida de milhares de pessoas. Na nossa companhia temos muito claro a importância de realizar uma abordagem multidisciplinar para benefício daqueles que vivem diariamente com EM, por isso lançamos o projeto ‘The World vs MS’.”

Em Portugal, a comunidade de EM participou ativamente na primeira fase e contribuiu para a  causa  enviando 9 desafios relacionados com as dificuldades sentidas no seu dia-a-dia como por exemplo: a perda de equilíbrio progressiva, as dificuldades sentidas na fala (articular palavras) e a vergonha de não conseguirem fazer-se entender, tomar banho, ou a perda de memória e falta de concentração, cumprir a toma correta da medicação e outras responsabilidades que a gestão do dia-a-dia implica.

Em www.theworldvsms.com podemos ficar a conhecer os três desafios internacionais mais votados pelo júri:

•        Fernando não consegue controlar a vontade de ir à casa de banho, sofre de incontinência urinária devido à doença o que afeta a sua vida pessoal e os seus relacionamentos. Foi-lhe diagnosticado EM há 12 anos.

•        Paula tem uma grande sensibilidade à temperatura dos pés, não conseguindo mantê-los quentes. O facto de os seus pés estarem sempre frios faz com que a sensação alastre a todo o corpo afetando o seu bem-estar e a sua vida em geral.

•        Giacomo lançou um desafio relacionado com a falta de mobilidade da sua esposa Silien, que sofre de EM.

Nesta segunda fase do projeto queremos encontrar ideias que solucionem estes 3 casos. A Sanofi Genzyme, companhia líder na área da saúde está plenamente consciente das dificuldades que esta doença acarreta, por isso convidou a sociedade a contribuir com as suas ideias para solucionar estes desafios. Todos estão convidados a participar: empresários, inventores, investigadores, designers, professores, …). A melhor ideia submetida receberá uma bolsa de até 100 mil euros para ser implementada.

Paralelamente, e para promover a procura de soluções para estes desafios, no final de Novembro (dias 19 e 20), a Sanofi Genzyme promove um Hackaton – ‘Donate your Brain this November’ – em Amsterdão. Este workshop tem como objetivo fomentar as ideias inovadoras. O evento reunirá alguns dos maiores e mais brilhantes cérebros da Europa (oradores convidados de grandes empresas internacionais) para encontrar soluções para os três desafios. Ao longo de 36 horas, os participantes irão trabalhar em equipas e participar em várias sessões destinadas a fazer fluir a sua criatividade cerebral.

Para mais informação visite www.theworldvsms.com. As ideias devem ser apresentadas até 22 de novembro de 2016.

Boas notícias para o tratamento da Esclerose Múltipla

A Sanofi Genzyme, a unidade global de negócios de cuidados especializados da Sanofi, anunciou hoje novos dados positivos de real-world data do estudo Teri-PRO de fase IV (resultados comunicados pelos doentes) do AUBAGIO (teriflunomida), um tratamento oral, uma vez por dia, para a esclerose múltipla (EM) forma surto-remissão. Estes resultados foram apresentados no 32.ºCongresso do Comité Europeu para o Tratamento e Investigação da Esclerose Múltipla (European Committee for Treatment and Research in Multiple Sclerosis, ECTRIMS) em Londres.

O Teri-PRO foi um estudo prospetivo, global, multicêntrico, de braço único, em regime aberto com uma avaliação do resultado principal da satisfação global do AUBAGIO conforme medida pelo TSQM versão 1.4 (Treatment Satisfaction Questionnaire for Medication) na semana 48. O TSQM 1.4 inclui 14 perguntas destinadas a avaliar a satisfação dos doentes com a medicação, atribuindo pontuações entre 0 e 100 em quatro domínios: satisfação global, eficácia, efeitos secundários e comodidade. Quanto mais elevada a classificação do TSQM, maior a satisfação com o tratamento comunicada pelo doente nesse domínio.

