• next generation event
Inicio Tags Hotelaria

Tag: hotelaria

RIU inaugura o novo Riu Playa Park em Maiorca

“Quando enfrentamos a renovação do Riu Playa Park, decidimos aumentar o investimento para construir um hotel novo com o qual aumentamos a categoria e procuramos atrair novos clientes com um perfil mais familiar. O total investido é de mais de 35 milhões de euros e acho que o resultado será bastante valorizado pelos nossos clientes”, explicou Luis Riu, CEO da RIU Hotels. “Depois deste projeto, a única renovação pendente em Maiorca é a do Riu Concordia, que se iniciará no final deste ano com a sua conclusão prevista para a primavera de 2020.”

O Riu Playa Park, que se encontra a poucos metros da primeira linha da praia, oferece o serviço Tudo Incluído 24 Horas e WiFi grátis em todas as instalações. Tem um total de 475 quartos amplos equipados com tudo o que é necessário para garantir a comodidade do hóspede. O novo estilo dos quartos combina cores alegres com linhas simples que resultam numa frescura e ambiente de tranquilidade bastante mediterrâneo. Como novidade nos seus hotéis da ilha, a RIU decidiu introduzir neste hotel 17 quartos exclusivos com piscina privada.

Com o objetivo de proporcionar uma oferta gastronómica autêntica e de qualidade, o Riu Playa Park tem um restaurante principal, “Mallorca”, e um restaurante temático, “Spices”. No restaurante principal são servidos os melhores pratos nacionais e internacionais em buffets completos que são tematizados duas vezes por semana. No restaurante temático, aberto para jantares, a oferta culinária varia durante a semana. De forma complementar, os hóspedes podem provar os snacks servidos no grill “Pepe’s Food”.

O lobby bar “Mediterráneo” e o bar piscina com swim-up bar “Cala Blava” completam a oferta de alimentos e bebidas do novo Riu Playa Park, sendo que o primeiro oferecer serviço de snacks e bebidas durante toda a noite. No segundo, os hóspedes têm a opção de desfrutar das suas bebidas e cocktails favoritos enquanto se refrescam na piscina. Além disso, o hotel tem mais duas piscinas, uma principal com espreguiçadeiras integradas e outra aquecível.

O hotel também tem parque de estacionamento para os clientes e um ginásio para os que pretendem manter a sua rotina durante as férias. Além disso, um palco perto do bar “Cala Blava”, que está aberto até à meia-noite, acolhe o entretenimento noturno do hotel com espetáculos e música ao vivo.

Acerca da RIU Hotels & Resorts:

A cadeia internacional RIU foi fundada em Mallorca em 1953 como um pequeno negócio de férias da família Riu, fundadora e atual proprietária em terceira geração. A companhia centra o seu negócio na hotelaria de férias e mais de 70% dos seus empreendimentos oferecem o reconhecido serviço “All inclusive by RIU”. Com a inauguração do seu primeiro hotel de cidade em 2010, a RIU amplia a sua gama de produtos com a sua própria linha de hotéis urbanos chamada Riu Plaza. A RIU Hotels & Resorts , conta atualmente com 93 hotéis em 19 países e 29 985 empregados que acolhem cada ano, e mais de 4,5 milhões de clientes. Atualmente a RIU é a 35ª maior cadeia hoteleira do mundo, a quarta em Espanha a nível de ingressos e a quarta em número de habitações.

“O mundo da hotelaria é fascinante”

Como é que se apaixonou pela gestão hoteleira?

A paixão surgiu desde muito cedo, uma vez que trabalho desde os 16 anos, conciliando sempre os estudos com o trabalho. O mundo da hotelaria é fascinante, o contacto com as pessoas, a superação das expectativas dos hóspedes é empolgante, tornando cada dia num dia único!

Desde 2009 que já passou por algumas unidades hoteleiras. Como foi o caminho até se tornar diretora geral do Palácio São Silvestre?

Com a conclusão do curso na EHTC (sem dúvida, uma das melhores, se não a melhor, neste setor, a nível nacional), tive a oportunidade de estagiar na região do Minho, numa Unidade de quatro estrelas, felizmente e por lá fiquei durante dois anos e meio, exercendo as funções de comercial.

Nessa altura, senti a necessidade de sair da minha zona de conforto, pelo que decidi abraçar um novo desafio em Inglaterra, durante um ano, exercendo as funções de assistente geral de um hotel com restaurante, tendo sido uma experiência bastante enriquecedora.

