Inicio Tags IPMA

Tag: IPMA

Quinze distritos sob aviso amarelo devido à chuva e vento forte

© Reuters

De acordo com o Instituto, os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Aveiro, Coimbra, Leiria, Lisboa, Setúbal, Beja e Faro vão estar sob aviso amarelo devido à previsão de chuva que pode ser localmente forte (entre as 22h00 de hoje e as 04h00 de terça-feira) e vento forte com rajadas da ordem dos 75 quilómetros por hora, em especial no litoral (até ao final da tarde de terça-feira).

Os distritos de Viseu e Santarém têm apenas aviso amarelo de chuva desde o final do dia de hoje e até às 04:00 de terça-feira, enquanto Portalegre, Évora e Castelo Branco será entre as 02h00 e as 06h00 de terça-feira.

Por causa da agitação marítima, os distritos de Leiria, Setúbal e Lisboa estão com o mesmo aviso entre as 19h00 de hoje e as 04h00 de terça-feira, prevendo-se ondas de noroeste com 4 a 5 metros.

O aviso amarelo, o terceiro de uma escala de quatro, revela situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

O IPMA prevê para hoje no continente céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade no litoral oeste com possibilidade de ocorrência de aguaceiros fracos.

A partir do final da manhã, segundo o IPMA, o céu tornar-se-á gradualmente muito nublado ou encoberto, com ocorrência de períodos de chuva a partir do final da tarde, em especial no litoral a norte do Cabo Carvoeiro.

Está também prevista queda de neve acima de 1.200/1.400 metros a partir do final da tarde, vento fraco a moderado de noroeste, rodando para sudoeste a partir do meio da tarde, e sendo moderado a forte, com rajadas até 65 quilómetros por hora, no litoral oeste e nas terras altas até meio da manhã e no final do dia.

A previsão aponta ainda para formação de geada nos locais abrigados do interior Norte e Centro.

As temperaturas mínimas no continente vão oscilar entre 01 (Guarda e Viseu) e os 09 graus Celsius (Lisboa e Setúbal) e as máximas entre os 08 (na Guarda) e os 18 (em Faro).

LUSA

Outono chega atrasado e chuvoso

com algumas semanas de atraso, eis que esta quinta-feira parece ter chegado o outono, com uma notória descida da temperatura e o regresso, já anunciado, da chuva.

De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em termos globais, para esta quinta-feira está prevista chuva, passando a aguaceiros fracos durante a manhã. É também esperado vento moderado a forte no litoral e terras altas até ao final da manhã.

O céu apresentar-se-á muito nublado, diminuindo de nebulosidade a partir da tarde. Os períodos de chuva previstos podem ser, por vezes, fortes nas regiões do Norte e Centro.

O vento soprará fraco a moderado (até 30 km/h) do quadrante sul, soprando por vezes forte (até 40 km/h) no litoral, tornando-se temporariamente do quadrante oeste. Nas terras altas, registar-se-á vento moderado (até 30 km/h) de sudoeste, soprando forte (até 45 km/h), com rajadas até 75 km/h, até final da manhã.

De realçar que o vento forte e a agitação marítima colocaram hoje as ilhas do Corvo e Flores (grupo ocidental) e Graciosa, S. Jorge, Faial, Pico e Terceira (grupo central) sob aviso amarelo até ao final do dia. O IPMA colocou também hoje, até às 12h00, sob aviso amarelo o arquipélago da Madeira devido à previsão de aguaceiros por vezes fortes.

No continente, os distritos de Vila Real, Viseu e Coimbra também estão sob aviso amarelo até às 09h00 de hoje por causa da chuva, que pode ser forte.

De acordo com os meteorologistas, regista-se esta quinta-feira uma pequena subida da temperatura mínima e, paralelamente, uma descida da temperatura máxima nas regiões Norte e Centro. As temperaturas máximas vão variar entre os 23ºC, em Lisboa, 24ºC em Faro, 25ºC em Beja e 20ºC no Porto.

A temperatura mínima para a capital andará pelos 18ºC, a mesma prevista para Faro. No Alentejo, Beja espera uma mínima de 15ºC e Évora de 14ºC.

A Norte, o Porto vai registar uma mínima de 14 ºC e Bragança de 11ºC.

Furacão Helene deve afetar todas as ilhas dos Açores

© Lusa

“O furacão está a deslocar-se para norte a 20 quilómetros por hora, prevendo-se que diminua de intensidade durante a quinta-feira, passando a classificar-se como tempestade tropical. De acordo com a previsão, é provável que as ilhas do grupo ocidental [Flores e Corvo] comecem a sentir os efeitos desta tempestade, a partir da tarde de sábado”, refere o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) em comunicado hoje divulgado.

