Com a participação de parceiros de Portugal, Espanha, Irlanda, França e Reino Unido, o INTEGRATE procura melhorar os aspetos eco sistémicos da aquacultura integrada, centrando-se nas sinergias que resultam da produção conjunta de diferentes espécies aquícolas, nomeadamente o processo de bio mitigação. Simultaneamente trabalha o reforço das redes colaborativas entre o meio académico/científico, as empresas e as organizações governamentais, por forma a converter soluções inovadoras de aquacultura sustentável, numa realidade do ponto de vista técnico, legal e administrativo. Os objetivos do projeto passam ainda por comunicar os princípios e os benefícios do IMTA, a consolidação de produtos sustentáveis no setor das pescas e contribuir para o cumprimento dos objetivos regionais da UE, que permitam o uso eficiente de recursos. Em suma a promoção do crescimento verde e azul da aquacultura.

A aquacultura de macroalgas é uma atividade relativamente recente e inovadora em franco crescimento, resultado do abrangente potencial de utilização e interesse económico para as indústrias alimentar, cosmética, farmacêutica, nutracêutica e outras. Para além disso, o cultivo de macroalgas proporciona outros benefícios para o meio ambiente e para a sociedade, dos quais se pretende avaliar o valor através de uma discussão entre as partes interessadas e relacionadas com o cultivo de macroalgas em Portugal. Nesta discussão aberta, o público é convidado a partilhar o seu ponto de vista e perceções sobre que benefícios e que valor trazem o cultivo de macroalgas, contribuindo assim para o seu desenvolvimento económico, ambiental e social de forma sustentada.