Os doentes com EM forma surto remissão foram recrutados nos EUA, Canadá, Europa e América Latina. No total, foram tratados 1.000 doentes no estudo; 928 doentes receberam AUBAGIO 14 mg e 72 doentes receberam AUBAGIO 7 mg (apenas EUA). As classificações do TSQM foram avaliadas na semana 4 e na semana 48 em todos os doentes; e na situação basal, nas semanas 4 e 48, nos doentes que mudaram de outra terapêutica modificadora da doença (TMD) para o AUBAGIO.

A maioria dos doentes no estudo comunicou ainda a estabilização ou melhoria da qualidade de vida, conforme medida pelo questionário MusiQoL (Multiple Sclerosis International Quality of Life). O MusiQoL é composto por 31 perguntas, divididas em nove dimensões. Uma classificação mais elevada é sinónimo de uma maior qualidade de vida nessa dimensão. A classificação total do MusiQoL, refletindo as nove dimensões, melhorou significativamente em comparação com a situação basal (situação basal: 67,7; semana 48: 69,2; p=0,0029). “O Teri-PRO apresenta dados importantes de 1.000 doentes sobre real-world data a nível global. Os doentes a tomar AUBAGIO verificaram uma elevada satisfação com o tratamento, quer nos casos de doentes que nunca tinham recebido tratamento, quer nos de doentes que mudaram de outra TMD”, afirmou Patricia K. Coyle, M.D., Diretora do Multiple Sclerosis Comprehensive Care Center em Stony Brook, Nova Iorque. “Além disso, o resultado secundário do estudo a que chegamos e que sugere uma estabilização ou melhoria da qualidade de vida é muito promissor.”

No estudo Teri-PRO de fase IV, os dados de segurança e tolerabilidade do AUBAGIO baseados em real-world data foram consistentes com os anteriormente observados no programa de desenvolvimento clínico. Foram comunicados diminuição da densidade do cabelo, diarreia e aumento da alanina aminotransferase em 230 (23%), 173 (17,3%) e 63 (6,3%) doentes, respetivamente. A maioria dos casos foram ligeiros a moderados, ocorreram nos primeiros meses de tratamento, foram resolvidos ou estabilizaram durante o estudo e, de um modo geral, não determinaram a descontinuação do tratamento. Foram comunicados eventos adversos graves (EAG) em 12,7% dos doentes; o único EAG que ocorreu em ≥1% de doentes foi o surto (2,1%). Foram comunicados eventos adversos que determinaram a descontinuação do tratamento em 10,9% dos doentes; destes, a diarreia e o surto levaram à descontinuação em >1% de doentes (1,7% e 1,2% de doentes, respetivamente).

Sobre o AUBAGIO® (teriflunomida)

O AUBAGIO foi aprovado em mais de 60 países, com pedidos de comercialização adicionais em revisão pelas autoridades regulamentares a nível global. Mais de 60.000 foram tratadas com AUBAGIO em todo o mundo. O AUBAGIO é um agente imunomodulador com propriedades anti-inflamatórias indicado para o tratamento de doentes adultos com EM forma surto-remissão. Apesar do mecanismo de ação exato do AUBAGIO ainda não ser totalmente conhecido, poderá estar relacionado com a redução no número de linfócitos ativados no sistema nervoso central. O AUBAGIO é sustentado por um dos principais programas clínicos da terapêutica para a EM, com mais de 5.000 doentes em ensaios, em 36 países.

Dez escolas de todo o país apoiam 3ª Edição do Prémio Curtas Esclerose Múltipla

•    O Prémio Curtas – Esclerose Múltipla incentiva a realização de curtas-metragens de no máximo 5 minutos que promovam o conhecimento sobre a doença;

•    Estudantes ou amadores, entre os 18 e os 35 anos, podem submeter a sua candidatura até ao dia 29 de abri de 2016;

•    ANEM, TEM e SPEM, as três associações que representam a comunidade de doentes em Portugal e 10 Escolas parceiras colaboram nesta 3ª edição.