Segundo o comunicado, prevê-se, a partir da tarde de sábado, “vento muito forte do quadrante sul com rajadas até 120 quilómetros por hora, chuva forte e ondas do quadrante sul entre 6 a 8 metros de altura” nas Flores e no Corvo.

“Nas restantes ilhas do arquipélago também se prevê um agravamento do estado do tempo, devido à passagem da tempestade tropical, no entanto será de forma menos significativa”, acrescenta o IPMA

Para as ilhas do grupo central — Faial, Pico, Terceira, Graciosa e São Jorge – está previsto vento forte do quadrante sul com rajadas até 80 quilómetros por hora e períodos de chuva forte, enquanto no grupo oriental — São Miguel e Santa Maria — é expectável vento do quadrante sul moderado a fresco com rajadas até 50 quilómetros por hora e períodos de chuva forte.

LUSA

Chuva e trovoada deixam nove distritos em alerta

Os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Coimbra e Castelo Branco estão sob aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros por vezes fortes e de granizo e condições favoráveis à ocorrência de trovoadas e rajadas fortes, especialmente nas regiões montanhosas.

O aviso amarelo está em vigor desde as 07:30 e termina às 22:00 de hoje.

Segundo o IPMA, o aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, é emitido quando há uma “situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica”.

O calor voltou e deixa 15 distritos em alerta

Faro juntou-se à lista dos distritos que o IPMA tinha colocado em aviso amarelo e agora só Bragança, Vila Real e Viseu não estão incluídos.

O aviso tem início às 10:00 de sábado e prolonga-se até às 22:00 de domingo. Anteriormente era apenas até à manhã de domingo.

Este aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, é emitido quando há uma “situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica”.

De acordo com a informação disponível no ´site´ do IPMA, no sábado só os distritos de Bragança e da Guarda vão ter uma temperatura inferior aos 30 graus celsius, com 29º, enquanto Évora e Beja vão atingir os 37º, Lisboa os 33º, Porto os 30º e Faro os 32º.

A temperatura volta a subir no domingo, dia em que os termómetros alcançar os 39º em Santarém e Évora, 37º em Lisboa e 32º no Porto e em Faro.

O IPMA informou na quinta-feira que esta subida das temperaturas é uma “situação característica do período de verão”, e explicou que tal se deve ao “transporte de uma massa de ar quente e seco com trajeto pela Península Ibérica e Marrocos”.

Esta situação de tempo quente e seco deverá manter-se pelo menos até terça-feira, de acordo com o IPMA, que garante, no entanto, que os valores das temperaturas serão “claramente inferiores aos registados na onda de calor do início do mês de agosto”.

Novo sismo sentido hoje em Vila Verde

© iStock

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o sismo de hoje teve o seu epicentro a cerca de quatro quilómetros a nordeste de Vila Verde e foi registado às 07:34.

A nota do IPMA refere que não há registo de danos pessoais ou materiais, embora o abalo tenha sido sentido, com intensidade máxima III/IV (escala de Mercalli modificada), na região de Ponte de Lima.

Na segunda-feira, dois sismos ocorreram de manhã também em Vila Verde, sendo pelo menos um deles sentido, o de 3,2 na escala de Richter.

Os sismos são classificados segundo a sua magnitude como micro (menos de 2,0), muito pequeno (2,0-2,9), pequeno (3,0-3,9), ligeiro (4,0-4,9), moderado (5,0-5,9), forte (6,0-6,9), grande (7,0-7,9), importante (8,0-8,9), excecional (9,0-9,9) e extremo (superior a 10).

LUSA

36 concelhos em risco máximo de incêndio e termómetros acima dos 40º

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), além destes concelhos em risco máximo, estão em risco muito elevado de incêndio, o segundo mais grave, cerca de 90 outros municípios dos distritos de Viana do Castelo, Vila Real, Porto, Aveiro, Braga, Coimbra, Viseu, Leiria, Castelo Branco, Guarda, Portalegre, Beja e Faro.

Em risco elevado de incêndio estão ainda mais de 100 concelhos, nos distritos de Viana do Castelo, Vila Real, Viseu, Castelo Branco, Coimbra, Leiria, Castelo Branco, Portalegre, Santarém, Lisboa, Setúbal, Évora, Beja e Faro.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o “reduzido” e o “máximo”.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Por causa da persistência de valores elevados das temperaturas máximas o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) estendeu o aviso vermelho, o mais grave, em 11 distritos de Portugal continental até ao início da tarde de domingo, prevendo para hoje valores acima dos 40 em grande parte do território.