Mais um desafio superado que me permitiu solidificar todos os conhecimentos adquiridos até à data. Decidi então voltar para a o Minho, para o Hotel Porta do Sol, onde estive durante um ano como assistente de direção, e apesar de muito jovem, em 2013, fui promovida a diretora geral do hotel, onde tive uma experiência completa e multifacetada, exercendo as minhas funções até setembro de 2018.

Mas irremediavelmente, movida pelo amor e pela paixão por novos desafios, decidi abraçar um novo projeto – A abertura da Unidade Hoteleira – Palácio São Silvestre Boutique Hotel, localizada a cerca de dez quilómetros de Coimbra.

Quais são, para si, as competências essenciais para se ser boa naquilo que faz?

Estarmos apaixonados pelo que fazemos, só assim conseguimos realizar todas as tarefas, sem que as mesmas representem um sacrifico, mas sim um prazer.

Necessitamos ainda de gostar de pessoas (todo o nosso trabalho depende das pessoas, primeiro enquanto colaboradores e a seguir enquanto clientes).

Para além disso, a disciplina e foco são fundamentais, para conseguirmos superar os desafios diários que nos são colocados.

“Fascinante pelo seu histórico, autêntico pelo seu charme”, é assim conhecido o Palácio São Silvestre. Conte-nos o que torna este boutique hotel tão único e especial?

O Palácio São Silvestre, constituiu uma imponente habitação barroca, construída no século XVIII, mas infelizmente a casa viria a sofrer diversas obras e transformações nas centúrias seguintes, chegando ao final do século XX arruinada no espaço interior, contudo felizmente foi recuperada, permitindo a todos a descoberta deste maravilhoso espaço.

Pelas mãos do empresário Alcides Louro, o Palácio voltou a ganhar vida, sendo atualmente um dos Hotéis mais bonitos e completos da Região Centro.

Composto por 41 quartos, (Nobres, Deluxe, e Suites Temáticas), um restaurante – PALATIVM, uma área de relaxamento e bem-estar (ginásio, sauna, banho turco, sala de tratamentos e uma sala de relaxamento), quatro salas de reuniões, uma sala de eventos, uma piscina exterior, um parque infantil, 14 hectares de área verde, uma horta biológica e uma capela. Todo o espaço, se encontra luxuosamente, decorado permitindo aos nossos clientes embarcar numa autêntica viagem histórica e sentir o verdadeiro luxo, em tempos reservado exclusivamente a quem cá residia.

 

Pala além do alojamento, têm no Restaurante PALATIVM uma grande aposta…

Pelas mãos da chef Rita de Oliveira, e a sua equipa, o Restaurante PALATIVM, tem como principal objetivo proporcionar uma experiência gastronómica única, harmonizando uma cozinha de imaginação, na qual os sabores tradicionais portugueses são interpretados e apresentados num estilo contemporâneo.

Permite-nos apresentar a enorme variedade de peixes, carnes e produtos frescos, bem como a diversidade de especialidades gastronómicas regionais. Com uma abrangente lista de vinhos, o restaurante dá especial atenção à conjugação do vinho com a gastronomia. O Restaurante PALATIVM, abrirá diariamente, para hóspedes e não hóspedes, ao almoço e jantar.

Qual é o segredo para o sucesso de qualquer unidade hoteleira?

A primeira ferramenta para o sucesso é o envolvimento de toda a equipa no projeto, de modo a que cada um sinta fazer parte integrante do mesmo. Só com a união da equipa é possível alcançar o rigor, a excelência do serviço, o melhor desempenho de cada um, a simpatia e o bem receber, a procura da inovação e distinção do negócio, de modo a apresentarmos algo para o cliente diferenciador das restantes unidades hoteleiras.

Grupo Hotéis Real sugere presentes de Natal para toda a família

Para que possa surpreender quem mais gosta, os Hotéis Real sugerem um voucher presente com opções a partir de 25€. Massagens ou tratamentos Real Spa Therapy, um brunch em família, um jantar romântico ou um fim-de-semana a dois, são apenas algumas das experiências que pode oferecer em Lisboa, Oeiras, Cascais, Albufeira e Olhão. 

