Inicio Tags Vila Real

Tag: Vila Real

Tribunal de Vila Real julga dois arguidos por tráfico de pessoas

© iStock

Os dois arguidos são de nacionalidade angolana, ele possui 34 anos e ela 31 anos e encontram-se em prisão preventiva desde janeiro deste ano.

O Ministério Público (MP) imputa aos dois estrangeiros a coautoria dos crimes de tráfico de pessoas e auxílio à imigração ilegal, depois de terem sido detidos pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), em Vila Real, acompanhados de três menores a bordo de um autocarro que tinha como destino Paris.

De acordo com a tese do MP, o homem, que é pai das três crianças, tinha a intenção de levar os menores para França com o objetivo de “ali os deixar a cargo de terceiros, cuja identidade não foi apurada, a fim de essas pessoas virem a beneficiar de forma indevida e fraudulenta de apoios sociais”.

A arguida, segundo o MP, tinha a intenção de se juntar ao namorado em França, pelo que os dois se terão unido e tentaram “criar a aparência de um agregado familiar de modo a ser mais fácil deslocarem-se para Portugal” e acederem ao espaço Schengen.

O MP disse que, no entanto, no momento do embarque em Angola os dois deixaram de assumir que pertenciam ao mesmo agregado familiar devido a razões não apuradas, mas que suspeita estarem ligadas ao transporte de 8 mil euros por parte da arguida.

Os arguidos aterraram no Porto a 8 de janeiro de 2018 e apresentaram-se em separado no controlo de fronteiras. O arguido demonstrou viajar com os três menores e ter como destino final uma pensão em Penafiel.

A arguida apresentou-se ao controlo mais tarde e alegou vir a Portugal comprar roupa.

Após “lograrem ludibriar o controlo de fronteira”, os arguidos juntaram-se com os menores e adquiram uma passagem de ida de autocarro para Paris.

O autocarro foi, posteriormente, fiscalizado em Vila Real por uma equipa do SEF.

Ao arguido foi apreendido o telemóvel onde foram encontrados 10 ficheiros de imagens com cariz sexual envolvendo crianças menores, pelo que lhe foi também imputado o crime de pornografia de menores.

O MP acredita que os arguidos “tinham como intenção levar os menores para paradeiro distinto do indicado quando da obtenção do visto, tendo falseado tais elementos”.

Refere ainda, na acusação, que ambos “agiram de forma livre, voluntária e conscientes de que as suas condutas eram proibidas por lei, pois transportavam menores para fim de obtenção indevida e fraudulenta, por terceiros, de subsídios em França”.

O Ministério Público aponta ainda para a “especial vulnerabilidade enquanto menores” e o “abuso de autoridade” resultante da relação do homem com as crianças.

O MP acredita que os arguidos sabiam que os menores tinham nacionalidade estrangeira e não estavam habilitados com a necessária autorização de residência em Portugal ou em França, “assim favorecendo o trânsito ilegal dos menores em território nacional”.

LUSA

Vila Real: Associação Académica preocupada com falta de alojamento

©SF/UTAD

academia transmontana teve mais de 1.300 estudantes colocados na primeira fase de acesso ao ensino superior, apresentando o maior aumento a nível nacional.

No entanto, segundo salientou a AAUTAD, em comunicado, o “alojamento em Vila Real não tem vindo a cobrir as necessidades dos estudantes”.

António Vasconcelos, presidente da Associação Académica, apontou para “a dificuldade de os alunos encontrarem quartos ou casas a preços acessíveis” e referiu que “muitos acabaram por ficar em zonas que não estão cobertas pelos transportes públicos do concelho”.

Uma dificuldade que, salientou, “já foi notória no final do ano letivo anterior” e “que é, dia após dia, mais preocupante”.

“Não nos podemos esquecer que a UTAD é uma universidade com um largo número de alunos deslocados e, neste momento, não existem quaisquer políticas públicas que facilitem a criação de habitações para estudantes nem estão previstos aumento de números de camas nos alojamentos dos serviços de ação social da UTAD”, frisou.

Esta é uma das instituições, fora dos grandes centros urbanos, com maior percentagem de alunos deslocados, designadamente cerca de 70% do total e, além disso, cerca de metade do corpo estudantil é beneficiário da ação social escolar.

