“Sim, considero-me empreendedora”

A Revista Pontos de Vista foi conhecer o Sanna Handmade, um espaço que «brinda» a arte do artesanato e não só e que abriu em maio passado, em plena pandemia e que revela e bem a coragem e tenacidade de Susana Santos, Proprietária do espaço. Saiba mais.

827

Quem é Susana Santos e porquê a aposta da Sanna Handmade?
A Susana Santos é uma mulher com coração de menina, sonhadora, lutadora, com uma mente criativa. Desde muito cedo viu-se obrigada a lutar por aquilo que queria, tendo que, na maior parte das vezes, ultrapassar obstáculos e barreiras que atrasaram no tempo a realização desses mesmos sonhos. Exemplo disso foi o facto de vir para Lisboa com apenas 20 anos, sozinha, sem conhecer ninguém, integrar a primeira incorporação de mulheres militares na
Marinha Portuguesa, apenas em busca de um futuro melhor, que a sua terra na altura não lhe proporcionava.
A Sanna Handmade é o tal sonho que ficou preso no tempo e que só agora teve autorização de crescer. Sanna é a minha alcunha dos tempos de escola e o Handmade vem da minha paixão pelo artesanato, que sempre me acompanhou como hobby. A minha área de formação é, e sempre foi, Recursos Humanos (após sair da Marinha) mas, após 20 anos de muita dedicação, trabalho árduo e fora de horas, este capítulo da minha
história termina com um burnout que me fez repensar prioridades de vida, de família, de saúde e, finalmente, abraçar outra paixão que até então era um hobby e passou a ocupar a tempo inteiro a minha nova profissão, a de empresária, artesã e dona da loja/atelier criativo Sanna Handmade. Foi uma autêntica reviravolta na minha vida, um começar de novo!

Quando foi edificada a Sanna Handmade e como é que a marca tem assumido um crescimento e contributo ao mercado através de pilares como a qualidade, excelência e rigor?
A marca Sanna Handmade começou, inicialmente, como peças artesanais vendidas em pequenas feiras, amigos e familiares. Quando abandonei a área de Recursos Humanos, cresceu e tornou-se numa loja e abriu portas ao público, em geral, no passado dia 9 de maio de 2020. Sim, em plena pandemia! Foi um grande desafio. Uma das minhas preocupações quando preparei o projeto de abertura da loja, foi ter em conta a criação de um espaço diferente e que colmatasse a falta de oferta de certos produtos e serviços na zona de Agualva-Cacém. Assim, hoje posso afirmar, com base nos comentários e
elogios recebidos dos clientes que nos visitam, que foi uma boa aposta. Temos ido ao encontro dos clientes com qualidade dos artigos, proximidade, diversidade, inovação num espaço acolhedor e moderno. A Sanna Handmade pretende ser conhecida e distinguida por isso mesmo, pela satisfação do cliente na oferta de artigos de qualidade.

Diz que a loja “Sanna Handmade” pretende ser muito mais do que uma simples Retrosaria. O que quer dizer com isto?
A Sanna Handmade além de Retrosaria é um espaço criativo preparado para ter aulas de formação e workshops dentro da área do artesanato. Estamos a tratar, junto da DGERT, da certificação do espaço para poder ter aulas certificadas de costura. Além disso, o espaço permite a realização de eventos de caris artístico, nomeadamente, direcionado para as camadas mais jovens, inclusive ocupação de tempos livres nos períodos de férias escolares. Pretendemos atrair a juventude para algo que lhes faça ganhar interesse por outros hobbies que não eletrónicos e assim contribuir para o seu desenvolvimento nas artes manuais que se têm vindo a perder ao longo dos tempos. Queremos ainda, com a realização de workshops de reciclagem e reaproveitamento, sensibilizar a população para a sustentabilidade do planeta. Sinto que tenho aqui uma oportunidade de ouro para fazer a diferença.

É legítimo afirmar que a Sanna Handmade pretende ser um espaço criativo para os outros/clientes? Explique um pouco este conceito.
Sim, é verdade. O nosso cliente pode vir dar asas à sua imaginação no nosso espaço e costurar os seus modelitos caso não tenha acesso a uma máquina de costura, uma vez que temos uma sala equipada com várias máquinas de costura da marca Bernette que, sendo modelos de ótima qualidade, garantem ao nosso cliente um trabalho fácil, cómodo e profissional.

Considera-se uma Mulher empreendedora? Ser uma Mulher empreendedora em Portugal é difícil? Sente que o facto de ser mulher lhe criou mais obstáculos ou nunca sentiu ao longo da carreira essa realidade?
Sim, considero-me empreendedora e sim, é difícil ser-se empreendedor em Portugal. Não pelo facto de ser mulher, mas pelo facto de haver muita burocracia, muita lentidão nos processos, muitas organizações estatais com funcionários mal-informados que nos fazem perder tempo com falsas informações e, como tempo é dinheiro, torna o processo de criação de um negócio muito complicado e, muitas das vezes, em parte, desanimador (falo pela minha experiência pessoal). Quanto ao facto de encontrar obstáculos ou dificuldades por ser mulher, encontrei sim, no passado. Mas, com o passar dos anos, a mentalidade foi evoluindo e, hoje em dia, já não noto tanto essa diferença. Creio que as Mulheres de hoje em dia têm um futuro melhor pela frente.

Quais são as mais valias de uma liderança no feminino? A verdadeira liderança não tem género, ou seja, não podemos dizer que a liderança feminina é melhor que a masculina e o inverso também?
Na minha opinião e pela minha experiência profissional, tenho verificado algumas diferenças entre a liderança no feminino e masculino, que, por vezes, se destacam. Nomeadamente, a ponderação, a sensibilidade, a dedicação e o poder de observação. Talvez porque a Mulher desde sempre sente que tem que mostrar o seu valor. No entanto, sempre trabalhei bem, tanto com homens como com mulheres na liderança das nossas equipas. Todos em conjunto fazemos “o pleno”.

O que podemos continuar a esperar de si e da sua marca para o futuro?
O futuro… O futuro é sempre uma incógnita, mas já temos algumas ideias em desenvolvimento e outras hão de surgir com o dia-a-dia, uma vez que, neste negócio, todos os dias, todas as horas e a qualquer momento, a inspiração aparece sem contarmos, nem esperarmos por ela. Por vezes basta olhar pela janela, para uma flor, para um tecido e uma ideia surge. É assim o artesanato, é esta a sua beleza!