Para além dos vouchers disponíveis todo o ano, tem neste Natal as Edições Especiais de Natal. Um voucher para usar em massagem ou tratamento Real Spa Therapy (25€ = 50€), onde por 25€ o valor de usufruto se transforma em 50€. Para gastronomia, tem também o voucher de refeição para duas pessoas (40€=80€), onde o valor de usufruto se transforma em 80€. Sendo uma edição limitada, estes vouchers especiais podem ser adquiridos até dia 15 de Janeiro 2019. 

Se prefere proporcionar momentos especiais, pode optar por oferecer uma escapadinha de fim-de-semana. Tem disponíveis os vouchers de alojamento em qualquer unidade do grupo, com voucher de uma noite para duas pessoas em quarto duplo desde 70€ ou voucher de duas noites desde 125€. Tem ainda opções de vouchers com alojamento que incluem um circuito thalassoterapia ou hidroterapia. 

Para oferecer boa energia e bem estar, opte por um voucher de massagem ou tratamento Real Spa Therapy desde 25€, onde o valor final é definido por si, ou mesmo escolher o tratamento que mais gosta para oferecer. Para começar o ano em mudança positiva, tem ainda um voucher com sessão de PT Avaliação Plano de Treino e Dicas de Nutrição desde 50.00€. 

Se são os sabores que despertam os sentidos dos que mais gosta, ofereça simplesmente experiências de gastronomia  ou de gastronomia combinada com Real Spa Therapy. Vouchers de Brunch em Família desde 40€ para duas pessoas, voucher de refeição para duas pessoas desde 60€, ou uma combinação de Brunch Circuito thalassoterapia ou hidroterapia desde 50€. 

Para além destas ofertas e sugestões, tem também a possibilidade de personalizar um voucher à sua medida, com as ofertas que desejar incluir. 

Adquirir e oferecer um dos vouchers é simples, basta escolher o tipo de voucher e enviar um e-mail para vouchers@hoteisreal.com com o seu pedido e respectivo nome, morada e NIF. O voucher ser-lhe-à enviado pronto a oferecer! 

Surpreenda quem mais gosta com um presente Realmente especial. 

Saiba mais em realhotelsgroup.com/natal-reveillon

Sobre o Grupo Hotéis Real:

Fundado em 1994 por João Bernardino Gomes, os Hotéis Real, grupo português de hotelaria tradicional, apresenta soluções versáteis e inovadoras assentes nos valores da Portugalidade e no serviço de excelência.

24 anos após a sua fundação, o grupo conta com dez unidades distribuídas pelas zonas da Grande Lisboa e Algarve, onde a aposta no conforto dos ambientes acolhedores é evidente, aliando o bem-estar dos SPA e os sabores da melhor cozinha Portuguesa.

O grupo aposta também na polivalência, diversificando e complementando a sua oferta, oferecendo experiências adequadas a cada momento da vida, e ajustando a diferentes expectativas, necessidades e motivações.

EFTA conquista prata em concurso europeu

Além da brilhante prestação de ambos os alunos, a EFTA destaca-se, por mais um ano consecutivo, desta vez na categoria de Cockatail, trazendo para Portugal a medalha de prata.

A AEHT promove este concurso anual para estímulo e contacto entre escolas, estreitando relações entre os  participantes provenientes de diferentes partes da Europa. Esta é uma oportunidade de crescimento e aprendizagem para os jovens participantes dos níveis secundário, pós-secundário e superior, bem como de teste às suas capacidades e formação. Colocando-se à prova, exibem as suas competências e conteúdos aprendidos ao longo dos Cursos que frequentam.

A EFTA considera ainda que a participação dos seus alunos em competições desta dimensão é um estímulo para os jovens e um facto revelador da qualidade do ensino ministrado na Escola.

Nas últimas 9 edições em que marcou presença a EFTA conquistou 7 medalhas: 3 medalhas de Prata na categoria de Receção, 1 medalha de Prata na categoria de Culinary Art, 1 medalha de Prata na categoria de Tourism Destination, 1 medalha de Prata na categoria de Cocktail, a mais recente conquista da escola, e 1 medalha de Bronze na área de Culinary Art.

Este é o maior e mais prestigiado concurso europeu de Escolas de Hotelaria e Turismo e, este ano, contou com 550 participantes, provenientes 20 países Europeus. Mais uma vez, a EFTA esteve ao nível do que de melhor se faz na Europa no que respeita ao ensino e formação nas áreas do Turismo e Hotelaria.