António Vasconcelos referiu que a AAUTAD já abordou esta problemática na última reunião do conselho geral da UTAD e está a elaborar uma carta aberta, em colaboração com os núcleos dos cursos, onde “irá verter as suas preocupação e recomendações, no sentido de mitigar esta contrariedade”.

“A AAUTAD congratula-se pelo crescimento da cidade, no entanto considera que terão de ser encontradas soluções a curto e médio prazo para acomodar os estudantes da academia transmontana, tendo em conta os transportes públicos urbanos e a acessibilidade económica”, sublinhou.

LUSA

Já abriu o novo Hospital da Luz Vila Real

HOSPITAL DA LUZ VILA REAL

Comunicado: HOSPITAL DA LUZ VILA REAL

O Hospital abriu com atendimento médico de segunda a sábado – das 8h às 20h, nos dias de semana, e das 8h às 13h, ao sábado –, consultas e exames de diversas especialidades (incluindo medicina dentária), análises clínicas e meios de diagnóstico com equipamentos e tecnologia de última geração.

Em breve o hospital terá também serviço de internamento, atendimento urgente 24 horas por dia e 365 dias no ano, maternidade e cirurgia, além de um centro de imagiologia completo, que permitirá realizar todos os exames complementares de diagnóstico.

Com mais espaço, incluindo parque de estacionamento gratuito para clientes, e com a qualidade arquitetónica que caracteriza a rede Hospital da Luz, as instalações deste novo hospital do Grupo Luz Saúde permitem ampliar a oferta de cuidados e aumentar a sua diferenciação, mantendo sempre o foco na medicina de excelência e na inovação, centradas no doente.

A equipa do Hospital da Luz Vila Real (com uma parte dos seus profissionais na foto em cima) dá-lhe as boas-vindas.

Hospital da Luz Vila Real

 

 

Miguel Torga homenageado no Dia Mundial da Poesia

A homenagem começa no Dia Mundial da Poesia e ocorre na terra natal do escritor, Sabrosa.

O INATEL explicou, em comunicado, que se propõe “celebrar a vida e obra de Miguel Torga” e que o objetivo da iniciativa é “descentralizar e diversificar o universo de poetas e escritores homenageados”.

Pretende-se ainda, segundo a instituição, contribuir para a divulgação do “património literário português, com expressão no texto poético”.

“Poesia em Torga” arranca com uma divulgação e animação de rua em Sabrosa e São Martinho de Anta, localidade onde o autor nasceu.

Para envolver o público infanto-juvenil no projeto, uma turma do Agrupamento de Escolas Miguel Torga vai participar na curta-metragem de animação “Brinquedo”, inspirada num poema de Torga, num projeto desenvolvido pelo realizador Abi Feijó, da Casa Museu de Vilar.

A tertúlia “Celebrar Torga”, que decorre quarta-feira, na Associação Zona Livre, em Vila Real, vai juntar Maria Hercília Agarez, João Luís Sequeira e Domingos Lopes numa conversa sobre a vida e obra daquele que é considerado um dos maiores escritores e poetas de Trás os Montes.

Na quinta-feira, realiza-se o espetáculo “Poesia em Torga”, no Auditório Municipal de Sabrosa, que vai juntar vários grupos culturais locais e nacionais através da poesia, teatro, música, dança e cinema, numa viagem com encenação a cargo de Luís Oliveira.

Será ainda lido o manifesto pela poesia “O vento das palavras” pela atriz Sara Barros Leitão, elaborado propositadamente para a iniciativa pelo escritor João Pinto Coelho.

Esta iniciativa enquadra-se no âmbito da missão cultural do INATEL, enquanto consultora da Unesco para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, e pretende “evocar a importância do património literário português”.

A fundação conta com a parceria das Câmaras de Sabrosa e Vila Real, o apoio institucional do município de Coimbra, da Direção Regional de Cultura do Norte, Turismo do Porto e Norte e a Associação Cultural Zona Livre.

Miguel Torga, cujo nome de batismo era Adolfo Correia da Rocha, nasceu a 12 de agosto de 1907 em São Martinho de Anta, concelho de Sabrosa (Vila Real), e morreu a 17 de janeiro de 1995, em Coimbra.

