Inicio Tags Viagem

Tag: Viagem

Como viajamos? Portugueses preferem trajetos de curta duração e curta distância

As escolhas dos europeus

O país cuja procura mais aumentou em 2019 foi a Austrália, que viu a sua popularidade crescer em 74% em relação ao ano anterior. A longa distância não parece assustar os europeus – os viajantes preferem ver os (muitos) lados positivos: preços competitivos de voos, paisagens naturais de cortar a respiração, uma vida animal muito própria e ainda o caráter acolhedor e amável dos habitantes levam-nos a escolher viajar para o outro lado do mundo sem hesitar.

A eDreams ODIGEO analisou também as cidades mais procuradas pelos europeus, tanto em termos de viagens de curta distância (dentro do continente europeu) como de longa distância (intercontinentais). Preveza, na Grécia, é a cidade predileta dos europeus, com um aumento de 121% da procura em 2019. Seguem-se Varna, na Bulgária (60%) e Cefalónia, também na Grécia (59%). No que diz respeito às longas distâncias, as cidades favoritas são Izmir, na Turquia (87%); Brisbane (78%) e Melbourne (83%), na Austrália. Todas estas cidades primam pelo clima favorável durante grande parte do ano, o que prova que, em 2019, o sol e o calor são grandes impulsionadores das escolhas europeias.

 Hábitos de viagem

Para além dos destinos preferidos, a eDreams ODIGEO procurou saber mais sobre outros hábitos de viagem dos europeus.

As férias de curta duração são as mais populares em 2019: em média, os viajantes preferem ficar entre 3 e 4 dias nos seus destinos. Mais de metade dos europeus (51%) realiza viagens com duração de 2 a 6 dias, sendo que apenas 10% viaja mais do que 14 dias, e apenas outros 10% mais do que 21 dias.

De uma forma geral, os europeus parecem estar a reservar as suas viagens com mais tempo: a média europeia de reservas, em 2019, foi de 50 dias de antecedência para viagens curtas (com duração inferior a 6 dias) e 71 dias de antecedência para viagens longas (com duração superior a 6 dias). Em 2018, as médias estavam, respetivamente, nos 46 e 62 dias.

De uma forma mais particular, os dinamarqueses são quem reserva as suas viagens mais cedo, com uma média de 45 dias de antecedência para viagens curtas (com duração inferior a 6 dias) e 66 dias de antecedência para viagens longas (com duração superior a 6 dias). Por outro lado, os italianos são os mais espontâneos a marcar viagens curtas, com 32 dias de antecedência, e os portugueses são quem parece precisar de menos tempo para preparar as viagens longas, com uma média de 43 dias de antecedência na reserva.

Portugueses preferem destinos próximos e viagens curtas

Ainda que os destinos distantes sejam uma tendência crescente em toda a Europa, em Portugal continuamos a preferir viajar para mais perto: a cidade favorita dos portugueses que reservam através da eDreams ODIGEO é mesmo o Porto. Seguem-se Paris, Lisboa, Ponta Delgada e Londres, e as restantes cidades que compõem o Top 10 de preferências também se encontram na Europa.

No que diz respeito à duração das férias, a esmagadora maioria dos portugueses (64%) efetuou reservas para viagens curtas (inferiores a 6 dias de duração) em 2019. Apenas 15% dos inquiridos revelaram viajar durante 14 ou mais dias. Podemos assim concluir que, em 2019, os portugueses escolheram não se afastar muito nem passar muito tempo longe da terra natal.

Pelo lado financeiro, vemos também que os portugueses gastaram, em média, cerca de 192€ nas suas reservas de viagens para a cidade mais escolhida, o Porto. Madrid foi a cidade para onde saiu mais barato viajar desde Portugal (134€) e, no lado contrário, Amesterdão foi o destino mais caro (222€).

Em média, os viajantes portugueses marcam as suas viagens curtas (inferiores a 6 dias) com 34 dias de antecedência e preferem fazê-lo às terças-feiras – o mesmo já se tinha verificado em 2018. O sábado é o dia em que se dedicam menos à preparação das suas próximas férias.

No que toca ao aumento da procura em viagens de longo curso, vemos que o Brasil é um destino altamente interessante para os portugueses: quatro das cinco cidades cuja procura mais cresceu em 2019 são brasileiras, com Belo Horizonte a liderar o aumento da procura com uns incríveis 89%. Já para as viagens de curto prazo, o maior aumento da procura regista-se para a cidade italiana de Cagliari, com uns impressionantes 133%.