Face à onda de calor que afeta o país pelo menos até domingo, com temperaturas máximas acima dos 40º e que na quinta-feira bateram recordes históricos, a Proteção Civil estendeu o estado de alerta especial relativo aos meios de combate a incêndio aos distritos do Porto, Leiria, Aveiro, Braga, Viana do Castelo e Coimbra.

O estado de alerta especial do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro, que define a “prontidão e mobilização das estruturas, forças e unidades de proteção e socorro em conformidade com os riscos associados”, já vigorava nos distritos do interior do país.

A Proteção Civil justifica os procedimentos com o agravamento do risco de incêndios florestais devido à previsão do aumento da temperatura e da redução da humidade no ar.

Segundo o IPMA, as temperaturas máximas, que na quinta-feira bateram recordes históricos, vão estar acima dos valores médios e isto pode ter impacto em termos de saúde pública e de propagação de incêndios.

A Marinha e o Exército reforçaram, com mais 19 patrulhas e 76 militares, o apoio à Proteção Civil pelo menos até domingo devido à onda de calor, podendo as ações serem prolongadas caso a meteorologia o justifique.

Este ano, o dispositivo de combate a fogos florestais engloba 56 meios aéreos (incluindo um na Madeira), cerca de 11 mil operacionais e mais de três mil meios terrestres (nomeadamente viaturas).

Temperaturas nos 45º deixam 32 concelhos em risco máximo de incêndio

© Global Imagens

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), além destes concelhos em risco máximo, estão em risco muito elevado de incêndio quase uma centenas de outros municípios dos distritos de Viana do Castelo, Vila Real, Braga, Aveiro, Porto, Coimbra, Viseu, Bragança, Castelo Branco, Guarda, Leiria, Portalegre, Beja e Faro.

Em risco elevado de incêndio estão ainda outros quase 90 concelhos, nos distritos de Viana do Castelo, Vila Real, Bragança, Viseu, Porto, Aveiro, Leiria, Coimbram, Santarém, Lisboa, Setúbal, Portalegre, Évora, Beja e Faro.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o “reduzido” e o “máximo”.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

Face à onda de calor que deverá prevista para os próximos dias, que pode ter “máximos históricos” de temperaturas máximas, a Proteção Civil estendeu o estado de alerta especial relativo aos meios de combate a incêndio aos distritos do Porto, Leiria, Aveiro, Braga, Viana do Castelo e Coimbra.

O estado de alerta especial do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro, que define a “prontidão e mobilização das estruturas, forças e unidades de proteção e socorro em conformidade com os riscos associados”, já vigorava nos distritos do interior do país.

A Proteção Civil justifica os procedimentos com o agravamento do risco de incêndios florestais devido à previsão do aumento da temperatura e da redução da humidade no ar.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), as temperaturas vão estar acima dos valores médios e isto pode ter impacto em termos de saúde pública e de propagação de incêndios.

A onda de calor que atinge o país durante os próximos dias, com o dia de hoje a ser o dia mais quente, fará com que se possam registar nalguns locais “máximos históricos” de temperatura.

Para hoje, o IPMA prevê temperaturas máximas a chegarem aos 45 graus Celsius em Évora, enquanto as mínimas não vão baixar dos 17 graus (Leiria).

A situação de muito calor deve prolongar-se por pelo menos quatro dias, sendo que as noites serão “tropicais”.

A Marinha e o Exército vão reforçar, com mais 19 patrulhas e 76 militares, o apoio à Proteção Civil entre quarta-feira e domingo devido à onda de calor, podendo as ações serem prolongadas caso a meteorologia o justifique.

Este ano, o dispositivo de combate a fogos florestais engloba 56 meios aéreos (incluindo um na Madeira), cerca de 11 mil operacionais e mais de três mil meios terrestres (nomeadamente viaturas).

Os dois aviões que estiveram nos incêndios da Suécia chegam na hoje a Portugal, adiantou.

LUSA

Porque os animais também são vulneráveis ao calor, saiba como protegê-los

© iStock

Em comunicado, Marisa Quaresma dos Reis lembrou que, desde 2017, o Código Civil Português reconhece que os animais “são seres vivos dotados de sensibilidade e objeto de proteção jurídica em virtude da sua natureza”.

Desta forma, “para além dos idosos, crianças e outros grupos de pessoas mais vulneráveis em razão de doença ou de viverem em situação de sem abrigo, os animais também devem ser protegidos destas condições climatéricas extremas“.

