Inicio Tags Miguel Araújo

Tag: Miguel Araújo

Miguel Araújo no Barbican Centre em setembro

Em declarações à agência Lusa, o músico disse que vai apresentar, na capital inglesa, o seu “concerto normal” para “um público que é português, pois há muitos portugueses a morarem em Londres, mais que em muitas cidades portuguesas”.

“Vou lá dar o meu concerto normal, que dou aqui também, nem sei se é uma internacionalização, pois o meu público é português; o que há, é muitos portugueses a morarem em Londres”, disse, recordando a sua estreia na capital inglesa, no ano passado, quando atuou para 300 pessoas na sala Under the Bridge, que esgotou, e, passado meia hora, teve de voltar a atuar.

Miguel Araújo realçou que, em termos melódicos, a sua música “é muito mais anglo-saxónica, e isso eles têm lá, não precisam de importar”, mas gosta de ir a Londres e passear por locais que estão ligados a alguns dos músicos que o influenciaram como Elton John ou Paul McCartney, entre outros.

“A história da música que eu gosto ainda vive naquelas ruas” de Londres, afirmou, reconhecendo que a atuação no Barbican Centre pode chamar a atenção de outros públicos de Língua Portuguesa.

“A minha música tem como potencial público as pessoas que falam português, ou que entendam o português, mais do que isso acho que não”, disse, referindo que fado e o folclore, géneros “de cariz genuinamente português”, interessam a um público mais vasto.

Depois de Londres, Miguel Araújo tem agendado um concerto no Coliseu do Porto, no dia 04 de novembro, e outro no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, no dia 11, dois espetáculos onde conta “reunir vários amigos”, com quem tem “partilhado palcos” e para quem tem composto, como Ana Moura, Ana Bacalhau, Carminho ou António Zambujo.

No Coliseu dos Recreios é uma estreia a solo, no do Porto, atuou a solo pela primeira vez em 2014, tendo a sala esgotado, e só por falta de agenda não fez um segundo espetáculo.

Nas duas salas quer fazer “uma festa de amigos”, com músicas dos três álbuns, com uma maior incidência no “Giesta”.

Para o Coliseu do Porto, há ainda a possibilidade de fazer uma segunda data.

Os dois concertos vão ser gravados em vídeo e áudio para posterior comercialização, adiantou o músico à agência Lusa.

Na capital inglesa, Miguel Araújo irá atuar em septeto, com Joana Almeirante (guitarra e voz), Pedro Santos (baixo), Diogo Santos (teclas e voz), Sofia Gomes (violoncelo), João Martins (clarinete) e Mário Costa (bateria).

Nos coliseus, o músico é acompanhado por estes seis músicos, mais um quarteto de sopros e Bruno Ribeiro, em vibrafone.

“Gosto sempre de ir tocar fora do país, e sinto-me completamente em casa pelo facto de serem portugueses que lá estão, senti isso em Macau, no Luxemburgo, na Suíça”, afirmou, referindo como exceções as atuações que fez na Galiza, no noroeste de Espanha, “em que entendem muito bem o português e conhecem muito dos músicos portugueses”, e no Rio de Janeiro, no Brasil.

“Giesta” é o terceiro álbum a solo da carreira de Miguel Araújo, que fez parte do coletivo Os Azeitonas. O músico, autor de canções como “Os Maridos das Outras”, “Anda Comigo Ver os Aviões”, ou “1987” e “Axl Rose”, do seu mais recente álbum, tem composto para outros músicos.

Em parceria com António Zambujo esgotou por 28 vezes o Coliseu dos Recreios.

Lotação esgotada obriga a segundo concerto de Miguel Araújo em Londres

A audiência da sala de espetáculos Under the Bridge, que já acolheu músicos como Robbie Williams, Kasabian, Alicia Keys ou Bruno Mars, será sobretudo portuguesa, algo que o músico justifica devido ao tipo de música e à importância da letra no seu trabalho.

Ao contrário dos Gift, que cantam em inglês, ou António Zambujo, com quem partilha várias vezes o palco, Carminho ou Ana Moura, cuja música de matriz mais tradicional “encaixa nos circuitos da World Music”, Miguel Araújo afirma que não oferece “nem uma coisa nem outra”.