Green Apple: diferenciação e exclusividade

Como surgiu a ideia de criar a Green Apple International Trading? 

A Green Apple International Trading nasce da vontade dos sócios-fundadores – Rute Martins e Sérgio Rebola – de colocar em prática os conhecimentos adquiridos na sua formação em Gestão através da criação de um negócio. Os primeiros passos foram dados na área dos acessórios para floristas, fruto do conhecimento prévio que já tinham deste mercado e das oportunidades de negócios aí identificadas. Apostando sempre no fator “diferenciação” em detrimento do “preço”, a empresa evoluiu e alargou a sua atividade para o segmento da decoração de interiores e daí para a produção de mobiliário. 

Qual é o público-alvo da empresa? 

O público-alvo da Green Apple Home Style divide-se entre as áreas do retalho e de projeto, enquadradas nos segmentos médio-alto e alto. Por um lado, temos boutiques de mobiliário e decoração de interiores, por outro, temos designers e arquitetos de interiores. Ambos procuram produtos de caráter exclusivo e diferenciador daquilo que o mercado tem para oferecer mas com diferentes nuances no que concerne à abordagem.

No caso da vertente de projeto, que apresenta maior complexidade, estamos aptos a desenvolver projetos completos, totalmente ajustados às necessidades dos nossos clientes. Temos equipas multidisciplinares que prestam todo o apoio necessário durante todas as fases do projeto – desde o anteprojeto até ao pós-projeto -, oferecendo um serviço chave-na-mão.

Já se encontram em atividade internacional nas áreas de decoração de interiores, mobiliário e iluminação, para hotelaria e residências particulares. Em que mercados marcam presença? 

Estamos presentes em cerca de 40 países, espalhados por todo o Globo. Destes destacamos como principais mercados a França, Mónaco, Alemanha, Espanha, Angola, Estados Unidos da América, Emiratos Árabes Unidos, Arábia Saudita, Qatar e China. Uma grande fatia destes mercados nasce do esforço de internacionalização que a empresa tem desenvolvido, através da presença em feiras internacionais por todo o Mundo.

Aliar a criatividade dos mais jovens com a sabedoria dos mais velhos é uma das vossas premissas. De que modo concretizam esta ponte entre gerações e as transpõem para as peças?

Para dar vida a produtos que aliam qualidade de construção e diferenciação através do design, é fundamental que haja uma estreita colaboração entre designers e produção. O saber-fazer dos nossos mestres artesãos é fundamental para que o que é idealizado pelos designers se possa transpor do papel para a realidade. Nesse sentido, os próprios artesãos acabam por contribuir para o processo criativo das peças, através do seu know-how, estabelecendo-se assim um processo conjunto de criação das nossas peças.

Terá o ‘made in Portugal’ mais relevo nos dias de hoje? Porquê? 

Sim. Os mercados internacionais estão cada vez mais abertos ao “Made in Portugal”. Nota-se que o reconhecimento dado às marcas Portuguesas é cada vez maior. A qualidade, diferenciação e competitividade que estas apresentam têm sido fundamentais para este aumento de reconhecimento. Além disso, os mercados estão cada vez mais exigentes, notando-se uma mudança de paradigma no comportamento do consumidor, com a preferência de produtos europeus em detrimento dos produtos de origem asiática.

Marcaram presença no Decorex 2017, que decorreu entre 17 e 20 de setembro. Que balanço é possível perpetuar desta participação?

O saldo da presença na Decorex é bastante positivo. Esta foi a primeira participação da Green Apple Home Style neste certame e o feedback do público face aos produtos apresentados foi bastante positivo, sobretudo devido ao caráter diferenciador dos produtos, comparativamente com o que o mercado britânico tem para oferecer. Além disso, dando continuidade ao raciocínio da questão anterior, nota-se um aumento do reconhecimento do “Made in Portugal”, perante os comentários elogiosos do público em relação à amostra de marcas nacionais presente na Decorex.

Que novidades apresentaram sob a marca Green Apple Home Style e qual foi o objetivo desta participação? 

O objetivo da participação na Decorex 2017 foi o de introduzir a Green Apple Home Style ao mercado britânico, face ao potencial que este apresenta para projetos cujo perfil vai de encontro ao target da Green Apple Home Style. Entre as novidades destacamos as peças de assento com tecidos exclusivos Green Apple Home Style, que foram recebidos com grande entusiasmo por parte dos visitantes.