Para garantir o bem-estar dos animais nestes dias de calor, a provedora sublinhou a importância de estes terem sempre água à sua disposição e que não sejam mantidos em locais com possibilidade de sobreaquecimento, como é o caso de automóveis e varandas.

Marisa Quaresma dos Reis aconselha ainda a que o animal “não seja passeado nas horas de maior calor e em pavimentos que possam escaldar as suas patas“, facto que “pode causar sérias queimaduras ao animal e comprometer também a regulação da temperatura corporal“.

Se reparar que o seu animal apresenta alterações de comportamento, respiração ofegante, salivação anormal, temperatura corporal elevada, batimento cardíaco acelerado, prostração deve levá-lo de imediato ao médico veterinário. Poderá estar a sofrer um golpe de calor“, salientou a provedora.

A responsável aconselhou ainda que seja evitado o período entre as 11h00 e as 17h00 para participar em atividades ao ar livre com os animais, sugerindo um banho de praia, mas “certificando-se que esta autoriza a permanência de animais”.

Segundo o IPMA, a temperatura vai subir de forma acentuada em Portugal continental a partir de hoje, mantendo-se muito elevada até ao fim de semana, com os avisos laranja a passarem a vermelhos (o nível mais grave) a partir de quinta-feira e até às 5h59 de sábado.

Os distritos abrangidos pelo aviso vermelho por causa da persistência de valores elevados da temperatura máxima são Lisboa, Setúbal, Bragança, Évora, Guarda, Vila Real, Santarém, Beja, Castelo Branco, Portalegre e Guarda.

O IPMA alertou que, nos próximos dias, as temperaturas máximas em Portugal vão estar “muito acima dos valores normais para a época” e podem atingir “máximos absolutos em vários locais”, com máximas a rondarem os 45ºC e as mínimas a aproximarem-se dos 30ºC.

LUSA

Calor vem aí em força. Aviso vermelho prolongado até sábado

© Reuters

Segundo o IPMA, a temperatura vai subir de forma acentuada em Portugal continental a partir de hoje, mantendo-se muito elevada até ao fim de semana, com os avisos laranja a passarem a vermelhos (o nível mais grave) a partir de quinta-feira e até às 05:59 de sábado.

Os distritos abrangidos pelo aviso vermelho por causa da persistência de valores elevados da temperatura máxima são Bragança, Évora, Guarda, Vila Real, Santarém, Beja, Castelo Branco, Portalegre e Guarda.

O IPMA adverte que as temperaturas máximas vão estar “muito acima dos valores normais para a época” e podem atingir “máximos absolutos em vários locais”, com máximas a rondarem os 45ºC e as mínimas a aproximarem-se dos 30ºC.

Com exceção da costa sul do Algarve, onde as temperaturas vão estar entre os 30 e os 35ºC, no interior do Alentejo, Vale do Douro e do Tejo e Beira Baixa a máxima deverá atingir valores da ordem dos 45°C, “podendo ser alcançados máximos absolutos em vários locais”.

Os valores da temperatura mínima, de acordo com o IPMA, têm igualmente tendência para uma subida gradual, “atingindo no final da semana valores próximos de 25°C em grande parte do território, aproximando-se dos 30°C em alguns locais do interior Centro e Sul, em especial no Alto Alentejo”.

O sul do território continental poderá ser afetado a partir de hoje por poeiras em suspensão provenientes do norte de África.

Face ao intenso calor, a Direção-Geral da Saúde aconselha as pessoas a permanecerem em ambientes frescos, a manterem as casas frescas e a beberem muita água, evitando a ingestão de álcool.

Devido ao agravamento do risco de incêndio, causado pela subida da temperatura e da redução da humidade, o estado de alerta especial relativo aos meios de combate a fogos está em vigor nos distritos do centro e norte do país.

A Marinha e o Exército vão reforçar, com mais 19 patrulhas e 76 militares, o apoio à Proteção Civil entre hoje e domingo, podendo as ações serem prolongadas caso a meteorologia o justifique.

Hoje, devido ao risco máximo de incêndio apontado para o distrito de Faro, deverá ser acionado um meio aéreo de reconhecimento do terreno no Algarve.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, vai visitar hoje o Centro de Meios Aéreos de Loulé.

Num aviso à população, a Proteção Civil recorda que que é proibido fazer queimadas e fogueiras ou lançar balões e foguetes, fumar ou fazer lume nas florestas e nas estradas circundantes.

LUSA

EMPRESAS