“Vou é mesmo tocar para portugueses, porque a minha música tem essa coisa, a letra é fundamental”, vincou, em declarações à agência Lusa.

Nos últimos anos, tem recebido convites para atuar no estrangeiro, como Suíça, Luxemburgo e Macau, onde encheu salas.

“No Luxemburgo [em 2015], tive uma surpresa, foi 50/50. O Philharmonie tem pessoas que confiam na programação e vão seja ao que for. Não estava preparado para falar francês, mas fiz uma rápida sondagem de braço e tentei explicar o conteúdo das músicas”, contou.

Miguel Araújo vai apresentar-se na capital britânica graças à Deleted Scene, uma produtora co-fundada pelo português Francisco Portal, com o apoio do Instituto Camões.

Atualmente com atividade sobretudo centrada em Cambridge, onde organiza eventos relacionados com música, o portuense de 31 anos pretende que a produtora seja “a referência em termos de espetáculos portugueses no Reino Unido”.

Até ao final do ano planeia organizar mais dois espetáculos com artistas portugueses em palcos britânicos.

O interesse no concerto surpreendeu o produtor, que promoveu o evento sobretudo nas redes sociais, blogues especializados de música e com cartazes em comércios portugueses em Londres.

A sala Under the Bridge está localizada no estádio Stamford Bridge, do clube de futebol Chelsea, e tem capacidade para 500 pessoas, embora para os concertos de 05 de junho tenha sido reduzida para 300 espetadores para incluir lugares sentados.

“Há muito público, há muitas pessoas interessadas. Há muitos portugueses aqui e Londres é uma das capitais mundiais da música. Com dedicação, competência e profissionalismo, pode ser fácil” promover a cultura portuguesa no estrangeiro, garantiu à Lusa.

Miguel Araújo deu a conhecer-se no grupo Azeitonas, do qual é um dos fundadores. Tendo começado a compor em 2005, Ana Moura, António Zambujo e Carminho, são alguns dos nomes que interpretam originais seus.

“Crónicas da Cidade Grande”, editado em abril de 2014, foi o segundo álbum de Miguel Araújo, sucedendo a “Cinco Dias e Meio”, de 2012, cujas vendas garantiram um Disco de Ouro.

No início deste ano, Miguel Araújo e António Zambujo protagonizaram uma série de dezassete concertos que esgotaram a lotação no Coliseu do Porto e Coliseu dos Recreios, em Lisboa.

David Fonseca, Miguel Araújo e Amor Electro atuam em 2016 por São Valentim

Com o pretexto de celebrar o Dia de São Valentim, este festival promove música portuguesa, nos dias 13 e 14 de fevereiro, com oito concertos em simultâneo em oito cidades: Caldas da Rainha, Castelo Branco, Évora, Ílhavo, Leiria, Lisboa, Porto e Vila do Conde.

Em 2016, o cartaz apresentará, por exemplo, Paulo Gonzo, no Campo Pequeno, em Lisboa, os D.A.M.A, em Évora, Tiago Bettencourt, no Cineteatro de Castelo Branco, os Amor Electro, em Vila do Conde, e David Fonseca, nas Caldas da Rainha.

No Coliseu do Porto, apresentam-se Bruno Nogueira e Manuela Azevedo com o espetáculo “Deixem o pimba em paz”, com novos arranjos de Filipe Melo e Nuno Rafael de canções do repertório da música popular, denominada “pimba”.

Há dois nomes repetentes: Miguel Araújo, que desta vez atua em Ílhavo, e João Pedro Pais, que estará no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria.

O Festival Às Vezes O Amor aconteceu este ano pela primeira vez, como forma de aumentar a oferta de concertos durante o inverno, e contou com salas esgotadas, de norte a sul.

Na primeira edição participaram Xutos & Pontapés, Sara Tavares, António Zambujo, Jorge Palma, João Pedro Pais, Luísa Sobral, Rita Guerra e Miguel Araújo.

EMPRESAS