“A parceria com a PlenoEnergia tem contribuído para vários investimentos”

Isaías Varela, Presidente da Câmara Municipal de São Domingos, em Cabo Verde, deu a conhecer, aos leitores da Revista Pontos de Vista, como tem sido realizado o crescimento de São Domingos, e como as parcerias têm sido essenciais neste domínio, abordando uma em particular, ou seja, com a PlenoEnergia, e que tem sido muito importante no domínio da instalação e da produção que garante às famílias o acesso à energia.

1104

Atualmente, é Presidente da Câmara Municipal de São Domingos, em Cabo Verde. Para começar, quais foram os grandes objetivos a que se propôs, no início do seu mandato?
Colocar São Domingos na senda do desenvolvimento nacional, através da Promoção de um desenvolvimento sustentável, inclusivo e participativo, contribuindo para a afirmação e competitividade do mesmo no contexto da ilha de Santiago/Região Santiago Sul, implementando medidas de politicas e programas nas diferentes áreas estratégicas de intervenção, de modo a assegurar um padrão de vida digno aos seus munícipes, contribuindo para a redução da pobreza extrema e as desigualdades sociais; Transformar São Domingos num município de oportunidades, atrativo para investimentos estruturantes, dinâmico, produtivo, gerador de empregos e rendimentos dignos e com qualidade de vida e bem-estar social.

Localizado na parte Sudeste das Ilha de Santiago, o Município de São Domingos estende-se por um território de 134,6km2. Face às mudanças que se dão no mundo, de que forma este Município tem conseguido adaptar-se e ultrapassar os desafios mais prementes?
As parcerias com poder central, empresas privadas, Organizações não governamentais, organismos internacionais e Câmaras geminadas têm ajudado ao município a driblar dos prementes desafios, cofinanciando projetos de desenvolvimento e ações concretas focalizadas nas camadas sociais mais desfavorecidas do município. A situação do município reclama uma descriminação positiva por parte do seu principal parceiro, o Governo de Cabo Verde, no sentido de disponibilização de mais recursos e edificação de infraestruturaras de centralidade para a promoção da economia local

Sabemos que, atualmente, a Câmara Municipal de São Domingos tem projetos que ligam Cabo Verde a Portugal. Com que perspetiva encara a ligação ao território português?
No quadro de parcerias estratégicas entre Cabo Verde e Portugal, que é o nosso principal fornecedor e cliente, origem dos principais investimentos externos em Cabo Verde e país de acolhimento da nossa segunda comunidade emigrada, Portugal inspira atenção especial de todos os municípios cabo-verdianos, sempre numa lógica de atrair empresas portuguesas para realização de investimentos no município nas várias áreas de desenvolvimento nomeadamente energias renováveis, construção civil, indústrias, têxteis e transformação, turismo, desportos náuticos, infraestruturas de pesca e de lazer (marinha, a grande ambição do município), imobiliária, plataformas logísticas, na perspetiva de melhor integração da nossa diáspora entre outros. Ainda, numa perspetiva de procurar oportunidades de formação e capacitação dos jovens e quadros do concelho.

Entre os projetos anteriormente mencionados, sabemos que existem três deles com a PlenoEnergia. Fale-nos um pouco desta parceria e dos projetos que estão ativos.
Com a PlenoEnergia há o projeto de instalação de Unidades de Produção para Autoconsumo, que consiste na instalação painéis fotovoltaicos nos edifícios públicos municipais. Ainda há um outro que tem a ver com ligação de energia a duas localidades do município (Dacabalaio e Chaminé), que carecem de cobertura da rede elétrica.

A PlenoEnergia é uma comercializadora de energia, com forte vertente para o desenvolvimento de soluções que reduzam as emissões de carbono. Assim, quão importante é que a Câmara Municipal de São Domingos aposte fortemente neste âmbito e que leve energia a zonas mais recônditas da sua região?
Primeiro porque o município se engaja fortemente no compromisso do país quanto à redução de emissões de carbono no quadro do programa nacional de transição energética e ecológica. Depois, o sistema de montagem e instalação é muito mais prático e menos oneroso para o município, na medida em que não requer muitos investimentos em termos de logísticas dada à pequena dimensão populacional, que além de pequenez é uma população envelhecida. Existem condições ambientais favoráveis que permitem a instalação e a produção que garante às famílias o acesso à energia necessária.

Certo é, Cabo Verde, está na linha da frente daquilo que é a revolução sustentável. É, por isso, imprescindível trazer Recursos Humanos para trabalhar na PlenoEnergia e fomentar a formação? De que forma, esta vertente tem sido um passo essencial no sucesso desta parceria?
Bem, não obstante a existência no país de um centro de formação em energias renováveis de excelência e manutenção industrial, consideramos importante o reforço das capacidades técnicas dos formandos em contextos diferentes de trabalho, de modo a desenvolver mais habilidades/competências, conhecendo as boas praticas, importa-las e aplica-las no contexto local e nacional. Ainda, esta parceria tem constituído uma oportunidade enorme de ofertas de emprego para jovens a nível local, como mobilizadora de outros investimentos para o concelho.

Por fim, quais serão as grandes prioridades da Câmara Municipal de São Domingos a médio e longo prazo? De que forma a história deste Município continuará a passar por Portugal?
O Planeamento territorial, a infraestruturação, a requalificação urbana e ambiental como fatores importantes de criação das condições para a fixação dos quadros no concelho, atração de mais investimentos e residentes, projetos de promoção de acesso aos serviços básicos a todos os munícipes água, saneamento, educação formação, cuidados, entre outros. O nosso desenvolvimento a nível municipal segue o quadro nacional de parcerias, que tem Portugal como o principal parceiro e as nossas geminações e parcerias descentralizadas estão centradas no quadro das nossas sólidas e estratégicas relações com Portugal.