Doutor Finanças lança Simulador de Salário Líquido para 2022

O Doutor Finanças, empresa especializada em finanças pessoais e familiares, acaba de lançar o Simulador de Salário Líquido 2022, uma ferramenta para todos os que querem ficar a saber como irá evoluir o seu salário no próximo ano.

1677

Com a atualização, e consequente publicação das tabelas de retenção na fonte, foi possível atualizar o simulador de salário líquido 2022. “Saber como irá evoluir o nosso salário é muito importante se queremos planear com precisão as nossas finanças para o ano que vem. Sabemos que os rendimentos das famílias vão subir, o que já é uma excelente notícia”, adianta Rui Bairrada, CEO do Doutor Finanças.

O lançamento desta ferramenta vai permitir que cada pessoa faça as suas simulações e perceba quanto vai ganhar em 2022. Por outro lado, e no panorama geral, verifica-se que nos últimos anos os rendimentos dos portugueses têm vindo a aumentar, devido às alterações que têm sido feitas nas tabelas de retenção na fonte. Este ano não é exceção, uma vez que em 2022 os rendimentos líquidos das famílias vão subir ligeiramente, na maior parte dos casos entre 1€ a 5€, dependendo da situação. Além da atualização das tabelas de retenção na fonte, ainda há mais alterações. Os salários até 710€ estarão isentos de descontos do IRS, aumentando assim o número de famílias que não fará estes descontos. Esta medida, significa um aumento de 24 euros quando comparado com o limite de 2021, e está relacionada com o aumento do salário mínimo para 705 euros.

Para fazer os cálculos e obtermos o valor do nosso ordenado líquido, devemos saber indicar todas as rubricas que compõem os nossos rendimentos. A primeira coisa que temos de saber é qual é o nosso salário base, mas também se temos outro tipo de rendimentos: comissões, prémios ou outros rendimentos extra. Estes valores são importantes para saber exatamente com quanto poderemos contar no final do mês. Por outro lado, é preciso ter em consideração os subsídios de Natal e de férias e a forma como são pagos. Estes subsídios são calculados com base no salário bruto base, mas podem ser pagos a 100% num determinado mês ou em duodécimos, por exemplo. E, neste último caso, recebemos uma parte todos os meses.

É necessário considerar ainda o subsídio de alimentação e a forma como este é pago: se em cartão/ticket ou se em remuneração. É que a forma (e o montante) de pagamento pode influenciar o valor de impostos que lhe é cobrado. Por último, a composição do agregado familiar também vai influenciar o valor do seu rendimento líquido. O facto de se ser casado ou de se viver em união de facto ou de ser solteiro, de não ter dependentes ou ter, fará a diferença na taxa de imposto que é aplicada todos os meses.