Escolher Green Apple é…? 

É escolher diferenciação e exclusividade. É escolher uma marca que permite aos seus clientes a possibilidade de terem peças únicas – que mais ninguém tem – aliando qualidade, conforto e design diferenciado. É ter acesso a um serviço bespoke, feito à medida das necessidades dos seus clientes, procurando sempre suplantar as suas expectativas.

Escolher Green Apple é escolher Portugal e o melhor que o nosso País tem para oferecer na área do mobiliário e decoração de interiores.

Sindicato denuncia trabalho ilegal e precário na hotelaria e restauração do Porto

O Sindicato da Hotelaria do Norte denunciou que há trabalhadores “ilegais” e “precários” em hotéis, cafés e restaurantes do Porto, a fazer 12 horas por dia de trabalho não declarado através de empresas de trabalho temporário.

“Nós já não podemos izer que as jornadas de trabalho de 10 e 12 horas diárias, que o trabalho ilegal e clandestino, o trabalho não declarado, que é só nos cafés e restaurantes e nas pastelarias, mas também em algum setor do alojamento”, disse à Lusa Francisco Figueiredo, da direção do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte (STIHTRSN).

Numa entrevista telefónica à Lusa, à margem de uma conferência de imprensa daquele sindicato fez, Francisco Figueiredo referiu que a precariedade que se está a verificar “põe em causa os direitos dos trabalhadores, mas põe em causa também a qualidade de serviço”, considerando que os hotéis têm de ter um “quadro mínimo de trabalhadores que pertençam ao hotel” em vez de recorrem a empresas de trabalho temporário.

O sindicato promoveu uma ação pública no Porto, junto ao Hotel Ipanema Park, para denunciar publicamente a situação de baixos salários mesmo com a redução do IVA de 23% para 13%, da precariedade e da violação de direitos dos trabalhadores.

Segundo o sindicalista Francisco Figueiredo, os patrões estão a aumentar os proveitos, mas não estão a reduzir os preços aos clientes e estão a fazê-lo “de costas voltadas para os trabalhadores, que são o que lhe dão lucro, que são o que produz e que recebem muito bem os clientes e lhes devem esta situação”.

“Estivemos à porta de um hotel (Ipanema Park) que não dá aumentos salariais há cinco anos, desde 2011, um hotel de cinco estrelas que emprega 100 trabalhadores (…), que levam para casa cerca de 500 euros por mês e nem com a descida do IVA de 23 para 13% os patrões se manifestaram disponíveis para darem aumentos salariais e os preços continuam a aumentar, quer no alojamento, quer na restauração”, conta.

Francisco Figueiredo reitera a ideia de que hoje em dia não é só nos cafés, pastelarias que há precariedade.

“No hotel onde estivemos hoje, (…) o alojamento, os andares, a limpeza, a lavandaria já não têm trabalhadores do hotel. E mesmo os trabalhadores do restaurante, do bar e da cozinho são trabalhadores temporários”.

O Sindicato promete que as ações de luta vão prosseguir até que a “associação patronal”, a Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo (APHORT), “reconsidere a sua posição e dê aumentos salariais”.

“E vamos dar prioridade aos hotéis que não deram aumentos salariais este ano”, avisa aquele sindicalista.

A taxa de ocupação por quarto da hotelaria nacional aumentou em maio face ao período homólogo de 2015, atingindo os 78,2%, tendo sido mais acentuado nas unidades de cinco estrelas, segundo anunciou hoje a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

Segundo os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), os estabelecimentos hoteleiros registaram 1,8 milhões de hóspedes e cinco milhões de dormidas em maio de 2016, correspondendo a aumentos de 5,1% e 7,8%, respetivamente.

Taxa de ocupação média por quarto no Algarve subiu 8,8% em fevereiro

Nos dados mensais sobre a ocupação nas unidades hoteleiras divulgados pelo seu gabinete de estudos, a Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) revelou que “a taxa de ocupação global média/quarto foi de 45,4%, mais 3,7 pontos percentuais (+8,8%) que em 2015”.

A Alemanha e a Inglaterra, com incrementos de 2,0 e 1,1 pontos percentuais (p.p.), respetivamente, foram os mercados que mais contribuíram para a subida verificada em fevereiro, quantificou a AHETA.