A Novartis, em parceria com o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), lança hoje a 3ª Edição do Prémio Curtas – Esclerose Múltipla, uma iniciativa dirigida a estudantes das áreas do cinema e audiovisual ou amadores curiosos entre os 18 e 35 anos que queiram fazer uma curta-metragem e documentar como é viver com Esclerose Múltipla. Para além da qualidade técnica e artística, o júri vai avaliar a abordagem ao tema, o conhecimento que o filme promove sobre os vários aspetos da doença e a capacidade de sensibilizar e criar impacto na opinião pública.

Esta Edição contempla a possibilidade de existir um vencedor na categoria Escolha do Júri (2000€) e outro na Escolha do Público (1500€), resultado da votação feita pelo público no site do Prémio Curtas, http://www.premioemcurtas.pt ou que o vencedor nas duas categorias seja o mesmo. Neste caso ao vencedor único será atribuído o valor dos dois prémios (3500€). O Júri reserva-se no direito de atribuir, se assim se justificar, um grande prémio à curta-metragem que considerar de maior qualidade técnica e artística e que consistirá na exibição da curta-metragem numa das salas de cinema parceiras do Prémio Curtas.

O Prémio Curtas reforçou este ano a parceria com Escolas de cinema, multimédia e audiovisuais, nomeadamente a Escola Superior de Educação de Viseu (ESEV), a Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo (ESMAE), o Instituto Politécnico de Portalegre, o Instituto Politécnico de Leiria, a Restart, a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Universidade do Algarve – que se juntam à Escola Superior de Teatro e cinema do Politécnico de Lisboa (ESTC), à Escola Técnica de Imagem e Comunicação Aplicada (ETIC), à Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, à Universidade da Beira Interior e à Escola Superior Artística do Porto (ESAP) na tarefa de incentivar os seus alunos a participar vendo esta como uma oportunidade de aplicação prática dos conhecimentos adquiridos.

As três associações representativas da comunidade de doentes em Portugal – a Associação Nacional de Esclerose Múltipla (ANEM), a Associação Todos com a Esclerose Múltipla (TEM) e a Sociedade Portuguesa de Esclerose Múltipla (SPEM) – são também fortes parceiros na divulgação, abrindo as suas portas para todos os candidatos que queiram obter mais informação sobre Esclerose Múltipla e contactar a comunidade de pessoas que vive com esta doença.

As candidaturas estão abertas até ao final do dia 29 de abril de 2016 e devem ser feitas através do site ICA em http://www.ica-ip.pt/pt/. Os vencedores serão conhecidos por altura do Dia Mundial da Esclerose Múltipla, que se assinala a 25 de Maio.
Mais informações sobre o Prémio e Regulamento disponíveis em: http://www.premioemcurtas.pt

Sobre a Esclerose Múltipla
A EM afeta cerca de 5.000 portugueses. Em todo o mundo são mais de 2,3 milhões de pessoas2 com esta doença inflamatória crónica do sistema nervoso central que se manifesta em jovens adultos, entre os 20 e os 40 anos de idade, e que interfere com a capacidade do doente em controlar funções como a visão, a locomoção, e o equilíbrio. As mulheres têm duas vezes mais probabilidades de desenvolver EM do que os homens.
A EM tem um impacto significativo na qualidade de vida dos doentes e das suas famílias. Mais de 90% das pessoas com EM queixam-se de fadiga, constituindo um dos sintomas com maior impacto na qualidade de vida e produtividade dos doentes.

Sobre a Novartis
A Novartis fornece soluções de saúde inovadoras destinadas a dar resposta às necessidades em constante evolução dos doentes e da sociedade. Sediada em Basileia, na Suíça, a Novartis dispõe de um portefólio diversificado para responder da forma mais adequada a essas necessidades: medicamentos inovadores, cuidados oculares e genéricos económicos. A Novartis é a única empresa global com posições de liderança em todas estas áreas. As empresas do Grupo Novartis empregam aproximadamente 120 mil colaboradores, desempenhando as suas atividades em mais de 180 países. Para obter mais informações, visite www.novartis.com

EMPRESAS