Torga inspirou-se na sua aldeia e nas paisagens do Douro para criar muitas das suas obras, desde os poemas, os contos ou os romances, como a “Criação do Mundo”, “Bichos”, “Contos da Montanha” e “Vindima”.

LUSA

Deputados do PS reclamam moeda romana para museu de Vila Real

Através do Parlamento, Francisco Rocha e Ascenso Simões questionaram o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, sobre “os motivos e fundamentos” que levaram à escolha do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, em Braga, para albergar o denário do Imperador Galba.

“Como é óbvio, são muitas as vozes, que de forma pública têm manifestado incompreensão por esta opção, uma vez que afasta o achado do seu local de origem”, sustentaram os parlamentares, em comunicado.

Em 1958, um trabalho agrícola trouxe à luz do dia um pote de barro com 63 moedas romanas junto ao santuário duriense da Nossa Senhora da Piedade, localizado em Sanfins do Douro, concelho de Alijó.

“Uma dessas moedas é de uma raridade extrema e, por isso, detém um valor extraordinário. Terá sido o seu valor elevado que terá motivado o seu roubo em 1985 desse santuário”, explicaram os deputados.

Segundo os socialistas, esse exemplar, um denário (apelidado de Galba) “parece ser a única moeda sobrevivente de um período especialmente conturbado da história de Roma, que corresponde ao ano de quatro imperadores, entre 68 e 69 depois de Cristo”.

“Este verdadeiro tesouro foi recentemente recuperado em Espanha, graças ao empenho de um académico, Rui Centeno, e também fruto do prontidão e eficácia da Polícia Judiciária”, sublinharam.

Posteriormente, foi noticiado que o seu destino, por proposta da Direção Regional da Cultura do Norte, será o Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, em Braga.

“Foram, ou não, consideradas e avaliadas outras alternativas, como por exemplo, o Museu de Numismática de Vila Real ou o Museu do Douro para esse acolhimento”, perguntaram os deputados ao ministro da Cultura.

Os parlamentares questionaram ainda sobre os “motivos que impedem a transferência e integração desse denário invulgar no espólio num destes museus que (…) são as estruturas culturais, com adequadas condições de segurança, mais próximas do seu local de achamento”.

Entretanto, foi também lançada uma petição pública ‘online’, dirigida ao ministro, que reivindica o “depósito do tesouro” do santuário de Nossa Senhora da Piedade no Museu do Douro, “ficando assim na região de origem do achado”, de forma a se “promover uma relação de proximidade entre a população local e o seu património”.

LUSA

Vila Real: Autarca reage com surpresa e preocupação a fecho de loja dos CTT

A estação dos correios da Araucária, em Vila Real, consta da lista de 22 lojas que a administração dos CTT confirmou que quer fechar em breve.

O presidente da Câmara de Vila Real, o socialista Rui Santos, disse à agência Lusa que foi surpreendido com a notícia do encerramento até porque, salientou, a loja em causa “possui muitos clientes”.

Este fecho, segundo o autarca, prejudica toda a população vila-realense, e vai levar, na sua opinião, à sobrecarga da estação situada na avenida Carvalho Araújo, no centro da cidade.

No centro histórico da cidade, é normal formarem-se longas filas de espera para atendimento nos correios e o estacionamento é pago.

Rui Santos disse não que não quer acreditar que “que seja verdade” e que “os CTT vão cometer tal erro”.

O presidente referiu ainda que vai pedir uma audiência à empresa e alertar o Governo para esta situação porque, segundo frisou, se é este “o caminho que os CTT querem seguir então há que retirar à empresa o serviço público”.

A notícia do encerramento da loja da Araucária, localizada na zona da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) e próxima do centro comercial, apanhou também de surpresa os funcionários e os muitos clientes que esta tarde ali se deslocaram.

De acordo com um esclarecimento enviado às redações, os CTT referiram que o encerramento destas 22 lojas “não coloca em causa o serviço de proximidade às populações e aos […] clientes, uma vez que existem outros pontos de acesso nas zonas respetivas que dão total garantia na resposta às necessidades face à procura existente”.