Quanto às zonas geográficas, as que mais registaram aumentos foram as de Carvoeiro/Armação de Pêra (+10,7 p.p.), Monte Gordo/Vila Real de Santo António (+9,4 p.p.) e Albufeira (+4,1 p.p.), acrescentou a associação hoteleira do Algarve.

“Por categorias, as principais subidas verificaram-se nos aldeamentos e apartamentos turísticos de 3 estrelas (+10,6 p.p.), nos de 5 e 4 estrelas (+6,9 p.p.) e nos hotéis e aparthotéis de 3 estrelas (+4,8 p.p.)”, adiantou a AHETA.

A mesma fonte destacou que “o volume de negócios aumentou 13,4% relativamente ao mesmo mês de 2015”.

Abertura de hotéis em Lisboa disparou no ano passado

O turismo português tem sido um dos grandes motores da recuperação económica nacional e os recordes continuam a cair todos os meses. O ano passado fechou com um balanço global muito positivo, juntando-se um máximo histórico de dormidas à continuação dos investimentos em novos hotéis, principalmente em Lisboa.

De acordo com a análise do mercado imobiliário feita pela CBRE, abriram portas 21 hotéis na capital durante o ano passado, o triplo dos 7 estabelecimentos inaugurados em 2014. Segundo os dados disponíveis, o número de dormidas em Lisboa aumentou 8,4% face ao ano anterior, uma subida que fica atrás do maior crescimento em território nacional: os Açores cresceram 20% na comparação com 2014, ultrapassando os destinos mais apetecíveis do país como o Algarve e o Porto.

Apesar de não ter registado um crescimento tão forte como outras zonas do país, o Algarve continua a ser responsável pela maior parte das dormidas de turistas, cerca de 35% do total. Lisboa surge a seguir com 25% e a Madeira fecha o pódio, com 14% das dormidas em Portugal.

 

Amesterdão é nova aposta do Grupo Pestana

Os turistas que viajem para Amesterdão vão passar a ter uma nova escolha de luxo para dormir na cidade holandesa conhecida pelas pontes e canais.

O Grupo Pestana vai investir 35 milhões de euros num hotel de cinco estrelas, com 154 quartos, 32 apartamentos, salas de reuniões, eventos, bar, esplanada, spa e ginásio e restaurante com direito a chef de renome. O design exterior estará integrado no estilo da cidade holandesa e o interior será da autoria do designer Paul Linse, que recentemente assinou o restaurante do Rijksmuseum também em Amesterdão.

A cerimónia de lançamento da primeira pedra do Pestana Amesterdão contou com a presença do vereador Sebastiaan Capel e do líder de desenvolvimento do grupo português, José Roquette. A construção deverá ficar concluída em 2017 na avenida Amsteldijk, a pouco mais de um quilómetro do centro histórico da cidade, onde se encontram locais como o Madame Tussaud’s, o Red Light District, o Museu de Anne Frank, o Museu Van Gogh e o Flower Market.

Proveitos da hotelaria sobem 13,1% em 2015, roçando os 2 500 milhões de euros – INE

O número de hóspedes alojados aproximou-se dos 17,44 milhões (+8,6% face a 2014), enquanto o número de dormidas aumentou em 6,7%, para um total de 48,94 milhões de pernoitas. A taxa ‘líquida’ de ocupação-cama subiu em 2,1 pontos percentuais, para 46,1% da oferta disponível, enquanto rendimento médio por quarto (RevPAR) melhorou em 14,4%, para os 37,8 euros na média do ano.

De acordo com o relatório ‘Atividade Turística’, centrado em dezembro, a hotelaria registou 989,2 mil hóspedes e 2,3 milhões de dormidas no último mês do ano passado, equivalendo a aumentos homólogos de 9,6% e 9,8%, superiores aos de novembro (+7,2% e +8,4%). As dormidas dos mercados externos «reforçaram a sua tendência de crescimento (+7,4% no mês anterior e +11,6% em dezembro), enquanto o mercado interno aumentou mas com abrandamento (+10,8% em novembro e +7,1% em dezembro)», destaca o documento do INE.

A estada média foi 2,29 noites e aumentou ligeiramente (+0,2%). A taxa líquida de ocupação cama situou-se em 28,3% (+2,2 p.p.).
A evolução dos proveitos foi claramente positiva (+14,6% para os proveitos totais e +16,1% para os de aposento) e superou a do mês anterior (+11,9% e +13,1%).

EMPRESAS