Um 2020 feito de viagens longas

Ao olharmos para as reservas antecipadas já realizadas durante 2019 para o próximo ano, é possível ter uma ideia das cidades que terão uma maior afluência de turistas em 2020.

Tóquio destaca-se claramente como o potencial destino preferido dos viajantes para o ano que aí vem, tendo registado um aumento de 90% na procura. Este facto é, sem dúvida, potenciado pela realização dos Jogos Olímpicos naquela cidade no próximo verão, mas a verdade é que a capital japonesa já atraiu olhares durante este ano, não apenas por ter recebido recentemente a fase final do Campeonato Mundial de Rugby, mas também porque o Governo japonês tem feito esforços no sentido de potenciar o turismo, com o objetivo de chegar aos 40 milhões de visitantes em 2020.

As tendências de Portugal para o próximo ano indicam que os destinos que mais crescem em relação a 2019 são Genebra, Londres, Funchal, Porto e Paris.

A maior viagem de comboio do mundo

Foi notícia no início de março e depressa as redes sociais difundiram a novidade – a maior viagem de comboio do mundo começa em Portugal. São 17 mil quilómetros da Estação da Campanhã, no Porto, até ao destino final – Hanói, no Vietname. Veja na galeria todos os passos da viagem.

1. Porto – Coimbra B (Portugal)

É a primeira etapa (hora e meia sensivelmente), já que é na cidade da tradição académica que passa o Sud-Express com destino a Paris. Também poderá começar a viagem em Lisboa ou, até mesmo, no Algarve, se quiser juntar mais alguns quilómetros e minutos à conta.

 

2. Coimbra B (Portugal) – Hendaye (França)

Do reduto dos estudantes à fronteira franco-espanhola são 11 horas de distância. Em avião poderia lá ir mais amiúde e de forma mais célere, mas aqui privilegia-se a beleza do caminho.

 

3. Hendaye (França) – Paris Montparnasse (França)

Seis horas e meia depois será tempo de chegar à capital francesa, mas a viagem estará longe de terminada. Em Paris há que mudar de estação, para Paris Nord e aqui o comboio a utilizar pode ser o metro, numa curta viagem de 20 minutos.

4. Paris Nord (França) – Colónia (Alemanha)

Em pouco menos de três horas e meia estará na cidade alemã conhecida pela imponente catedral. E é aqui que ficará à espera pela próxima boleia sobre carris.

 

5. Colónia (Alemanha) – Varsóvia (Polónia)

Dez horas (mais coisa, menos coisa) será a duração do trajeto entre a Alemanha e a capital polaca. A entrada no Leste da Europa é um momento marcante na viagem, tanto pela beleza dos locais a percorrer como pelo aumento das dificuldades logísticas.

 

6. Varsóvia (Polónia) – Moscovo (Rússia)

Há duas hipóteses para chegar à capital russa. Uma através de Minsk, na Bielorrússia (atenção às burocracias) ou viajando pelos países do Báltico Lituânia e Letónia. A sugestão é seguir através de Minsk com direito a 18 horas de viagem.

 

7. Moscovo (Rússia) – Pequim (China)

Esta será a mais longa das etapas e logo a bordo de um dos mais míticos comboios do mundo – o Transiberiano. Serão seis dias (cerca de 136 horas) até à capital chinesa.

 

8. Pequim (China) – Hanói (Vietname)

A penúltima etapa terá a duração de 55 horas e leva o viajante até ao Vietname. Está quase a chegar ao objetivo final.

 

9. Hanói (Vietname) – Ho Chi Minh (Vietname)

Um pouco menos de dia e meio de viagem (33 horas) é a duração do último troço da maior viagem de comboio do mundo. Chegar à antiga Saigão é completar a ligação do oceano Atlântico ao Pacífico. Está feito? Envie-nos as fotos desta odisseia.

 

Chegada à Índia

Quando vi as portas automáticas a abrirem para sair das chegadas internacionais do aeroporto de Calcutá, senti de imediato o bafo quente e sufocante que caracteriza os meses de Verão na Índia. Era o dia 14 de maio de 2014 e cheguei ao país onde agora vivo, o país que, sem eu saber, me iria mudar a vida.

Conhecido pelos seus cheiros, cores e sabores, a Índia é sem dúvida um país onde reinam os contrastes e onde os momentos vividos ficam para sempre marcados, por serem diferentes dos que se experimentam em qualquer outra parte do mundo. Não é um país para todos, vim a descobrir depois, mas sem dúvida que tem para oferecer o que nāo se pode encontrar em mais lado nenhum.

Os sabores e as cores indianas são irresistíveis...