Em causa estão os seguintes balcões: Junqueira, Avenida (Loulé), Universidade (Aveiro), Termas de São Vicente, Socorro (Lisboa), Riba de Ave, Paços de Brandão (Santa Maria da Feira), Lavradio (Barreiro), Galiza (Porto), Freamunde, Filipa de Lencastre (Belas), Olaias (Lisboa), Camarate, Calheta (Ponta Delgada), Barrosinhas (Águeda), Asprela (Porto), Areosa (Porto), Araucária (Vila Real), Alpiarça, Alferrarede, Aldeia de Paio Pires e Arco da Calheta (Madeira).

Os CTT adiantam que, numa primeira fase, o encerramento das 22 lojas está sob “consulta” da Comissão de Trabalhadores, “seguindo-se então o contacto com as entidades locais”.

LUSA

Festival Internacional de Imagem de Natureza em Vila Real

Entre 1 a 10 de dezembro, Vila Real organiza o Festival Internacional de Imagem de Natureza.

O extenso programa conta com a realização de seminários, exposições, workshops e o festival de curtas-metragens da biodiversidade, com um cartaz com mais de 55 curtas-metragens de vários continentes.

FIIN_PROGRAMAEncontro de Fotografia e Cinegrafia de Natureza, que conta nesta edição com um leque de reputados especialistas nacionais e internacionais, pretende assumir-se como um fórum de debate sobre a preservação da vida selvagem do planeta e o papel dos fotógrafos e cinegrafistas de natureza podem desempenhar nesse desígnio conservacionista.

De salientar que o Encontro vai ocupar toda a manhã do dia 2 de dezembro. Durante a tarde do dia 2 de dezembro e ao longo do dia 3 de dezembro decorrem os workshops ministrados pelos oradores do Encontro. As inscrições para os workshops são limitadas e serão realizadas durante o Encontro.

Os Workshops de Fotografia e Cinegrafia de Natureza serão dinamizados por conceituados especialistas nacionais e internacionais nas áreas da fotografia e cinegrafia de natureza e vida selvagem.

As inscrições serão realizadas no dia 2 de dezembro, aquando da realização do Encontro de Fotografia e Cinegrafia de Natureza (as inscrições estão limitadas à capacidade dos auditórios e é realizada junto do Secretariado do Encontro, na Aula Magna da UTAD).

Festival de Curtas-metragens é um dos eventos com maior destaque na programação do FIIN.

De 4 a 9 de dezembro serão exibidos 60 filmes, selecionados de entre um universo de 1403 obras a concurso, provenientes de 60 países de todos os continentes. As sessões decorrerão em dois horários (15 horas e 21:30 horas). A entrada é livre.

As 4 exposições previstas para o FIIN refletem um objetivo comum: o esforço de Vila Real na divulgação de imagens da vida selvagem como um meio de sensibilização da sociedade para a importância da conservação e preservação do património natural. Desde imagens de grandes primatas e outros animais ameaçados, captadas por grande fotógrafos mundiais, até imagens da biodiversidade de Vila Real captadas pelos nossos jovens fotógrafos, tudo pode ser visto nestas magníficas exposições.

Veja toda a programação nesta página

Vila Real acolhe fórum da CPLP

A UE-CPLP apresentou a iniciativa como uma “verdadeira plataforma de negócios e de cooperação”.

Segundo Mário Costa, presidente da UE-CPLP, o fórum é uma “grande oportunidade para os empresários estabelecerem relações comerciais com outros países, num mercado potencial de dois mil milhões de consumidores”.

Em Vila Real são esperados cerca de 3.000 empresários, estarão representados 18 países e estarão expostas mais de 250 empresas de todos os setores. Na região, o destaque vai para o agroalimentar, nomeadamente o vinho.

“Há negócios que foram concretizados e há parcerias que já foram feitas, mas isso também depende da atitude dos próprios empresários. Nós vamos abrir as portas dos mercados e eles depois é que têm de fazer o negócio”, afirmou à agência Lusa Mário Costa.

O presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, salientou que o fórum pode ajudar a alavancar as exportações na região.

“É uma oportunidade para internacionalizar a economia, as nossas empresas e de mostrar o manancial de oportunidades que a região tem para aqueles que aqui queiram fazer investimento”, afirmou.

