“O CESAE Digital está totalmente alinhado com os desígnios estratégicos do Ano Europeu das Competências”

Luís Ribeiro, Presidente CESAE Digital e António Pêgo, Diretor do mesmo, abordaram, em entrevista, a importância de 2023 como o Ano Europeu das Competências e o papel que este Centro para o Desenvolvimento de Competências Digitais tem tido, enquanto promotor de formação profissional e de reconhecimento no âmbito das áreas das Tecnologias da Informação e da Comunicação e do Digital. Saiba tudo.

461

A Comissão Europeia determinou que 2023 é o Ano Europeu das Competências. O objetivo é o de promover a aprendizagem ao longo da vida e o desenvolvimento de competências importantes no mercado de trabalho. Enquanto responsáveis de um Centro para o Desenvolvimento de Competências Digitais (CESAE), e conscientes das rápidas mudanças no mercado, quão importante tem sido este ano, para os profissionais, empresas e organizações dos vários setores?
A oportuna proclamação pela Comissão Europeia do ano de 2023 como o Ano Europeu das Competências, foi um modo de relevar a importância da Aprendizagem ao longo da vida como instrumento essencial para que os cidadãos europeus enfrentem com sucesso os desafios de um mercado de trabalho cada vez mais exigente, pratiquem uma cidadania plena numa sociedade plural e democrática e enfrentem as transições ecológica e digital com as melhores e mais atualizadas qualificações. O CESAE Digital associou-se de imediato a estas comemorações, nas suas realizações, participando em iniciativas europeias e recebendo em maio autoridades europeias responsáveis do Emprego e Competências, que participavam na Cimeira Social do Porto e se interessaram pelo nosso trabalho na Qualificação e Desenvolvimento das Pessoas.

Certo é, muito antes de 2023 ser estabelecido como o Ano Europeu das Competências, o CESAE já caminhava lado a lado com os objetivos propostos nestes meses que já decorreram. Como parte do sucesso da organização, de que forma o Centro de Competências tem sido a mudança-chave na abordagem a desafios multi-tecnológicos?
O histórico do CESAE Digital fala por si em termos do seu contributo para o desenvolvimento das qualificações em Portugal. Nasce em 1985 no âmbito das ajudas da pré-adesão de Portugal à CEE, graças à visão pioneira dos dirigentes do IEFP e da AIP na altura. Nasce como Centro de Informática e desde aí consagra todas as suas energias à formação de competências informáticas durante os primeiros anos, competências em tecnologias de informação e comunicação ao longo da década de 90 e início do século e hoje é um Centro reconhecido de formação e desenvolvimento das competências digitais. Contribui decisivamente durante esse período para a melhoria da empregabilidade dos ativos empregados ou desempregados e para a melhoria da competitividade das empresas.

Atualmente, o CESAE tem uma forte ligação com Universidades e Institutos? Se sim, é legítimo afirmar que esta ligação está alinhada com o objetivo do Ano Europeu das Competências de atrair pessoas com as competências necessárias de outras geografias, facilitando a sua mobilidade e o reconhecimento das suas qualificações? Por que motivo isto é essencial?
O CESAE Digital está totalmente alinhado com os desígnios estratégicos do Ano Europeu das Competências, designadamente através de:
– Promoção de investimento permanente das pessoas nas suas competências e qualificações através de modalidades de requalificação, potenciadoras de novas aprendizagens e novos perfis profissionais;
– Adaptação permanente às necessidades do mercado de trabalho em articulação com os parceiros sociais e as empresas;
–  Promoção de ações em áreas da transição digital, orientadas para a transformação da economia e para a melhorias dos seus índices de competitividade;
– Assegurar a participação inclusiva do maior número de pessoas na promoção das suas competências digitais, quer através de programas de literacia digital, quer através de espaços de cidadania digital que assegurem a integração social dos setores mais vulneráveis da nossa sociedade;
– Promover o intercâmbio de experiências através do benchmarking internacional, conhecimento de boas práticas e captação e o reconhecimento das qualificações dos talentos que nos procuram através da mobilidade internacional.

Segundo a Comissão Europeia, em 2021, existia uma escassez de mão de obra em 28 profissões. Tendo em conta a vossa experiência, considera que o investimento contínuo e eficaz na formação e na melhoria das competências irá ajudar a colmatar esta realidade?
Adequar competências técnicas e comportamentais às necessidades de cada negócio é hoje um imperativo incontornável que todas as Empresas devem enfrentar e em que a melhor maneira de o fazer é através do investimento em formação profissional de natureza mais ou menos especializada e com dinâmicas comportamentais que permitam aos trabalhadores enriquecer os seus desempenhos profissionais. Uma aprendizagem baseada no estímulo à autonomia, criatividade e capacidade de resolução dos problemas é essencial para prepararmos os trabalhadores do futuro, mais (re)qualificados e aptos a enfrentar os desafios tecnológicos e societais que aí vêm.

Foi com este intuito que podemos afirmar que surgiu o Digital Reskilling? Falem-nos deste Programa e qual o foco principal na concretização do mesmo e das parcerias desenvolvidas para o concretizar?
O nosso Programa “Digital Reskilling” é um programa de qualificação e requalificação de ativos em áreas emergentes das competências digitais. Trata-se de um programa que responde às necessidades do mercado e da indústria, capacitando cada um, valorizando a sua experiência e a sua formação. Por isso o mote “come as you are” (tema da célebre música dos Nirvana) faz todo o sentido neste programa: trata-se de valorizar a Requalificação enquanto aprendizagem ao longo da vida, mas sem desvalorizar o que a pessoa é: “vem como és” – porque esse é o segredo do sucesso de uma boa requalificação – o património de experiência e de vida de cada um, independentemente da sua área de conhecimento original. A Requalificação demonstra a capacidade de tornarmos melhor, de apurarmos as capacidades e a experiência de cada um(a) e de, reorientando-o(a) para novas aprendizagens, permitir o acesso a novos desafios profissionais e a resposta aos desígnios digitais dos nossos tempos. Por isso dizemos que o Digital Reskilling é um instrumento de valorização permanente das Pessoas tal como elas são, extraindo todo o seu potencial para novas funções através da Requalificação.
Neste como noutros Programas desenvolvidos pelo CESAE Digital, os nossos conteúdos estão alinhados com a modernidade e as orientações da União Europeia para a valorização crescente do papel das Mulheres nas novas profissões digitais e o seu contributo para uma sociedade mais digital, através do projeto como o “Girls can Code”, que procura dar visibilidade mediática a essa participação feminina nas dinâmicas da transformação digital.