Os sabores e as cores indianas são irresistíveis…

Lembro-me que eram seis da tarde e estavam 40 graus. Esperei durante uma hora pelo responsável que me iria receber, algo que vim depois a perceber ser normal em território indiano. Essa é, sem dúvida, uma das influências britânicas que não ficou registada: a pontualidade, a qual se chama “indian time”, na maioria das vezes pelos próprios nativos.

Nessa tarde, atravessei a cidade de Calcutá de uma ponta à outra, ainda sem saber e sem conhecer as estradas e os caminhos que via da janela do táxi amarelo, igual a milhares de outros que circulavam nas ruas. Lembro-me de comparar o centro da cidade com uma das atrações de piratas da Disneyland, com árvores enormes que cresciam em passeios estreitos e ruas escuras, cheias de detalhes e pormenores que os meus olhos nao conseguiam absorver tao rapidamente quanto passavam. Tantas cores e cheiros diferentes que mudavam numa questão de segundos e que me faziam pensar que estava num qualquer sítio diferente e irreal, que não ali.

Apaixonei-me de imediato pela cidade, naquela primeira viagem de táxi amarelo, que veio a ser a viagem de táxi mais cara de todo o meu percurso na Índia até agora. 500 rupias (cerca de 7 euros)! Hoje em dia, que já conheço os preços e os caminhos mais rápidos, não há lugar algum para onde pague 500 rupias.

Na altura, não me poderia ter apercebido que este seria o país onde iria morar nos próximos dois anos da minha vida. Os desafios da primeira semana foram os mais difíceis. Mas a vida foi mudando, comecei a conhecer a cidade, e de repente, Calcutá já não me parecia mais um sítio vindo de um universo diferente.

Depois de saber onde ir, o que fazer, quem encontrar, onde comer, a realidade acaba por mudar, mesmo no meio de 5 milhões de habitantes. E percebi o que poderia aproveitar de um país tão rico em termos culturais.

Nestes dois anos, foram muitas as experiências que me fizeram continuar a apaixonar pela Índia e que me fazem sentir falta do caos e da confusão, quando estou de férias ou a trabalhar em Portugal. É um ambiente interessante e cativante, que me faz sentir curiosa para saber o que me vai acontecer sempre que saio de casa de manhã….

Ponta Delgada é um dos destinos preferidos dos portugueses para visitar na Semana Santa

Esta é a conclusão da eDreams, a maior agência de viagens online, após a análise do número de reservas registado na plataforma e aplicação da marca, para o período de 18 a 28 de março de 2016.

Barcelona, Amesterdão, Roma, Funchal, Madrid, Bruxelas e Lisboa completam o top de destinos mais visitados pelos turistas nacionais nesta época festiva onde, cerca de 80% dos portugueses opta por partir à descoberta de cidades europeias, enquanto 16% escolhe a culturalidade e paisagens nacionais.

Comparativamente a 2015, Itália, que assumia o primeiro lugar no top de países mais visitados, regista uma quebra de 9 p.p., o que faz com que seja o País com a maior descida no ranking eDreams, posicionando-se em 2016, na quinta posição, com 7% do total de reservas.

O Aeroporto da Portela e o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, em Lisboa e Porto respetivamente são, segundo a eDreams, as principais portas de saída dos turistas nacionais que por estes dias procuram umas pequenas férias. As preferências dos, aproximadamente, 60% de portugueses que saem de Lisboa e 30% que saem do Porto são no entanto semelhantes, com as cidades de Paris e Londres a assumirem destaque, ocupando em ambos os casos os primeiro e segundo lugares do top de destinos destas duas cidades.

A análise agora apresentada pela eDreams permite ainda concluir que os Portugueses continuam a comprar com pouca antecedência com, aproximadamente, 40% do total de reservas em janeiro, 30% em fevereiro e apenas 11% ainda no mês de dezembro.

A maior agência online de viagens da Europa revela ainda que o preço médio de viagens para esta época do ano ronda os 205€, apesar de quando analisadas individualmente, o preço médio em algumas cidades ser consideravelmente inferior, como é o caso das viagens para Madrid: 111€, Paris: 128€ e Bruxelas: 155€.

Maioria dos turistas que visita Portugal na Páscoa são franceses
O estudo agora apresentado pela eDreams revela ainda qual a origem turística nesta altura do ano, concluindo que os Franceses e espanhóis são quem mais visita os solos Lusos na Semana Santa, com cerca de 50% e 25% do total de reservas respetivamente. Em terceiro e quarto lugar, os turistas Ingleses e Alemães, com 11% e 16% respetivamente são responsáveis pelo crescimento turístico nacional neste período do ano.

EMPRESAS