Esta é também, na sua opinião, a afirmação da “centralidade de Vila Real no norte do país”.

O fórum possui vertentes empresariais, institucionais e culturais, representativas dos diferentes segmentos do mercado CPLP.

O programa inclui a realização de seminários temáticos por país, reuniões bilaterais de negócio, a conferência “CPLP: Um mundo de oportunidades de negócio” e ainda uma mostra empresarial e cultural.

“Não vamos ficar fechados dentro do Teatro Municipal e todos os dias vamos para as ruas de Vila Real com dinâmicas e com acontecimentos para as pessoas da região nos conhecerem”, frisou Mário Costa.

Um exemplo é a apresentação oficial de uma equipa de basquetebol, que vai jogar no segundo escalão do campeonato nacional e junta vários jogadores oriundos de países da CPLP.

Durante o evento será ainda desenvolvida uma atividade com os futuros jovens empreendedores do espaço da CPLP. A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) acolhe este encontro que vai reunir 50 jovens da região e 50 da CPLP.

“A CPLP pode-se tornar numa potência económica mundial. Está nos quatro cantos do mundo e tem um potencial de mercado de dois mil milhões de consumidores. Tem recursos naturais, ‘know-how’, tecnologia e uma posição geoestratégica importante”, afirmou Mário Costa.

O responsável disse que a CPLP vive um momento único que é preciso saber aproveitar, entre países unidos pela mesma língua.

“Temos dois tipos de países, Portugal e Brasil, com economias mais desenvolvidas, ‘know-how’ e tecnologia. Depois temos os países africanos e Timor Leste com economias virgens, mas com um potencial de crescimento enorme”, sustentou.

Criada em 17 de julho de 1996, a CPLP junta países espalhados por quatro continentes – Europa, América, África, Ásia – nomeadamente Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Quinze meios aéreos mobilizados para fogos em Vila Real, Santarém e Castelo Branco

De acordo com a adjunta nacional de operações, da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), cerca das 09:00 estavam por dominar três incêndios nos distritos de Vila Real, Santarém e Castelo, mas sem populações ou aldeias em risco.

Patrícia Gaspar adiantou também que devido às previsões de tempo quente para os próximos dias foi elevado de amarelo para laranja o alerta especial do sistema integrado de operações e proteção de socorro para incêndios florestais até sexta-feira à noite.

“Efetuámos uma série de pré-posicionamentos preventivos para conferir maior capacidade de resposta sobretudo na zona norte e centro do país

“Neste momento não há populações em risco em nenhum dos incêndios. No incêndio em Paredes, Vila Real, continuam 434 operacionais, 130 meios e já foram mobilizados quatro meios aéreos. Este incêndio já teve três frentes ativas, neste momento tem uma e está a começar a ceder aos meios”, disse Patrícia Gaspar.

Automóvel incendiou-se no Túnel do Marão

Fonte da Infraestruturas de Portugal (IP) referiu que o alerta para o fumo na viatura foi dado às 12:26, tendo sido logo acionado o plano de emergência e contactados os meios, bombeiros e GNR, que se deslocaram imediatamente para o local.

O Túnel do Marão foi fechado nos dois sentidos. O acidente ocorreu na galeria sul, que liga Amarante a Vila Real, e a galeria norte foi fechada para servir de saída de emergência e de evacuação.

Os quatro ocupantes da viatura ligeira saíram ilesos pelo próprio pé.

A fonte referiu que, cerca de uma horas depois de ter sido dado o alerta de incêndio, foi reaberta a circulação entre Vila Real e Amarante.

Do outro lado procede-se à limpeza da via, remoção da viatura e irá ser feita uma verificação dos danos provocados na infraestrutura.

Para o local foram mobilizados 36 operacionais e 11 viaturas.

A 11 de junho, um incêndio num autocarro com 20 passageiros obrigou ao encerramento do túnel, cuja reabertura total se verificou a 18 de junho.

O túnel que liga Amarante, no distrito do Porto, a Vila Real, abriu em maio do ano passado e tem duas galerias gémeas, cada uma com duas faixas de rodagem e com um comprimento de 5.665 metros.

LUSA

EMPRESAS